Existem muitas formas de pintura, desde tinta acrílica até aquarela e óleo, e cada uma tem suas próprias vantagens e um conjunto único de técnicas. Hoje estamos nos concentrando no guache, uma tinta opaca à base de água que  tem uma infinidade de aplicações e permite que você crie trabalhos belíssimos.  

Primeiro, vamos começar com um curso de atualização sobre o que é o guache e o que o separa de outras formas de pintura. A partir daí, vamos mergulhar nas oito dicas profissionais que reunimos de artistas em atividade que ajudarão você a contornar alguns dos erros mais comuns que os novatos cometem ao aprimorar suas habilidades de pintura em guache.

Então, o que exatamente é guache?

Uma das melhores maneiras de aprimorar seu artesanato em guache é primeiro compreender bem o que ele é. Para responder a isso, contatamos Kate Joy Stetson, ilustradora e pintora de Lancaster, Pensilvânia, que está muito familiarizada com a técnica.

“O guache é uma tinta à base de água, semelhante à aquarela, mas com uma carga de pigmento maior e maior opacidade. Eu o usei pela primeira vez em meus estudos de fundação na Rhode Island School of Design (RISD), quando tive uma professora complicada cuja formação era em design gráfico. Ela adorava o guache por sua intensidade de cor”, nos  contou.

Aula ainda sobre ilustração em guache: pinte um personagem extravagante e colorido com Vanessa Gillings
Aula ainda sobre ilustração em guache: pinte um personagem extravagante e colorido com Vanessa Gillings

Depois de um pouco de tentativa e de erro, Stetson diz que realmente aprendeu a amar o guache por sua flexibilidade, observando que ele pode ser diluído em aquarela e até remolhado depois de se tornar endurecido, para uso posterior. Ela também passou a admirar sua capacidade de resgatar técnicas clássicas de ilustração.

“O guache é diferente da tinta acrílica, que é outra tinta à base de água, pois ele pode ser remolhado como a aquarela, enquanto a acrílica não. O guache também tem um toque seco e pegajoso, enquanto a acrílico e o óleo podem ser aplicados com uma pincelada mais rápida”, explica. Além disso, quando a tinta acrílica seca, ela é bem brilhante, enquanto o guache seca macio e fosco, mais parecido com uma pintura em aquarela.

O principal veículo usado no guache que, a propósito, tem uma história rica que remonta a mais de 600 anos, é um pigmento natural muito parecido com a aquarela. As diferenças principais entre as duas são que os tamanhos das partículas são maiores no guache, ele usa aglutinantes como a goma arábica e a dextrina, e também utiliza enchimentos brancos, como o giz, para tornar a consistência mais pesada e opaca.

Pronto para usar a tinta guache? Aqui estão alguns ótimos conselhos para se ter em mente ao começar.

Tente não pensar no guache como aquarela

Embora o guache e a aquarela tenham várias sobreposições e semelhanças, eles não devem ser confundidos na aplicação.

“O erro mais comum que as pessoas cometem ao usar o guache pela primeira vez é usá-lo como aquarela”, diz Pooja Shah, uma pintora de Nova York que trabalha com tinta acrílica, aquarela, impasto e, é claro, guache. “A opacidade é a principal característica do guache, por isso deve-se usar a quantidade certa de água para obter essa opacidade e o acabamento fosco. Muita água faz com que pareça aquarela, e muito pouca água pode levar a rachaduras na superfície da tinta depois que ela seca.”

A consistência da tinta é muito importante, diz Shah, e deve ser “como creme que escorre facilmente do pincel”. Não tem certeza se você pegou o jeito? Não se preocupe. Encontrar a mistura certa de tinta e água vai ficar mais fácil  quanto mais você trabalhar com o veículo.

Aula ainda de Além da aquarela: aprenda a pintar com guache com Leah Goren
Aula ainda de Além da aquarela: aprenda a pintar com guache com Leah Goren

Faça gráficos de cores e amostras para todas as suas tintas

É fácil se empolgar e querer levar sua tinta guache da paleta para a tela, mas criar gráficos de cores com antecedência vai beneficiar seu fluxo de trabalho e sua carteira.

“Teste as cores antes de usá-las, talvez criando gráficos com matizes, que são cores misturadas com branco, e com sombras, que são cores misturadas com preto, para que você possa consultá-las (enquanto pinta)”, aconselha Stetson. “O guache é caro e às vezes implacável, então testar as cores ajuda a planejar qualquer trabalho futuro, pois você vai saber como produzir a cor desejada.”

Mesmo se você estiver usando a cor direto do tubo sem sombrear ou matizar, é muito provável que não seque a cor exata. Shah observa que tons escuros de guache tendem a ficar um pouco mais claros depois que secam, enquanto tons mais claros podem parecer mais escuros do que o esperado. Pense nisso como comprar amostras de tinta antes de pintar toda a casa ou ver exemplos de esmalte antes de escolher uma cor para pintar as unhas.

Opte por pincéis sintéticos

Embora possa parecer contra-intuitivo,  (o real é melhor, certo?), Shah diz que os pincéis sintéticos tendem a funcionar melhor para a pintura a guache em comparação com os pincéis de cerdas naturais. Ela explica: “A capacidade de retenção de água da escova de cerdas sintéticas é menor do que a da escova de cerdas naturais. (Ao usar a sintética), você pode controlar melhor a quantidade de água que entra na tinta e evitar riscos também.”

Aula ainda de ilustração botânica: pinte um jardim colorido com aquarela e guache com Sara Boccaccini Meadows
Aula ainda de ilustração botânica: pinte um jardim colorido com aquarela e guache com Sara Boccaccini Meadows

Comece com algo em pequena escala

Todo mundo tem que começar por algum lugar, e os artistas com quem conversamos recomendaram começar com um projeto de pequeno escopo e uma paleta de cores limitada para suas primeiras pinturas. Ao aderir a cerca de três a cinco tons em vez de todo o espectro, você pode reduzir o risco de acabar com cores lamacentas em sua tela. Eles também recomendaram escolher projetos de pintura que sejam divertidos e acessíveis. Você não quer correr o risco de se sentir esgotado ou frustrado em seus primeiros projetos.

Como iniciante, é melhor começar sempre com tinta fresca

Uma das coisas mais maravilhosas (leia-se: muito práticas) sobre o guache é que, mesmo depois que a tinta secar na paleta, você pode reativá-la novamente com uma ou duas gotas de água. (Na verdade, você pode até reativar um tubo inteiro seco com um pouco de glicerina e água.) Como iniciante, porém, nossos artistas profissionais recomendam usar tinta fresca diretamente do tubo em suas primeiras pinturas.

Indiscutivelmente, uma das coisas mais complicadas sobre a pintura a guache é obter a consistência certa. Ao usar apenas tinta fresca em vez da reativada, suas tintas terão uma consistência mais previsível. Depois de se familiarizar com as tintas guache em geral, você pode começar a brincar com a consistência da tinta reidratada.

Dê à camada de base a chance de secar antes de continuar

“Ao trabalhar com várias camadas de tinta guache, certifique-se sempre de que a camada de base tenha secado completamente (antes de começar uma nova camada},” diz Shah. “Isso é importante porque o guache é facilmente reativado com água, então se a camada de base não secar completamente, a próxima camada vai sangrar na camada de base, criando cores lamacentas.” A secagem leva apenas alguns minutos.

Shah acrescenta que outra maneira de ajudar a evitar qualquer possível turvação é usar um aglutinante acrílico para fixar a camada de base, embora isso possa reduzir o acabamento fosco da tinta.

Aula ainda de Além da aquarela: aprenda a pintar com guache com Leah Goren
Aula ainda de Além da aquarela: aprenda a pintar com guache com Leah Goren

Vá devagar e com calma enquanto pinta e trabalha as camadas

O guache requer técnica metódica e cuidadosa para criar o resultado mais bonito.

“A pintura com guache é lenta e cheia de textura. Para a camada de base, contorne grandes blocos de cor antes de preenchê-los. Essas camadas de base deixam uma borda elevada que permite um bloqueio fácil de cores,” diz Shah. “Para as camadas subsequentes, vá mais devagar com a aplicação, pois as camadas abaixo vão se misturar com a cor superior. Pintar uma segunda camada em cima do guache tem textura semelhante à sensação da língua de um gato.”

Algumas boas regras em relação às camadas são trabalhar desde cores claras a escuras (você pode pintar com mais facilidade algo escuro sobre a luz em vez de vice-versa), bem como de consistência mais fina para mais espessa. Também é melhor começar pintando formas maiores e depois fazer formas menores na parte superior, o que permite que as camadas inferiores de cor e design ainda apareçam. Pense nisso como se sua pintura estivesse diminuindo o foco à medida que você se aproxima da conclusão.

Não se esqueça de proteger sua obra-prima

Stetson destaca a importância de proteger sua pintura em guache, quer esteja quase finalizada ou pronta para ser pendurada. Ela diz: “Assim como a aquarela, o guache pode ser destruído por uma gota errante de água. Você pode usar fixador em spray para ter um pouco de proteção, mas nada vai mantê-lo absolutamente seguro sem estragar algumas de suas qualidades.”

A melhor proteção de todas? Uma moldura de vidro de qualidade, que vai complementar sua pintura lindamente, não importa onde você decida exibi-la.

Explore o seu guache

Aventuras com guache: técnicas de pintura e padronagem com Kate Cooke


Quer aprender mais sobre guache? Skillshare tem dezenas de aulas para ajudar você a começar.

Imagem da capa: Aula ainda de ilustração botânica: pinte um jardim colorido com aquarela e guache. com Sara Boccaccini Meadows

Written By

Wendy Rose Gould

  • Click here to share on Twitter
  • Click here to share on Facebook
  • Click here to share on LinkedIn
  • Click here to share on Pinterest