Teoria musical: explorando som, ritmo e melodia no MIDI Grid | Fernando Arruda | Skillshare

Velocidade de reprodução


  • 0.5x
  • 1x (Normal)
  • 1.25x
  • 1.5x
  • 2x

Teoria musical: explorando som, ritmo e melodia no MIDI Grid

teacher avatar Fernando Arruda, Musician, Producer, DJ

Assista a este curso e milhares de outros

Tenha acesso ilimitado a todos os cursos
Oferecidos por líderes do setor e profissionais do mercado
Os temas incluem ilustração, design, fotografia e muito mais

Assista a este curso e milhares de outros

Tenha acesso ilimitado a todos os cursos
Oferecidos por líderes do setor e profissionais do mercado
Os temas incluem ilustração, design, fotografia e muito mais

Aulas neste curso

50 aulas (5 h 15 min)
    • 1. Trailer

      1:00
    • 2. Será que a teoria musical é importante?

      6:57
    • 3. Sequenciador MIDI Vs. notação tradicional

      2:32
    • 4. Criando uma programação de prática

      3:59
    • 5. Ondas de som e a paleta de 12 tons

      8:38
    • 6. Agudos, graves, um tom e meio tom

      8:00
    • 7. Tensão, resolução e formas musicais

      10:20
    • 8. Densidade musical

      3:03
    • 9. Ritmo simples: duplo, triplo e quádruplo

      6:26
    • 10. Comprimentos de notas simples

      3:22
    • 11. Tercinas

      5:47
    • 12. Seis intervalos maiores: segunda maior, terça maior, quarta justa, quinta justa, sexta maior e sétima maior.

      Answers to 2 Interval Challenge Questions.png
      7:11
    • 13. Quatro intervalos menores: segunda menor, terça menor, sexta menor e sétima menor

      4:52
    • 14. Quarta aumentada e quinta diminuta

      5:27
    • 15. O projeto de intervalos

      5:51
    • 16. Escalas maiores

      4:15
    • 17. Escalas relativas menores

      8:59
    • 18. Escalas menores harmônicas e melódicas

      9:28
    • 19. Recapitulando as escalas básicas

      5:41
    • 20. Tríades maiores e menores

      7:37
    • 21. Tríades diminutas e aumentadas

      3:39
    • 22. Tocando tríades

      9:34
    • 23. Dois tipos de acordes: sétima maior e sétima dominante

      5:57
    • 24. Dois tipos de acordes: sétima menor e meio diminuto

      6:04
    • 25. Três acordes diminutos

      3:54
    • 26. Lendo símbolos de acorde e tocando

      8:45
    • 27. Encontrando os acordes diatônicos maiores

      7:55
    • 28. Como esses acordes funcionam (tensão e resolução)

      3:51
    • 29. Explorando músicas feitas com acordes diatônico maiores

      10:42
    • 30. Esboçando músicas

      4:18
    • 31. Encontrando os acordes diatônicos menores

      9:44
    • 32. Como esses acordes funcionam (tensão e resolução)

      3:17
    • 33. Explorando músicas feitas com acordes diatônicos menores

      9:49
    • 34. Conhecimento de acorde e composição de música

      9:38
    • 35. Métrica composta: binária, ternária e quaternária

      6:29
    • 36. Sincopação

      9:55
    • 37. Métrica complexa

      4:35
    • 38. Escalas cromáticas

      3:39
    • 39. Escalas de tons completos

      2:56
    • 40. Escalas diminutas

      6:02
    • 41. Ouvindo uma escala diminuta em contexto

      2:06
    • 42. Possibilidades de notas: extensões de acorde maior

      5:14
    • 43. Possibilidades de notas: extensões de acorde de sétima menor e meia diminuta

      7:25
    • 44. Possibilidades de notas: extensões de acorde de sétima dominante

      5:48
    • 45. Inversões: posições raiz, primeira, segunda e terceira.

      3:14
    • 46. Acordes sem raiz

      8:48
    • 47. Princípios básicos de comando de voz

      8:44
    • 48. Modulação

      7:21
    • 49. Harmonia modal

      5:24
    • 50. Progressões de acorde comum

      10:53
  • --
  • Nível iniciante
  • Nível intermediário
  • Nível avançado
  • Todos os níveis

Gerado pela comunidade

O nível é determinado pela opinião da maioria dos estudantes que avaliaram este curso. Mostramos a recomendação do professor até que sejam coletadas as respostas de pelo menos 5 estudantes.

10.071

Estudantes

13

Projetos

Sobre este curso

Crie de 30 a 60 segundos de música que incluem melodia e acordes. Você também pode adicionar uma linha de baixo e um loop de bateria. Use seu kit de ferramentas de conceitos teóricos: escalas, acordes, ritmos, progressões e harmonias para criar música que realize sua visão criativa.

Aprenda como a música funciona para poder criar músicas com mais eficiência e criatividade. Este curso do compositor, DJ e produtor Fernando Arruda é uma introdução à importância da música, como o som funciona, o que os músicos transmitem com notas individuais e construções básicas sobre densidade das notas, acordes, e ritmos.

O curso foi criado para os produtores, músicos e DJs da atualidade que criam conteúdo em computadores. Ao invés de utilizar notações tradicionais, o curso foca em como aplicar conceitos musicais centrais ao MIDI Grid (a “interface digital de instrumento musical” usado em todos os softwares de áudio).

Se você usa Ableton, Pro Tools, Logic ou outro programa de áudio, você será capaz de aplicar esses conceitos na criação, composição e mixagem dos sons que você realmente deseja trazer à vida.

Conheça seu professor

Teacher Profile Image

Fernando Arruda

Musician, Producer, DJ

Professor

Fernando Arruda is a Brazilian sound professional and composer based in Brooklyn, New York. As an composer, artist, audio engineer and sound designer, Fernando set out to garner an accomplished 360 degrees wealth of skills and experience within the sound industry, allowing him to work on projects as diverse as film, documentaries, animation, concert music, interactive media and much more. Fernando showcases an articulate and rich musical vocabulary, as he feels at home whether he's working on a hip-hop track or on an orchestral score.

Fernando Arruda organizes sounds. As a multi-instrumentalist performer (saxes, flute, clarinet, piano, acoustic guitar, EWI4000s and synths), composer, and sound designer, he merges live acoustic performances with heavily processed electro... Visualizar o perfil completo

Nota do curso

As expectativas foram atingidas?
    Superou!
  • 0%
  • Sim
  • 0%
  • Um pouco
  • 0%
  • Não
  • 0%
Arquivo de avaliações

Em outubro de 2018, atualizamos nosso sistema de avaliações para melhorar a forma como coletamos feedback. Abaixo estão as avaliações escritas antes dessa atualização.

Por que fazer parte da Skillshare?

Faça cursos premiados Skillshare Original

Cada curso possui cursos curtas e projetos práticos

Sua assinatura apoia os professores da Skillshare

Aprenda em qualquer lugar

Faça cursos em qualquer lugar com o aplicativo da Skillshare. Assista no avião, no metrô ou em qualquer lugar que funcione melhor para você, por streaming ou download.

Transcrições

1. Trailer: Oi. Sou Fernando Arruda. Sou músico, produtor e compositor. Teoria da música para mim um monte de dispositivos e um monte de ferramentas para usar quando você se encontra em um beco sem saída criativo. Você vai ser capaz de trabalhar em qualquer software de bandas de garagem para Ableton, Logic e Pro Tools. Você vai ser para criar melodias, você vai ser capaz de criar acordes, e você vai ser capaz de criar linhas de baixo. Você vai ter noções de ritmo e noções de densidade musical. Se você não se julgar como um músico neste momento, não se preocupe, você estará em breve, e você estará fazendo ótimas músicas em pouco tempo. Você será capaz de se expressar musicalmente de forma eficiente. 2. Será que a teoria musical é importante?: Ei caras. Por que a teoria musical é importante para os produtores? Em suma, a resposta é porque melhora a sua capacidade de ouvir música e porque torna a música mais fácil, mais rápida e mais divertida. Hoje em dia, os produtores de música são esperados para compor música, bem como para executá-la. Isso significa que você precisa ser um compositor e um mestre de seus instrumentos musicais simultaneamente. Em muitos casos, seu único instrumento de música será o computador e um bom software de música. É por isso que aprenderemos teoria musical em um sequenciador MIDI em vez de notação musical tradicional. Vídeo número dois desta unidade, vamos falar sobre isso. Como compositor, a teoria da música será muito útil para saber, não importa o tipo de música que você decidir fazer. Ao explorar o ritmo, a harmonia, a melodia, forma e a textura, a teoria da música revelará como funciona a música ocidental. Ele vai acelerar o seu processo criativo que é muito importante para os profissionais, mas também importante porque irá melhorar o seu fluxo de trabalho. Um fluxo de trabalho melhor significa mais tempo transformando suas inspirações em música, vez de gastar tempo em como transformar suas ideias em música. Tentativa e erro se torna uma opção, não uma necessidade. Em vez de compor por tentativa e erro, teoria musical lhe dará as ferramentas para apenas executar a música que você está ouvindo dentro de sua cabeça, em vez de adivinhar o que funciona e o que ela faz. teoria da música irá fornecer-lhe a melhor ferramenta para se soltar ao enfrentar um beco sem saída criativo. Como vocabulário musical de expansão da teoria musical, ele irá servi-lo como a ferramenta criativa final. Ele permitirá que você cavar mais eficazmente em estilos musicais passados e emprestar idéias de outros compositores. Tornará o processo de aprendizagem de instrumentos musicais e softwares musicais mais rápido e agradável porque você já conhece todos os conceitos musicais básicos. Nesse ponto, aprendizagem e instrumento musical ou um software de música é apenas uma questão de aprender técnicas mecânicas ou onde certos comandos estão. Permitam-me que dê um exemplo. Então Tiesto ouviu essa música de Samuel Barber. É Adagio para Cordas. É uma peça de quarteto de cordas, e ele emprestou a melodia e os acordes e para fazer um remix, para colocá-lo em seu estilo musical. Mas você não pode realmente fazer isso se você não consegue encontrar as notas da música original. Então a teoria da música irá ajudá-lo a fazer isso. Então, por exemplo, no meu caso, posso ouvir as notas que fazem essa música. Então eu sei como o anel E-Flat. Então eu posso ir. Então é só uma questão de você produzir o resto da música ao redor, mas a parte musical dela; as notas, os acordes, a base. Você pode ouvi-lo. A teoria musical vai ajudá-lo a fazer isso, e isso também é muito útil se você ouvir músicas em sua cabeça que você queria compor. Então, como por exemplo, então eu posso encontrar a primeira nota, e ir. Então, qualquer coisa que venha até você de seu coração, de inspirações, de qualquer número de lugares, você saberá como executá-lo aqueles em seu sequenciador MIDI. Há alguns equívocos sobre aprender a teoria da música. A teoria não se aplica aos gêneros musicais que faço. Bem, se você está usando as 12 notas de um piano, e 99 por cento da música ocidental usa, teoria da música informa como essa música funciona. Mesmo se você estiver fazendo música não-ocidental, teoria da música ainda fornecerá valiosa dentro de cada um desses ritmos, estruturas, fóruns e texturas. Temo que a teoria me prendesse. Teoria musical não é um requisito para fazer boa música. Mas certamente, esse conhecimento não será prejudicial ao nosso processo criativo. É uma ferramenta fundamental. E como qualquer ferramenta, resultados positivos dependem de como esse conhecimento é aplicado. Você não deve tomar decisões musicais porque a teoria diz isso ou aquilo. Você deve fazer música que você ouve de sua cabeça, de seu coração. teoria musical é apenas a maneira mais eficaz de extrair a música que você ouve em sua imaginação e fazer esses sons em uma realidade que outros podem desfrutar. Em suma, se você gastar o tempo para aprender como a teoria da música funciona, ela estará fora do caminho mais tarde. A idéia é estudar a teoria da música agora, então quando a inspiração atinge, tudo o que você tem a fazer é fazer música e não se preocupar com como fazer música. Vamos para o vídeo número dois onde vamos falar sobre a ferramenta que vamos usar para aprender a teoria da música, o sequenciador MIDI. 3. Sequenciador MIDI Vs. notação tradicional: Ei, pessoal. Vamos usar o sequenciador MIDI do software musical que você usa para aprender sobre teoria musical. Não vamos usar notação musical tradicional. Por quê? É muito desafiador aprender notação tradicional se você não tocar um instrumento tradicional e praticar ler e escrever o tempo todo. Como este curso é projetado para todos os produtores de música, vamos ficar com o instrumento musical que todos conhecemos, o computador. A maneira mais fácil de fazer música em um computador, é usando um sequenciador MIDI. Também queremos convidar músicos que não têm interesse em lidar com a notação musical tradicional, para aprender os conceitos da teoria musical tradicional. Por exemplo, Paul McCartney não pode ler notação tradicional, mas ele conhece os conceitos básicos da teoria musical. notação musical tradicional é a forma como os compositores comunicam ideias musicais ao artista. Mas, para a maioria dos produtores musicais hoje em dia, o artista é o computador, ou o DJ. O computador ou o DJ não se importam com a notação musical tradicional. Então, o que é um sequenciador MIDI? Um sequenciador MIDI, é uma grade que fornece uma linha de tempo na qual o usuário pode inserir arremessos, focaria em sequenciadores MIDI, constrói nos DAWs mais usados. DAWs significa, estações de trabalho digitais, o que significa softwares de música que você usará para fazer música. É assim que os sequenciadores MIDI aparecem no Logic, GarageBand, Proteus e Ableton. Durante nossas aulas, ficaremos com Ableton. O eixo y verticalmente, à esquerda geralmente, podemos encontrar as teclas do piano lateralmente. Arremessos altos no topo, e baixos arremessos na parte inferior. O eixo x horizontalmente no topo da grade geralmente, podemos encontrar a linha do tempo. O sequenciador MIDI é onde escrevemos as notas que criarão nossas canções, nossos projetos musicais. Vamos passar para o vídeo número três, e discutir as etapas do projeto para esta unidade. 4. Criando uma programação de prática: Pessoal, vamos discutir as etapas do projeto para esta unidade. Os criadores de música de sucesso precisam de 10% de talento e 90% de trabalho consistente. Saber por que você quer aprender teoria musical irá servi-lo como uma fonte de motivação para garantir que você está constantemente praticando isso. É tudo sobre impulso. Então, talvez tire um segundo e escreva por que quer aprender teoria musical. Mesmo que a Teoria da Música seja fácil de entender no início, para aplicar seus conceitos na prática, você precisa de tempo e paciência para permitir que a informação se afunde. A dinâmica mais importante a entender é como aprender a teoria da música. Dez minutos de teoria musical todos os dias, é muito mais eficiente do que passar oito horas estudando aos domingos e então você nem pensa em teoria musical por sete dias e então no próximo domingo você faz música por oito horas. Basta fazer um pouco todos os dias. Então, vamos aprender como fazer um cronograma de treino. Qual é a maior quantidade de tempo que você pode dedicar a estudar teoria musical todos os dias? Depois de responder a esta pergunta, escreva o cronograma de prática. que horas e por quanto tempo você vai estudar teoria musical às segundas-feiras? Que tal terças, quartas e assim por diante? Pode parecer assim se você quiser que você só estude teoria musical por 15 minutos por dia. Certifique-se de estar lá em que dia, que horas, e onde você estaria estudando teoria musical. Lembre-se do mantra. Um pouco todos os dias manter as frustrações e a desmotivação longe. A música é uma língua e, como tal, precisa tornar-se parte do seu novo estilo de vida. Você começa com 10 minutos todos os dias. Ele vai configurar uma rotina divertida e depois algumas semanas você pode aumentar gradualmente o tempo que você pratica todos os dias. Observe que se você dedicar apenas X quantidade de tempo por dia, não vá além desse limite, mesmo que você esteja desejando mais música, mais informações, não vá ao longo do tempo que você estipula. A idéia é parar de estudá-lo quando você ainda anseia por mais informações em vez de parar de estudá-lo quando você está esgotado. Se você está constantemente associado estudando música com sentimentos de estresse e fadiga, as chances são de que você vai parar de estudar música a longo prazo. Se você fizer um pouco todos os dias, você vai ganhar todas essas habilidades que você está procurando de forma fácil. Então, agora é a sua vez. Faça um horário de treino antes de prosseguir para as Unidades Dois. Depois que sua agenda estiver concluída, coloque-a ao lado do computador, perto da estação de trabalho ou ao lado do espelho que você tem em sua sala, um lugar que você pode ver todos os dias. Faça o seu melhor para seguir a sua agenda. Se você perder um dia, não se punir, reconhecê-lo e tentar o seu melhor para segui-lo no dia seguinte. Se você passar uma semana inteira seguindo precisamente sua agenda e você ainda anseia por mais informações, este é um sinal de que você deve ajustar sua agenda. Adicione 5 ou 10 minutos aqui e ali e tente por mais uma semana. Se você não está sendo capaz de manter sua agenda, reduza o tempo que você deve estudar por dia em incrementos de 5 ou 10 minutos e teste-o por mais uma semana ou mais. Lembre-se, aprender música, especialmente teoria musical é como aprender artes marciais, ninguém espera ter um cinturão negro depois de um ano de prática. O mesmo princípio se aplica à teoria da música, definir uma rotina consistente e desfrutar do processo. Os resultados começarão a brilhar quando menos esperar. Certifique-se também de conferir os recursos adicionais abaixo e divirta-se explorando a teoria da música. 5. Ondas de som e a paleta de 12 tons: Ei caras. Hoje vamos falar sobre ondas sonoras, oitavas e a paleta de 12 arremessos. Vamos começar a partir da pergunta mais fundamental, o que é música? A música pode ser definida como sons organizados e sons são feitos de ondas sonoras. O que são ondas sonoras? Definições tradicionais podem ficar complicadas, como a definição de Margaret Rouse, “Uma onda sonora é um padrão de perturbação causada pelo movimento de energia viajando através de um meio como o ar, água, ou qualquer outro líquido ou sólido matéria.” Para nossos propósitos, vamos apenas entender como uma onda se parece e como ela funciona em termos de intensidade e tom. Vamos dar uma olhada na escultura de Daniel Palacios. Aqui temos um alto-falante, e a membrana do alto-falante está empurrando o ar na frente dele em padrões específicos. Estes padrões de movimento são as ondas sonoras. Se essas ondas sonoras forem mais rápidas do que 20 ciclos por segundo e mais lentas do que 20.000 ciclos por segundo, produzirá som que os seres humanos podem ouvir. Alguns animais podem ouvir abaixo de 20 ciclos por segundo. Chamamos isso de sons infravermelhos. Outros animais podem ouvir acima de 20.000 ciclos por segundo. Chamamos os sons de ultrassom. Vamos dar uma olhada mais de perto em uma onda sonora. A amplitude da onda a altura da onda define o seu volume. Quanto maior a amplitude, mais alto é o som que está produzindo. É mais amplitude significa sons silenciosos. Assim, quanto mais curta uma onda é em termos de amplitudes, mais silenciosa ela soará. O comprimento da onda define seu tom. Quanto maior o comprimento, menor é o tom produzido. Algo como... Quase podemos ouvir aquelas ondas grandes, lentas, produzindo o som baixo, ouvir novamente. Ondas com comprimentos menores produzem notas de altura mais altas, por exemplo. Quase podemos ouvir vibrações muito rápidas aqui, frequências muito rápidas. Vamos tentar novamente uma nota diferente. Vamos dar uma olhada no pitch A4 no sequenciador MIDI. Para que essas notas sejam produzidas, algo tem que vibrar a 440 ciclos por segundo. Vamos dar uma olhada no pitch A4 no sequenciador MIDI. Para que essas notas sejam produzidas, algo tem que vibrar a 440 ciclos por segundo. fim de encontrar o A5 que é a mesma nota que A4, mas uma oitava acima, tudo o que temos que fazer é dobrar a frequência em que A4 está vibrando. Então, aqui temos 440 ciclos por segundo. Se quisermos encontrar um cinco que é este, precisamos dobrar a frequência original. Então, 440, 880 ciclos por segundo. O mesmo princípio se aplica se quisermos encontrar A3 que é o A abaixo A4. Então, este “A “aqui. Se este A é 440, este A aqui será metade, será 220 ciclos por segundo. A unidade que representa ciclos por segundo é chamada hertz ou simplesmente HZ. Isto significa que qualquer coisa que possa vibrar a uma frequência de 440 Hertz produzirá este tom, A4. Se você pode acenar suas mãos para cima e para baixo 440 vezes durante um segundo, suas mãos estarão produzindo este tom. Você sabe quando ouvimos mosquitos e o zumbido de suas asas gerar um arremesso como. Ouvimos que um arremesso faz barulho, e a razão é porque as asas dos mosquitos estão batendo a um ritmo que é rápido o suficiente para nós humanos ouvirem. Então, suas asas estão batendo em algum lugar entre 20 e 20 mil vezes por segundo. Uma guitarra, um violino ou mesmo um piano produz este tom vibrando suas cordas a uma taxa de 440 ciclos por segundo. Um saxofone tem palhetas de bambu no seu bocal. Essa cana é posta em movimento pelo vento vindo da boca do jogador. Quando vibra a 440 ciclos por segundo, produz, você adivinhou A4 direito. Instrumentos de latão como trompete, trombone, tuba, eles produzem essas notas vibrando seus lábios 440 ciclos por segundo, que é algo parecido. Isso não é bem um A, mas é assim que o zumbido que eles criam com seus lábios soa, e a ponta de seus lábios está vibrando 440 vezes por segundo. Em suma, é assim que a nota A é produzida. Mas e as outras notas? Na música ocidental, uma oitava. A distância entre duas das mesmas notas são divididas em 12 partes iguais. Chamo-lhe a paleta de 12 arremessos. Vamos contar e garantir que temos 12 partes diferentes entre esta distância. Um. Dois. Três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove, 10, 11, 12. Então a próxima nota, a 13ª nota é apenas a repetição das mesmas notas, certo? A A, A A. Estes 12 arremessos arqueando música ocidental, o mesmo que as 26 letras do alfabeto arqueando a língua inglesa. Eles são a base de tudo o que fazemos na música e eles são os blocos de construção a partir dos quais podemos criar melodias, linhas de baixo, harmonias. Mas o que é música ocidental? É mais fácil dizer o que não é música ocidental. Música da Indochina, Indonésia, música clássica indiana e ragas indianas, e música árabe tradicional não são considerados música ocidental, porque eles têm diferentes subdivisões de pitch dentro de uma oitava. Tudo o que significa é que entre estas notas entre uma oitava em vez de ter 12 arremessos como nós contamos que nós garantimos que temos 12. Eles teriam um número diferente, às vezes mais do que isso. Então, um piano não poderia realmente reproduzir essas músicas. Então, esses tipos de música são excluídos da teoria musical ocidental só porque eles têm um sistema de pitch diferente. Finalmente, você está familiarizado com ondas sonoras? Sabe o que é uma oitava? Sabe o que é uma paleta de 12 arremessos? Se sim, vá para a unidade dois, vídeo dois. Se não, assista a este vídeo novamente e tente amanhã. 6. Agudos, graves, um tom e meio tom: Ei pessoal, vamos falar sobre afiados, apartamentos, degraus inteiros e meio. A fim de discernir entre cada tom distinto, tradição ocidental usa as primeiras sete notas do alfabeto para nomear as teclas brancas do piano. Vamos começar escrevendo as notas sobre as teclas brancas do sequenciador MIDI. Está começando na A3. Então aqui, temos C3. Então, vamos subir aqui A3, vamos colocar uma nota lá. Agora, cada nota branca, então aqui, você vê que temos um cinza mais claro e cinza mais escuro. Então, cada branco, vamos colocar um bilhete. Agora, aqui, vamos repetir o A para não precisarmos dele. Então, temos sete notas. Agora, vamos ver os nomes A, B, C, D, E, F, G. E as outras cinco notas que faltam, as teclas pretas? Bem, a fim de encontrá-los, precisamos aprender sobre cortantes e apartamentos. Sharps, eles se parecem com isso, e apartamentos se parecem com isso. Sharps significam subir uma tecla de piano, não importa se é uma tecla preta ou branca. Então, se pegarmos esta nota aqui e fizermos esta nota afiada, isso significa que vamos subir uma tecla de piano, fácil, certo? Agora, se pegarmos este bilhete e formos afiados, é isso. Então, vamos para os apartamentos agora. Flats significam descer uma tecla de piano, não importa se é preto ou branco. Então, aqui, esta nota plana estará aqui, esta nota plana estará aqui, e esta nota plana estará aqui. Um pedaço de bolo, certo? Então, a distância entre cada nota no piano e a próxima nota, é chamada de meio passo. Então, esta sequência, esta sequência aqui, se é assim. Está se movendo meio passo porque cada nota seguinte, está subindo apenas por meio passo. Então, um passo inteiro é dois passos meio. Então, isso significa, cada nota que vamos subir por dois. Então, vamos do zero aqui. Então, temos um, certo? Então, um-dois, um-dois, um-dois, um-dois, um-dois. Isso significa que esta sequência agora, está subindo por etapas inteiras. Cada arremesso em que estamos, subimos por dois, dois, dois, um, dois, um, dois, um, dois, um, dois. Então, podemos dizer que os cortantes significam subir por meio degrau e os apartamentos significam descer por meio degrau. Então, se pegarmos este bilhete aqui e dissermos Vá afiado”, ou se você pegar este bilhete aqui e dizer “vá plano”. Um pedaço de bolo, certo? Então, vamos voltar à nossa sequência inicial, aquela que é simplesmente o alfabeto, então A, B, C, D, E, F, G, as teclas brancas do piano, e vemos aqui que há uma nota faltando aqui, uma nota faltando lá, uma terceira nota faltando aqui, e uma quarta nota faltando lá, e mais uma aqui antes da próxima A. Então, esta nota está em A, se eu subir meio passo, chama-se o quê? Um #. Esta nota aqui é um C, se eu subir um meio passo, ele se torna um C#. Esta nota é um D, se eu subir um meio passo, ele se torna um D#. Aqui, nós temos o E, nós temos o F. Agora, F, se você subir por meio passo ele se torna F#, e então G, se você subir por meio passo, ele se torna G#. Então agora, temos 12 nós quatro, quatro e quatro, e eles estão subindo por meio passo. Então agora, temos todos os nós. Observa que o piano tem uma tecla preta entre cada duas teclas brancas, mas há duas exceções aqui. Não há nenhuma chave preta entre dois brancos, e aqui, não há nenhuma chave preta entre dois brancos. Então, isso significa que a nota E, quando você levanta um meio passo deve ser chamado o quê? E #, certo? Mas quando você olha aqui, diz F. Bem, outra coisa estranha. Aqui, temos B. Então, se formos B a meio passo para cima, deve ser chamado B#. Mas agora, temos aqui C. Então, como é que isso funciona? Bem, nós vamos aprender sobre enharmónicos e significa enharmónico duas notas diferentes em nome que têm o mesmo tom, o mesmo som. Então F# enharmônica é Gb. Então, deixa-me mostrar-te isso. Então, aqui, temos F# então vamos encontrar o F aqui, é um F. Então, F# é um Gb. Vamos verificar isso, vamos tirar um G. Então, veja aqui, G. Agora, vamos descer meio passo do G, viu? As duas são as mesmas notas aqui. Eles são chamados F# ou Gb. Então, F# e Gb é a mesma coisa. Então, isso é tudo que essa palavra complicada significa, dois nomes diferentes para o mesmo tom. Então, mais uma vez, se tivermos B, digamos que temos um C, e vamos descer meio passo para que se torne um Cb, certo? Então, pedaço de bolo. Se eu te disser qual é a enharmónica para A #? Então, qual é a enharmónica para esta nota? Bem, será este notas aqui, B, baixou meio passo para Bb. Então, Bb é a mesma coisa que um afiado. Um pedaço de bolo? Agora, é a sua vez. Aprenda fazendo isso, movimentos e notas MIDI ao redor e esteja ciente de seus nomes e como eles soam. Então, por exemplo, esta nota, pode ser um F # ou um Gb. Ou, se eu movê-lo aqui, este é, digamos, um A# ou um Bb, ou este é um E, ou pode ser um Fb. Se você pode encontrar facilmente os seguintes arremessos em seu sequenciador MIDI, por favor, prossiga para o vídeo três. Se isso foi difícil para você, por favor assista este vídeo novamente, 7. Tensão, resolução e formas musicais: Ei caras. Ao contrário da pintura e da escultura, música é uma forma de arte temporal. Só pode acontecer a tempo. Isso significa que a música é tudo sobre movimento, mas movimento de onde ou para onde? A música está sempre se movendo entre tensão e resolução. Da resolução à tensão, da tensão à resolução. Vamos ver um exemplo. Então aqui temos Berlim, é uma música de seletores de modo do CD Monkeytown. Vamos ouvir como isso soa desde o início. Então aqui, vamos ouvir os acordes. Então, eu ouvi essa música e toquei no piano e encontrei as notas certas. Não se preocupe com isso agora, mas em breve você será capaz de fazer isso também, mas soa assim com um piano tocando os acordes. Então aqui, temos tensão e resolução. Vamos ver como isso se desenrola. Então, isso é bem relaxado. Isso é dança, resolução. Agora, tensão. Então, sua resolução, e então tensão, depois resolução, depois tensão. Então, basicamente esse bloco se move emocionalmente para essa tensão que nos empurra para uma resolução que nos empurra novamente para uma tensão. Eu fiz aqui um exemplo para você ouvir se todas as músicas eram tensões, poderia soar algo assim. Aqui, não temos nenhum movimento. É como tenso, tenso, tenso e dez. Vamos ouvir de novo. Estas são as mesmas raízes. Então, basicamente, as mesmas notas de base com acordes que estão todos tensos e eles não parecem estar se movendo em qualquer lugar. Vamos aprender a manipular essas tensões e essas resoluções enquanto você cria formas expressivas que queremos mais tarde quando aprendermos sobre tonalidade, acordes e harmonias. Uma vez que entendemos como mover a música entre tensões e resoluções, o próximo passo é organizar esses grupos de tensões e resoluções em seções, e usar essas seções para formar nossa composição musical. Por exemplo, introdução, versus, refrões, bridge, outro, ou podemos chamá-los cada uma dessas seções diferentes por letras. Então, seções semelhantes com letras semelhantes. Então, por exemplo, o verso sendo A, e o refrão sendo B, por exemplo. Então, podemos ter fóruns musicais como AABA ou ABACADAE ou variação A, variação BA, variação CA e assim por diante. Podemos ter muitos formatos musicais diferentes. Em vez de sobrecarregá-lo com definições tradicionais dessas formas, por exemplo, como formas binárias, ternárias, rondo, variacionais , desenvolvimentais e estrofônicas, vou simplesmente mostrar-lhe como descobrir qual é a forma do seu músicas favoritas. Dessa forma, você pode ir sozinho e descobrir qual é a forma de suas músicas favoritas, e quais são as formas mais usadas no estilo de música que você gosta. Ele irá ajudá-lo a organizar suas produções em fóruns musicais convencionais. Vamos ver um exemplo. Então, esta é a música da Amy Winehouse Rehab. Então vamos analisar a estrutura, o fórum com ela. Foi um grande sucesso. Então, algo interessante na forma deve estar acontecendo para que as pessoas se lembrem tão bem da música, para que as pessoas entendam e simpatizem com a música tão bem. Então, eu só vou deixar a música correr e mostrar as seções que formam a música. Observe que cada vez que temos a mesma letra, é porque a seção é a mesma. Talvez a letra seja diferente, mas a música é a mesma. Então, vamos dar uma olhada aqui. Vamos analisar rapidamente a melodia simples como Oh Susanna. Agora, é a sua vez. Vamos aprender fazendo isso. Então, pegue uma música que você realmente gosta, coloque o software de música e veja qual é a forma da música. Se você não quiser fazer isso no computador, você pode obter um pedaço de papel e escrever essas muitas batidas de A, essas muitas batidas de B, essas muitas batidas de C, e então A novamente, e então B. O importante coisa é para você manter o controle do quadro geral, a forma geral de músicas. Dessa forma, da próxima vez que você estiver fazendo uma música ou produzindo algum tipo de projeto musical, você pode ter um vocabulário de fóruns que você pode extrair para criar uma música muito eficaz. 8. Densidade musical: Pessoal, lembrem-se que aprendemos no vídeo um, que sons altos são feitos de ondas sonoras de comprimento curto e os sons de tom baixo são feitos de ondas sonoras de comprimento longo. Pense de uma maneira diferente, como um violino, uma flauta, um trompete, um ukulele, todos esses instrumentos produzem notas altas e são todos pequenos instrumentos. Pense no contrário, baixo acústico, tuba, fagote, bateria de baixo, todos produzindo notas de tom baixo e todos eles são instrumentos grandes. É assim que a física funciona. Devido a isso, os sons têm uma densidade diferente no registro mais alto do que em um registro inferior. Isso significa que o low-end de sua produção, só pode caber alguns elementos musicais. Por outro lado, no high-end de sua produção, no registro alto, você pode caber muitos elementos. Vamos ver a orquestra. Uma vez que, levou séculos para desenvolver este conjunto musical, vamos ver se este princípio da densidade musical se mantém por aqui. Vamos olhar para a seção de cordas. Para as cordas altas, que são os violinos, as violas, eles têm muitas delas. Para equilibrar o low-end, os violoncelos e os baixos, veja como poucos deles em comparação com o resto. Isso é porque no low-end, precisamos de menos, no high-end, podemos ter mais. Pense na música de dança eletrônica, o baixo e o baixo tambor, os chute tambores, são os únicos elementos no low-end no registo baixo. Todos os outros instrumentos ocupam o registo médio e o alto. A mesma coisa com a mistura de uma faixa, o low-end fará com que seus medidores saltem muito mais do que sons agudos. Mas, por que nos importamos com isso, quando estamos falando de teoria musical? Porque em breve, vamos começar a aprender sobre acordes e escalas, e como colocar acordes em sintetizadores, pianos, guitarra, e esse princípio é muito importante. Se os seus acordes, se as suas notas estão no registo baixo, faça-os estar longe uns dos outros. Se você está trabalhando com um registro alto, não se preocupe, você pode ter muitas notas, então, eles ainda vão soar bem. Mantenha um ouvido fora e você perceberá este princípio de densidade sonora, aplica-se a todos os sons em qualquer lugar e em qualquer lugar. É bastante fascinante. Agora, é a sua vez de aprender fazendo isso. Por favor, conclua as etapas do projeto abaixo, antes de prosseguir sua unidade três. 9. Ritmo simples: duplo, triplo e quádruplo: Ei, pessoal. Como mencionei na unidade anterior, música é uma forma de arte temporal e, como tal, só pode existir no tempo. Quando dividimos a quantidade dada de tempo em batidas e, em seguida, agrupámos um determinado número de batidas, chamamos de metro. Vamos dividi-lo em dois passos. Primeiro, divida uma determinada quantidade de tempo em batidas. Tudo o que significa é, escolha um tom de ativação de BPM e BPM. Está aqui, por exemplo. Significa batidas por minuto, que se relacionam com a velocidade da sua música. Um BPM maior, a música será mais rápida. Um BPM menor, a música será mais lenta. Um 120 BPM significa que em um minuto, teremos 120 batidas de igual duração cada. Dois, agrupe um determinado número de batidas. A maioria das músicas hoje em dia é feita de grupos de quatro batidas. Outros agrupamentos também são possíveis. Por exemplo, duas e três batidas por grupo. Esses grupos, o termo correto para ele é uma barra ou uma medida. Então, basicamente, o que estou dizendo aqui, se tivermos duas batidas por barra, chamamos de dupla. Se tivermos três batidas por bar, chamamos um triplo. Se tivermos quatro batidas por barra, que é mais comum o que é, chamamos de metro quádruplo. Não se preocupe com esses nomes. mais importante é saber como eles se parecem. Quatro-quatro significa quatro batidas por bar. Três-quatro significa três batidas por bar. Dois-quatro significa duas batidas por bar. Então, deixe-me mostrar alguns exemplos. Vamos ouvir esta música e tentar sentir a batida forte. Vamos tentar contar quantas batidas temos em uma barra. Ok? Então, esta é uma canção do DJ Marquis LK. Vamos ouvir. Então, sem as batidas, pode ser um pouco confuso, mas vamos tentar contar. Um, dois, um, dois, três, quatro, um, dois, três, quatro, um, dois, três, quatro, um, dois, três, quatro, um, dois, três, quatro, um, dois, três, quatro, um, dois, três, quatro. Então, este é o tipo mais comum de medidor, quatro-quatro. Agora, um dois-quatro, sem dúvida, você ainda poderia contar quatro porque dois é metade de quatro. Mas vamos tentar ouvir a música e ver se ela se sente melhor, se contamos em quatro ou se contamos em dois. Esta é uma faixa techno do Cazaquistão e é chamada Variações. Vamos tentar dois. Um, dois, um, dois, um, dois, um, dois, um, dois, desde um. Agora, vamos tentar quatro. Um, dois, três, quatro, um, dois, três, quatro, um, dois, três, quatro, um, dois, três, quatro. Ambos quatro e dois quatro poderiam funcionar para esta música. Para mim, é a assinatura dois-quatro vezes porque a música se sente em dois em vez de sentir em quatro. É como a música foi composta. Vamos tentar outra música. Eu tive que conseguir uma das minhas produções porque eu realmente não conseguia encontrar nenhuma música eletrônica em três-quatro e eu queria algo mais atual. Então, aqui está. Esta é uma faixa de F Jazz chamada Greek Secret e vamos ouvir. Então, vamos tentar contar em quatro. Um, dois, três, quatro, um, dois, três, quatro, um, dois, três, quatro, um. Não se encaixa, certo? Não se alinha com o kit. Então, vamos tentar três. Um, dois, três, um, dois, três, um, dois, três, um, dois, três, um, dois, três, um, dois, três, um, dois, três, um, dois , três, um, dois, três, um, dois, três, um, dois. Você vê que quando contamos em três, ele se alinha. Então, esta música foi feita em um metro triplo em uma assinatura de três a quatro vezes. Então, são três batidas por medida. Ok. Então, sim, se você livre para fazer músicas em três-quatro, dois-quatro, quatro-quatro, explore esses medidores. Você não deve ser restringido pelo que todo mundo está fazendo. Agora, eles estão em descida, duplos, triplos, e um quádruplo metros, por que eles são representados como uma fração como quatro sobre quatro? Bem, eu explicarei isso no próximo vídeo. Por enquanto, apenas para começar a ouvir os agrupamentos de batidas de suas músicas favoritas. Eles estão em quatro ou três quatro ou três quatro ou eles têm uma sensação de dois-quatro ou como eles são construídos em termos de medidas? Esse conhecimento melhorará seu senso de ritmo e faremos a música soar ainda melhor para você. É muito importante saber em que tipo de medidor sua música estará. Essa é a primeira coisa que vamos fazer como produtores, é decidir que medidor esta música vai ter. 10. Comprimentos de notas simples: Ei, pessoal. Agora, que sabemos o que é uma barra, vamos aprender como causar comprimentos específicos de notas. Uma única nota, quando dura a duração de toda uma barra de música, chamamos isso de nota inteira. Então, aqui temos uma nota. Vamos fazer com que isto seja a duração de uma barra. A razão pela qual eu sei que isto é um bar é porque aqui diz comprimento, e diz um, então um bar. Também posso ver aqui que um bar tem quatro batidas. É um bar 4/4, e eu tenho um, dois, três, quatro. Estas áreas de luz escura e escura, eles são as unidades. Então, um, dois, três, quatro. Então, isto é um bar. Isto é o que eu chamo de uma nota inteira. Quando uma nota dura metade da duração da barra, ela é chamada de meia nota. Podemos dobrar isso porque ainda vai caber, então podemos ter duas notas meia. Então, chama-se “metade”. Agora, se uma nota dura um quarto da duração da barra, para que possamos ter quatro delas, chama-se uma nota de quarto. Se uma nota durar um oitavo, isso significa que podemos ter oito notas em um bar, é chamado de oitava nota. Se uma nota dura um décimo sexto de uma barra, então podemos ter 16 notas em um bar, é chamado de décimo sexto nota. Observe que uma nota inteira pode caber duas notas meia nele. A mesma coisa aqui, meia nota pode caber duas notas. Um quarto de notas pode caber duas oitavas notas nele, e uma oitava notas pode caber duas notas dezesseis nele. Basicamente, tudo o que fiz aqui foi obter uma nota inteira dividida por dois, dividida por quatro, dividida por oito, e então dividida por dezesseis. Entendeu a ideia, certo? Tudo bem. Permitam-me que dê um exemplo. Aqui, nesta nota aqui, eu vou escrever uma meia nota, um quarto de nota, uma oitava nota, e duas dezasseis notas. Então aqui, meia nota, então eu digo um quarto de nota, então eu disse uma oitava nota, e então eu digo dois décimo sexto, certo? Pedaço de bolo. Agora, é a sua vez. Aprenda fazendo isso. Sintonize uma estação de rádio aleatória, e ouça o medidor das três primeiras músicas que você ouve. Estão em 4/4, estão em 3/4, as músicas estão em 2/4? Da próxima vez que você ouvir música em geral a partir de agora, tente identificar o que é o medidor. Quantas batidas você tem por bar, e divirta-se com ele antes de ir para a próxima aula. 11. Tercinas: Ei, pessoal. Como você provavelmente notou no Video 2, começamos a partir de um comprimento de nota que durou toda a duração de uma barra de música, e então começamos a dividir por dois. Então, por exemplo, tínhamos uma nota assim grande, e então dividimos por dois, que era assim tão grande, certo? Então, nós temos este, e nós dividimos por dois, então nós temos uma nota que era como este grande e assim por diante, certo? Mas, e se, em vez de dividirmos por dois, quisermos começar a dividir por três? Está bem. Então, uma nota inteira em vez de duas notas meia. Vamos criar um trigêmeo de meia nota, que é três notas que duram a duração de uma nota inteira. Então, aqui em grades MIDI, geralmente pode mudar a forma como a grade é subdividida. Então, aqui, podemos selecionar grades de trigêmeos, e queremos uma meia nota, então vamos clicar aqui. Então, você vê essas linhas aqui. Então, um, dois, três. Então, essas notas são meia notas trigêmeas porque são três delas que se encaixam dentro de uma nota inteira. Então, vamos voltar para as grades simples, e vamos voltar para a grade, como um quarto de grade de nó, ok? Então, nós tínhamos meia nota, e poderíamos ter dividido por dois. Mas agora, nós queremos um espaço dividido aqui que é uma meia nota, como uma meia nota como esta. Queremos dividir isso por três. Então, vamos selecionar as grades de trigêmeos, e agora vamos trigêmeos de nota trimestral, ótimo. Vamos lá. Um, dois, três, bom. Então, este é um quarto de nota trigêmeos porque nós temos três deles que se encaixam em uma meia nota. Agora, vamos voltar para grades normais, oito notas. Então, em um quarto de nota, podemos fazer duas oitavas notas. Mas, em vez de duas oitavas notas, vamos fazer a oitava nota trigêmeos. Vê como a grade muda? Então, agora vamos colocar os trigêmeos bem ali, então três oitavas notas no espaço. Você só cabia dois antes. Então, isso é chamado de oitavo notas trigêmeos, então a mesma coisa. Vamos voltar para, aqui está uma oitava nota. Se você quer dividir isso por dois, é fácil. Vamos 16, oitava nota 16 grade. Então, metade de um oitavo é 1/16. Mas, e se ou quando são três notas aqui em vez de duas? Bem, vamos lá, 16 notas de trigêmeos. Agora, essas notas permitem que você encaixe três delas. Então, agora temos três deles. Está bem. Os trigêmeos dão uma sensação muito agradável. Então, por exemplo, deixe-me fazer um ritmo simples aqui para você. Temos aqui notas. Então, deixe-me repetir isso, e aqui no final, vou colocar duas oitavas notas. Vamos ouvir. Certo. Então, agora, em vez de duas notas aqui, eu adiciono três notas. Olha como seria diferente. Eu só vou dobrar este bar, que possamos ouvir ambos do mesmo tempo. Então, eu vou apenas duplicar aqui. Aqui, em vez de alimentar duas notas, vou para oitavo notas trigêmeos, então oitavo notas trigêmeos. Agora, vou escrever aqui um, dois, três. Olhe para a diferença entre oitava notas e oitava notas trigêmeos. Deixe-me lembrá-lo que a teoria é apenas uma representação que ajuda você a entender como a música funciona. Sons organizados da música ondas viajando pelo ar, não matemática complicada em um papel ou em uma tela de computador. O que quero dizer é não se estressar sobre o significado dessas frações. Você sabe um décimo sexto, um oitavo e o que eles significam, e por que tantas pessoas começam a chamar esses nomes. Não há flancos mesmo quando o medidor muda. Em vez disso, lembre-se de como as subdivisões podem ser derivadas de dividir sucessivamente a nota inteira por dois por três. Então, tudo que você precisa saber é isso, pegar uma nota inteira, e então perguntar a si mesmo, “Eu vou dividir isso por dois ou por três? Vou usar uma grade simples, ou vou usar uma grade de trigêmeos?” Isso é tudo que você precisa saber sobre trigêmeos. Por favor, conclua as etapas do projeto desta unidade antes de prosseguir para a Unidade 4. Tchau. 12. Seis intervalos maiores: segunda maior, terça maior, quarta justa, quinta justa, sexta maior e sétima maior.: Ei caras. Este é um dos tópicos mais importantes da Teoria da Música, por isso, tome algumas notas enquanto assiste a esses vídeos. Vamos aprender a identificar todas as distâncias possíveis entre todas as 12 notas que usamos para fazer música. Essas distâncias são chamadas de intervalos. Vamos escrever uma nota por tecla branca do piano está começando em C, e terminando antes que a sequência C comece a se repetir, ok? Então vamos encontrar este C aqui, em seguida, cada chave branca eu vou colocar uma nota nele. Então o próximo é C, então não precisamos dele. Esses intervalos que eu estava dizendo a vocês, é a distância entre isso e isso, e então entre isso e isso, e então entre isso e isso e assim por diante. Então, para facilitar, vamos analisar isso em meio passo. Vejamos a distância ou intervalo entre a primeira nota C e a segunda nota D. Temos duas notas aqui, certo? Então, isso vai ser chamado de segundo de algum tipo. Mas, que tipos? Todos os intervalos que encontramos na escala principal indo da primeira nota para a segunda, primeira para a terceira, primeira para a quarta. São todos intervalos principais, com exceção do quarto e quinto graus. Vou mudar o seu sem núcleo aqui. Com esta exceção, todos os intervalos serão grandes, certo? Então aqui, temos um grande segundo. Agora, é importante saber quantos meios-passos fazem um grande segundo. Então aqui podemos dizer que é um e dois. Agora, vamos ver desta nota para esta nota. Quantas notas temos aqui? Três. Então, isso tem que ser um terço de algum tipo, e porque todos os intervalos exceto quatro e cinco são maiores, três vai ser maior. Então é um terceiro maior. Agora vamos contar quantos meios-passos caem juntos. Então é um, dois, três, quatro, certo? Então, o terceiro maior tem quatro meios-passos. Vamos para a quarta. Então, aqui temos quantas notas? Quatro. Então vai ser um quarto de algum tipo, mas o quarto e o quinto graus eles não são grandes, eles são perfeitos. A razão pela qual eles são chamados de perfeitos é porque eles têm as taxas de frequência mais simples, mas não se preocupe por que eles são chamados de perfeito. Em vez disso, memorize. Um quarto que encontramos aqui é chamado de quarto perfeito, e um quarto perfeito tem um, dois, três, quatro, cinco intervalos para chegar lá, certo? Então perfeito quarto, cinco intervalos. Um quinto, cinco notas temos um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete. Então, sete meios-passos equivale a um quinto perfeito. Agora aqui temos seis notas. Então, tem que ser um grande seis, certo? Porque todos os intervalos são maiores, exceto quatro e cinco. Então vamos ver aqui. Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove. Então nove meios-passos é igual a um sexto maior. Isso é ótimo. Agora, a última nota. Quantas notas temos aqui? Sete. Então tem que ser um sétimo de algum tipo. Vamos ver quantos meios-passos? Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove, dez, onze meios-passos faz o sétimo maior. Ou a maneira mais fácil de pensar na sétima maior é esta. Se fizermos o C uma oitava mais alto, temos C 4. Certo? Se você descer um, você tem o bilhete que queremos, o B. Então isso significa que uma oitava tem 12 degraus. Então menos um, 11. Então, um sétimo maior equivale a 11 meios-passos. Note que esses intervalos, eles estão apenas subindo, mas você pode facilmente formá-los indo para baixo. Então, por exemplo, vamos ter uma nota aleatória aqui. Digamos um “F “, ok? Se quisermos subir um grande segundo, sabemos que o segundo maior é igual a dois meios-passos, então um, dois. Mas agora vamos dizer que queremos descer. Então, F, vamos descer um segundo maior, contar dois meios-passos para baixo. Então agora você pode ir para baixo com todos esses intervalos. Vamos ter outro exemplo. Um quinto perfeito, sabemos que tem sete meios-passos. Vamos para a mesma nota F. Ok? Se eu quiser ir um quinto lugar perfeito, sabemos que contamos sete. Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, é isso. Então F para C é um quinto ascendente perfeito. Então, se quisermos chegar à mesma nota e descobrir o que um quinto perfeito está descendo, temos que contar sete meios-passos para baixo. Então eu vou rolar aqui, então um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete. Então F para A em ponto é um quinto para baixo perfeito. Então, memorize isso rapidamente. Uma escala maior tem um segundo maior, um terceiro maior, um quarto perfeito, um quinto perfeito, um sexto maior, um sétimo maior. Ter esse conhecimento muito afiado em sua mente vai acelerar seu processo criativo. Antes de ir para o vídeo dois, tente escrever os seguintes intervalos em seu sequenciador midi. Como fazer isso? Quantos meios-passos fazem um grande seis. Agora, conte estes muitos meios-passos para baixo da nota dada neste caso o G. O mesmo processo se aplica para a segunda pergunta. As respostas estão anexadas abaixo. Saúde. 13. Quatro intervalos menores: segunda menor, terça menor, sexta menor e sétima menor: Ei caras. Então, aprendemos os intervalos que poderíamos encontrar na escala maior. Então, nós tivemos uma escala maior aqui, escala C maior, e nós descobrimos quantos passos meio precisamos para fazer um segundo maior, terceiro maior, quarto perfeito, quinto perfeito, sexto maior, sétimo maior. Mas agora, há outros intervalos que vamos aprender hoje. O segundo menor, terceiro menor, sexto menor e sétimo menor. Então, tudo o que temos que fazer é obter a mesma medida de intervalo e diminuir um meio passo, então encontramos a versão secundária ao longo do intervalo. Então, por exemplo, sabemos que um segundo maior tem dois passos e meio, então um, dois. Então, este é um grande segundo. Se quisermos fazer menor, vamos obter o nó superior e vamos reduzir um meio passo, vamos fazer o intervalo menor. Então, agora este é um segundo menor. Note que Ableton, o software está nos dizendo que este é C e este é o C afiado, mas porque ambos são C, isso não parece um segundo menor, isso parece mais como um primeiro intervalo. Então, vamos mudar o nome desta nota. Em vez de C afiado, vamos chamar pelo enharmónico. Então, qual é a enharmónica de C afiado? Sim, chama-se D-flat. Então, C para D-flat é um segundo menor. Um segundo menor é feito de meio passo apenas, meio passos apenas. Um, é isso. Então, segundo menor é igual a meio passo. Ok. Então, agora vamos ver o terceiro. Então, temos três notas aqui, este é um terceiro maior e quantos passos? Um, dois, três, quatro. Então, quatro passos meio equivale a um terço maior. Então, agora, se baixarmos essas notas por meio passo, temos um terço menor, e um terço menor é feito de um, dois, três passos meio. Agora, mais uma vez, o problema é que C a D afiado parece um segundo C D. Então, vamos fazer isso enharmônico. E, que tipo de E? E-flat porque está descendo meio degrau, certo? Então, C para E-flat aqui, fez o nosso terceiro menor. Agora, vejamos seis. Então, vamos pular isso também, e vou explicar no próximo vídeo. Então, um grande seis, temos essas seis notas e dissemos que esse cara tem nove passos de distância. Então, um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove para ficar igual aqui, certo? Então, nove passos e meio equivale a seis maiores. Se baixarmos isto, oito meios-passos, será igual a seis menores. mesma coisa com o sétimo, sabemos que são 11 meios-passos simplesmente porque 12 seriam uma oitava de C a C. Então, isto são 11 meios-passos. Então, se eu baixar, 10 passos meio, será um sétimo menor. Mais uma vez, C para A é seis, certo? Então, C D E F G A. São seis e precisamos estar na sétima. Então, vamos mudar o nome dele para a enharmónica desta nota que é B-flat. Então, C para B é um sétimo menor. Isso parece complicado? Você está se sentindo sobrecarregado? Não fique, há apenas alguns intervalos possíveis e apenas 12 notas. À medida que você usa esses conceitos em seu processo de criação de música, cada vez que você coloca uma nota aqui, você pensa, oh qual é esse intervalo, e mais você faz isso, você só vai internalizar esses conceitos e você não está vai ter que pensar quantos meios-passos fazer isso ou fazer aquilo, você só vai saber. tempo e a prática farão com que esta informação se torne uma segunda natureza. Quando isso acontece, é quando a diversão começa. 14. Quarta aumentada e quinta diminuta: Ei, pessoal. Da mesma forma que obtivemos intervalos maiores, o segundo maior, maior terceiro, maior sexto, e maior sétimo, da mesma forma que obtivemos esses intervalos e baixamos por meio passo para encontrar as versões menores, então o segundo menor, terceiro menor, sexto menor, e sétimo menor, a mesma coisa se aplica para os intervalos perfeitos. Então, para o quarto perfeito e o quinto perfeito, quando baixamos ou aumentamos esses intervalos por meio passo, criamos os intervalos diminuídos e aumentados. Então, um quarto perfeito, sabemos que tem um, dois, três, quatro, cinco meio passos. Então, cinco passos meio. Se eu baixar isso por meio passo, vai ser um quarto diminuído. Bem, olhe, o quarto diminuído é o mesmo que um terceiro maior. Isso é verdade. A diferença é que, se você chamar C para E, é um terceiro maior. Se você chamar isso pelo nome mnemônico, então, significa, F-flat, este será C para F-flat, e este será um quarto diminuído. Não parece que isso faça muita diferença agora porque você está recebendo a mesma nota de qualquer maneira, mas mais tarde, quando estamos falando de acordes, as coisas vão ficar um pouco mais interessantes, e essas terminologias vai fazer a diferença. Então, vamos voltar aqui, e agora, vamos pegar este quarto perfeito, F para C, C para F, e vamos aumentar o intervalo por meio passo. Então, em vez de um, dois , três, quatro, cinco meio passos, agora, temos seis. Então, seis meio passos iguais em quarto aumentado. Então, volte aqui. Aqui, temos um quinto perfeito. Então, sabemos que um quinto perfeito tem um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, sete e meio passos. Então, sete passos meio equivalem a um quinto perfeito. Se baixarmos o quinto passo perfeito seis e meio, isso é chamado de quinto diminuído. Então, você percebe que o quarto aumentado é o mesmo que um quinto diminuído. Mesmo som, nomes diferentes, dependendo de qual mnemônico você chama cada nota. Então, a mesma coisa aqui. Vamos obter um quinto perfeito, quinto perfeito levantou sete passos meio. Vamos aumentar o intervalo. Vamos tornar o intervalo maior pela metade do passo. Então, agora, temos oito meias-etapas. Isso é chamado de “Quinta Aumentada”. Agora, dê uma chance, aprenda fazendo isso. Memorize esta informação e jogue com estas notas mediantes no seu sequenciador MIDI, e veja se consegue divertir-se com ela. Então, por exemplo, eu vou fazer quartos, então os quartos são um, dois, três, quatro, cinco, cinco meio passos. Então, o que acontece se eu fizer uma melodia que vai um quarto para cima, e então, daqui, ela vai mais um quarto para cima? Então, temos um, dois, três, quatro, cinco. Então, temos um quarto e, em seguida, um quarto. Vamos ver como isso soa. Talvez isso soe bem na linha de base. Vamos fazer mais, e então, talvez comecemos aqui de novo. Vamos ver. Adicione um pequeno loop, e você tem, ou, eu não sei, talvez vamos tentar com quintos agora. Então, vamos fazer um quinto aqui e um quinto sete. Então, vamos contar, um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete. Então, este, vamos deixar um quarto. Então, temos quintos e, em seguida, temos quartos. Este pode ser o começo de uma música, ou isso pode inspirar você a fazer outras músicas. Então, basta dar a volta e brincar com intervalos no seu sequenciador MIDI. Veja se consegue algo inspirador com isso. Enquanto você está fazendo isso, você vai estar reforçando os conceitos e o conhecimento de quantos meios-passos estão em cada intervalo. Vejo você no vídeo quatro. 15. O projeto de intervalos: Ei, caras. Nesta unidade, falamos sobre intervalos. Intervalos são os intervalos do seu edifício musical. São as escadas do teu alfabeto musical. A base mais básica a partir da qual os acordes são construídos. Sem este conhecimento sob o seu cinto, o resto da teoria musical vai parecer pesado e complicado e não queremos que isso aconteça. Pela minha experiência, tanto como estudante como professor, você deve passar cerca de duas semanas para internalizar as informações sobre os intervalos fornecidos nesta unidade. Por favor, tome o seu tempo e não se apresse nos próximos vídeos. Memorize as informações nos vídeos anteriores, anote um gráfico de nomes de intervalos, como encontrá-los e quantos passos cada um deles é feito. Leia todos os dias e faça pequenas músicas com base em um intervalo específico. Você também pode tentar ensinar essa teoria a um amigo ou a sua namorada ou quem quer que seja. Seja qual for a escolha, passe algum tempo com as informações apresentadas aqui antes de prosseguir. Isso tornará as outras lições muito mais agradáveis. Como uma tarefa durante estas duas semanas, você vai tomar para digerir esta informação, eu recomendo vivamente que você faça o projeto de intervalo. Então, vá no link abaixo e complete o gerador de gráficos de músicas que diz: “Crie suas próprias listas de músicas para memorizar intervalos.” Uma maneira comum de reconhecer intervalos é associá-los a músicas de referência que você conhece bem. Por exemplo, esta canção Amazing Grace, começa com um quarto perfeito. Então, quando você ouve um intervalo que soa como o início de Amazing Grace, você pode rapidamente concluir que o intervalo foi um quarto perfeito. Isso é muito importante porque uma coisa é conhecer os intervalos em teoria, outra é ser capaz de reconhecer esses intervalos por ano. É quando toda essa teoria se tornará muito útil para você. Uma vez que você ouvir os intervalos, ele vai começar a sentir que seus processos criativos musicais em esteróides. Leva meses para se tornar realmente fluente no reconhecimento intervólico. Mas esta é a habilidade mais importante que recomendo que você aprenda. Um pouco todos os dias e virá até você, livre de estresse, não se preocupe, basta fazê-lo um pouco todos os dias intervalo único. Lembre-se de quantos meios-passos você tem um intervalo, jogar com um piano ou um teclado se você tiver, se não, brincar com um sequenciador midi e, eventualmente, a informação vai afundar. Depois de concluir o gráfico de intervalos, imprima-o e coloque-o ao lado da estação de trabalho ou ao lado do espelho do banheiro. Coloque-o em um lugar que você vai ver todos os dias. O próximo passo é, divirta-se com ele. Digamos que você está no metrô e você ouve dois arremessos que dizem que as portas estão fechando, por exemplo. Qual é o intervalo deles? Se você conhece bem o seu gráfico de intervalos, uma música viria à mente que começa com os mesmos arremessos. Então você vai saber, oh esse é o intervalo. Então, por exemplo. Então temos, vamos descobrir isso. Oh! Reconheço que a partir do gráfico que fiz, é. Então, isso é horário de verão, Oh bom! Então, o horário de verão na minha camisa diz Major 3º descendo. Então, eu sei que é um terceiro maior. Então, eu posso encontrar a primeira nota. Tudo bem. Então, a melodia do metrô é um terceiro maior. Continue jogando este jogo constantemente e em nenhum momento seus ouvidos se transformarão em resolução HD. Mais importante ainda, muito do potencial emocional música tem, pode ser manipulado usando os intervalos certos no momento certo. Afinal, você está essencialmente combinando raves mais rápidas e lentas de uma forma de empurrar e puxar o ouvinte na direção a narrativa de sua música quer que o ouvinte vá emocionalmente. Uma vez que você percebe que, por exemplo, um quarto aumentado sobre esses efeitos, fazendo música que você gosta, deu à faixa esse tipo de sentimento. Ou a descida que o Skrillex usou em sua linha de base e fez com que tudo soasse assim ou assim. Você pode começar a reunir esse conhecimento a partir de qualquer coisa que você ouvir e criar um vocabulário que lhe permitirá desenhar com muita precisão a música que você quer fazer. Boa sorte e depois de terminar seu gráfico de intervalos, seu projeto de intervalo, vá para a próxima unidade. Mas mantenha o reconhecimento intervalico de estudo do lado. Continue tentando ouvir e identificar os intervalos musicais ao seu redor. Ele irá atualizar seus ouvidos e suas produções em grande tempo. 16. Escalas maiores: Ei caras. Já sabemos escrever as sete notas, uma por tecla branca do piano, começando em C para fazer a escala C maior, certo? Então, vamos fazer isso, vamos encontrar o C aqui. Um por chave branca, é o... Desta vez eu vou colocar as primeiras notas uma oitava lá em cima , mas qual é a fórmula geral de passos inteiros e meio passos que fazem uma grande escala. Quando falamos de intervalos estamos medindo a distância entre a primeira nota e a segunda, a primeira e a terceira, a primeira e a quarta. Isso nos deu a receita para intervalos, quantas meias etapas temos em cada intervalo. Agora, queremos analisar isto para isto e isto para aquilo e isto para aquilo e isto para aquilo. Dessa forma, quando fizermos sucessivamente assim, vamos encontrar uma receita que nos diga quantos passos inteiros e meio fazem uma grande escala. Ok. Então, a maneira que vamos fazer isso é, vamos apenas analisar, aqui os intervalos e memorizá-los. Então, aqui temos de C a D, que é um, dois, então, dois têm passos, isso é um grande segundo. Este intervalo é o mesmo que este intervalo, certo? Então, tem que ser um grande segundo. Então, temos dois meios-passos aqui e dois meio passos aqui. Então, como chamamos dois passos meio um passo inteiro, ok? Então, aqui temos todo o passo, todo o passo. Daqui até aqui, meio passo, certo? Meio passo, então aqui temos o passo inteiro, o passo inteiro, o passo inteiro, depois o meio passo. Então, todo, todo, meio, todo, todo, todo, meio passo. Agora, é fácil depois de memorizar esta fórmula e você pode fazer uma escala maior como esta. Você pode fazer todas as escalas principais para você pode ter dois métodos o primeiro, que é o que eu recomendo que você faça isso porque mais tarde ele vai tornar sua vida mais fácil quando falamos de acordes é apenas memorizar a relação. A relação é toda, toda, metade, toda, toda, toda, metade, ok? Então, podemos começar isso em qualquer nota que quisermos. Digamos que sua música comece aqui, certo? Então, vamos fazer a mesma relação. Todo, todo, meio, todo, todo, todo, meio. Agora, se você ouvir isso, também soa como uma escala maior, mesma coisa que Dó maior. Mas se pensarmos em O, F afiada, G afiada, afiada e B-naturais, C afiada como fica complicada, mas se você simplesmente memorizar a estrutura quantos meios-passos você tem entre as notas do escala, você pode facilmente fazê-lo. Outra maneira de simplesmente fazer isso é, selecionar todas as notas e movê-las todas juntas. Agora temos F, ou se nos movermos aqui temos G afiado ou G. Parabéns, agora você pode encontrar todas as 12 maiores escalas. Mas se você é como eu e você gosta de EDM, música eletrônica, grandes escalas não vão funcionar tão bem para você porque 90% da música EDM é feita usando escalas menores. Então, em nosso próximo vídeo, aprenderemos sobre escalas menores. 17. Escalas relativas menores: Ei, pessoal. Este é um tópico agradável e muito útil, escalas menores relativas. Todas as escalas principais têm um lado negro. Este lado misterioso, sua escala relativa menor. Se você usar as mesmas notas de C maior, mas em vez de começar em C, nós chamamos de raiz, você começa no sexto grau, que neste caso é A. Nós vamos encontrar C maior é relativa menor escala, que é chamado de menor natural. Vou explicar por que se chama natural no próximo vídeo. Por enquanto, vamos encontrar essas escalas. Então, se tivermos um C, colocamos as notas nas teclas brancas. Então, C maior vai soar como. Agora, vamos usar as mesmas notas, mas vamos começar de A. Então, eu só vou pegar essas notas aqui, colocar no início, e então C, A, B, C então você tem D, E, F, G. Nice. Então, agora nós ainda temos as mesmas notas brancas, as mesmas notas que tínhamos antes, mas quando você começa de A, ele dá um som diferente. Parece assim. Fácil? Vamos voltar para Dó maior. Então, vamos escrever C maior aqui. Agora, eu vou fazer do C maior em G maior transpondo tudo para G. Então, G maior. Agora, se eu quiser encontrar o menor relativo de G maior, que é a sonoridade menor que usa as mesmas notas que G maior, eu faço a mesma coisa. Eu vou no sexto grau. Então, 1, 2, 3, 4, 5, 6 e eu vou colocar isso no início, e então eu vou apenas completar para as mesmas notas. Então, nós temos E, F afiado, G. Então, nós temos , B, C, D. Então, eu vou colocar isso aqui, A, B, C, D e começamos em E, eu só vou colocar uma oitava E na mesma nota que começamos. Eu só vou colocá-lo aqui para completar. Mas não aqui, não precisamos dele. Agora, vamos ouvir. Então, é assim que se encontra um parente menor. Agora eu quero dar outro exemplo, mas vamos fazer isso aleatoriamente. Então, eu tenho meus olhos fechados. Estou movendo meu mouse para cima e para baixo. Vamos fazer uma nota aqui. Onde é isso? Tudo bem. Então, esta nota é G afiada. Agora, em vez de, eu não tenho uma escala para começar, mas felizmente, eu memorizei os intervalos que fazem uma grande escala. Então, eu vou todo, todo, meio, todo, todo, todo, meio. Vamos ver se parece com uma grande escala. Sim, parece uma grande escala. Então, agora, vamos encontrar o sexto grau. 1, 2, 3, 4, 5, 6, 6 é F. Agora vou colocar esses caras no início e vou completar essa escala com essas notas. Então, nós temos F, G, G afiado, e então nós temos A afiado, C, C afiado, D. A afiado, C, afiado, D. A afiado, C , C afiado, D. Agora, a primeira nota aqui é um F Então, eu vou colocar uma oitava F aqui apenas para usar todo o espaço que temos no bar. Não preciso desse cara. Agora, vamos ver se isso soa como uma escala menor. Sim, ele faz. Então, é assim que você encontra a escala relativa menor. Então, da próxima vez que você quiser fazer uma música com um som menor, tudo o que você faz é escolher uma grande escala que você sabe como fazer. Ou você conhece os intervalos porque você conhece a relação intervalica todo, todo, meio, todo, todo, todo, todo, metade, então você vai para o sexto grau e você começa partir daí usando as mesmas notas que a escala principal e é isso. Encontrará a escala menor. Parabéns, agora você sabe como encontrar todas as escalas maiores e menores. Agora é a sua hora de aprender fazendo isso. Agora que você conhece as escalas, escolha uma escala. Então, vou escolher aqui a escala A menor. Então, A menor é todas as notas brancas do piano. Eu só vou me divertir um pouco com ele. Então, talvez eu vá começar de A e eu vou escrever algo assim. Então, talvez algo assim. Vamos ver como isso soa. Então, vamos ouvir. Talvez eu adicione um pequeno loop para fazer as coisas funcionarem. 18. Escalas menores harmônicas e melódicas: Pessoal, agora que sabemos como encontrar escalas menores, a menor natural, podemos aprender as outras variações. É por isso que, quando usamos as mesmas notas como uma escala maior, começando a partir do sexto grau, chamamos isso de menor natural, porque há outras duas variações. Então, há o menor harmônico e há as escalas menores melódicas. Então, vamos encontrar A menor, então A menor é as mesmas notas que Dó maior, ambas a partir de A, então as teclas brancas do piano. Então, vamos usar as teclas brancas do piano para fazer isso, ok? Então, temos aqui A. Zoom um pouco. Tudo bem. Então, aqui está A menor. Assim, uma vez que você tem A menor, é realmente fácil encontrar a escala harmônica menor. Então, você só recebe a sétima nota que é a um pouco antes das sequências começarem a repetir novamente ou você pode vir daqui, um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete. Levante um diploma. Olhe a diferença de som. Ao contrário de. Harmônica. muito exótico, muito misterioso. Tem quase como uma vibração do Oriente Médio. Isso é tudo que você tem que fazer, elevar esse sétimo grau a meio passo. Então, você pode selecionar toda a escala. Você conhece cada um de D afiado menor escala harmônica. Um pedaço de bolo. Então, uma vez que você tem o menor harmônico, encontrar o menor melódico é bem simples. Tudo o que você faz, você encontra um sexto grau e você sobe meio passo. Então, um, dois, três, quatro, cinco, seis. Então, eu vou levantar isso, vamos ver como soa. Esta escala. A primeira parte parece uma escala menor. A segunda parte parece uma grande escala. Esta é uma escala que usamos em jazz e música lounge em muitas outras circunstâncias é a escala interessante para saber. Outra maneira fácil de encontrar essa escala é em vez de encontrar o maior relativo para encontrar as notas da escala maior, estamos usando a relação que memorizamos; todo, todo , meio, todo, todo, todo, todo, meio passo, podemos apenas encontrar a maior escala que começa com a mesma nota que queremos encontrar em termos de menor melódico. Então, D afiado maior, vamos apenas encontrar as notas que faz D afiado maior. Então, sabemos que a escala maior é inteira, inteira, metade, inteira, inteira, metade passo. Então, todo, todo, meio, todo, todo, todo, meio passo. Então, vamos ouvir para ver se é realmente uma escala maior ou melhor ouvir se é uma escala realmente grande. Sim. Esta é uma grande escala. Agora, tudo o que fazemos é você receber a terceira nota. Então, um, dois, três, e você abaixa meio passo. Então, esta agora é a mesma escala que tínhamos antes que é D nítido menor melódico. Um pedaço de bolo. Então, mais uma vez para esclarecer. Vamos encontrar um menor natural, A usando teclas brancas do piano. É isso. Então, para encontrar o menor harmônico, elevamos o sétimo grau. Para encontrar o menor melódico, elevamos o sexto grau. Ou, adicionamos o menor harmônico. Isto parece muito fácil. Mas se eu apenas lhe perguntar, por exemplo, fazer F afiada escala harmónica menor. Então, como vamos pensar nisso agora? Bem, o que podemos fazer é pensar o que é o maior relativo de F afiado menor. Então, este tem que ser o seis graus de uma escala maior ou sabemos que para encontrar uma escala maior relativa subir um terço menor. Então, um terço menor tem três passos e meio. Então, vamos contar. Um, dois, três. Então, A maior seria a escala relativa maior. Então, vamos deixar o F afiado em prontidão e fazer a escala A maior. Todo, todo, meio, todo, todo, todo, meio. Aqui está um major. Agora, vamos começar do sexto grau que é um, dois, três, quatro, cinco, seis. O F afiado que tivemos antes. Então, vamos colocar isso no início. Agora, temos D afiado, A, agora temos B, C Sharp, D, E. Aqui temos B, C afiado, D, E. Nós também podemos repetir o F afiado lá em cima apenas para fazê-lo, para usar todos os espaços que temos nesta barra. Então, agora encontramos F afiada menor escala, mas este é o natural. Então, se você quiser encontrar o harmônico, nós levantamos este meio passo. Mas queríamos encontrar o melódico. Então, nós também levantamos o sexto grau que é um, dois, três, quatro, cinco , seis, meio passo. Agora, você pode encontrar harmônicos menores, naturais menores, melódicos menores e todas as escalas principais. Então, agora você pode encontrar todas as escalas que existem praticamente para produzir qualquer música ou compor qualquer melodia e harmonias que você quiser. Não se sinta sobrecarregado. Isso parece muita informação e muitos passos a tomar para encontrar a escala. Mas lembre-se que uma vez que você internalizar esta informação, este será um processo automático para você. Depois de fazê-lo tantas vezes, você vai conhecer essas habilidades sem ter que pensar sobre isso. Então, por exemplo, como no meu caso que como se você apenas escolher uma nota aleatória aqui, digamos que esta nota B plana ou A afiada. Eu queria fazer a escala menor natural ou vamos a escala harmônica menor começando aqui. Não preciso pensar, conheço essa escala de A afiada pela memória. Então, eu só vou. Eu sei que isso vai ser um menor harmónico afiado, então vamos ver como isso soa. Sim, isso foi correto. Então, eventualmente, isso virá até você. Então, não se preocupe. Faça um pouco todos os dias e ele virá até você. Quando chegar a você, tudo o que você precisa se preocupar é produzir, misturar, dominar o design de som, belas composições, quais sentimentos você quer expressar. Você não vai ter que se preocupar com, oh, eu me pergunto qual nota eu preciso para fazer esse som. Então, fique com o material, seja persistente e não se apresse. Não seja impaciente. Esse conhecimento virá até você. Se você tiver alguma dúvida, qualquer dúvida, lembre-se de ir ao fórum da aula e conversar com seus colegas. No próximo vídeo, darei a vocês uma tarefa rápida para ajudá-los a dominar essa informação. Tchau. 19. Recapitulando as escalas básicas: Ei, pessoal! Após intervalos, as escalas maiores e menores são o segundo conceito mais importante que os criadores de música precisam dominar. Se você tocar um instrumento, você aprenderá esses conceitos mais rapidamente praticando essas escalas e intervalos em seus instrumentos. Se você não tocar nenhum outro instrumento além do seu computador e seu sequenciador MIDI, eu tenho uma maneira semelhante de ensiná-lo a internalizar os sons. Então, escreva uma escala. Então vamos escrever uma escala de C maior em seu sequenciador MIDI, Dó maior, certo? Então, vamos tentar cantar essa escala, eu vou colocá-la aqui porque eu tenho uma voz baixa, mas a mesma escala, certo? Então, vamos. Então, cantar isso seria. Vamos verificar. Perto o suficiente. Então, agora, vamos tentar uma escala menor, vamos escrever uma escala menor. Agora, escute, vamos ver se você pode cantar. Eu preciso revisar este nó, então eu vou clicar nele, bom! Continue fazendo isso. Oh! Vamos praticar escala harmônica, então vamos ver se consigo. É por isso que você quer fazer, você quer saber esta escala por som não por como eles olham em você grade imediata, e ao fazer isso, você vai internalizar os sons muito rapidamente. Uma vez que você tem os sons de todas as escalas e todos os intervalos em sua cabeça, é apenas uma questão de baralhar esses sons para compor música, então compor torna-se muito rápido e muito fluido e você vai evitar ficar preso. Há doze escalas principais, uma para cada passo diferente, doze escalas menores naturais, doze escalas menores harmônicas e doze escalas menores melódicas. Mas não se sinta sobrecarregado, há muitas escalas, mas elas estão todas próximas umas das outras, então se você praticar todas as escalas principais muito bem, a fim de encontrar o menor natural, você só vai começar do sexto grau . Então isso é um pedaço de bolo. Uma vez que você conhece o menor natural, tudo que você tem que fazer é mudar uma nota o sétimo grau, a fim de encontrar o menor harmônico. Uma vez que você conhece as escalas menores harmônicas, tudo que você tem que fazer é elevar o sexto grau e torná-lo em uma escala menor melódica, então é mais fácil do que o que parece e enquanto persistente e você está se divertindo com ele, esta informação irá afundar. Você também pode tentar escrever uma escala por dia em seu sequenciador MIDI, mais e mais você faz isso, você simplesmente memoriza esta escala e você apenas memoriza as notas que combinam. Não queremos passar muito tempo pensando e passando por todo esse processo que estamos fazendo aqui durante a aula. Isso é só para você aprender. Então continue praticando todos os dias, adicione esses exercícios em seu horário de prática e, em seguida, tome seu tempo, uma, duas semanas, um mês, dois meses. As lições ainda estarão aqui quando você voltar e, o mais importante, não queremos apressar novos materiais antes de dominarmos este material. Depois de se sentir à altura do desafio, escreva na grelha MIDI as seguintes escalas e , em seguida, verifique as suas respostas na folha de respostas abaixo. Antes de prosseguir para a lição dois, vamos rever os tópicos que aprendemos na primeira lição. primeira lição ensinou-lhe por que a teoria da música é importante e por que uma vez deveria aprendê-la, o que é e como trabalhar com um sequenciador MIDI, como criar uma prática musical sustentável casual. O básico de como uma onda sonora se comporta quando produz tom. Todos os intervalos simples (dentro de uma oitava), ascendente e descendente. O básico de como a música se move entre tensão e resolução. Como identificar a forma de uma música. O princípio da densidade musical. Ritmo básico: Todos os medidores simples, comprimento norte simples e trigêmeos. Todas as escalas maiores, naturais, harmônicas e melódicas menores. Se você está familiarizado com todos esses conceitos musicais, continue estudando as escalas e os intervalos, mas sinta-se livre para prosseguir para a Lição 2 20. Tríades maiores e menores: Ei, pessoal. Nesta sessão, vamos falar sobre Tríades. Tríades são os acordes feitos de três notas. A maioria das músicas pop usa tríades porque ainda é muito eficaz em termos de criação de tensão e resolução na música, mas sem as cores excessivamente ricas que são acordes com quatro notas têm. Então, vamos ao assunto e aprender sobre as Tríades Principais. Vamos começar construindo uma escala C maior. Então, todas as notas brancas. Agora que temos as notas da escala C maior, para fazer uma tríade maior, precisamos empilhar essas notas, assim. Então, basta pegar todas as notas e empilhá-las, para que todas aconteçam de uma vez. Certo? Então, uma tríade é um acorde feito de três notas, mas vamos pular todas as outras notas. Então, queríamos o primeiro, vamos pular o segundo, vamos manter o terceiro, vamos pular o quarto, e eu vou ficar com o quinto. Então, como são três notas, já temos três notas, vamos apagar o resto. Então, esta é uma Tríade Maior. É uma Tríade C Maior. Então, agora, vamos aprender a chamar os nomes nesta tríade. A primeira nota, esta no fundo, é o que vai dar o nome à tríade. Então, neste caso, é uma Tríade C Maior, porque há notas em C. Agora, por que é maior? Porque o primeiro intervalo, e o primeiro, quero dizer, de baixo para cima, então este intervalo, é uma grande tríade. Então, sabemos que as tríades principais são compostas de quatro meias-etapas. Então, aqui está um, dois, três, quatro. Então, é uma Tríade C Maior, certo? Além disso, esse intervalo aqui é importante, que é o quinto perfeito. Então, de C a G, sabemos que devemos ter sete intervalos, então é um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete. Então, esta é uma Tríade C Maior. Esta nota aqui é chamada de Raiz. Esta nota é chamada de terceira porque da raiz para esta nota há um intervalo de um terceiro, um terço maior. Então, este é o terceiro, e este é o quinto. Então, temos raiz, terceiro e quinto. Agora, vamos analisar os intervalos dentro desta tríade principal para que possamos reproduzir qualquer tríade importante que quisermos. Então, temos uma grande tríade aqui, e daqui em cima, temos um quinto perfeito. Ele contém o terceiro maior aqui, e dessas notas para essa nota, qual é o intervalo? É um terceiro menor, certo? Porque são três passos e meio. Então, um, dois, três. Então, o terceiro maior na parte inferior e o terceiro menor no topo também faz uma grande tríade. Então, agora podemos fazer qualquer grande tríade que quisermos. Então, vamos escolher uma nota aleatória aqui. Este bilhete, digamos, está bem? Então, agora eu vou contar aqui, terceiro maior a partir daqui, então eu sei que são quatro passos meio, certo? Um, dois, três, quatro. Agora, dessas notas para a próxima deve ser um terço menor. Então, um, dois, três. Então, esta também é uma grande tríade. E qual grande tríade? A grande tríade afiada. Então, aqui temos Dó maior, e aqui temos o maior afiado. Legal, então você só aprende o que é uma grande tríade e como formar qualquer grande tríade que você quer. Agora, vamos encontrar a Tríade Menor. Então, para nossos pequenos exemplos, geralmente, começamos de A, porque A menor é todas as teclas brancas, então deve facilitar. Então, vamos fazer uma escala menor, apenas as notas brancas do piano. Agora, vamos empilhar as notas. Agora, mantemos a primeira nota, vamos pular essas notas. Mantemos a terceira nota, vamos pular essas notas, e mantemos essa nota. Então, já temos três, vamos apagar o resto. Esta é uma tríade menor. Qual tríade? A, porque esta nota aqui na parte inferior, chama-se A, então A Tríade Menor. Então, vamos analisar os intervalos. Vamos analisar primeiro o nome das notas. Os nomes são os mesmos. Então, esta é a raiz, esta é a terceira, porque este intervalo é um terceiro, e este é o quinto, porque este intervalo aqui é um quinto. Então agora, você pode pensar sobre isso de duas maneiras em termos de intervalos. Temos um terço menor aqui porque há três passos meio um, dois, três, ou você tem o quinto perfeito aqui, que é sete. Então, um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete. Ou você ainda pode pensar, nós temos um terço menor aqui, e uma grande tríade aqui. Então, aqui temos quatro, certo? Então, um, dois, três, quatro. Então, esta é uma tríade menor. Agora, vamos ver se esta fórmula está correta. Vamos tentar encontrar outra nota, apenas nota aleatória. Vamos dizer isto. É um B, está bem? Então, temos um terço menor, e depois um terceiro maior. Então, menor é três meios-passos, um, dois, três. A partir daqui, precisamos de um terço maior, então são quatro passos e meio. Então, vamos ver. Um, dois, três, quatro. Pedaço de bolo. Então, esta é a Tríade Menor, e esta Tríade B Menor. Vamos ouvir o som, e isto, certo? Então, quando eles jogaram ao mesmo tempo. Parabéns, você acabou de aprender a fazer todas as tríades maiores e menores. Ou você precisa, nós aprenderemos como usá-lo de uma forma que faça sentido, em uma música ou como agrupar esses cabos juntos. Agora, apenas brinque e tente fazer tríades. A única coisa que você precisa lembrar é as tríades principais têm um terço maior na parte inferior e um terço menor no topo. Tríades menores têm o oposto, um terço menor na parte inferior e um terço maior no topo. 21. Tríades diminutas e aumentadas: Oi caras. Agora que conhecemos todas as tríades principais, e todas as tríades menores, vou ensinar-vos as tríades diminuídas e aumentadas. A tríade diminuída relaciona-se com a tríade menor, e a tríade aumentada relaciona-se com a tríade principal. Então, deixa-me mostrar-te o que quero dizer. Então, vamos fazer uma grande tríade aqui, certo? Então, eu só vou ficar com Dó maior porque as teclas brancas do piano, é fácil de ver. Então, como fazemos uma grande tríade? Temos terceiro maior, e depois um terço menor no topo. Ok? Então, este é o C maior. Agora, se você quer fazer uma tríade aumentada, tudo que você tem que fazer é pegar a quinta, que é esta nota. Então, lembre-se que esta é a raiz, esta é a terceira, e esta é a quinta. Tudo que você tem que fazer é pegar o quinto e levantar meio passo. Agora, note, você tem a tríade aumentada C, ambas as distâncias são as mesmas. Então, aqui temos um terço maior, e daqui até aqui, temos um terceiro maior também. Veja, um, dois, três, quatro, e então você tem um, dois, três, quatro. Então, esta é uma tríade simétrica. Então, vamos ver se esta fórmula funciona, e vamos tentar fazer outra tríade. Então, eu vou escolher uma nota aleatória aqui. Isto é um D. Então, se eu quiser fazer uma tríade aumentada em D, eu só faço dois terços maiores. Então, um, dois, três, quatro, um, dois, três, quatro. Então, este é C aumentado, este é D aumentado. Vamos ouvir o som. Agora, ao mesmo tempo que acorde, pedaço de bolo. Agora, vamos fazer uma tríade diminuída. Vamos fazer uma tríade menor. Então, uma tríade menor. Vamos a um menor. Então, temos um terço menor, e depois um terceiro maior. Então, menor aqui, major aqui. Então nós temos, um, dois, três, meio passo de terceiro menor, e aqui no topo, temos um, dois, três, quatro, terços principais. Então, este é “A menor”. Então, se quisermos fazer disso uma tríade diminuída, tudo o que temos que fazer é pegar a nota superior e baixá-la em meio passo. Agora, observe que os intervalos são simétricos novamente. Eles são os mesmos. Então, nós temos um terço menor aqui, e então nós também temos um terceiro menor aqui. Assim, tanto a tríade diminuída quanto a aumentada, eles são semelhantes. Eles são simétricos, então eles têm os mesmos intervalos na parte inferior e no topo. Agora, digamos se queremos fazer outra tríade. Digamos que isso é um afiado. Agora, conte um terço menor. Então, um, dois, três, um, dois, três, certo. Então, aqui temos um terço menor e um terceiro menor, certo? Tudo que você precisa lembrar aqui é a tríade diminuída é feita de dois terços menores um em cima do outro. A tríade aumentada é feita de dois terços maiores um em cima do outro. Em breve, aprenderemos a usar esses acordes de forma musical. Por enquanto, certifique-se de saber as informações de como fazer tríades menores, maiores, diminuídas e aumentadas. 22. Tocando tríades: Oi, pessoal. Então vamos colocar em prática o que aprendemos, tríade maior, menor, diminuída e aumentada. Vamos fazer uma pequena canção aqui. Então, eu vou começar com, vamos ver, um acorde menor, ok? Então talvez eu mudasse para um B menor. - Legal. Talvez agora vá para Dó maior. Então, é um grande terceiro C para E, G em menor terceiro. Então, temos A menor, B menor e, em seguida, C maior. Então vamos voltar para B menor aqui. Legal, também outra coisa que eu gosto de fazer é usar o conhecimento que temos sobre formulários. Então, por exemplo, vamos olhar para esses dois caras aqui e vamos chamar esta seção de formulário letra A. Então nós temos A, B. Então, eu vou repetir o A. Então você tem A, B, A novamente e então aqui vamos ver o que acontece. Então, temos menor maior, dois acordes menores, um maior e aqui vamos tocar aumentada. Este é um método fundamental. Então, terceiro maior e terceiro maior, vamos ver como soa até agora, e então nós só precisamos de um acorde diminuído aqui. Então agora eu vou fazer um B diminuído menor terceiro e outro terceiro menor, certo? Então, o que eu gostaria de fazer é encontrar um loop genérico. Eu realmente gosto de bateria e baixo. Então, eu só tenho um loop aleatório aqui só para ajudar a fazer as coisas funcionarem. Mais tarde, você pode simplesmente excluir esse loop e fazer seus próprios sulcos, suas próprias batidas de bateria. Mas, por enquanto, só para fazer as coisas irem rapidamente, vamos ouvir isso com as batidas. Então podemos tentar uma nota de baixo. Aqui, a raiz destas tríades dá-lhe a pista da nota de baixo. Então, eu vou tentar algo realmente simples só para fazer as coisas funcionarem. Então, temos A. A próxima tríade que temos é B, então temos um C, então temos um B, então temos um A novamente, então temos um B novamente. Então você tem G bemol, e então você tem um B aqui. Bem, vamos usar os trigêmeos. Então, vamos ter um trigêmeo aqui, notas de quarto triplo. Certo? Isto é o que estou a ouvir na minha cabeça. Então, vamos ver, vamos ver se funciona. - Legal. Agora temos o baixo, os acordes, agora vamos fazer uma pequena melodia, talvez. Então, talvez, agora eu não tenho certeza de qual nota eu realmente quero aqui, então eu vou olhar para o acorde. Veja, nós temos um C. Eu tenho um C Nós temos um E no acorde, então eu quero subir. Vou tentar um E aqui, e depois vamos ver como soa. Temos um F afiado e então talvez eu vá porque temos um F aqui e, em seguida, a próxima nota a ser porque ele se repete direito. Vamos ver se funcionou. Gosto da forma como vai para cima, para baixo, para cima. Vai para baixo, para cima, para baixo, para cima, para baixo, para cima. Então eu só vou para uma oitava acima. Então aqui temos, então aqui eu vou fazer algo parecido. Vamos ver se soa bem, a coisa toda. Acho que esta nota pode melhorar. - Legal. Então, a partir deste esboço, podemos obter os acordes e dá-lo a belas cordas ou algum lado do sintetizador. O baixo, podemos colocar baixo acústico ou podemos ter alguns submarinos, como algumas ondas senoais. A melodia, podemos ter uma menina cantando ou podemos ter um saxofone ou uma melodia sintetizador principal, mas o mais importante você captura a essência da sua música porque aqui você tem a carne e as batatas da sua refeição. Você tem a melodia. Você tem os acordes e você tem o baixo. Então, tente fazer um esboço de piano como este, mas pouco antes de tentar, forme as seguintes tríades em seu sequenciador MIDI apenas para ter certeza de que você sabe como fazer as tríades diminuídas, aumentadas, maiores e menores. Então, tente C diminuído, F acentuado diminuído, C afiado maior, B maior, A plana menor, D menor, em seguida, verifique as respostas abaixo. Se você achou este exercício difícil, você fica com esses conceitos antes de seguirmos em frente pois haverá os fundamentos da nossa próxima unidade. Então, certifique-se que você sabe isso bem antes de continuar indo para a próxima unidade. Leve o seu tempo e divirta-se. Você já conhece muita teoria musical para fazer ótimas músicas. Tchau. 23. Dois tipos de acordes: sétima maior e sétima dominante: Ei, pessoal. Agora, que você sabe como formar tríades, podemos passar para um tipo mais sofisticado de acordes, os tetrachords. Estes são acordes feitos de quatro notas em oposição a três como as tríades. música jazz, a Bossa Nova do Brasil, e o blues são baseados em tetrachordas. Então, este som é encontrado em qualquer lugar e em qualquer lugar, desde aquele Mao até Bach. Qualquer coisa que você ouvir provavelmente tem uma tetrachorda nele. Então, Tetra significa quatro. É por isso que quatro acordes, tetrachordas e tríades para três, significa três notas. Neste vídeo, vamos falar sobre dois tipos de tetrachords. O sétimo maior e o sétimo dominante. Ambos os acordes são construídos sobre a tríade principal que aprendemos na lição anterior. Então, vamos construir uma grande tríade aqui. Precisamos de um menor, desculpe, um terceiro maior. Então, um, dois, três, quatro. Então precisamos de um terço menor. Então, um, dois, três. Então, agora que temos C Maior, tudo o que temos que fazer para torná-los em um sétimo acorde Major é adicionar outro terço maior no topo. Então, agora, temos um sétimo acorde. Além disso, outra maneira de pensar é esta. Vamos fazer uma escala de Có Maior. Agora, vamos colocar as notas um em cima do outro. Então, vamos apagar todas as outras notas porque são terços. Então, aqui temos a raiz, vamos pular a raiz, exclui isso, temos o terceiro, exclui o quarto. Mantemos o quinto, apaga o sexto, mantemos o sétimo. Agora que temos nossos acordes de quatro notas, podemos apagar o resto. Então, este é o mesmo tetrachord, C Maior sétimo que adicionamos antes. Então, é um terceiro maior, um terceiro menor, e então um terceiro maior novamente. Este acorde soa como resolução. Parece que chegou em algum lugar, escuta-o. É como se você não quisesse ouvir mais nada depois disso. Você ouve esse acorde e você vai relaxar, você sabe que é um tipo de resolução de acorde. Então, este é o sétimo C. Maior. Agora, vamos falar sobre o sétimo dominante. O sétimo dominante é a mesma coisa, mas vamos baixar o sétimo até meio degrau. Então, agora temos um terço maior aqui, então temos um terceiro menor aqui, e depois outro terceiro menor. Então, quando temos essa relação intervolic, é chamado de sétimo acorde dominante. A razão para isso é que esse acorde está muito tenso e essa tensão soa como movimentos, esse acorde quer ir a algum lugar, então ouça. Depois de ouvir este acorde, quer saber o que vai acontecer, como o que mais? Se você imaginar se você apenas terminar a música assim. É muito estranho, certo? Então, este acorde é para colocar as coisas em movimento e o sétimo ou qualquer sétimo maior acorde soa mais como um tipo de resolução rival de acorde. Lembre-se, você pode aplicar essas fórmulas para encontrar acordes em qualquer lugar. Por exemplo, vamos escolher uma nota aleatória, F afiado, certo? F afiado, se eu quiser fazer F-sharp major sétimo. Eu sei que é terceiro maior, terceiro menor, e depois, terceiro maior. Então, eu vou fazer isso. Terceiro maior, um, dois, três, quatro, e depois, terceiro menor, um, dois, três, depois terceiro maior, um, dois, três, quatro. Este é um grande sétimo acorde. Se eu quiser um sétimo dominante, vamos encontrar o sétimo dominante do zero. Vamos escolher uma nota diferente, vamos escolher um G, e eu sei que o sétimo dominante é terceiro maior, terceiro menor e terceiro menor novamente. Então, vamos fazer isso. Major, um, dois, três, quatro, menor, um, dois, três, menor de novo, um, dois, três. Então, este é um sétimo acorde dominante. Vejo você no VideoQ, onde vamos aprender sobre o sétimo menor e os tetrachords meio diminuídos. 24. Dois tipos de acordes: sétima menor e meio diminuto: Ei pessoal, agora que vocês sabem como construir tetrachordas de tríades principais, vamos tentar aprender os acordes que podemos construir sobre tríades menores, dois deles. O sétimo menor e o sétimo menor acorde de cinco planos, também conhecido como Meio-Diminuído. Então, agora que sabemos o que é uma tríade menor, podemos facilmente construir esses acordes. Então, vamos construir nosso acorde menor escolha aqui, que é A-menor, certo? Então aqui, temos um terceiro menor, um, dois, três, e então um terceiro maior, um, dois, três, quatro. Então, isso é “A” menor. Agora, a fim de fazer A-menor sétimo, nós apenas adicionamos outro terço menor em cima dele. Então, temos um, dois, três. Então, um sétimo acorde menor é basicamente um terço menor, um terceiro maior e, em seguida, um terceiro menor novamente. Outra maneira de pensar nisso é, se você tem as escalas menores, então, A-menor que é todas as teclas brancas do piano. Você empilhá-los. Então, agora, vamos pular todas as outras notas. Então, vamos deixar este, vamos excluir o segundo, vamos pular o terceiro, vamos excluir o quarto, vamos pular o quinto, vamos excluir o sexto, vamos pular o sétimo, e vamos apagar o resto. Então, este é o mesmo acorde que tínhamos antes de um terço menor, um terceiro maior e, em seguida, um terceiro menor. Note que o nome de cada nota permanece o mesmo que as tríades mais um, então temos a raiz. Aqui, temos o terceiro, aqui temos o quinto, e aqui temos o sétimo. A razão para esses nomes é a distância entre as raízes e cada uma dessas notas. Então aqui, temos um terceiro, aqui temos um quinto, e aqui temos um sétimo, bom. Então, vamos tentar construir outro acorde. Vamos ver B-flat ou A-sharp, B-flat, a mesma coisa, certo? Então, precisamos de um terço menor, um terceiro maior e um terceiro menor. Então, menor, agora maior, agora menor. Então, este é A-afiado menor sétimo acordes ou B-flat menor sétimo acorde. Vamos ouvir. Este acorde também pode ser pensado como resolução, genericamente falando. Você vê soa como relaxado. Agora, vamos aprender sobre o pequeno sétimo acorde de cinco planos, que também é chamado de acorde meio diminuído. Vamos levar isso de volta ao sétimo menor, são todas as chaves brancas, então é fácil de ver. Ok, agora que temos aqui A-menor sétimo, o novo acorde é chamado menor sétimo flat cinco. Então, tudo o que você vai fazer é exatamente o que o nome diz. Pegue o quinto, o cinco, e o meio passo inferior, faça um plano. Então, esta é a raiz, esta é a terceira, e esta é a quinta. Então, vamos pegar o quinto, e abaixar meio passo. - Legal. Então, para este acorde, o que temos é um terço menor, então temos outro terço menor, e então temos um terceiro maior, ok? Vamos ouvir como isso soa. Está escuro, certo? São acordes escuros. Ouça de novo. Muito tenso, como um tipo de sensação de suspense. Obviamente, todos os acordes podem soar de muitas maneiras diferentes em termos de emoção e humor. Mas isso eu acho que é justo dizer. A primeira coisa que a maioria das pessoas associaria com este acorde isolado, seria a sensação de inquietude, algo desconfortável. - Legal. Então, vamos tentar construir esse acorde em outro lugar, certo? Então, precisamos de um terceiro menor, terceiro menor, e terceiro maior. Então, vamos escolher... Não sei. Qual nota, um B? Ok. Vamos fazer um B. Então, terceiro menor, um, dois, três. Outro terceiro menor, um, dois, três. Agora um terceiro maior, um, dois, três, quatro. - Legal. Vamos ver se parece com o outro. - Legal. Então, este é o menor sétimo flat five, e este acorde também é chamado de acorde meio diminuído. Você vai entender o porquê na próxima lição. Tchau. 25. Três acordes diminutos: Ei, pessoal. Nesta lição, vamos aprender um acorde muito importante chamado acorde diminuído. Há uma grande quantidade de literatura sobre acordes diminuídos. Adicionei alguns links sobre recursos adicionais. Certifique-se de verificar. Uma coisa interessante sobre o acorde diminuído é a sua simetria. Um acorde diminuído é simplesmente três terços menores empilhados um em cima do outro. Então, escolha qualquer nota que você quiser, E neste caso, e vamos ter três terços menores um em cima do outro. Então, terceiro menor um, dois, três, menor terceiro um, dois, três, e outro terceiro menor, um, dois, três. Então, vamos ouvir como soa. Super tenso. Esta é a tensão máxima. Este acorde era proibido no dia em que você tinha a música da igreja como coros e cânticos gregorianos. Você não podia usar essas tensões, esses intervalos porque as pessoas pensavam que estavam tão tensas, relacionavam esse som com o diabo, com Satanás. É apenas interessante. Há muitas coisas sobre o acorde diminuído. Por exemplo, cada intervalo é feito de três passos meio, um, dois, três, e, em seguida, você tem três desses. Então, você tem três de três, e então, também, você só tem três possíveis acordes diminuídos. Vamos fazer três acordes diminuídos a meio passo um do outro. Então, olhe. Se quisermos fazer um acorde diminuído que começa, digamos, o próximo aqui seria um G. Então, se fizermos um acorde diminuído G, olha o que vai acontecer. Vê este acorde aqui? Se eu virar esta nota uma oitava, é o mesmo acorde que encontraríamos aqui. Então, se eu mover esse acorde para lá, vê? Mesma coisa. Então, se eu pegar esse acorde aqui, o próximo acorde que precisamos encontrar, seria um G-sharp diminuído, que seria um terço menor, depois um terceiro menor, depois um terceiro menor. Então, se eu virar este acorde aqui uma oitava para cima, olha. Eu mexo este acorde, olha. Então, você pode continuar assim, e você continuar encontrando os próximos acordes. Quando você inverte a nota inferior para o topo, ela forma o próximo acorde diminuído. Então, há apenas três possíveis acordes diminuídos, e todo o resto é apenas uma variação de quais notas na parte inferior. Mas os acordes [inaudíveis] o mesmo porque são feitos de terços menores. Olha que som estranho isto tem. Se eu continuar dobrando isso, olhe o som que isso faz. Divirta-se com ele, experimente alguns acordes diminuídos em suas músicas, e eu vou te ver na próxima lição, onde vamos aprender sobre símbolos de acordes. 26. Lendo símbolos de acorde e tocando: Ei caras. Parabéns por ter vindo tão longe. Você já aprendeu a criar todas as tríades e todas as tetrachordas e você também conhece todos os intervalos musicais neste momento. Em teoria, você sabe muito mais do que Bob Marley ou Paul McCartney, todos esses caras sabiam antes de fazerem ótimas músicas. Então, isso não significa que você vai fazer grandes músicas imediatamente, mas isso significa que você deve acelerar a partir de agora seu processo criativo. Você ainda pode olhar para as músicas de Paul McCartney e Bob Marley e aprender as coisas que são muito únicas sobre a forma como eles compõem. Mas você pode olhar para os acordes que eles fazem e suas expressões emocionais que eles usam, e como eles usam, como musicalmente eles fazem certas coisas acontecerem e você pode aprender com isso e aplicá-lo às suas músicas. Agora, você precisa ter certeza de que pode ouvir e identificar os acordes que você sabe construir. Identificar acordes usando nossos olhos no Sequenciador MIDI é muito útil, mas isso não vai ajudá-lo muito. O que realmente mudaria sua produção e realmente aceleraria seu processo de composição, é se você pode ouvir e identificar pela orelha esses acordes. A maneira mais divertida e fácil de aprender como este som de acordes é escrever no Sequenciador MIDI os acordes para músicas populares que você conhece, músicas que você já conhece, escrever esses acordes no Sequenciador MIDI. Então, quando você ouvir a música, você se lembra qual é o acorde e o contrário. Da próxima vez que ouvires uma canção que nunca ouviste antes, vais ficar tipo, oh, esse é o acorde daquela música do Paul McCartney. Então, isso deve ser um sétimo acorde de C maior, ou, oh, esse blues, isso tem que ser como um sétimo acordes dominantes e assim por diante. Então, para fazer isso, você precisa saber ler acordes. Então, deixe-me dar-lhe um exemplo primeiro de como encontrar esses acordes e então eu vou mostrar-lhe como lê-los. Então, por exemplo, se você fizer uma pesquisa rápida no Google. Então, vamos ao Google e digite “Mulher sem chorar”. Eu só digitei acordes Woman No Cry e então aqui, nós vemos “C Não mulher”, e então, nós temos G e com a base em B eu explico mais tarde “sem chorar”, e então nós temos A menor e então nós temos F Então, para aqueles de vocês que não conhece a música, parece algo assim. Ok. Então agora, nós conhecemos esses acordes, vamos para o nosso Sequenciador MIDI. Então, o primeiro acorde foi Dó maior. Então, sabemos disso, modo que pode ocorrer dentro de uma tríade menor. O segundo acorde é G com a base em B. O que isso significa é que você faz um acorde G então G. Então, G é uma tríade G. Agora, o B tem que estar no fundo. Então, podemos pegar a nota de baixo e virar para cima. Então agora, o B está no fundo. Mas você vê que este acorde aqui o primeiro está pulando para o segundo. Então, vamos pegar todo esse acorde, e trazê-lo para baixo um ativo. Então agora, é mais perto vai soar melhor. Então, o próximo acorde aqui é A menor. Então, um menor. Apenas me acompanhe e eu vou te mostrar como ler esses símbolos de acordes, mas assim um menor. Como fazemos A menor? Temos A, depois uma tríade menor, depois uma tríade maior. Então aqui temos um F. Então é uma tríade F. F maior tríade. Então, F temos um F, então temos uma tríade maior, então você tem uma tríade menor. Então, agora, vamos ouvir. O ponto é que mais acordes você procura online de músicas que você já conhece muito bem e você escreve o MIDI aqui, você estará treinando: número um, como fazer os acordes; número dois, como você lê os acordes dos Websites e outras coisas; três, como você vai começar a pensar como aqueles compositores estavam pensando. Então como Mao faz aqueles acordes legais ou como Paul McCartney faz aqueles acordes legais que ele faz. Então, fazendo isso, você aprenderá muito com esses caras. Então tire um momento e pratique um pouco assim. Uma coisa que você precisa saber para fazer isso, é aprender sobre esta tabela aqui. Se você acabou de ver uma carta, ou uma letra simples, isso significa uma tríade. Então esse C-E-G é uma grande tríade C aqui. Então, uma letra simples significa tríade principal. Se você ver uma letra simples com um pouco m ou com M-I-N como menor, então isso ou aquilo significa tríade menor. C mais ou Caug significa tríade aumentada ou você pode ter um F mais que significa tríade aumentada F. Então, a tríade diminuída é este pequeno símbolo aqui, este pequeno círculo ou fraco. Então, uma letra e o círculo e o escurecimento significam uma tríade diminuída. Então, os sétimos acordes dominantes que aprendemos são apenas sete. Então, uma escada e a sétima, isso significa sétima dominante. Major sétimo, você será CM7 ou Cmaj7, sétimo maior. Agora, o sétimo acorde menor será Cm7 ou Cmin7, sétimo acorde menor, e o sétimo acorde diminuído que aprendemos , temos C, o símbolo diminuído e sete ou Cdim7. Agora, acorde meio diminuído que aprendemos é C, é um diminuído com um pequeno traço sobre ele fresco. Então, agora, tente. Escreva os primeiros quatro acordes para a música Help by The Beatles e, em seguida, verifique sua resposta abaixo. Continue fazendo esse exercício. Isso fará seus ouvidos muito melhor e isso lhe dará um monte de vocabulário que permitirá que você faça música muito rápido. Tchau. 27. Encontrando os acordes diatônicos maiores: Ei pessoal, antes de realmente fazermos música com todas as Tríades Major, Menor, Diminuída e Aumentada, a Sétima Maior, Sétima Dominante, a Sétima Menor, Meio-Diminente e a Tetrachordas Diminuídas, precisamos saber qual destes acordes pode ser agrupados juntos. Estes acordes são como planetas orbitando gravitando em torno de outros acordes e outros objetos musicais. Para usá-los efetivamente, precisamos saber quais acordes levam a quais acordes e quais acordes pertencem juntos em uma determinada tonalidade. Tonalidade é algo que a maioria dos músicos sabe o que é, mas é meio complicado de definir. Então, eu só digitei aqui no Google e você tem algumas definições bem simples que eu gostei. Assim, o efeito de estar em uma chave particular. Então, os acordes que você agrupa soam como se pertencessem, e também o uso de teclas convencionais e harmonia, tantos acordes, como base da composição musical. Então, observe a palavra “ouvir convencional”. Então, convencional é porque temos séculos de música sendo desenvolvida e sendo usada de uma maneira particular. Então, eu entendo que às vezes você quer pensar fora da caixa e fazer música super nova, então ninguém nunca ouviu antes, mas é bom conhecer as formas convencionais, e como fazer música dentro de uma tonalidade, e depois que você pode fazer isso, então você será muito mais forte para romper com isso, se você desejar. Certo, então vamos começar como sempre começamos fazendo uma escala de C maior, então todas as notas largas no piano. Ok, e não vou fazer um C aqui porque vamos tentar encontrar os acordes que pertencem a esta escala, a uma escala maior. Então já temos essa nota, então não precisamos repeti-la. Ok, então agora nós temos esta grande escala aqui horizontalmente, certo? Então agora em cima de cada nota da escala, em cima de cada passo desta escada, vamos fazer uma escala maior verticalmente. Ok, então C D E F G A B ok, então isso é todas as teclas brancas do piano ok, então D E F G B C. Observe que estou parando antes que a sequência se repita, a próxima nota seria um D, mas nós já temos um D. Então, apenas um de cada então E F G A B C D F G A B C D E G A B C D E F A B C D E F G E B C E F G A ok? - Legal. Então, lembre-se que as Tríades e os Tetrachords que aprendemos, eles são feitos em intervalos de terços, terços em cima de terços. Então, quando temos terços então, por exemplo, C para E, você percebe que você pula um nó direito, a fim de fazer um terceiro, então você tem C e E, é por isso que é chamado de terceiro porque um a três e então nós estamos pulando este, então Vamos fazer a mesma coisa verticalmente. Então, nós temos essa nota, nós pulamos isso, nós temos essa nota, nós temos essa nota, nós pulamos isso, nós e nós temos essa nota, ok? Então vamos apagar tudo o que não precisamos para encontrar esses acordes. Então, mantemos isto, apagamos aquilo. Manter, excluir, manter, excluir, manter, excluir, manter, excluir, manter, excluir, manter, excluir, manter, excluir, manter , manter, manter, excluir, excluir, manter, excluir Oops! Apagar, manter, apagar tudo bem. Então, agora vamos ouvir esses acordes como eles soam. Está bem. Então estes cabos pertencem à escala de Có Maior para uma tonalidade maior ok. Agora vamos analisar a fórmula geral. Então, no primeiro grau aqui baseado na primeira nota, temos Major 3º, Menor 3º, Major 3º, esse é o meu 7º acorde Major C Maior 7º. Agora, temos um Menor 3 aqui, Major 3 aqui e um Menor 3 ali. Então temos um 7º acorde Minor. Agora, aqui temos um Minor 3 e Major 3 e depois um Menor 3 aqui, então temos um acorde E Minor, E Minor 7º acorde. Aqui temos um Major 3º, Menor 3º e depois um Major 3º. Então, temos a mesma coisa que o primeiro, um acorde 7 Major, neste caso o 7º F-Mor. Aqui temos um terceiro maior, um terceiro menor e, em seguida, um terceiro menor, então isso significa que este G dominante sete. Aqui temos um terceiro menor, um terceiro maior e um terceiro menor. Então é como esses dois caras, então é A Minor 7 e aqui temos um Minor 3, depois um Minor 3 e, em seguida, um Major 3, o que torna este um Meio-Diminuído. Ou um 7º acorde Menor que temos o quinto e baixamos um meio passo ok. Então, estes são genericamente os acordes diatônicos de uma grande tonalidade. Então, se você está fazendo uma música que está em uma chave importante, você pode encontrar os acordes que pertencem lá. Então, por exemplo, o primeiro grau, o primeiro, será sempre maior 7º, Menor 7º, Menor 7º, Maior 7º, Dominante 7º, Menor 7º e Meio-Diminuído. Tudo bem, então isso vai te ajudar a fazer músicas que se encaixem em uma escala Major. Você vai encontrar este tipo de acordes em todos os lugares, desde como rato morto até como Bach. Agora dê um tiro, tente fazer como uma escala F afiada Major e, em seguida, encontrar outros acordes, e então encontrar as qualidades do acorde. Analise os passos e meio passos, e veja se eles combinam com estes, deve coincidir, ok? Então, faça uma ou duas escalas apenas para que você tenha a prática de fazer isso, e então você memorize qual grau tem cada acorde. Está bem? Agora, no próximo vídeo vamos falar sobre como os tribunais funcionam em termos de tensão e resolução, então isso vai ser divertido, porque podemos usar isso. Está bem? No modo musical. Por isso, certifica-te de que estás a perceber o que acabámos de falar, está bem? Tudo bem, Chao. 28. Como esses acordes funcionam (tensão e resolução): Ei, caras. Agora que você sabe quais acordes pertencem a uma grande tonalidade, vamos aprender como esses acordes funcionam em termos de tensão e resolução, que é, em última análise, o que torna a música mais expressiva emocionalmente. Vamos agrupar todos os acordes que aprendemos nas lições anteriores. Então, esses acordes aqui que cairão em grande tonalidade e vamos agrupá-los em três categorias: acordes tônicos, subdominantes e dominantes. Acordes tônicos são os acordes que encontramos nos graus um, três e seis. Então, um. Desculpe um, três e seis. Tudo bem. Então, vamos agrupar esses caras. Um, três e seis. Tudo bem. Estes acordes parecem uma resolução. Eles são acordes relaxados, não muito tensos. Eles tendem o som da música como se tivesse chegado em algum lugar, ideal para começar e terminar canções e frases. Acordes subdominantes são os acordes encontrados nos graus dois, três e sete. Então, dois é o que começa no CD D direito. Então, dois e depois quatro. Então, C D E F. Então o que está começando é F e então sete, o que começa na última nota da escala que é o B. Estes acordes são chamados acordes subdominantes. Estes acordes parecem que estão indo para algum lugar, mas não com pressa. Eles não são ideais para terminar a música com uma vez que o ouvinte estará esperando para ir a algum lugar depois que esses acordes são tocados. Então, vamos ouvir como eles soam. Ao contrário de. Portanto, aqui, temos uma resolução e aqui temos movimento, mas não muito tenso. Então o último acorde está sozinho em sua única categoria e é chamado de acorde dominante. Então, este é o acorde 7 dominante que estamos falando de acordes dominantes. Há apenas um de um tipo nesta escala de medida, é o quinto grau. Este acorde tem um sentimento de urgência para ele. Ela cria tensão que precisa ser resolvida. Em muitos casos, este acorde vai ser resolvido no acorde tônico. Então, este acorde provavelmente irá para uma das discórdias aqui. Genericamente falando, não precisa, mas em muita música tradicional é assim que funciona. Agora, no próximo vídeo, agora que sabemos que isso é resolução, isso está indo para algum lugar, mas não muito tenso e isso é super tenso, precisa ir para algum lugar imediatamente. Agora que sabemos disso e isso se aplica a qualquer escala maior, o próximo vídeo será explorar os acordes diatônicos principais em músicas. Então, vamos ver como as músicas são feitas de tocadas com esses acordes para criar resolução de tensão. Vamos mantê-lo em Dó Maior para que você possa se relacionar com esta lição. Então, vejo-te no próximo vídeo. O Chao. 29. Explorando músicas feitas com acordes diatônico maiores: Ei pessoal, então agora que conhecemos os acordes diatônicos principais, e também sabemos como agrupá-los em resolução tipo de tensão, mas não realmente e super tensão, agora podemos analisar algumas músicas e ver como os compositores usaram isso teoria, a fim de fazer músicas memoráveis. Músicas que todos conhecemos. Então, vamos começar muito básico. Então, vocês conhecem a música? Então, tudo o que fiz foi colocar aqui os acordes do feliz aniversário e da melodia. Em Dó maior para que possamos comparar. Então, vamos dar uma olhada neste acorde aqui, o primeiro. Este acorde é um sétimo C maior, porquê? Porque temos um terceiro maior, um terceiro menor, e depois um terceiro maior. Então, eu não vou gastar tempo analisando os Acordes porque eu suponho que você sabe como esses acordes são feitos, e por que eles estão aqui. Então, eu vou passar o tempo que temos aqui falando sobre quais acordes eles são. Então, este é o acorde porque estamos em C, então C é um. Então, este é um sétimo acorde maior, e então o outro tipo de acordes que temos é este em G. Então, G é o quinto grau, e o quinto grau que sabemos é o sete acorde dominante. Então este é o acorde sete dominante G7 ou G. Então temos C novamente, depois temos F. Então sabemos que F é F maior sétimo acorde é o quarto grau de C, e então temos G e C novamente. Então, feliz aniversário para você só tem três músicas. Só tem três acordes, e estes acordes são: um é um acorde tônico, então lembre-se aqui temos C, então é um acorde tônico. Então G é o acorde dominante, e então F aqui é o acorde subdominante. Então, basicamente tudo o que o feliz aniversário está fazendo é, resolução, tensão, muita tensão, de volta à resolução. Resolução e, em seguida, a meio caminho, e, em seguida, mais tensão levando à resolução. Então, agora que temos isso em mente, vamos ouvir novamente. Então, você viu como essa música é tão memorável e gruda na sua cabeça, e usada como uma de cada grupo? Então, continue fazendo isso, continue recebendo músicas simples, anote-as, e analise-as assim, e você aprenderá muita coisa interessante. Agora vamos ver esta outra música aqui, vocês conhecem a música aqui? Tudo bem. Então, eu fiz a mesma coisa, eu apenas escrevi os acordes, e escrevi a melodia e em Dó maior, então nós podemos comparar, e aqui nós temos C, mais uma vez então esse é o acorde maior tônico sete, então nós tivemos um acorde G aqui, Então deixe-me abrir aqui porque então eu acho que ele mostra a nota, G, C, G. Então, acorde dominante, então nós voltamos para C, e então nós temos um D menor sete, e então G e C novamente. Então, digamos D menor sete. O que foi isso? D menor sete era um acorde sub-dominante, então no feliz aniversário, nós temos C e G, e nós tivemos o outro acorde era um F. Mary tinha um cordeirinho, era a mesma coisa C e G, mas em vez do F, Era um D. Mas ainda está neste grupo aqui, então você vê como essa música foi construída da mesma forma que feliz aniversário? Se você não está ouvindo a harmonia, você pode pensar que essas músicas são completamente diferentes, mas em essência, em termos de estrutura de acordes, em termos de tonalidade, elas são muito semelhantes. Então, mais uma vez ele vai como resolução, e então tensão, em seguida, volta para resolução, em seguida, mais resolução, resolução, então indo em algum lugar, mas não realmente, e então toneladas de uma tensão, e em seguida, de volta à resolução. Então, agora que sabemos como isso funciona, vamos ouvi-lo mais uma vez. Agora vamos analisar uma música adequada. Então eu escolho a Adele, alguém como você. Eu fiz a mesma coisa aqui, escrevi os acordes, escrevi a melodia, e escrevi a linha de base. Então, vamos ouvir. Tudo bem. Então, a primeira coisa que vamos fazer, vamos silenciar a melodia, ver como os acordes continuam repetindo. Então, esses acordes só se repetem aqui, e repitam aqui e repitam aqui. Então, vamos dar uma olhada mais de perto em um conjunto de repetições. A música que eu tinha só esta parte o refrão, só tem quatro acordes. Então os acordes são. Então, eu vou pegar a linha base, e eu vou colocar uma oitava op para que possamos facilmente ver quais são os acordes. Então, eu vou selecionar a linha de base e subir uma oitava, e então eu vou ampliar aqui. Então nós temos C E G C. Então, esta é uma tríade C maior. Então aqui temos G D G B. Então, esta é a tríade G Maior bem aqui. Aqui temos uma tríade menor, porque temos A, então temos A C e então se você colocar este E aqui em cima, isso é uma tríade menor direita. O último acorde que temos é um F se você colocar esse cara aqui em cima, este é um F. Então, a razão de algumas notas serem viradas, é porque há essa coisa chamada inversões de um acorde que vamos falar mais tarde. Por enquanto, estou colocando todos os acordes aqui em suas posições originais, as que estudamos até agora, e soaria assim da maneira que os conhecemos até agora. Tudo bem. Reparem apenas tríades por enquanto, certo? Coisas muito simples. Vamos analisar a música então aqui temos C, que é tônico um, G que é cinco, que é fio dominante. Então temos A, A menor, se olharmos para nossa análise aqui, um menor estava aqui. Era também um acorde tônico. Então isso significa que temos tônico, e então dominante, e então tônico, e então você foi para um F. F também está aqui, é um acorde subdominante. Então, mais uma vez, a canção de Adele tinha exatamente a mesma estrutura de acordes que feliz aniversário, e Mary tinha um cordeirinho. Ele tinha um tônico, ele tinha um dominante, ele tinha outro tônico, e ele tinha um subdominante. A mesma coisa que Mary comeu um cordeirinho. Tinha um tônico, tinha um dominante, tinha um subdominante, e então ele tinha um tônico novamente. Então, a canção Adele também tinha a mesma estrutura de acordes que casar tinha um cordeirinho. Então, aqui temos tônico, temos dominante, e então aqui temos sub-dominante o sétimo D menor, e então dominante e tônico. Resumindo, tínhamos tônico, subdominante, dominante, tônico, e aqui tínhamos tônico, dominante, tônico, subdominante. Então, diferentes ordens dos mesmos grupos de acordes sendo usados. Então isso deve nos dizer alguma coisa. Então, sinta-se livre para explorar todas essas dinâmicas, todas essas músicas que você pode aprender muito com ela. 30. Esboçando músicas: Ei caras. Vamos ficar com C Major por enquanto. Lembre-se de que mudar as teclas no sequenciador midi é apenas uma questão de selecionar tudo de uma vez e mover para cima ou para baixo. Então, por enquanto, vamos ficar com Dó Maior e, mais tarde você pode fazer suas faixas em qualquer tonalidade que quiser. Deixe-me dar um exemplo de quão fácil você pode fazer uma música quando você sabe a escala e a tonalidade em que sua música vai se basear. Aqui eu gostaria de mencionar a importância de começar a usar um esboço de piano para melhorar suas habilidades como compositor. Uma vez que você compõe os acordes e a melodia e possivelmente a linha de baixo, tudo o resto pode vir de muito mais fácil. Uma vez que você tem o esboço de piano com a melodia, baixo e acordes, você pode atribuir esses, nós de mídia, para sintetizadores para gravações de campo que você lança em samplers para fazer, os sons que você precisa ou você pode gravar o vocalista, ou você pode usar quaisquer plugins loucos que você quiser. A idéia aqui é produzir a música que você ouve dentro de sua cabeça primeiro e a natureza levou o processo de produção de equalização, design de som, todas essas coisas para ditar como sua música vai soar no final. Eu só quero fazer um aviso aqui de que há muitas maneiras de fazer música, e devemos respeitar todas as maneiras possíveis. Usar a teoria para extrair melodias de dentro de sua cabeça e executá-las, ao contrário de apenas brincar com o software ou gravações que você fez e ver o que acontece, é apenas uma das médias e abordagens de como fazer música que existe lá fora. Aprenda este método que estou ensinando, mas mantenha a cabeça aberta para qualquer coisa que possa funcionar para você em termos de fazer música. Agora, dê uma chance e tente aplicar essa teoria. Tente fazer um esboço de piano da mesma forma que eu fiz Feliz Aniversário. Fiz um esboço de piano de Mary Had a Little Lamb, fiz “Someone Like You” da Adele. Então, nós temos aqui a doença e nós temos aqui os acordes e nós temos aqui a linha de baixo, tente fazer isso. Escolha a música que você gosta de uma música conhecida, uma música que sua mãe reconheceria, uma música que é muito eficaz, e aprenda os cabos, vá on-line e digite o nome da música e acordes, descubra Os acordes escrevem, tentam encontrar a melodia, a linha de baixo e continuem a fazer esboços como este. Escolha músicas fáceis no início como Mary Had a Little Lamb, esta canção criança primeiro porque eles são muito fáceis. Então você pode construir um pouco mais, para coisas mais interessantes. Depois de terminar, compartilhe este esboço de piano com seus colegas e você receberá alguns comentários. Você pode passar mais tempo no esboço do piano e, em seguida, uma vez que você tem uma idéia muito forte em termos de melodia, acordes e linhas de baixo, então você pode ir em frente e começar a produzi-lo com Cs, Q's e design de som e plugins, que irá tornar a sua produção muito mais rápida. Antes de iniciar a atribuição, verifique o link nos recursos adicionais abaixo. Aquele vídeo lá, mostrará que certos acordes diatônicos são tão fortes juntos que dezenas de músicas acabam usando os mesmos acordes. Não, porque as pessoas apenas copiam umas das outras, mas porque a nossa 12ª Paleta de Pitch funciona, discutem, funcionam muito bem umas com as outras. Então, eu espero que você fique animado com isso e você aprenda as formas de acordes diatônicos convencionais e grandes tonalidades e se divirta com isso. Isso certamente tornará sua produção mais forte. Agora, na próxima unidade vamos aprender os acordes diatônicos menores. Isto é especialmente interessante para todos que gostam de música de dança eletrônica, porque 90% da música de dança eletrônica são feitas em uma tonalidade menor. Então, espero que esteja ansioso. Te vejo na próxima unidade. Unidade quatro Chao. 31. Encontrando os acordes diatônicos menores: Ei caras. E se você quiser fazer uma música em uma tonalidade menor? Deixe-me mostrar-lhe a diferença entre tonalidades maiores e menores de uma forma que é muito simples de entender pelo ouvido. Feliz aniversário para você está em uma chave importante. Vamos ouvi-lo. Agora, se a mesma música é tocada em uma tonalidade menor, torna-se assim. Vamos começar escrevendo uma escala menor. Todas as chaves brancas. Não precisamos do “A “para repetir. Ok? Agora, na verdade, em vez de andar com A menor. Vamos trabalhar com Dó menor, porque assim podemos compará-lo com a escala maior. Tudo que você tem que fazer é selecionar todas as notas e ir para C. Agora temos escala C menor, ok? Natural menor, C natural menor. Agora, vamos fazer a mesma coisa que fizemos com a outra escala. Vamos empilhar todas essas notas verticalmente em cada acorde, certo? Vamos fazer este C, D aqui, E flat, depois temos um F, depois temos um A, depois temos um A, depois temos um B, ok. D e então temos um plano D, então ele tem um F, então temos um G. tem um plano G, um plano A, então temos um plano B. Se está se perguntando, como eu sei disso? Bem, eu só sei disso, porque eu memorizei e isso vai acontecer com você quando você usar essa balança o suficiente, mas por enquanto você pode apenas olhar aqui. Certo? Temos D, qual é a próxima nota? F, qual é a próxima nota? G. Qual é a próxima nota? Qual é a próxima nota? Então você continua e qual é a próxima nota depois disso? É C, certo? Nós vamos C e ele continua indo até você repetir depois que C é D depois D é D afiado. Vai repetir. Só te mostrar mais uma vez. Qual é a próxima nota? Olhe horizontalmente. É este, então você coloca verticalmente. Horizontalmente é este, você colocá-lo verticalmente, horizontalmente é este, você colocá-lo verticalmente. horizontalmente o próximo é C, você coloca um C lá, e então D, E plana e assim por diante, direita. Até que se repita novamente. Vamos continuar fazendo isso. Flat, e depois F, e depois g, e aqui temos C, D, E flat, F, G e A. Ok. Então o próximo vai se repetir, ok? Agora, a mesma coisa que fizemos com o major, queremos ver cada, queremos fazer intervalos de terços. Queremos pular todas as outras notas, a do meio. Por exemplo, vamos manter isso, excluir aquilo. Manter, apagar. Manter, apagar. Manter apagar. Manter apagar. Manter apagar. Agora, isso é um pouco mais complicado porque lembrem-se, nós temos três escalas menores e, antes, eu disse a vocês que eu ia explicar por que nós temos três escalas menores em vez de apenas uma. A razão pela qual temos harmônicos naturais e melódicos é porque se analisarmos esses acordes aqui como eles estão agora, vamos encontrar exatamente os mesmos acordes que encontramos para a tonalidade maior apenas em uma ordem diferente. Isso não seria de grande ajuda para mudar o humor das coisas para fazer um menor em vez de major. Para fazer esta função e gravitar juntos um som menor, precisamos às vezes encontrar esses acordes da escala harmônica e às vezes encontrar esses acordes da escala melódica. Se bem se lembrarem, vou fazer umas anotações aqui, está bem? Se vocês se lembram de quando tivemos um C, vou escrever uma pequena escala aqui. Quando tínhamos uma escala menor, vamos um A que é fácil de ver, tudo o que fizemos para fazer este harmônico foi levantar o passo sete e fazer um melódico, elevamos o passo sete e o seis. Ok? Agora, se você colocar isso de volta em C. Nós vemos aqui que essas duas notas podem variar, ok? Na escala de C menor ou C harmónico menor ou C Melódico Menor, você pode ter essas variações. Então, às vezes vamos ver “G Sharps” ou “A”. Às vezes você vai ver “A natural” e às vezes vamos ver “B” ou “A” e às vezes vamos ver “B naturais”. Esteja ciente de que em pontos quando começamos a analisar esses acordes aqui, esses acordes aqui, às vezes todos os cortantes G podem ser como ou não, ou às vezes todos os planos B ou B, os afiados A podem ser B ou não. Dependendo do que a tradição e a convenção dizem. É por isso que estudamos teoria musical para aprender sobre essas convenções, certo? Agora, vamos analisar. O primeiro acorde aqui, que é o terceiro menor, e depois o terceiro maior, e depois o terceiro menor. Este é um sétimo acorde menor. O segundo acorde, estamos familiarizados com. Este acorde é um terço menor, um terço menor e um terceiro maior. Isto é meio diminuído. O terceiro acorde que também estamos familiarizados com, que temos um terceiro maior. Então temos um terço menor e depois um terceiro maior, então este é o sétimo acorde maior. Este acorde que também estamos familiarizados com o qual é terceiro menor, e depois terceiro maior, e depois terceiro menor. Então, este é um sétimo acorde menor. Este acorde aqui, nós também estamos familiarizados com, e aqui é onde nós vamos ter uma pequena mudança. Estas notas, lembras-te quando eu disse que “A afiada “podia mudar para “B “às vezes? Então, sim. Vamos bater este meio passo. Vamos usar como se fosse o menor harmônico. Depois de fazermos isso, este acorde aqui, estamos familiarizados com, seu terceiro maior. Então temos um terço menor, e depois um terceiro menor. Este acorde é chamado de Sete Dominante, o Sete Acorde. Este outro acorde aqui, nós também estamos familiarizados com e é a mesma coisa que o terceiro acorde que é maior terceiro, menor terceiro e, em seguida, Major terceiro, que é um grande sétimo acorde. Finalmente, nosso último acorde, nós realmente vamos fazer outra mudança. Mesma coisa que fizemos aqui nós bater esta nota para cima, nós vamos bater esta nota para um B, bem como se fosse da escala harmónica menor em oposição à escala natural. Aqui, vamos ter um terço menor, e depois um terceiro menor, e depois outro terço menor. Este é um acorde diminuído, acorde totalmente diminuído. Para os primeiros acordes, temos sétimo menor, depois metade diminuiu, depois temos sétimo maior. Então temos o sétimo menor. Então temos o sétimo, como acorde dominante, depois temos o sétimo maior. Então temos um sétimo acorde totalmente diminuído. Estes acordes são ótimos, aprende-os, todos eles pertencem juntos nesta ordem e podemos usá-los para fazer uma grande música. No próximo vídeo, mostrarei como agrupar essas resoluções de intenção de acordes e depois o vídeo depois disso, vamos analisar algumas músicas e ver como outros compositores usam esses sons antes. Tchau. 32. Como esses acordes funcionam (tensão e resolução): Ei caras. Da mesma forma que o som menor, a tonalidade menor tem então sentimento misterioso para ele, a maneira como ele funciona em termos de resolução de tensão, não é tão claro como a tonalidade maior que tem este acordes tônico subdominante, dominante. Em uma tonalidade menor, eles são mais, alguns acordes podem funcionar de ambas as maneiras ou maneiras diferentes, dependendo de como você usa. Então, eu vou fazer aqui que demonologia mais solta, e vamos apenas agrupar acordes em; menos movimento, o que seria acordes de resolução. E o movimento da mídia, que é acordes eles têm alguma tensão, mas não muito. E muitos movimentos, que são de acordes que tem muita tensão e são muito tensos e se movem muito. Então, tenha em mente que nada disso é, é muito rigoroso. Estas são diretrizes gerais, para que possamos entender como analisar músicas de ordem. E assim temos um lugar para começar quando estamos compondo lidando com esses acordes. Ok. Então, vamos ver aqui. Na primeira categoria, menos tipo de resolução de movimento de acordes, vamos ter graus um e quatro. Ok. Então, vamos ver como eles soam. Que é um sétimo acorde menor. E também outro sétimo acorde menor. Legal. Então eu vou mover este cara em uma porta, e passar por um e quatro juntos. Ok. Agora, segunda categoria de movimento médio, alguns acordes de tensão. São dois, três e seis. Então, dois esse cara aqui, dois. E depois três, que é esse cara aqui. E depois seis que era este tipo. Ok. Então, quais são as qualidades que temos aqui? Temos uma metade diminuída. Temos um grande sétimo acorde. E você tem outro grande sétimo acorde. Ok. Então, vamos ver como eles soam. Ok. Agora, vamos ver a última categoria, muito movimento, e muita tensão. Ok. Estes são os quinto. E os sétimos acordes. Ok. Ambos são dominantes. Então, você vê que a tonalidade menor temos dois acordes nesta categoria, ao contrário de apenas um como o, tonalidade maior. Ok. Então, memorize isso, esteja familiarizado com este sub-agrupamento dos acordes, e então quando você se sentir confortável com, vamos para o próximo vídeo onde vamos explorar algumas músicas, que usam esses acordes e ver como, as pessoas ou compositores usam isso para fazer boa música. O Chao. 33. Explorando músicas feitas com acordes diatônicos menores: Ei, pessoal. Então, aqui é onde vamos explorar músicas feitas dentro da tonalidade menor usando esses acordes tônicos menores, e ver como outros compositores usam o conhecimento que aprendemos para criar ótimas músicas. Então, acabei de fazer o esboço do piano para esta música. É o tema do Poderoso Chefão, o filme. Vamos analisar os acordes. Então, temos a melodia aqui, e aqui temos os acordes. Este é o Dó menor. Então, Dó menor. Então, se vemos aqui, isso significa em nosso lado de resolução das coisas. Então temos “F” menor. Também está aqui, resolução parte disso. Então, depois disso, voltamos para Dó menor, e depois voltamos para Fá menor, volta para Dó menor. Então temos G. Então, o G7, está aqui. Também este acorde aqui, um tipo descontraído de som. Às vezes pode funcionar aqui também. Para muitas progressões de acordes menores, este acorde pertencerá a este grupo na verdade, e às vezes estará aqui. Eu te disse, a tonalidade menor, funciona de várias maneiras diferentes. Então, aqui vemos o Poderoso Chefão mais uma vez e indo 1414151. A mesma coisa que algumas das grandes músicas fizeram, mas com um acordes menores em vez disso. Antes aqui é um pequeno sétimo acorde, então podemos até adicionar o sétimo aqui. Ou este acorde, poderíamos até adicionar o sétimo aqui para que soasse assim. Vamos adicionar este sétimo aqui. Vamos ver como soa. Mais importante, você viu como esses acordes vieram da mesma escala de Dó menor e suas variações? Só usando isso, ele fez uma ótima música. Esta é uma maneira legal de praticar. Ouvi que a música em um filme veio aqui, descobri os acordes e a melodia e escrevi, então agora sei como é feita. Então, isso vai melhorar minhas habilidades de composição. Da próxima vez vou compor uma música com uma tonalidade menor. Se você não pode aprender de ouvido, basta entrar online e digitar. Tenho certeza que se você digitar acordes do Padrinho, você encontrará esses acordes, e então você apenas coloca a chave que você quer. Você pode anotar qualquer chave que você encontrar, e então basta selecionar tudo e se mover. Então, esta música aqui é Berlim do Mode Seletor. É do CD Monkeytown. Então, aqui, eu fiz o esboço de piano de.. A música está em E menor. Então, para facilitar as coisas, eu vou colocar isso em Dó menor para que possamos comparar com as outras músicas. Então eu vou apenas selecionar tudo, e então movê-lo para baixo para C. Então, em C, soa como este. Aqui, vamos analisar. Então, temos Dó menor. Então, aqui temos um terço menor e um terceiro maior, e depois passamos. Este acorde está invertido. Então, se pegarmos as notas de cima e abaixarmos uma oitava é um “G” menor. C é um G aqui e um terceiro menor até lá, e então A afiado para D é um terceiro maior. Então, este é um acorde menor. Então, G para C, este é um cinco menor. É suposto ser dominante, é menor. Então, aqui. Quando construímos o acorde no G aqui, você vê? Tínhamos um B. natural mas lembrem-se que a escala C, a escala natural C, ele tinha um bemol. Mudamos isto para B natural, a fim de tornar este acorde dominante. Então, o compositor desta peça simplesmente escolheu não mover isso. Este é um exemplo de como você pode jogar ambos os lados com o sétimo e os seis graus da escala menor. Então, vamos voltar aqui. Então, nós temos um e nós temos cinco. Depois disso, fomos ao E-flat na base. Então, se nós apenas derrubar essas notas, nós vemos aqui E-flat maior. Então, daqui até aqui temos um terço maior, e daqui até aqui temos um terço menor. Então E-flat, vamos ver aqui onde está o nosso acorde E-flat. E-flat. Tão D-afiado, E-flat, as mesmas notas. Então, este acorde aqui é onde tivemos um tipo de tensão, mas não realmente. Então, isso é o que temos aqui. Então, fomos de um para cinco, para três. Então, o acorde final é que temos A-flat aqui na base. Então, temos A-flat, C, E-flat. Então, esse é um terceiro maior aqui, e um terceiro menor. Vamos ver o nosso acorde plano A aqui. A-flat está certo. A bem aqui porque é um G-sharp, A-flat é o harmônico. A plana e G afiada, a mesma coisa. Então, aqui temos. A-flat, C, E-flat, e aqui temos A-flat, C, e A-flat e harmônicos, mas a mesma coisa. Você vê? Então, você vê que todos os acordes desta música pertencem a uma tonalidade menor. Então, quem fez essa música sabia onde estava fazendo. Eles colocaram esses acordes aqui porque sabiam que vinham de uma escala particular. Então, você vê como interessante pode ser como uma vez que você domina isso, você pode fazer muito com ele, muito, muito. Tenha em mente, a única coisa que é complicada sobre isso é o sétimo e o sexto grau, que neste caso de C menor é o B, pode ser um B plano ou B natural, e também o G-sharp pode ser um G-sharp e pode ser também um A natural em todos os acordes. Por exemplo aqui, nós também poderíamos tentar este acorde e este acorde, porque todos os B e todos os G-sharps aqui podem ser alterados porque você estaria implicando na escala harmônica ou na escala melódica ou na escala natural. Então, você tem ainda mais possibilidades do que a grande tonalidade. Espero que isso tenha sido inspirador e espero que você encontre músicas por conta própria, músicas fáceis e faça esses esboços de piano. Passe tempo estudando música em vez de apenas fazer música. Tente aprender os acordes de outras músicas e o que pertence onde, e garanto que no futuro você vai economizar tempo. Próximo vídeo, vamos falar sobre como fazer um esboço de piano usando a tonalidade menor, e eu vou te dar um pequeno desafio. Tchau! 34. Conhecimento de acorde e composição de música: Ei, pessoal. Deixe-me mostrar-lhe como você deve fazer um piano um esboço de uma música em uma tonalidade menor. Você pode começar de onde você estudá-lo e, em seguida, chegar a algo realmente original. Então, lembre-se da música dos seletores de modo que analisamos na classe anterior, soou algo assim. Ok, então eu vou apenas copiar esse clipe aqui, e eu mudo a cor. Vou apagar tudo além do primeiro acorde. Eu também gosto do sulco que eles tinham. Então, temos até agora. Ok, eu vou repetir isso e também eu gosto de um sétimo acorde aqui. Então, lembre-se que temos esses acordes para escolher. Os acordes da tonalidade menor. Então, neste momento, você deveria ter memorizado tudo isso e saber como contorná-los. Se você não fez isso, tente fazer isso mais cedo, melhor porque então todo o resto será mais fácil. Então, aqui, eu vou para o segundo acorde. Então, o acorde D é um acorde meio diminuído. Então, eu só vou para aqui e fazer o meu D, que será D, menor terceiro, menor terceiro e maior terceiro. Então, eu vou fazer assim, e então imediatamente eu vou cair para G, que é o dominante. Então, é um terceiro maior e o terceiro menor, terceiro menor. Então, eu vou voltar para C, mas eu vou voltar para estes aqui. Vamos ver o que tenho até agora. Eu gosto desse tee ta. Vou demorar este acorde aqui e repete novamente antes que continue. Então, eu vou para, vamos ver. Vamos tentar E-flat. A, desculpe A-flat ou G-sharp major. Então, algo assim. Então, vou repetir isto. Então, eu vou para o quarto que é um F menor, vamos ver. Talvez só ir aqui, e depois. Então, eu gosto de bateria e baixo. Então, meu esboço vai ser em 160 BPM e eu vou adicionar um pequeno loop aqui apenas para começar as coisas indo. Mais tarde, se eu quiser transformar isso em uma produção real, eu vou apagar o loop e fazer meu próprio groove, minhas próprias amostras, minha própria bateria, e mudá-lo essas notas de piano em baixos, pads, acordes, leads, vocais e qualquer coisa. Mas, por enquanto, vamos fazer as coisas aqui, vamos ver como soa a essa velocidade. Tudo bem. Então, agora, eu vou fazer um baixo. Então, agora que conheço os acordes, sei onde estar. Então, talvez só para. Então, fazer um esboço de piano permitirá que você caminhe sobre a essência da música de muito mais tempo e depois se preocupe com a produção mais tarde. Assim, uma vez que você tem uma boa coisa musical acontecendo, você pode transformar isso em um milhão de estilos diferentes, você sabe como uma boa música pode ser feita em um milhão de versões diferentes. Então, antes de entrar em sua produção, se você tiver certeza de que você tem uma boa música ou bom material aqui, você pode produzir de uma forma muito mais forte. Além disso, tenha em mente que todos os meus exemplos têm um ou dois ou três ou quatro barras de comprimento, mas você poderia literalmente fazer um esboço inteiro como você poderia fazer uma música inteira em vez de apenas quatro barras. Você não precisa, mas eu estou limitado aqui por causa do tempo, mas sinta-se livre para explorar com os acordes de piano e melodias o tempo que você quiser, como quiser e depois divirta-se com ele. Ok, então agora é a sua vez de aplicar esta teoria. Faça uma música usando o piano mini ou o esboço de piano, que use acordes e melodias e compartilhe no fórum, na classe, seus amigos possam lhe dar feedback, seus colegas aqui eles também estão assistindo a essa aula, pode dar-lhe alguns comentários. Divirta-se e certifique-se de exportar a tonalidade menor porque é um som muito interessante. Então, só para embrulhar. Nesta última aula, você aprendeu todos os acordes básicos, major, menor, diminuído, aumentado, tríades, sétimo maior, sétimo dominante, sétimo menor, meio diminuído, e diminuído tetrachordas. Você também aprende todos os símbolos básicos de acordes e como lê-los. Você também aprendeu quais acordes pertencem uma grande personalidade e quais acordes pertencem em uma tonalidade menor. Você também aprenderá a aplicar a teoria para fazer músicas e ver como outras músicas foram feitas. Então, seu projeto principal será ter esses dois esboços de piano, um de uma tonalidade maior e um em uma tonalidade menor. Certifique-se de que o seu desenho de piano tem acordes, melodia e baixo. Ok? Tudo bem, divirta-se. Vemo-nos na lição três. 35. Métrica composta: binária, ternária e quaternária: Ei caras. Já aprendemos sobre medidores simples, como medidores duplos, triplos e quádruplos. Isso simplesmente significa que você pode agrupar as batidas de sua música em grupos de dois, três ou quatro. Cada um desses medidores também chamados de assinaturas de tempo dar à música uma sensação particular. A maioria dos EDM tem um simples metro quádruplo e Waltz, por exemplo, tem um metro triplo. Neste vídeo, vamos aprender sobre medidores compostos. Metros compostos ou assinaturas de tempo simplesmente significa que, em vez de dividir cada batida por dois, a fim de encontrar este menor comprimento de nota, meia nota, nota de quarto, oitava nota, dividimos cada batida por três. Essencialmente, é a mesma coisa que usar trigêmeos no medidor simples. Mas a diferença é que quando você usa trigêmeos, há apenas esse duplo que você usa aqui e ali para diversificar os ritmos que você está usando. Então, por exemplo, digamos que eu faça como uma batida que tem, e então eu um duplo. Então, eu tenho uma nota de quarto, duas oitavas notas, uma nota de quarto, e aqui eu vou para oitava nota de trigêmeos, e eu vou. Vamos ver. Então eu vou colocar uma batida contra ele. Percebemos que só nesta parte temos trigêmeos. Tudo isso e nossas batidas, eles estão todos em uma grade de medidores simples. Então, os trigêmeos aqui parecem uma reviravolta. Não parece que a música inteira esteja em um medidor composto. Então, deixe-me mostrar-lhe uma música que você pode dizer que este é um medidor composto que é FML de Deadmaus, do álbum, From Lack of a Better Name. Você vê quando o baixo cair, a canção vai se sentir em três subdivisões por três em oposição a subdivisões por quatro. Verifica isso. Um, dois, três. Um, dois, três. Um, dois, três. Um, dois, três. Um, dois, três. Um, dois, três. Você não pode contar isso em dois. Então, um, dois. Um, dois. Um, dois. Um, dois. Um, dois. Um, dois. A base não está fazendo isso. Tudo bem. Os tambores. Vai um, dois, um, dois, um, dois. Mas a base, vai três, um, dois, três, um, dois, três, um, dois, três, um, dois, três, um, dois, três. Então, você pode dizer que este é um medidor composto. Então, por exemplo, se a música estivesse em um medidor simples, soaria como tata tata tata tata ou tatatata tatatata tatatata tatatata tatatata tatatata tatatata, porque são quatro ou duas subdivisões por batida. Mas FML trilha de Deadmaus tinha três em oposição a dois. Então foi um, dois, três, um, dois, três, um, dois, três, um, dois, três, um, dois, três, um, dois, três, tatatata tatatata tatatata tatatata tatatata. Teoria tradicional mostra medidores compostos duplos, triplos e quádruplos por 6/8, 9/8 e 12/8. FML pode ser interpretado como tendo um 12/8 metros, porque sente que as batidas são agrupadas em uma barra de música, mas também que cada batida tem uma subdivisão interna de três em vez de dois. A equivalência é um 2/4 com trigêmeos que soaria como um 6/8. 3/4 medidor simples com trigêmeos seria igual a um metro 9/8, e o metro 4/4 com trigêmeos todo o caminho soaria como um metro 12/8. Com isso dito, eu não recomendo que você use medidores compostos em seu software de música para produzir música para montar lá em 6/8 ou qualquer coisa, a menos que você realmente sabe o que você está fazendo. Você está melhor usando medidores simples e mudando as grades midi para trigêmeos, e isso é provavelmente o que Deadmaus fez para produzir FML. Quando os músicos lidam com a notação tradicional, faz sentido usar medidores compostos para simplificar a notação no papel. Mas para os nossos propósitos, não há muita diferença entre 4/4 jogado com trigêmeos e um 12/8 metro. Agora é a sua vez de aprender fazendo isso. Explore o som dos medidores compostos em seu sequenciador midi. Fazendo todo o nosso esboço de piano, com a grelha de trigêmeos ligada. Durante todo o tempo, basta colocar a grade de trigêmeos e ficar com ela e ver se você se inspira de uma maneira diferente. Contra este esboço de piano, tem um loop indo com uma batida. Então, você sente os três contra dois. Os três do seu esboço de piano, contra as duas subdivisões de qualquer loop que você está usando. Em seguida, compartilhe seus resultados com seus colegas no fórum desta classe. Você receberá um bom feedback e ficará mais inspirado para continuar estudando teoria musical e fazendo mais música. Tchau. 36. Sincopação: Ei, pessoal. Hoje, vamos falar sobre um dos meus tópicos favoritos, sincopação. É apenas um dispositivo rítmico muito divertido que você pode usar para dar shuffles e grooves e diferentes preenchimentos de ritmo para suas músicas. Syncopation é o nome para quando a batida forte de um medidor é deslocada. Então, em vez de ir um, dois, três, quatro, talvez você vá... você subdivide de maneiras estranhas e eu vou mostrar isso daqui a pouco. Jazz e casa profunda estão entre os estilos musicais que têm sincopação constante. Vamos ver um exemplo aqui. Encontrei esta faixa, que na verdade é chamada de 10 paredes andando com elefantes e sincopia bastante. Então veja isso. A linha de base sincopada. Ouçam isso. Então aqui eu só fiz um esboço de piano dessa música, apenas o baixo contra algumas batidas simples. Então podemos ver exatamente o que está acontecendo em termos de sincopação. Então eu vou expandir isso aqui. Tudo bem. Vamos ouvi-lo. Tudo bem. Então, aqui a primeira coisa que notamos é que só temos duas notas graves no um, então você vê cada barra, uma barra é desse tamanho nesta grade e nós temos essas notas, e nós temos essas notas, elas estão bem na batida. Veja aqui não há nada na batida. E veja aqui não há nada na batida. Então aqui temos dois grupos diferentes. Temos este lado, o sincopate e então ele reinicia o ritmo deste lado e sincopia novamente. Então vamos olhar aqui o que é sincopação em - para nossos propósitos nesta grade. Você vê aqui que esta música... essas notas devem cair aqui. Se estas notas estivessem na batida, elas soariam assim. Certo. Ouça como isso soaria. Tudo na batida. Certo. Vamos ouvi-lo. Novamente. Você vê que tudo é sobre as batidas fortes muito previsível. Então o que ele fez foi em vez de estar na batida que ele deslocou, você vê aqui nós temos esta coluna, mas todas as notas são compensadas. Se eu destacar essa coisa e eu mover dois para o lado, você verá como isso está alinhado. Isso agora está alinhado. Isto está alinhado. Mas não era isso que ele tinha. Ele tinha-o assim. Então ele colocou esse ritmo das batidas fortes em vez de estar aqui, está bem ali. Em vez de estar aqui, está bem ali. Então vamos ver como soa sincopado. Certo. Então a sincopação é o campo que está compensando a batida forte. Agora vamos olhar para um exemplo, eu usei este esboço de piano que eu fiz como um exemplo em uma classe anterior. Parecia assim. Então agora o que eu vou fazer é, eu vou começar a compensar apenas os acordes, eu vou deixar o baixo sozinho e a melodia e eu vou compensar as discórdias. Por enquanto, em vez de mudar os acordes a cada batida forte, vou torná-los um pouco mais curtos. E vou copiá-los como se fossem, por falta de um termo melhor, como se estivessem errados. Como acontecer de uma forma estranha. E então talvez aqui eu volte para algo menos forte, talvez não. E então vamos começar a compensar, você vê como ele muda na batida forte? Nós não queremos isso. Então vamos fazer essa mudança que você conhece de uma forma compensada. Você vê como ele é compensado com a grade em vez de estar aqui ele está lá agora. E depois mais um, e depois faz este fora do caminho. Então você pode substituir este, mais um. E então, talvez no final façamos algo mais convencional, então você vê aqui nós temos uma grade daqui até aqui. Então isso é metade, então isso é convencional. Então, depois desses deslocamentos aqui, é convencional. Então, há apenas dois lugares que as discórdias soam como convencional que é bem no meio da progressão e apenas no final, então quando ele gira em torno E volta para a batida forte. Está bem. Vamos ver como soa agora. Está bem. Agora o que é estranho é que a linha de baixo teve que mudar apenas quando as notas da linha de baixo têm que mudar quando os cabos mudam. Então nós vamos apenas ter certeza aqui estes acordes, as linhas de base estão seguindo os acordes mesmo que eles são deslocados, a linha de base deve ser deslocada também. Está bem. Então agora acho que estamos em boa forma. Talvez eu faça este aqui mais cedo. Vamos ouvir. Está bem. Então vamos comparar este com este. Para ser ainda mais claro. Vamos silenciar a linha de base. Veja a diferença. Agora é a sua vez, faça um esboço de piano usando ideias de sincopação e desloque-se na batida forte, e lembre-se de compartilhar seus resultados com seus colegas no fórum da turma. Você vai ver que há outras pessoas estão fazendo coisas realmente interessantes com sincopação e você pode obter algum feedback útil. Tchau. 37. Métrica complexa: Ei pessoal, estamos prontos para aprender que podemos agrupar batidas em grupos de dois, três ou quatro, e que cada batida pode ser dividida em dois ou três para encontrar os comprimentos de notas menores. Agora vamos seguir em frente e falar sobre metros complexos. Muitas pessoas chamam metros complexos de metros ímpares. Eu pessoalmente não gosto deste termo porque metros triplos como três, quatro, ainda é um número ímpar como três é o nosso número ímpar, mas no entanto três-quatro é o medidor simples, então vamos chamar metros complexos por seu nome próprio, complexo metros. Um medidor complexo significa simplesmente que, em vez de agrupar as batidas em dois, três ou quatro como o duplo, triplo e quádruplo. batidas agora são agrupadas em cinco ou mais batidas. Note-se que oito batidas e 16, eles vão soar como quatro porque duas vezes quatro é oito e duas vezes oito é 16. Assim, medidores complexos têm números ímpares de batidas maiores que quatro. Com o tempo que eu tinha para pesquisar, eu não conseguia encontrar qualquer faixa de música de dança eletrônica que tinha um medidor complexo. Então, vou escolher uma das minhas músicas. É um remix de Take Ten. É uma música de jazz do Paul Desmond, fiz um remix para, e deixa-me mostrar-te o que quero dizer. Esta canção em vez de ser dividida por quatro metros quádruplos, é dividida por cinco. Então, durante a introdução do tambor eu vou contar cinco e então eu vou parar quando a música começar, e então ver se você pode ouvir cinco em vez de quatro. Um, dois, três, quatro, cinco. DJs vão odiá-lo se você perguntar-lhes deve DJ atrai em um medidor complexo porque o agrupamento irregular de batidas fará com que o acidente pista com os habituais 4/4 metros que outras faixas terão, mas dar-lhe uma tentativa. Do jeito que eu vejo, você deve fazer música que você quer fazer e você deve explorar a música. Tenho certeza de que se você fizer um grande faixas usando medidores complexos, outras pessoas vão se inspirar e também vai começar a fazer faixas de metros complexos para música eletrônica ou para todos os tipos de música. Em seguida, os DJs vão descobrir como misturar entre faixas com medidores complexos. Então, deixe-me dar um exemplo aqui. Fiz um esboço rápido de piano. Então, isso seria uma pequena pegadinha pianista em 4/4. Confira isso. Um, dois, três, quatro. Agora, vou para cinco. Um, dois, três, quatro, cinco. Você vê que é um bom ritmo, as pessoas vão dançar em um piscar de olhos. Então, sinta-se livre para explorar. Agora, aprenda fazendo isso. Tente fazer um esboço de piano, um loop que tem sete batidas por barra. Quando você terminar, compartilhe com seus colegas no fórum da classe, e você pode se surpreender com quantas ranhuras legais e diferentes você pode encontrar se você explorar apenas metros complexos. Divirta-se! 38. Escalas cromáticas: Ei, caras. Vamos aprender sobre a escala cromática. Esta escala usa todos os possíveis arremessos que temos em nosso 12º paladar. Sua relação intervalica é simples. São apenas sucessões intermináveis de meio passo. Então, ele começa a se repetir depois das 12, mas é isso que é. São 12 passos meio seguidos. Então, seria assim e, em seguida, as próximas notas começam a se repetir. Então, soa assim ou se você cair, deixe-me silenciar este, se você cair, você pode soar algo assim. Se você descer. Agora, se você subir e descer, por que não? Talvez eu coloque o último lá. A escala cromática é a versão para piano de um pitch dive de riser. Usamos isso com os fatos e ruídos brancos e sintetizadores. É assim que você faz com notas no piano ou em um teclado, ou você pode incorporar essas escalas em sua composição. É muito útil compor músicas que soam como corridas, então são coisas assim ou se você quer subir e descer por algum motivo. Escala cromática é muita informação, então talvez você faça um pouco com ela e um pouco sem ela. Deixa-me mostrar-te esta pequena melodia que acabei de fazer aqui. São apenas notas simples e, no final, coloquei uma escala cromática, então esse tipo de coisa. Então, a idéia não é fazer uma música inteira com a escala cromática mas é usá-lo com bom gosto aqui e ali e para conectar as notas. Então, digamos que eu queira colocar essas notas lá em cima. Vamos ver como isso soaria. Então, pode ser uma ferramenta muito útil para saber. Tenha este dispositivo em mente para a próxima vez que fizermos um esboço de piano. Tente incorporar um pouco da corrida cromática aqui e ali e veja se você gosta de como soa. Divirta-se! 39. Escalas de tons completos: Ei, pessoal? Vamos aprender sobre a escala de tons inteiros. A escala de tons inteiros é semelhante à escala cromática no sentido de que ambas são o que chamamos escalas simétricas. Então, por que simétrico? Porque a escala cromática, você só faz um monte de meio passos seguidos. Então, é simétrico. Não importa onde você dividi-lo, esta sequência, esta escala, você vai encontrar os mesmos intervalos. Com o tom inteiro, a mesma coisa. Mas em vez de meio passo, serão passos inteiros. Então, vamos fazer isso. Aqui, e depois, em vez de meio passo, passo inteiro. Passo inteiro, passo inteiro, passo inteiro, e depois, repetimos. Esta escala aqui. Vamos ver como isso soa, deixe-me fazer isso mais baixo, para que possamos realmente ouvir. Esta escala foi associada ao impressionismo. Compositores impressionistas como Debussy, e Ravel, isso soa muito sonhador. Então, como se algo estivesse prestes a acontecer, e você toca algo como, como se alguém tivesse uma idéia, ou se algo estivesse esperando para acontecer. Olhe. Esta escala, não tem sido muito utilizada por produtores de música eletrônica. Então, considere usar essa escala, talvez você encontre um som fresco, ou alguma cor fresca para faixas eletrônicas de música de dança. Eu vou dizer a mesma coisa sobre o tom inteiro, como eu mencionei para a escala cromática. Tenha esta escala em mente, da próxima vez que estiver fazendo um esboço de piano. Então, eu só fiz o pequeno esboço de piano aqui, com as batidas, e então uma pequena melodia poderia ser algo como, essas são todas as notas que você ouviu, e todas essas notas aqui, elas são todas a escala de tons inteiros. Parece estranho, ou diferente. Então, tenha essa cor em mente para a próxima vez que você estiver compondo algo, talvez seja útil para você. Lembre-se, uma vez que você tem um esboço de piano que usa o tom inteiro, publique no fórum, no fórum de skillshare para que seus colegas possam lhe dar feedback, e você pode ver o que outras pessoas estão fazendo com a escala de tons inteiros. Divirta-se. 40. Escalas diminutas: Pessoal, agora vou mostrar-vos uma das minhas escalas favoritas. Esta é também uma escala simétrica. A relação intervalica é todo passo, meio passo, passo inteiro, meio passo, passo inteiro, meio passo. Então, vamos fazer isso, bem direto. Vamos ver aqui. Passo inteiro, meio passo, todo, meio, todo, meio, todo, meio. Ok, vamos ver como soa. Ok, vamos ouvir como isso soa contra um acorde diminuído. Sim, então isso é escala soa muito tenso. Deixe-me mostrar-lhe algo interessante sobre esta, esta escala diminuída. Dentro dela, usando as notas da escala diminuída, podemos encontrar um monte de tríades maiores e menores. Então, por exemplo, D, F e A. Então, aqui, D, F e A. Lembre-se, esta tríade menor, terceiro maior, certo? Olha se eu conseguir, há anotações aqui, certo? Então, eu vou colocá-lo aqui G-sharp, C e D-sharp. Lembre-se disso, tríade maior, terceira maior, aqui, terceira menor ali. Então, vamos encontrar F, A, C aqui, F, A, C. Lembre-se disso, esta é uma tríade maior, terceira maior, terceira menor. Então, há um monte de outras tríades aqui e o interessante, é que uma vez que você joga essas rotas na base, você muda o som da escala. Então, deixe-me mostrar-lhe estes três, um D, G afiado e F na base e olhar para a diferença. Então, primeiro D soa assim. Agora, veja se foi G-sharp. Agora, veja se foi F. Então, essa escala se forma em formas diferentes e sons diferentes e tem muita informação dentro dela. Então, tenha isso em mente um meio passo inteiro e tente usar em seus esboços de piano. Eu fiz um pequeno esboço de piano aqui, eu realmente não fiz, mas eu vou fazer isso aqui mesmo no panfleto, ok? Então, vamos encontrar a nota base aqui e depois. Então, a escala, eu memorizei as notas desta escala, mas há um A lá, então, eu só estou usando notas de C diminuídas, ok? Então, enquanto a música toca, eu vou silenciar esta nota ligada e desligada para que vejamos uma variação, só para que você não precise escrever novamente, veja isso. Ou se eu tocar alguns acordes diminuídos em cima de algumas das tríades menores e principais lá dentro, olhe para os sons que temos. Esta escala oferece infinitas possibilidades. Como as outras escalas avançadas que mostrei , todo o tom, a escala cromática, você não tem que fazer uma música inteira com a escala diminuída, a escala diminuída é algo que você coloca aqui e ali para dar torções, para dar sabor tenso e então você seguir em frente. Mas nada te impede de fazer uma música inteira com a escala diminuída, só vai ser uma das trevas. Ok, então mantenha esses sons em sua caixa de ferramentas e tente incorporar uma pequena escala diminuída mesmo que seja uma pequena corrida como, todo, meio, todo, meio, todo, meio. Mesmo que seja só isso aqui e ali. Deixe este som afundar, eventualmente, eles serão úteis. Então, depois de ter um esboço de piano, então você tem um pouco diminuído escala lá, você executaria o baixo ou na melodia, postá-lo no fórum para seus colegas de classe para lhe dar feedback e para você ver quais outros As pessoas estão fazendo. Certo, divirta-se. Tchau. 41. Ouvindo uma escala diminuta em contexto: Ei, caras. Deixe-me mostrar-lhe um pequeno esboço de piano que eu fiz apenas usando a escala C diminuída. Eu poderia ter feito com um tom inteiro ou uma escala cromática, mas a escala diminuída é a que é mais rica, que tem a maioria das coisas nele. Então, é mais fácil ficar com ele para a música inteira em vez do tom cromático e todo o tom, mas sinta-se livre para escolher qualquer um deles e nós vamos dar um exemplo, e então nós vamos ser sua vez de fazer algo assim. Então, esta é uma pequena linha de base e então eu tenho acordes, e então eu tenho melodias, e então eu tenho um loop bem, um loop de base de bateria, e é todos os nós da escala C diminuída ok? Então, vamos ouvir. Então, é uma escala muito rica e lhe dá muitas coisas para fazer com ela. Então, dê-lhe uma tentativa de aprender fazendo isso. Faça um esboço de piano usando o cromático, ou toda a cidade, ou diminua, ou todos eles, e um loop de bateria, e compartilhe no fórum da classe, e veja o que seus amigos pensam. Talvez você encontre uma mineração de ouro lá. Espero que vocês se divertiram com essas escalas avançadas usadas com moderação ou não, e se divirtam. 42. Possibilidades de notas: extensões de acorde maior: Ei caras. Já estamos familiarizados com o acorde de dados do sétimo Major. Agora, deixe-me mostrar o que são extensões e como elas podem ser usadas neste tipo de acorde. Então, vamos fazer um sétimo acorde de C Maior aqui que é C, e então temos um terceiro Major, e então qual é a próxima nota que temos? Um terceiro Menor e depois? Major terceiro. Ok, então este é um sétimo acorde de C Maior. Agora, vamos continuar empilhando notas aqui nas tríades e ver quais notas obtemos. Ok. Então, eu não sei se vocês se lembram de como fazer isso, mas basicamente continuamos com a escala, e então excluímos todas as outras notas para ver o que encontramos. Então, eu só vou descer aqui e vou continuar escrevendo essas anotações. Então C, D, E, F. Estamos na escala de Dó Maior, certo? Vocês se lembram disso. Então, continue escrevendo essas notas aqui, e a próxima nota seria B, então não precisamos porque já temos. Então, agora nós paramos aqui então vamos ficar com este, e então pular este, manter este, pular este, ficar com este, pular este. Agora, quando você olha para o quadro geral, o que acontece é isso. Vamos ver as notas que temos C, E, G, B, mas então quando fomos acima do acorde de dados, e ainda mantendo tríades, encontramos notas que não tínhamos antes como D, F e A. Então, essas notas extras aqui são chamadas extensões. Então, agora eu preciso ensinar a vocês quais notas vão bem aqui e quais notas não. A partir dessas notas, esta nota é chamada de raiz, a terceira, a quinta e a sétima. Já sabemos isso, certo? Esta nota aqui é chamada de 9 e 9 porque se este 7, a próxima nota aqui será oito, e esta será a nona. Então, a distância entre este e este tipo aqui é uma nona. Não aprendemos isso em intervalos, mas não é ciência de foguetes, é só a próxima. Então, se este é o nono, este aqui será o 10º. Este será o 11º. Se este for o 11º, este será o 12º e este será o 13º. Então, em Major, aqui está a informação que você precisa saber. No sétimo acordes Major, não queremos o 13º, e também não queremos o 11º natural. Mas se fizermos este 11º em ponto, funciona. Eu sei que F Sharp não está na escala de C Maior, mas funciona por razões que são complicadas para entrar nele, neste ponto nós apenas memorizamos as extensões que funcionam e as extensões que não funcionam, você começa a usá-las em músicas e então você pode ir procurar esta informação porque isso acontece assim, mais tarde se você está interessado ou - você pode apenas olhar cima aqueles que você está indo para decidir que você continua usando isso e coisas assim. Então, agora vamos ouvir a diferença entre este acorde e este acorde tocado com extensões e este acorde tocou apenas um tetrachord, ok? Então, aqui está a diferença, eu tenho um pequeno loop de bateria lá só para fazer um som como música. Ouvir. Também este intervalo é bastante alto vamos descer uma oitava. Soa ainda melhor se eu pegar as raízes sozinho e apenas colocar as raízes oitava abaixo e deixar os acordes como estão. Vamos ouvir. Então, é um som mais amplo, então tenha essa cor em mente para a próxima vez que você ver um sétimo acorde Major. Em qualquer lugar que você veja um sétimo acorde Major, tente adicionar o nono, que é o D no topo do Dó Maior, por exemplo , ou o 11º afiado é a mesma coisa que a quarta nota da escala, ou se você continuar indo nono, 10º, 11º seria isso nota, você apenas torná-lo afiado. Então, no caso de C é tão afiado. Continua a usar estas extensões nos teus esboços de piano e vejo-te no próximo vídeo. 43. Possibilidades de notas: extensões de acorde de sétima menor e meia diminuta: Ei caras. Vamos aprender quais extensões soam bem com o sétimo acorde menor e meio diminuído, certo? Então, um sétimo acorde menor, vocês já estão familiarizados, certo? Então, vamos escolher “A”, o que sempre usamos. Então, “A”, e então temos um terceiro menor, e então temos um terceiro maior, e então temos um terceiro menor, ok. Então, “A” menor sétimo. Agora, vamos continuar em terços para encontrar as extensões. Então, você conhece todas as teclas brancas do piano, até repetirmos nossa próxima nota. Desculpe, já repetimos. Não, isso mesmo. Ok. Então, nossa nota principal aqui foi “G”. Então, vamos manter isso, vamos manter o “G”, excluir o próximo, manter este, excluir, manter, excluir. Ok. Então, em cima do nosso tetrachord original, nosso sétimo acorde menor, temos este sendo o nono, o 11o e o 13o. Ok. Então, em um pequeno sétimo acorde, as extensões que você deseja usar, ou o nono e o 11o. Então, no dia 13, vamos deletar porque isso não é muito usado. Então, nono, que é este, e 11º, assim como eles são naturais. Então, sem recortes, sem apartamentos. Então, vamos ver como soa. Vou duplicar este acorde aqui. Então, este, apenas o tetrachord original, e este com as extensões. Ok? Eu vou pegar as raízes, as notas de baixo, e eu vou fazer uma oitava mais baixa, só para nos dar algum espaço para ouvir a diferença entre esses acordes. Ok? Vamos ouvir. Ok. Agora, vamos aprender o acorde meio diminuído, quais extensões se encaixam e quais extensões não se encaixam? Então, nosso acorde de escolha meio diminuído é o sétimo grau de uma escala maior. Lembre-se, nós tínhamos um acorde meio diminuído lá, ou o segundo grau de uma escala menor. Então, em qualquer caso, vamos fazer todas as notas brancas do piano. Então, vamos começar com “B”. Então, vamos fazer o nosso meio-diminuído. Sabemos que a metade diminuída tem um terço menor, depois outro terço menor, e depois um terceiro maior. Ok. Então, agora, se continuarmos indo para as extensões , então, vamos continuar colocando notas até chegarmos, até não precisarmos repetir o “B”. Então, “B”, “C”, “D”, “E”, “F”, “G”, “A”, e não precisamos de outro “B”. Ok. Então, nossa nota principal aqui foi “A”. Então, vamos manter o “A”, excluir, manter, excluir, manter, excluir, manter, excluir. Ok. Então, este bilhete aqui é o nono, 11o e 13o. Ok. Para os acordes meio diminuídos, as extensões são as mesmas que para o sétimo acorde menor. Então, nós não queremos o 13º, o nono, e o nono, e o 11º, nós o guardamos. Ok. Agora, preste atenção nisso, a raiz aqui é “B”. Então, deixe-me colocar esse “B” aqui para dar uma idéia de onde está a raiz. Ok. Um nono natural, tem dois meios-passos, porque se formos, digamos que fazemos uma escala “C” maior aqui, e colocamos o “C” uma oitava abaixo, de “C” a este “C”, você tem oito intervalos, e então aqui você tem um nono. Então, deste “C” para este “D”, é um nono. Ok. Então, isso significa que uma vez que você recebe esta nota uma oitava acima, você precisa de dois passos de distância. Ok. Agora, esta nota aqui, onde vamos uma oitava abaixo para coincidir com a nossa raiz, quando vamos uma oitava para cima, só temos meio passo aqui. Então, lembre-se, então, o acorde meio diminuído, você precisa fazer o nono ir um meio passo para cima. Isso não seria chamado de nono afiado, seria chamado de nono natural, porque a coisa natural é para o, desta nota para esta nota deve ter dois meios-passos. Ok. Então, você pode apenas memorizar que, que o nono de um acorde meio diminuído precisa estar a dois passos da raiz, oitava para cima. Ok. Então, agora aqui nós temos dois meios-passos, e então, se nós não fizéssemos isso, e nós tínhamos isso, nós tínhamos o “C” natural aqui, uma vez se tivéssemos o “C” natural, e agora ele subiu com a raiz, você vê, nós só temos meio passo. Então, isso não é bom. Isso soaria estranho. Ok. Então, vamos nos certificar de afiar essas notas. Ok. Então, com isso dito, vamos, ouvir a diferença entre vamos fazer esta oitava mais baixa. Ok. Vou fazer a raiz mais baixa. Ok. Ou, fazer oitava, ou- Além disso, sinta-se livre para experimentar com apenas uma das extensões são supostamente para todos eles ao mesmo tempo assim, por exemplo, Você pode até fazer melodias usando o conhecimento que você tem sobre extensões agora. Veja, você está destacando as extensões aqui, e então, você sabe, por exemplo, você sabe. Então, esse conhecimento sobre tensões será muito útil para a unidade quatro quando falamos sobre liderança de voz. Então, por enquanto, apenas aprenda isso, em um acorde meio diminuído, bem como o acorde menor, precisamos das extensões nona e 11ª, ambas naturais. Lembre-se que eles estão no meio diminuído. Para fazer um natural do nono, você precisa elevá-lo um meio passo. Muito bem, rapazes, vemo-nos na próxima aula. Quando vamos falar sobre as possíveis extensões dos sétimos acordes dominantes. Saúde. 44. Possibilidades de notas: extensões de acorde de sétima dominante: Ei, caras. Sete acordes dominantes são o paraíso das extensões. Então, este tipo de acorde pode lidar com a maior quantidade de extensões. Podemos ter noves naturais, plano nove, afiado nove, natural 11 , ponto 11, e natural 13, e plana 13, mas vamos olhar de perto, ok? Então, a fim de manter notas do piano, vamos fazer o acorde dominante de G, ok? Então, você sabe como fazer um acorde dominante, que é terceiro maior e, em seguida, menor terceiro e menor terceiro, ok? Este dominante sete acorde G dominante sete. Agora, vamos continuar a encontrar as extensões. Então, vamos continuar usando as teclas brancas do piano até chegarmos ao F. O próximo nó será G, não queremos repetir, certo? Então, os nós de topo aqui do nosso acorde regional era F. Então, agora, vamos manter isso, excluir. Manter, apagar. Manter, apagar. Manter, apagar, está bem? Então, agora, temos raiz, terceiro, quinto, sétimo. Este será o nono, este será o 11º, e este será o 13º, está bem? Então, deixe-me fazer isso aqui. Tudo bem. Então, vamos ouvir como soa com tudo. Está bem. Vou colocar a oitava G abaixo, só para nos distanciarmos. Tudo bem. Então, agora, vamos começar a mudar. Então, eu disse a vocês que o nono pode ir furado ou pode ir afiado. A 11ª pode ir afiada, e a 13ª pode ir plana ou afiada. Ok? Então, vamos tentar uma coisa de cada vez. Então, primeiro, vamos tentar sem esses nós aqui. Vamos tentar um flat nove. Som muito legal. Certo? Agora, olhe com o nove afiado. É quase como surpresa, o nove afiado. Ok? Então, natural nove, certo, meio chato, mas pode ser útil. Agora, vamos ter aqui o dia 11, ok? Agora, vamos fazer o 11 afiado, certo? Como o tipo surpresa de som também. Agora, podemos usar o 11 afiado com o nove plano. Tente ouvir esta nota aqui. Desculpe. Tente ouvir essas notas. Veja, é um monte de chamadas diferentes ao mesmo tempo. Pode ser muito útil para algumas progressões de acordes. Agora vamos tentar o 11 afiado, mas com o 9 afiado também. Pode soar bem interessante também. Agora, nós podemos ter o 13º natural aqui, ou podemos fazer isso novo para esses caras, e então talvez ter esse apartamento. Ou podemos ativar isso e mudar tudo. Certo? Então, deixe-me mostrar-lhe um uso para isso. Então, por exemplo, isso, digamos, entrar em um acorde menor. Então, vamos a este G, Dó menor, ok? Então, eu só vou escrever um Dó menor aqui. Então vamos ouvir, e eu vou colocar as extensões aqui que nós já aprendemos para Dó menor sete ou menor sete, que é o nove, e depois o 11º, ok? Então, vamos ouvir. Certo. Agora, olhe, se colocarmos, digamos que o plano nove e não desses são os únicos. Legal, certo? Ou natural 13 e o flat nove e não 11. Então, todas as extensões são possíveis no acorde sete dominante. Então, mantenha isso em mente, natural nove, plano nove, afiado nove, onze, afiado 11, décimo terceiro, e plano 13. Tente incorporar alguns desses sons no seu próximo esboço de piano e divirta-se. 45. Inversões: posições raiz, primeira, segunda e terceira.: Pessoal, bem-vindos à Unidade 4, Inversões e Acordes Sem Raiz. Esta é uma aula muito importante. Vamos aprender sobre inversões. Aprenderemos a virar os acordes que já conhecemos para que fluam melhor para outros acordes, para que eles façam a transição entre acordes de forma mais simples. A ideia é muito simples, e aplicam-se a todos os tipos de acordes, tanto tríades como acordes tetra. A ideia é muito simples. Vamos ter um acorde aqui, podemos ter qualquer acorde. Está bem. Mas vamos fazer de nós “C “dominante sete. Está bem. Então, como fazemos um C dominante sete, terceiro maior, terceiro menor, terceiro menor, terceiro menor. Está bem. C dominante sete. Agora, vou copiar este acorde quatro vezes. Está bem. Então, quando o código está em sua posição original, quando as notas que dão ao acorde seu nome está na parte inferior, chamamos isso de posição raiz. Tudo bem. Agora, quando pegamos a raiz e atiramos uma oitava acima, isso é chamado de primeira inversão. Então, note que a primeira inversão tem o terceiro do acorde na parte inferior. Agora, a próxima coisa que fazemos é aqui, e vamos colocar a raiz para cima, mas também vamos colocar o terceiro do acorde. Então, agora, temos o quinto do acorde na parte inferior, e isso é chamado de segunda inversão. Tudo bem. Então, finalmente, vamos colocar as raízes oitava para cima. Também colocaremos a terceira, uma oitava acima. Nós também colocaremos a quinta oitava para cima. Está bem. Então, agora, temos o sétimo na parte inferior do acorde. Quando isso acontece, chamamos isso de terceira inversão. Está bem. Vamos ouvir como soa. Você ouviu, se é o mesmo acorde, ouvimos os mesmos sons. Eles funcionam da mesma forma, eles trabalhavam da mesma maneira na música, mas as notas ajustando lugares diferentes. Então, eu vou deixar esse loop correr duas vezes, e continuar ouvindo como a qualidade não muda. A única coisa que muda é a cor e a posição das notas. Tudo bem. Na nossa próxima lição, aprenderemos sobre Acordes Sem Raiz. Nas aulas a seguir, vamos aprender como colocar esses dois conceitos juntos, inversões e acordes sem raízes em prática. Então, aguente firme, e eu mostrarei a vocês nas próximas duas classes como usar isso. Está bem. Vejo você no próximo capítulo do vídeo. 46. Acordes sem raiz: Ei, pessoal? Estamos aqui para falar de acordes sem raízes. Então, você sabe o que é uma raiz, certo? Então, quando tivermos acordes, digamos que temos uma tríade C, certo? Isto, a nota inferior chama-se raiz, está bem? Então, também podemos ter acordes maiores. Então, se você tem um C dominante, plano nove, afiado 11, plano 13 acorde, certo? Como um acorde realmente grande com extensões e tudo mais. Então, a idéia aqui é muito simples. A idéia é que se você tocar este acorde, vai soar meio poderoso, meio pesado, então vamos ouvir. Certo? Então, vamos descer oitava novamente. Tudo bem? Então, quando começamos a adicionar extensões e outras coisas, os acordes ficam muito densos. Lembra-se do princípio da densidade musical? Então, a fim de aliviar isso e fazer isso fluir melhor, podemos obter a raiz do acorde e bater uma oitava abaixo, ou mesmo duas oitavas abaixadas, ok? Então, vamos ouvir. Está bem? Dessa forma, a raiz não está influenciando as cores do resto das notas. Agora, se excluirmos esta raiz completamente, então eu vou silenciá-la. O acorde ainda funcionará, então ouça. Agora com a raiz. Agora, sem ele. O acorde ainda funciona. Então, tente fazer isso em alguns de seus esboços de piano. Tente ter acordes complexos com extensões e tudo mas sem a raiz para que você veja como eles podem se sentir menos densos. Além disso, para que um acorde mantenha sua função, tudo que você precisa é o terceiro e o sétimo do acorde, ok? Então, o que estou dizendo é, se você sair do terceiro e sair do sétimo, se você apagar todo o resto, este acorde ainda soará o mesmo. Olhe. Isso ou tirar a raiz e as outras notas. Quero dizer, obviamente, o acorde soa diferente, mas em termos de função, ainda é o mesmo. Então lembre-se, você pode tirar acordes todo o caminho até apenas o terceiro e o quinto, e você pode vestir acordes, colocando as raízes para o quinto, o sétimo, o nono, o 11º e tudo de acordo com as unidades anteriores onde eu lhe disse quais extensões funcionam para cada tipo de acorde. Então, deixe-me dar um exemplo, aqui, vejamos aqui. Aqui, eu tenho uma nota na parte inferior, então este é um acorde de C Maior 7, ok? Então a raiz está longe do acorde e apenas do sétimo acorde, e nós ouvimos esse tipo de som. Agora, o som diferente lá, eu adicionei aqui, uma extensão. Eu coloquei o 11 afiado, certo? E eu também adicionei a nona aqui, uma oitava abaixo. Em vez de colocar o nono lá em cima, eu só mudei a oitava para baixo. Tenha isso em mente que você sempre pode trocar as oitavas entre as notas que formam esses acordes, e ainda funcionaria, ok? Então, olhe para a diferença com o nono e o 11o e sem o nono e o 11o. Certo? Agora, eu só fiz a linha base um pouco mais interessante. Então, quando você ouve pela primeira vez o início dos acordes, você não ouve as raízes, você vê como você ouve isso e a raiz só se junta mais tarde. Então, a outra nota na base vai para um F Sharp, aqui em baixo. Porque no acorde, eu adicionei o 11 afiado, que é F Sharp. F Sharp está bem aqui, então eu adicionei esta nota na base, e isso ajuda para as cores deste acorde, e todas essas cores diferentes para trabalhar de maneiras diferentes. Para que essas cores mudem o tempo todo deve torná-lo interessante. Soa assim com a base única. Alterando um pouco a base, adicionando as extensões na linha de base. Então, tudo que você precisa é, adicionar algum tipo de batidas, e você tem uma coisa boa acontecendo. Então, lembre-se disso, você pode tirar a raiz, você pode fazer a raiz ir bem abaixo como duas oitavas, uma oitava abaixo dos acordes, você pode ter os acordes com extensões, ou você pode ter os acordes sem nada além da terceira e sétima nota. Então, vamos fazer um experimento aqui. Eu vou pegar esta última versão aqui, a versão de bateria e baixo, e eu vou deixá-lo loop duas vezes, do jeito que está. E então mais duas vezes em que eu vou apagar o nono, o 11o e também- a base eu vou deixar para fazer um groove. Mas agora só temos o terceiro e o sétimo, está bem? Então, duas vezes com tudo, e então eu vou apagar tudo o resto além do terceiro, o sétimo, o baixo. Então, vai soar como. Então, espero que isso o ajude a ser muito flexível com seus acordes. Então, quando algo não está soando bem, talvez seja muito denso, você pode remover algumas notas. Talvez seja muito simples para que você possa adicionar algumas notas, e você sempre pode jogar ter a raiz, não ter a raiz, ter extensões na base, não ter extensões na base. Então, lembre-se disso, e isso vai fazer um esboço de piano muito melhor, certo? Então, na próxima aula vamos falar sobre algo realmente divertido. Vamos combinar a ideia de intervalos e acordes sem raízes, e vamos ensinar a vocês o princípio básico da voz, isto é, como fazer um acorde fluir para o outro acorde melhor, e essa é a última coisa que vai fazer uma produção realmente soar legítima, ok? Tchau. 47. Princípios básicos de comando de voz: Ei pessoal, vamos aprender a usar os conceitos de inversões e acordes sem raízes para melhorar a forma como um acorde flui para o próximo. Vamos aprender o princípio básico de liderança de voz a fim de fazer a transição entre acordes, ok, então veja isso. Este é o esboço do piano que fiz da música “Ajuda dos Beatles”. Então, para aqueles de vocês que não sabem qual música é essa, deixe-me mostrar-lhes Help Beatles. Então essa é a música. Então vamos apenas ouvir os quatro primeiros acordes. Então este é o esboço de piano que eu fiz daquela música, ok, vamos ouvi-la. Então os acordes eu olhei on-line e havia um B menor, G maior, E maior e depois A maior. Ok? Então eu escrevi as tríades aqui da maneira que eu vi no site e então eu aprendi uma melodia por ano, mas agora há um problema. Olha, quando mudarmos a melodia. Eu vou silenciar a melodia, os acordes são como saltar deste acorde salta para este acorde e, em seguida, salta para este acorde, soa estranho. Como se os acordes não estivessem fluindo bem. Ouça os acordes sem a melodia. Eu não sei se vocês sabem, mas isso não é bom escrever acordes porque este acorde está pulando, pulando e pulando, é apenas estranho, ok? Então, o princípio básico de liderança de voz diz, apenas mover cada nota do acorde ou um passo inteiro ou meio da nota anterior e isso não precisa ser regra muito restrita, mas meio que. Então veja isso o que eu quero dizer. Então temos esse acorde aqui, certo? Então B menor. Agora, para o próximo acorde fluir bem esta nota está se movendo desta nota para esta nota, estamos movendo meio passo ou um passo inteiro ou nada. Então não estamos movendo nada. Então, isso é bom. Estas notas desta nota não estamos movendo nada, então isso é bom, mas agora olhe, esta nota está se movendo muito. Como três passos de lá, quatro meios-passos. Então o que fazemos apenas obter esta nota e inverte. Então vamos fazer a primeira inversão que aprendemos então nós filmar a raiz para cima, agora nós temos o terceiro na base e agora olha, este acorde está indo apenas meio passo para este acorde. Então agora isso funciona muito melhor vamos ouvi-lo, vez de, veja aqui é muito mais suave, ok? Agora vamos ver aqui, aqui enquanto esta nota está indo meio passo aqui, esta nota está indo um passo inteiro aqui que aqui, então isso é bom, mas esta nota está claramente fora dela então vamos pegar essas notas e atirar uma oitava para baixo. Ok? Bem, quando fizemos isso agora este acorde é E 7 e nós temos o quinto na base então esta é a segunda inversão ok? Então agora olhe para isso agora está se movendo, isso é bom, todo o passo é bom, meio passo é bom, então isso funciona, ok. Então agora vamos ver aqui, aqui temos, não nos movendo isso é bom, aqui temos meio passo, oh desculpe, temos um passo completo que está tudo bem, e agora vamos mover esse cara. Esse cara também tem um passo inteiro, mas se movermos este aqui vai ser muito longe, ok, então vamos voltar. Vamos mover esta oitava para cima. Tudo bem, então temos o passo inteiro, não nos movendo, meio passo. Então vamos ouvir como essa progressão de acordes soa agora. Muito muito, muito melhor. Agora vamos adicionar a melodia aqui e também vamos fazer isso. Eu disse a vocês que vamos dividir as raízes, então vamos fazer as raízes como na oitava inferior para que as coisas soem mais carnudas soem melhor. Então aqui a raiz é B. Ok, a razão pela qual eu não vou apenas jogá-lo para baixo é porque nós vamos ficar com apenas duas notas e precisamos da terceira e da sétima para preservar a integridade do acorde. Mas, neste caso, não temos sétimo porque a canção é feita de tríades bem. Então, neste caso, eu só vou repetir as notas ok. Então aqui as linhas de base são B e, em seguida, aqui é G direita então porque a primeira inversão tão G e então este é E direita, então temos o quinto da base também é segunda inversão. Ok, então E certo porque o B é a quinta segunda inversão então é E e então este acorde aqui é A, nós temos o terceiro na base então esta é a primeira inversão tão terceira na base, então a base é A, agora eu vou fazer estas notas de base grande ok. Agora vamos ouvir como isso soa e então sim vamos apenas ouvir como soa. Esta é muito melhor escrever do que o que tínhamos antes ok, então tenha isso em mente, a partir de agora, quando você escrever acordes, ou em seus esboços de piano ou em suas produções reais têm os princípios de liderança de voz em mente não saltar entre acordes, mantê-los fluindo suavemente em vez disso. Esta informação fará com que todos os seus esboços anteriores de piano e produção soem melhor. Como uma tarefa rápida, reveja suas produções antigas, as que você tinha salvo e seus antigos esboços de piano e olhe para cada um deles e tente consertar os acordes como eu fiz aqui, se uma nota é realmente longe tentar virar, escolha uma nota e experimente diferentes oitavas até que tudo fique uniforme, até que tudo se mova em boa harmonia. Você sabe que muito disso veio de coros porque imagine aqui você tem uma voz do coro tocando esta nota e aqui você tem outra voz do coro tocando esta nota e aqui você tem outra voz do coro tocando isso nota então a idéia é que os acordes são verticais, eles são notas grudadas assim, mas eles também têm que fluir bem horizontalmente bem assim e, a fim de fazer isso acontecer ou fazer as mesmas notas repetir ou meio passo ou um passo inteiro ok. Muito bem, aproveitem esta nova informação. Tchau. 48. Modulação: Ei caras. Aqui estamos na nossa unidade final. Parabéns, percorreu um longo caminho e esta unidade vai ser divertida. Vamos falar sobre modulação, harmonia modal e progressões de acordes comuns. Então, o que é modulação? modulação é simplesmente a transição de uma chave ou tonalidade para outra. Faz música, especialmente música repetitiva ou qualquer música, soar fresco mais uma vez. Também parece épico. Vou mostrar-lhe um vídeo que dá um exemplo muito engraçado de teclas modulando. Então, em cada vez que as teclas mudaram, eles apertam um botão que diz, mudança de tecla, e é quando eles estão modulando. É quando diz, mudança de chave. Então, vamos ver alguns exemplos aqui. Tudo bem. Então, deixe-me mostrar outro exemplo agora de algo que está se modulando dentro de uma música em vez de mudar o tempo todo assim, o Homem no Espelho de Michael Jackson. Tudo bem. Então, modulação é muito legal. Mentes pesadas que modulações pop clássicas são um passo ou meio passo. Existem algumas pequenas modulações de terceira também, mas tenha cuidado para não modular para uma chave que está realmente longe de onde você está. Só porque se você fizer isso, sua base original, nós e seus acordes, e sua melodia, pode entrar em algum intervalo funky que não soa mais bem. Se as pessoas estão cantando, você precisa estar atento se eles ainda podem cantar na nova chave, e há sempre uma maneira de fazer uma modulação funcionar. Esta pode ser uma ferramenta criativa muito boa se você realmente sabe o que está fazendo. Mas, por enquanto, vamos ficar com uma modulação de passo inteiro. Um passo em frente, são praticamente todas as modulações que ouvimos aqui. Como modular? Na verdade, não é nada difícil. O que eu fiz aqui foi fazer um esboço de piano de uma música latina que eu tinha em mente com o loop de bateria e base. Então, vamos ouvir o meu esboço de piano e depois adiciono a bateria. Então, vou adicionar os tambores agora. Ok. Então, a fim de modular é a coisa mais fácil. Basta selecionar tudo, duplicar e, em seguida, sua nova equipe apenas subir duas vezes, um, dois. Então, isso é um passo para cima, dois passos para cima. Então, só para verificar aqui, ver que os primeiros nós que temos aqui é C, e os primeiros nós que temos aqui, é um afiado. Então, você vê se eu for A#, um, dois, eu acabo em C. Então, nós vamos ouvir tudo nesta chave e, em seguida um passo inteiro acima como as modulações que ouvimos na música do Michael Jackson. Então, vamos ouvir como soa. Legal. Agora, outra coisa que você pode fazer para melhorar sua modulação é pouco antes desta chave mudar para esta chave, você pode mudar os nós pouco antes de um pouco. Então, aqui, por exemplo, em vez de ter esses nós, eu vou apenas selecionar esses caras e eu vou fazer esses nós aqui estar nesta chave, a primeira chave. Mas então, quando você repete, todos esses nós aqui de cima para baixo e também esses nós, todos esses nós aqui de cima para baixo já estão indo para cima como se ele já tivesse modulado, apenas um pouco antes de dar um efeito legal. Então, eu vou ir um, dois, para cima. Então, agora, esses nós já estão na segunda chave. Vamos ver como soa. Então, preste atenção em pouco antes de mudar aqui. Vamos ver como soa. Legal? Tudo bem. Então, agora, tente. Faça um pequeno esboço de piano que você tem alguma modulação lá dentro, uma tecla indo para a próxima. Tente diferente, tente meio passo, talvez tente descer. Divirta-se com ele. Tchau. 49. Harmonia modal: Ei, caras. Passamos muito tempo falando sobre tonalidade, e falando sobre quais acordes maiores, menores e diminuídos, e meio diminuídos iriam bem juntos, quais acordes vieram das mesmas chaves, e falando sobre todas essas convenções. Bem, todas essas convenções vieram de séculos de desenvolvimento musical da Europa e de outros continentes. Muito disso já foi explorado em todos os tipos de música, música eletrônica, pop, jazz, rock , música clássica, mas Miles Davis então, foi antes disso, que me lembro do tipo de música que gostei, Miles Davis foi as primeiras músicas modais que ouvi. É como se você adotar as atitudes punk em relação à Teoria da Pontuação, você provavelmente vai acabar com uma harmonia modal só porque como em vez de agrupar os acordes que vieram da mesma escala, e usar tonalidade, e usar todos aqueles teorias de que falamos antes, e se você agrupar os acordes que têm apenas a mesma estrutura intervalica? Isso significa como usar apenas sete acordes menores, ou apenas usar acorde meio diminuído por todo o caminho. Isto é o que eles chamam de harmonia modal. Deep House está cheia de harmonias modais, assim como Miles Davis. Há um período de Miles Davis que ele usa muitas harmonias modais. Então, harmonia modal refere-se à construção de um campo harmônico que não seja tonal. Em vez disso, a relação entre acordes é preservada, pois o compositor usa o mesmo tipo de acorde e apenas transpõe para cima e para baixo. Então, por exemplo, vamos ver um exemplo de Miles Davis, e eu vou mostrar a vocês quando a mesma coisa se repete um pouco, meio passo para cima. Então, isso é chamado de So What de Kind of Blue, e assim por diante. Agora, vamos fazer uma harmonia modal. Primeiro, escolha um tipo de acorde que inspire você e depois faça um pianista pegar com ele. Então, aqui está algo que eu fiz para mostrar a vocês um exemplo. Acabei de receber este acorde aqui, que é um grande sétimo. Então, eu fiz uma melodia e fiz o baixo para ele, e então o que eu fiz aqui quando um zoom out, eu apenas transponho os mesmos acordes meio passo para cima, e depois para trás metade passo para baixo, e depois para cima dois meios-passos. Então, deixe-me ter certeza que eu realmente fiz isso. Sim, foi exatamente o que eu fiz. Então, você só vai subir meio passo, então eu vou voltar para baixo de onde estava, e então eu vou apenas dar dois passos para cima. Então, vamos ouvir como soa, e eu tenho algumas percussões aqui para torná-lo mais divertido. Então, é assim que a harmonia modal soa. Tudo bem. Então, é realmente fácil de fazer na verdade porque em uma grade Midi especialmente, porque você pode apenas escrever qualquer acorde que você gosta, digamos G menor segunda inversão, e então eu vou apenas copiar duas vezes, então eu vou ir meio passo para cima, e então para trás. Então, isso soaria como. Então, na grade Midi é muito fácil fazer isso. Então, espero que tenha se divertido. Tente fazer uma captura pianista usando o conceito modal, e compartilhe com seus colegas no fórum da classe. Tchau. 50. Progressões de acorde comum: Ei, pessoal. Esta é a nossa última lição. Vamos explorar algumas das progressões de acordes comuns. Então, quando estávamos estudando grande tonalidade, analisamos a música de Adele, Someone Like You, lembra daquela música? Então, o que é incrível sobre essa progressão de acordes é que se você for aqui no YouTube e você digitar The Axis of Awesome, eles eram como essas bandas engraçadas que mostraram que todas essas músicas, como mais de 40 músicas, tinham exatamente o mesmo acordes. Então, olhe para estes, Black Eyed Peas - Onde está o Amor, Lady Gaga - Paparazzi, U2 - Com ou Sem Você, Maroon Five, Beatles - Let It B, Bob Marley - Sem Mulher Sem Cry, Spice Girls - 2 Become 1, Green Day - When I Come Around, Offspring, Beyonce, MGMT, Adele, e todas essas músicas aqui têm os mesmos acordes. Eles são baseados na mesma progressão de acordes. Então, esta é uma progressão de acordes que você vai aprender porque você aprende automaticamente como 40 músicas. Então, deixe-me mostrar-lhe aqui como fazer o que é o segredo ou como é a estrutura do acorde. Então, vamos ouvir aqui. Tudo bem. Então, tudo o que está na chave de C. O primeiro acorde que temos no primeiro grau é C, então C maior. Então, vamos usar tríades. Então, aqui temos o primeiro acorde e depois vamos para o quinto. Então, o quinto é G, G dominante sete ou apenas G, se estamos fazendo tríades. Então, você vai para o sexto grau, que é um após o G, então o cinco e o sexto, que é um A menor no caso da tonalidade de Dó maior. Então, vamos para quatro e quatro é um grande acorde sete ou apenas uma grande tríade, se estamos fazendo tríades. Então, em termos de, eu vou dizer os números e então estes são os acordes que você encontra se você construir tríades sobre essas escalas. Então, temos um, um, um, cinco, cinco, cinco, seis, seis, seis, quatro. É isso. Legal. Outra progressão de acordes comum é o blues. O blues é a base de um monte de rock and roll. Além disso, há música eletrônica com o blues, muita música pop. Então, o blues é apenas outra progressão clássica de acordes, o blues principal. Então, o blues é feito de acordes dominantes. Vamos ouvir. Tudo bem. Então, pedaço de bolo, o blues. O blues, é tudo dominante. Então, se começarmos de digamos, C, fazemos um C dominante. Então, C dominante, e então aqui neste midi, eu estou fazendo inversões, e eu estou fazendo extensões, e eu estou fazendo acordes sem raiz, e tudo mais. Então, em recursos adicionais, eu vou deixar este midi lá para você baixar se você quiser colocar de perto este midi bem aqui em seu sequenciador midi, e analisar quais acordes eu estou usando, e quais extensões, e Tudo. Sinta-se livre para fazê-lo e também sinta-se livre para usar essas coisas, se você quiser. Em suma, o blues é um, mas dominante sete, então C, E, G, B-flat. Então, vamos para os quatro, então C com um, dois, três, quatro. Então, os quatro B, F. Então, um C, depois quatro F, e depois de volta para um C. Um C dorminante e então voltamos para o F. F dorminant e então voltamos para o C. Então, finalmente, vamos para G dominante e então De volta ao C, o blues de 12 bares. Então, a estrutura está bem aqui. Vou tocar mais uma vez e escrever o que são os acordes. Aqui, você pode ver as barras, o 12 bar, assim, você só aprenderá esta estrutura aqui. Tudo bem. Então, outra progressão de acordes que também é a base de muita música que sabemos é o blues menor. Então, o blues menor soa assim. Então, o menor e o grande blues têm muitas variações, mas esta é a versão básica. Então, do jeito que o blues menor funciona, então aqui, estamos em A menor. Então, nós temos A menor sete e eu estou jogando algumas extensões por agora apenas o simples. Então, temos A menor. Então, vamos para os quatro, e observamos que o quatro também é acorde menor, que é D menor sete, e depois de volta para A. Então, de volta para D, D menor sete, D menor sete. Então, de volta para A menor sete, um menor sete. Então, agora, nós vamos para dois, mas em vez de ser um acorde meio diminuído o que os dois acordes devem ser, vamos fazer um acorde dominante. Então, nós vamos fazer, e então nós fazemos o acorde cinco também dominante, e então nós vamos voltar para um A menor sete. Então, eu vou tocar isso de novo e mostrar aqui nas 12 barras como esses acordes são colocados para fora. Espero que tenham se divertido. Explore os quatro acordes das músicas da Adele e todas aquelas músicas que têm os mesmos acordes. Explore o maior e o menor blues. Então, depois disso, você começa a ouvir essas progressões de acordes em todos os lugares, em todos os lugares você ouve milhões de músicas que têm essa parte bluesy aqui, essas partituras do blues menor ali ou uma ponte com essas quatro músicas da canção de Adele ou você começa a ouvir essas progressões em todos os lugares. Isso ajudará você a ouvir música, identificar acordes e intervalos. Uma vez que você tem muitos desses sons em sua cabeça, vai ser muito mais fácil para você se inspirar, e para você pensar em novos sons, e pensar em coisas diferentes que estão fora da caixa, e tudo mais. Tudo bem caras. Então, na lição três, aprendemos medidores compostos, sincopações, medidores complexos, escalas cromáticas, tonalidades integrais e diminuídas, extensões de acordes e as alterações corretas que cada acorde pode “manipular”, inversões de acordes, modulações e harmonia modal. Então, confira a etapa do projeto abaixo e deixei uma tarefa divertida para você. Então, depois disso, boa sorte fazendo música. Mantenha-nos informados. Continue postando aqui no fórum do Skillshare as músicas que você cria, as músicas que você está lançando ou produzindo, a relação dos conceitos que temos falado. Vou ver vocês de vez em quando, ver os fóruns, e ver se posso ajudar de alguma forma com mais informações ou feedback. Foi um prazer compartilhar essa informação com vocês. Tenha um bom e muita música para você. O Chao.