Teoria musical abrangente: Parte 5 - contraponto completo | Jason Allen | Skillshare

Velocidade de reprodução


  • 0.5x
  • 1x (Normal)
  • 1.25x
  • 1.5x
  • 2x

Teoria musical abrangente: Parte 5 - contraponto completo

teacher avatar Jason Allen, PhD, Ableton Certified Trainer

Assista a este curso e milhares de outros

Tenha acesso ilimitado a todos os cursos
Oferecidos por líderes do setor e profissionais do mercado
Os temas incluem ilustração, design, fotografia e muito mais

Assista a este curso e milhares de outros

Tenha acesso ilimitado a todos os cursos
Oferecidos por líderes do setor e profissionais do mercado
Os temas incluem ilustração, design, fotografia e muito mais

Aulas neste curso

33 aulas (3 h)
    • 1. Visão de boas-vindas

      5:12
    • 2. Ferramentas que precisamos

      3:26
    • 3. Revista: modos

      3:49
    • 4. Revista: primeiras espécies

      10:00
    • 5. Whats novo na segunda espécies

      4:10
    • 6. Activos Metric

      4:52
    • 7. Resoluções

      3:52
    • 8. Resumo de segundas espécies

      2:21
    • 9. Como passar tons

      7:39
    • 10. Skips de acompanhante

      4:35
    • 11. Tons de vizinho

      7:00
    • 12. Primeira e últimas

      7:12
    • 13. Notas de melodia

      11:40
    • 14. Harmonia

      10:09
    • 15. Resumo de regras

      6:17
    • 16. Quatro a 1 Counterpoint

      11:03
    • 17. Cambiata

      3:17
    • 18. Tons de próximo

      5:04
    • 19. Deslocamento rítmico

      9:10
    • 20. Suspensões

      4:08
    • 21. Vamos para baixo

      3:05
    • 22. Suspensões 4-3

      4:01
    • 23. Suspensão 7-6

      3:27
    • 24. Suspensões de 9-8

      4:30
    • 25. Suspensão de acompanhamento

      5:56
    • 26. de de suspensões

      5:16
    • 27. Resumo de 4a 4th de espécies

      3:53
    • 28. Counterpoint pontos gratuitos

      6:44
    • 29. Como escrever

      11:54
    • 30. Fux: estudo de contra-ponto

      1:32
    • 31. O que vem a seguir?

      2:59
    • 32. Agradecemos obrigado!

      2:03
    • 33. SkillshareFinalLectureV2

      0:36
  • --
  • Nível iniciante
  • Nível intermediário
  • Nível avançado
  • Todos os níveis

Gerado pela comunidade

O nível é determinado pela opinião da maioria dos estudantes que avaliaram este curso. Mostramos a recomendação do professor até que sejam coletadas as respostas de pelo menos 5 estudantes.

1.167

Estudantes

2

Projetos

Sobre este curso

Durante anos eu há anos em que eu há música na sala de aula da faculdade. Esses cursos que estou de fazer para a Skillshare usando o mesmo programa que eu usei em minha faculdade há anos, em segundo de a parte de custo. I que qualquer pessoa pode aprender a teoria da música — e não deve ser uma learn

Recentemente de meu título como semi-finalist o prêmio da Music do ano de Agora estou fazendo esses cursos para a Skillshare em um formato online para chegar mais estudantes e dar a eles a alegria da teoria de música.

Minha abordagem da teoria de música é minimizar a memoração. A maioria desses conceitos você pode aprender apenas a entender por que os acordes em certas maneiras. Depois que você entender esses conceitos para encontrar qualquer escala, chave ou acorde que existe. Até de invente, até mesmo inventa seu próprio.

Este curso é um curso abrangente - ele vai ter muitas partes, passando por meu currículo anual.

Este curso é a parte 5: Counterpoint a completa e ele termina o que é o primeiro semestre de uma semana de

Durante este curso, vou fornecer muitas planilhas para você praticar os conceitos sobre os seus Se você ficar emde preso, você pode rever os vídeos ou postar uma pergunta e vou voltar para o mais rápido que possível. Também neste curso, tenho vários projetos de análise completos que vamos completar em nossos cursos de faculdade. como em meus curso.

Neste curso, vamos abordar:

  • Minha abordagem à teoria de música
  • Ferramentas de Counterpoint
  • Segundo de a de espécies
  • Activos e Diminutions em méto
  • Resoluções
  • Como passar tons
  • Os pulos e saltos de acompanhantes
  • Tons de vizinho
  • Como escrever melodias atraentes
  • Terceiro de a de espécies
  • The cambi
  • Tons de próximo
  • Contratar de quatro espécies
  • Deslocamento rítmico
  • Suspensões
  • Tipos de suspensão 4-3, 7-6 e 9-8
  • Suspensão de acompanhamento
  • de de Suspensões
  • Fifth de cinco espécies
  • Counterpoint pontos gratuitos
  • Planilhas e música para a prática
  • ...e muito , muito mais!

Você não terá outra oportunidade para aprender a teoria da música de uma maneira mais abrangente do que isso. Comece aqui.

Dr. Jason Allen é um instrutor de certificado e um de Ph.D. em composição da música e mestre de som eletrônico. Sua música foi ouvir internacionalmente no filme, rádio, video e em som industrial, bem como a sala de concerto e Seu álbum de 2015, Aniscorcia, em que você em cada álbum, em alta, de CMJ Top200, e de rádio se tornou de todos os nossos Em 2011, ele foi de um semi-finalista para o Grammy Music

Ele é um professor da Universidade de Augsburg, e o CEO da Slam Academy em Minneapolis.

Prame para cursos do Dr. Jason Allen:

  • "sem dúvida a melhor explicação e leste a este de uso que pode ser Os cursos vão de acesso de rap, para que você possa estar no caminho para ser proficiente. O que você está esperando a espera!"

  • "Amazing - adorada - seriamente! Eu fiz todos os seus cursos e tenho a dizer que estou muito feliz! Más aprendidas! Jason é um professor incrível!"

  • "nunca de uma treinamento formal na música em nada. tentando aprender todas as notas e como tudo traduza foi um desafio sério. Depois deste curso, o Dr. J trouxe totalmente as barreiras O conteúdo foi muito útil e foi fácil entender para comigo."

  • "eu gosto desses cursos por você pode se trabalhar com a execução rapidamente sem ter de passar de tempo up em wading por TMI (muitas informações!). Jason bate nos pontos altos e mostra o que você precisa saber. Obrigado!"

  • "eu assistia muitos outros vídeos em escalas e acordos, antes, este foi o melhor. agora eu entender as escalas e acordes menores e até mesmo como analisar músicas Isso realmente me deu a confiança para começar a produzir música porque eu tenho alguma estrutura e orientações para seguir. INSa

  • "Clea e informativo - Jason tem um estilo descontrolado (com os traços importantes do humor) da apresentação que se está de de foco nos aspectos importantes deste curso. Recomendado para os pessoas que estão a começar!"

  • "Dr. Allen o faz novamente com sua série de teoria de música. Este curso realmente abriu tudo que aprendi na primeira seção e agora eu entender mais sobre o lado de composição as coisas para música. Recomendo altamente este curso para qualquer pessoa!!! Realmente abriu com muitas coisas que não a conhecia."

  • "O Best Professora

Conheça seu professor

Teacher Profile Image

Jason Allen

PhD, Ableton Certified Trainer

Professor

J. Anthony Allen has worn the hats of composer, producer, songwriter, engineer, sound designer, DJ, remix artist, multi-media artist, performer, inventor, and entrepreneur. Allen is a versatile creator whose diverse project experience ranges from works written for the Minnesota Orchestra to pieces developed for film, TV, and radio. An innovator in the field of electronic performance, Allen performs on a set of “glove” controllers, which he has designed, built, and programmed by himself. When he’s not working as a solo artist, Allen is a serial collaborator. His primary collaborative vehicle is the group Ballet Mech, for which Allen is one of three producers.

In 2014, Allen was a semi-finalist for the Grammy Foundation’s Music Educator of the Year.

... Visualizar o perfil completo

Nota do curso

As expectativas foram atingidas?
    Superou!
  • 0%
  • Sim
  • 0%
  • Um pouco
  • 0%
  • Não
  • 0%
Arquivo de avaliações

Em outubro de 2018, atualizamos nosso sistema de avaliações para melhorar a forma como coletamos feedback. Abaixo estão as avaliações escritas antes dessa atualização.

Por que fazer parte da Skillshare?

Faça cursos premiados Skillshare Original

Cada curso possui cursos curtas e projetos práticos

Sua assinatura apoia os professores da Skillshare

Aprenda em qualquer lugar

Faça cursos em qualquer lugar com o aplicativo da Skillshare. Assista no avião, no metrô ou em qualquer lugar que funcione melhor para você, por streaming ou download.

Transcrições

1. Visão de boas-vindas: - e a nota que soou a seguir para que não possamos ter paralelos escondidos ou de outra forma acontecendo lá . Então as coisas ficam um pouco mais complicadas por causa de todas essas coisas que estão acontecendo ao redor, certo? Então, às vezes, temos tons de passagem. Oh, vai de uma constante para um dissidente para um continente, mas tem que ser a mesma nota. Vejamos um exemplo. Então eu tenho aqui é mantido sobre a primeira batida da próxima medida bem ali. Então isso é mantido para a primeira batida da próxima medida. Então eu quero acabar 1/3 embaixo, então eu vou acabar embaixo dessa nota, então eu vou acabar em um fundo. Então vamos tentar colocar que d lá diminuiu quinto. Isso pode ser um pouco mais do que eu quero mastigar agora, então não vamos fazer isso. Vamos quebrar o padrão porque podemos fazer isso. Isso é outra coisa que podemos fazer em quatro espécies. Contraponto. Por que não chamaríamos isso de “a “? Vou te dizer exatamente por que não chamaríamos isso de A para saber que eu disse, em outros lugares, eu disse, se é maior que uma oitava nós reduzimos. Então um nove sementes um D, que é o mesmo com os dois direita este 'll é um quinto paralelo. Por que é um quinto paralelo? Bem, é porque nossos dois continentes isso é chamado de batida para bater paralelo significando batidas para baixo. Ei, todo mundo. Bem-vindo Teoh Music Teory Parte cinco contraponto Ah, nós na última teoria musical Glass Parte quatro nós mergulhamos em primeira espécie contraponto e aprendemos as regras básicas da teoria da música. Quando se trata de contraponto nesta classe, vamos passar por todos os contrapontos. Ah, o que se chama Contraponto de Segunda Espécie. contraponto de terceira espécie, contraponto de quatro espécies e o contraponto de quinta espécie também às vezes chamado de contraponto livre não passaria por tudo isso. Agora, no final desta aula, você vai ter completado todo o meu primeiro semestre de teoria da música universitária. Então, se você conseguir passar por essa aula e se sentir confortável com o material que você aprendeu nesta aula, então você não terá problemas em entrar em uma aula de teoria musical em qualquer faculdade e ah, passando por essa aula. Ah, você pode até entrar e fazer o exame final e aposto que você vai passar. Vamos ter coberto tudo. Se você fez todas as minhas cinco aulas, isso inclui esta. Você vai passar em alguma aula de teoria musical em qualquer faculdade? Posso prometer-te isso. Então esta aula é muito divertida. Vamos falar sobre todos os contrapontos diferentes, as diferentes regras neles e como eles se desenvolvem um do outro e como as regras meio se acumulam. Mas não é que você precise aprender centenas e centenas de regras. Na verdade, são apenas cinco grandes regras. E depois um punhado de exceções. Haverá novos termos que aprenderemos nesta aula. Então novos termos musicais que você provavelmente nunca ouviu antes vamos falar sobre, ah, como tudo funciona e como fazer música com essas coisas e como compositores ao longo da história fizeram música com ele. Então eu espero que você decida se juntar a nós. Por favor, pule. Hum, nós vamos ter um monte de diversão. Haverá um monte de planilhas que eu vou te dar Ah, para você praticar isso sozinho. Ah, e eu respondo às perguntas postadas na aula todos os dias. Então, sempre que tiver uma pergunta, você pode postar lá. E posso prometer-te que voltarei a ele dentro de 24 horas, mesmo nos fins de semana, porque sou um grande nerd. Estou sempre no meu computador. Adoro responder perguntas sobre coisas, então, por favor, junte-se a nós. , Adoro responder perguntas sobre coisas, então, por favor, então, por favor, Vamos nos divertir muito nessa aula, e não temos muito contraponto, então vamos começar. Vamos nos divertir muito nessa aula, e não temos muito contraponto, 2. Ferramentas que precisamos: Ok, pessoal, hum, se vocês estão acompanhando minhas outras aulas de teoria musical, vocês me viram fazer este vídeo sobre as ferramentas que precisamos, tipo, quatro vezes. Agora, esta será a sua quinta vez se fizer todas as aulas teóricas. Então, vou mudar um pouco. Aqui estão as ferramentas que precisamos. Precisamos de um programa de notação que estou usando. Você marca. É de graça. Você pode obter este programa. Muse pontuação dot org. Você também pode obter alguns dos finale caros e Sibelius. Legal. Também gosto de ter um bom lápis e papel. Andy, pegue algum papel da equipe. Você pode obtê-lo na Amazon. Gosto da marca de arquivos. Há muitos deles. Agora. Quero mostrar-te uma coisa nova desta vez. Hum, eu estou divertido. Marque aqui. E, hum, deixe-me apenas mostrar-lhe bem rápido como adicionar outra equipe porque muito do que vamos estar fazendo nesta, hum, classe nós vamos precisar pautas para então este é o padrão. Isso te dá uma espécie de grande equipe do estado. Bem, na verdade, o padrão é assim. Isso é na visualização de página. Ah, e você pode trabalhar na página você, se quiser. Eu prefiro usar visão contínua onde apenas uma coisa longa que zoom em qualquer maneira é bom, Ira. Em vez disso, gosto de trabalhar assim. Mas eu vou para ver e, em seguida, em nenhuma edição. Desculpe por isso. E então instrumentos. E aqui está como isso funciona. Aqui estão todos os seus instrumentos e aqui está o que você tem sobre sua equipe agora. Então eu tenho um bastão de piano. Então, se eu quiser adicionar um piano, digamos apenas as duas pautas normais de um piano. O que eu vou fazer é ir aqui para teclados e piano e, em seguida, adicionar que piano adiciona um instrumento de dois funcionários. Então o que eu poderia fazer é me livrar dessa. Eu só clicar nele e bater. Remover. Agora, eu vou ter um bom e velho pessoal de piano aqui quando eu disser OK, ok , então agora eu tenho uma equipe de piano normal. Se eu quiser ter que incomodar as facadas do Clough, posso mudá-lo lá atrás na coisa do instrumento. Se eu quiser ter que incomodar as facadas do Clough, Ou eu poderia apenas ir aqui e dizer penhascos e arrastou isso aqui e agora eu tenho que me preocupar com as equipes de ficar. Então, um, muito do que vamos fazer nesta aula porque estamos falando muito de contraponto . Vamos precisar de pautas para a maior parte. Preste atenção ao longo da aula, quer estejamos ou não a olhar para uma equipe de piano, significandoaula de problemas e uma equipe de clave de baixo ou para equipes de fissura de problemas. Preste atenção ao longo da aula, quer estejamos ou não a olhar para uma equipe de piano, significando quer estejamos ou não a olhar para uma equipe de piano, significandoaula de problemas e uma equipe de clave de baixo ou para equipes de fissura de problemas. Podemos trocá-lo. Vamos ver como vai correr. Então, ah, essas são as ferramentas que precisamos. Hum, como sempre no próximo vídeo é o próximo pedaço ou a próxima seção. Acho que vou fazer download do papel da equipe. Então você pode ter um pouco de papel pessoal grátis, imprimir um pouco disso. Mantenha-o à mão com um lápis para que você possa rabiscar algumas anotações sobre ele. Você vai agradecer a si mesmo mais tarde. E depois disso, vamos fazer alguns vídeos. E depois disso, Apenas dois vídeos rápidos revisando alguns elementos-chave das classes anteriores, as classes teóricas anteriores que vamos precisar. Só quero reforçar mais tempo antes de mergulharmos nessa coisa de contraponto mais avançada . Fora nós vamos 3. Revista: modos: Ok, vamos fazer uma revisão rápida dos modos e como os modos funcionam. Ah, você se lembra da ordem? A ordem das notas nos modos. Então vai. A ordem é grande, e então Dorian é o 2º 1 Frigorífico em é o terceiro. Lydian é a quarta mistura. O Lydian é o quinto. Um Olean é o sexto. E lembre-se, isso é o mesmo que o alienígena normal de menor escala Lo Korean como o sétimo. Lembra-se? Esse é o pateta. Ah, e então voltamos para a escala maior. Então essa é a ordem. E podemos usar a ordem se encontrarmos uma escala maior. Então aqui está a nossa maior escala. Ok? E agora sabemos que lembramos que de mar a mar, a assinatura chave de uma escala C maior. Na verdade, vamos fazer isso em uma chave diferente. Hum, vamos fazer ah di. Então eu vou fazer uma escala D maior. Ok, então eu tenho um d maior escala aqui agora D dois d e a assinatura chave de D maior get Então agora os modos são esta é a escala maior. Então, os modos, se começarmos a assim et é escala Dorian f vai ser a nossa geladeira. Escala Ian. Vamos voltar aqui e em um F no topo. Opa! Ok. F dois f é o nosso frigorífico em escala porque é o terceiro. Então vai ser um f para Jian escala g até G vai ser uma escala lydian porque é o 4º 1 para a quarta nota da escala. Então pegamos o quarto, o quarto modo. Hum, isso é Lydian G dois g neste caso vai ser Lydian A até A vai ser mix o lydian escala ser para ser vai ser a escala alienígena. Ou, em outras palavras, o menor. O menor relativo ver até ver neste caso vai ser a baixa escala coreana. Lembre-se, ele é realmente ver afiado para ver Sharp por causa da nossa assinatura chave, C afiado até C afiado vai ser localmente e escala, e então nós percorremos todo o caminho de volta para D, que vai ser a maior escala novamente. Então foi assim que confinamos os modos muito rapidamente. E eu me lembro que também há outra maneira, a maneira em que você pode dizer, bem, a Escala Doriana é uma escala menor com um aumento seis ou qualquer escala que você está olhando. Revise aqueles se você quiser, Mas lembre-se que você sempre pode encontrar os modos desta maneira. coisa mais importante a lembrar sobre os modos é a ordem deles e como esse processo funciona de deslocação das notas e ciclo circulando ao redor. Se você puder se lembrar disso, você vai se lembrar de todos os modos muito bem. Ok, com isso, vamos rever as regras do contraponto de primeira espécie novamente porque estes serão os blocos de construção para tudo o que fazemos nesta classe em contraponto avançado. Então vamos voltar e olhar para as primeiras regras de contraponto de espécies mais uma vez, e então vamos para as coisas novas. 4. Revista: primeiras espécies: Ok, eu tenho aqui para nós a firmeza do condado e vamos escrever um contraponto para ele usando o contraponto da primeira espécie. O contraponto das primeiras peças significa que vamos adicionar Ah, nota inteira. Vamos adicionar uma nota para cada nota no país para a maioria. E a primeira coisa que nos lembramos é que nossa primeira nota tem que ser ativa ou uníssono . E em raras ocasiões podemos fazer um quinto perfeito. Mas realmente, queremos em uníssono de outubro. Então vamos dio-o-ops, vamos fazer um ativo aqui e agora A próxima coisa que me lembro é que uma última nota tem que ser uma oitava cada uníssono também. Então vamos jogar isso lá agora, passando por isso. Lembre-se dos diferentes tipos de movimento que podemos ter. Isso vai ser muito importante nesta aula. Movimento contrário é o nosso favorito. Então isso significa que se isso está subindo na firmeza do país, temos que descer e precisamos fazer um intervalo que funcione. Então nosso intervalo aqui nós chamaríamos um oito. Mesmo que sejam duas oitavas, ainda assim chamaríamos de oito como reduzimos para oito. Então, isso é um oito. O que acontece se eu descer a um estar aqui? Isso nos dá um seis e um intervalo de seis aqui, o que é bom. Também nos dá um movimento contrário. Então vamos rotular estes como vamos aqui. Ok? Há um oito e um seis. Certo, o que vem a seguir? Vamos tentar fazer o movimento contrário novamente. Então, qual nota iria bem com um F e estaria caindo? Então um A e A funcionariam esplêndidamente. Um esforço e um é um terceiro importante, uh, faz movimento contrário. Não repete notas. Eu acho que isso é incrível. Ok, então vamos colocar 1/3 bem ali. Três ali, porque terceiro, lembre-se disso. Pode escrever o número aqui? Nós não acertamos. Se for maior ou menor, só nos importamos com o intervalo. Está bem. Podemos fazer outra ação contrária? Este vai cair. Então nós subíamos. Podemos subir? Vamos tentar. Se formos para cima, o que conseguirmos, o que conseguirmos,é 1/5 por si só não é terrível, mas nos faz como um pé na cova. Quando se trata de fazer, temos quintos paralelos, então nós meio que queremos evitar isso. Então, eu vou ver se nós podemos escapar fazendo um movimento semelhante tipo de movimento aqui de onde nós vamos. Ah, terceiro para outro terço. E isso é OK. Lembrem-se, podemos repetir intervalos. Isso é bom. Podemos ter um movimento paralelo como este, e é permitido um za desde que não façamos isso o tempo todo. Dois seguidos são bons. E isso é semelhante ou paralelo? É ver isso. Vês? É um terceiro importante, também. Um terço menor. Então, é um movimento semelhante, eu acredito, um, porque este só desceu 1/2 degrau e este foi para baixo uma coisa de buraco. Ok, vamos ver o que vem a seguir. Este vai subir. Então, se pudéssemos descer de novo, estaríamos bem. Então, o que vai acontecer? Oh, vamos fazer uma oitava. Isso seria. É um bom ponto de pouso. Lembra-se? Novamente, a regra das oitavas é que não queremos uma tonelada de, hum, hum, mas ter um ativo no contraponto algures está tudo bem. Tudo bem, agora vamos subir. Então, se pudermos descer, estaríamos bem. Vamos tentar chegar bem, o que acontece se eu descer um passo? Eu tenho feito isso todo este corredor. Temos um G e um E. Isso é um seis. Isso está tudo bem. Vamos colocar um seis aí. Seis são permitidos. O que vem depois? Vamos subir a qualquer um. Posso ir se desculpar até um A. Posso ir até um D? Na verdade, não. Isso vai nos colocar em 1/5 novamente. Situação perfeita de intervalo que queremos evitar. Então vamos ver se podemos fazer outra emoção semelhante. Se eu for até se eu tiver outro sexto e seis é de costas para trás. Nossa multa para que possamos nos safar dessa. Isso é perfeitamente permitido. Ok, então eu tenho esse tipo de linha legal aqui. Eu desci agora que eu fui. Eu mudei de direção. Quando posso continuar subindo, eu subo aqui. Eu pouso em uma oitava e está tudo bem. Os ativos dele estão bem, desde que não tenhamos milhões deles. Eles meio que diminuem o som, então nós não o amamos, mas eles são bons neste caso. Eu acho que o benefício que temos de ter essa linha descer pela escala e depois subir pela escala será melhor do que o lado negativo de ter essas oitavas. Aqui, deixe-me dizer isso de novo de uma maneira melhor. Estes médicos não são fantásticos, mas esta linha vai todo o caminho descendo por escala e, em seguida, voltar para cima é incrível. E eu acho que isso é mais legal do que, uh, é legal o suficiente para me deixar lidar com essas oitavas. Vou trancar. O que vem a seguir? Estou indo para um E. Posso ir até um “A”. Me leva a 1/4 que eu realmente não gosto, lembre-se, Quartas são como, realmente um não. Então eu poderia ir até um F então eu não comi e se isso é um segundo. Isso é definitivamente um não. Então temos uma outra opção que podemos fazer é tentar ficar quieta, ficar bem no G. Isso nos dá um intervalo de ah, terceiro. E isso é OK. Lembre-se, este é um movimento sombrio. Então este não se mexeu. Este fez isso fez um novo intervalo. Não cria paralelos. Lembre-se, a regra com notas repetidas é que é permitido repetir uma nota. Não é permitido repetir uma nota três ou quatro vezes, desde que a nota continue se movendo. Não é permitido repetir uma nota três ou quatro vezes, desde que a nota continue se movendo. Tudo bem fazer uma nota repetida uma ou duas vezes. Ok, vamos ver se eu posso continuar subindo no meu contraponto aqui, eu estou baixo para um D Posso ir até um A? Uh, não. Não posso chegar a um “A “que faria o movimento bom e contrário. Mas isso me deixa em 1/5. Mas eu não amo, , especialmente porque se eu estivesse 1/5 aqui, eu estaria indo de 1/5 para uma oitava que criaria um ativo oculto. Então não vamos fazer o quinto. Vamos saltar para um B, no entanto. Isso me dá um seis, o que está tudo bem. E então eu resolvo em um oito. Então este é um seis, e este é um oito. Está bem. Então isso fez esta linha agradável onde descemos a passo e, em seguida, para cima ficar o mesmo pequeno salto e, em seguida, para o ativo novamente. Vamos ouvi-lo. Está bem, muito bom. Acho que isso pareceu ótimo. Vamos ouvir um pouco mais rápido, só para que possamos ouvir essa linha um pouco melhor. A linha de cima. O contraponto pode ficar mais limpo ou mais fácil de ouvir. Se nós Ah, é Peter Doutores um pouco. Vamos tentar isso, E. Você tem. Foi uma atualização rápida no contraponto da primeira espécie. Agora vamos saltar para algumas regras do contraponto de segunda espécie. 5. Whats novo na segunda espécies: Ok, vamos mergulhar no contraponto de segunda espécie aqui agora o que há de novo e o segundo aperta contraponto. Só há uma grande coisa que é diferente entre a primeira e a segunda espécie , mas essa coisa traz consigo uma série de complicações. Então tudo o que sabemos sobre o primeiro contraponto Espécie ah, transporta através do contraponto de segunda espécie. Então, todas as regras que conhecemos ainda são verdadeiras. A principal diferença é que para cada nota nos contornos, firmeza, deixe-me apenas colocar algumas notas de um Doces desta cidade. Faça isso. Então, se essa é a firmeza do nosso concurso, que geralmente é escrita em notas de salão na segunda espécie, vamos acertar duas notas. Então é sempre um relacionamento de 2 para 1. Certo, então isso ainda é uma grande coisa. Acho que talvez eu deva terminar isso. Assim e primeira espécie contraponto. Cada nota na firma do condado tinha outra nota que o acompanhava, certo? Então, sempre foi um 1 para 1 e segunda espécie que vamos ter devido a uma. Vamos escrever notas para cada nota na firmeza do condado, certo? Isso parece simples, certo? Como se tudo o que vamos fazer é dobrar as nossas notas, e tudo vai ficar bem. Bem, não exatamente. Por causa disso,agora temos muito mais coisas que podem dar errado e muito mais opções. Por causa disso, Aumentamos lugares que podemos fazer um quinto paralelo ou ativo. Nós também temos a capacidade agora de usar tons de passagem, significando tons nó no cordão. Então veja isso. Aqui está o que basicamente acontece porque estamos fazendo duas anotações. Vamos olhar para isto. Não, por um segundo, este bilhete tem que fazer sentido entre aqui e aqui e aqui. Então a relação aqui tem que trabalhar entre as notas que vêm antes e depois dela. Também entre a nota que soou por baixo dele e a nota que soa a seguir para que não possamos ter paralelos escondidos ou de outra forma acontecendo lá. Então as coisas ficam um pouco mais complicadas por causa de todas essas coisas que estão acontecendo ao seu redor. Certo? Então, às vezes, temos tons de passagem. Temos alguns intervalos novos que podem acontecer. contraponto Antes docontrapontodas primeiras peças, nunca usaríamos o intervalo de um segundo. Certo? Hum, como b flat para ver. Nunca deixaríamos isso acontecer, no contraponto da primeira espécie. Mas em segundo lugar, podemos chamar isso de um tom passageiro a caminho daqui. E esse intervalo de segundo pode ser permitido, certo? E então aterrissamos aqui em 1/6 e está tudo bem. Eu tenho outro aqui, de C a D e isso é permitido. Se pudermos chamar isso de tons de passagem, falaremos mais sobre esses tons de passagem em breve. Temos um novo tipo de lista de termos que surgem devido a essas novas complicações que surgem do relacionamento 2 para 1. Então vamos começar primeiro falando sobre sotaques métricos e diminuição é isso é algo que não vimos antes porque ele realmente nunca surgiu, hum, no contraponto de primeira espécie, porque todas as notas eram de 1 a 1. Agora temos uma espécie de hierarquia de notas acontecendo, , que é sobre o que os acentos métricos falam. Então vamos saltar para um novo vídeo e depois vamos falar sobre isso 6. Activos Metric: Certo, Certo, sotaques métricos. O que isso significa é que, agora que temos duas notas contra esta, estes dois não são igualmente importantes. Um é mais importante que o outro. Então, o peso da doença é colocado no downbeat. O downbeat é o é o mais importante das duas notas em qualquer barra. A segunda nota no otimista às vezes é chamada de diminuição. Então isso é algo que temos que considerar quando estamos escrevendo porque precisamos ter certeza que intervalos constantes acontecem em batidas baixas e se vamos ter um intervalo dissonante , que podemos ter muito mais, e falarei sobre isso em segundos. Eles acontecem na batida fora, um, ou na segunda metade da medida ou a diminuição. Seja qual for o termo que você quiser usar, vamos chamá-lo de excêntrico. Vamos ficar com isso porque isso é mais do que é. Então, por causa disso, a segunda nota contra os Contras, mais firme a batida off pode ter uma série de novos intervalos. Agora ele pode realmente ter sido um segundo segundos não foram permitidos nas primeiras peças. Contraponto em tudo. Podemos fazer um segundo enfraquecimento. Faça 1/4. Podemos fazer um quarto aumentado. Podemos fazer um quinto diminuído. Podemos fazer 1/7 e podemos fazer em nono. Nós podemos. Todos esses intervalos são agora permitidos enquanto estiverem na ONU. Parte estressada do contraponto, que é outra maneira de dizer que eles estão fora da batida. Você não pode ter nenhum desses intervalos no downbeat. Imagine um tipo de trabalhos como vamos fazer isso. E se eu me livrasse dessas notas, as estranhas e nós dissemos isso é fingir que essas são todas notas inteiras e nós estamos exatamente seguindo as regras da primeira espécie contrapontar as novas regras que estamos falando e esses novos intervalos apenas aplicam-se à nova nota, que é a segunda metade da medida. Então podemos ter o segundo aqui e lembrar o segundo intervalo. O que estamos falando é que entre os Contras firmas temos sempre que contar os Contras . Firmas como ainda um indo este B flat ainda está acontecendo através de toda esta medida. Este d está acontecendo através de toda esta medida. Assim, nesta medida, por exemplo, temos de dizer que isto é de ser uma relação. Temos que pensar nisso como 1/6 porque é. E então temos que pensar nisso não como um lobo solitário. Tem uma nota que está a ser posta contra, e é este D ainda, porque o D ainda está soado. Então temos que levar em conta que como 1/3 também, Então temos um 6 para 1/3. Isso está tudo bem. Nós gostamos de ambos os intervalos, e esses são ambos intervalos constantes. Você não precisa ter um intervalo dissonante na segunda metade da batida. Você pode ter dois intervalos constantes. Você quase sempre vai ter que fazer isso com um salto, certo ? Porque se você tem que manter intervalos, não há como fazer isso sem um salto. Se você está fazendo uma escala caindo agora que estamos fazendo duas notas, dedo um, hum, escala. Descer não vai funcionar. Hum, você vai ficar sem notas e você vai ter que fazer tons de passagem dissonantes, e tudo bem. É por isso que é permitido, , mas fazer um salto para chegar a tons constantes também é permitido. Se formos aqui, temos um C a uma orelha, então temos 1/3 também permitido. Viemos de outro terço aqui, então temos 2/3 seguidos. Mas está tudo bem. E agora nós estamos indo para um segundo C para D e isso é permitido porque ele está na segunda metade da medida e que vai para baixo e resolver para realmente 1/5 que é ok por si só. Desde que não criemos um paralelo e a próxima nota nos leve para 1/3 eu sou assim que outro salto aqui para nos levar para baixo para outro intervalo constante. Então é assim que o acidente métrico funciona. Temos novos intervalos que podemos usar o que Onley pode usá-lo. Na segunda metade da medida, a ONU acentuou parte da medida, que é outra forma de dizer: Ah, Ah, o fora da batida 7. Resoluções: Ok, Há um pouco mais para o comportamento desses novos intervalos que precisamos falar e particularmente em resoluções específicas que eles precisam resolver corretamente. E eles precisam ser configurados corretamente. Um, que o tipo de teoria musical termo para isso é a preparação que eles precisam ser preparados corretamente e eles precisam resolver corretamente. E, hum, a boa notícia é que você só tem que lembrar de uma coisa para a preparação e a resolução, que é não usar um salto ou um salto. Hum, eles têm que ser preparados por um passo e ter que resolver por um passo, que significa que na segunda espécie, contraponto era bastante limitado sobre onde podemos colocar saltos e saltos. Na verdade, então vamos dar uma olhada neste. Este é o nosso primeiro intervalo dissonante. Este é o nosso segundo, Então ele tem que ser preparado por um passo, e isso pode ser em qualquer direção. Então, aqui estávamos no “D” Vamos descer para um cessar. Nós entramos na distância. Você sempre tem que entrar na dissonância, e você tem que sair dos dissidentes então aqui para sair da dissonância. Nós vamos nos demitir. Essa é a resolução. Portanto, a preparação e a resolução assim e tanto a preparação como a resolução têm ser intervalos constantes. Eles têm que ser, você sabe,os você sabe, intervalos de primeira espécie oficialmente aprovados. Esses são os intervalos do nosso continente. Então agora temos um salto aqui, e tudo bem, porque entre dois intervalos confiantes, agora vamos aqui e temos um intervalo constante. Mas aqui está o nosso próximo intervalo dissonante. Ok, então vamos olhar para essa. Temos constante aqui. Temos 1/3. Vamos aproximar deste segundo o intervalo dissonante por um passo. Então nós vamos entrar nele, e então nós vamos sair dele em outro intervalo continente de 1/5. Então, estes são os nossos dissidentes. Vamos entrar na preparação com um passo para fora no erro de preparação na resolução . Então esses novos intervalos que acabamos de aprender que seria o segundo... a quarta floresta aumentada diminuiu a 5ª 7 e a nona. Aqueles ar agora permitido na batida fora. Enquanto entrarmos na dissonância e de um continente e sairmos da dissonância para outro continente. Ok, você pode quase pensar nisso como essas duas notas. Isto é um d r um salto à parte, e estamos apenas preenchendo a lacuna. Isso é o que está acontecendo aqui. um Estamos usandoummonte de saltos e a mesma coisa acontecendo aqui. Aqueles pulam de ar e estamos colocando um bilhete no meio. Estamos preenchendo a lacuna. Isso é literalmente o que está acontecendo aqui, mas nós só temos, tipo, um monte de regras para governar a mudança disso. Isso é literalmente o que está acontecendo aqui, mas nós só temos, tipo mas nós só temos, , Essas são as nossas regras para contraponto de segunda espécie. Há muito mais coisas para olhar em termos de tons de passagem, os , tipos de saltos e saltos que você pode fazer entre tons constantes. E então temos essa coisa chamada “Tons de Vizinho”. Isso está chegando na próxima seção. Vamos fazer mais um vídeo. Vou fazer uma breve recapitulação de tudo o que é as regras oficiais de sanção do contraponto de segunda espécie. E então passamos para como, hum, todos esses tons que passam funcionam juntos 8. Resumo de segundas espécies: Certo, vamos fazer uma rápida recapitulação das regras da segunda espécie. Contraponto bem rápido. A primeira regra de segundos contraponto Espécie é que todas as regras do contraponto de primeira espécie ainda se aplicam. Então tudo o que sabemos sobre o contraponto da primeira espécie que está lá dentro. Hum, e então nós temos basicamente mais três regras que nós vamos seguir para o número um. Um contexto métrico através de posições acentuadas e perfumadas anak na medida é um novo conceito. Então temos sotaque métrico é algo que temos que nos preocupar agora para onde uma nota cai dentro da medida. Segunda coisa, é a nova dissonância criada pelos intervalos de quatro aumentados para a diminuição da 5ª 7ª e 9ª em Theis. Posições aceitáveis Então, no lugar certo, podemos usar esses novos intervalos, certo? E esse lugar correto é o fora da batida do prefeito. A terceira coisa é que saltos continentes e saltos e degraus, então saltos dois continentes são permitidos entre coisas como cinco e 65 e seis seria um constantemente Nós realmente não falamos sobre isso, mas que um vai se tornar, Vamos falar muito sobre isso nos próximos vídeos quando estamos falando de você embelezamento melódico. Então aguente mais para mais informações sobre isso. Vá. Ok, então essa é a nossa versão de noz das regras oficiais da segunda espécie. Vamos mergulhar em alguns dos pontos mais finos e escrever alguns destes e ver como vai . Vamos mergulhar em alguns dos pontos mais finos e escrever alguns destes e ver como vai E se você está dizendo para si mesmo, , para os últimos quatro vídeos, voz do Jay é como uma oitava mais baixa o que está acontecendo em um resfriado e é uma droga. Odeio ter um resfriado, , mas a única coisa pior do que ter um resfriado é como ficar deitado o dia todo. Então eu estou me fazendo sair da cama e fazendo esses vídeos para ele porque eu gosto de fazê-los. E eles podem ser Jimmy um pouco acima. Então é isso por enquanto. Vou dar uma volta e tentar apanhar um pouco de ar fresco. Espero que os próximos vídeos de massa. Minha voz estará em um regular, hum, ativo 9. Como passar tons: Ok, vamos falar sobre passar os tons. Como pode ouvir,ainda estou doente. Como pode ouvir, Minha voz está muito baixa. Hum, mas tudo bem. Acho que me sinto melhor do que pareço. Acho que a minha voz está estragada. Hum, então, ah, vamos continuar e falar sobre, uh, tipo de ponto, ok? Então, passando tons, então passar tom é o que chamamos de um tom não cordão, mas que passamos. Então nós apenas conversamos sobre como sempre que temos esses tons não acordes, nós temos que abordá-los por um passo e deixá-los por um passo como este, ser para um para G. Então há um passo lá em um passo lá. Estes são chamados de tons de passagem porque acabamos de passar por ele. Então eu tenho um novo contraponto aqui em cima contadores, firmeza na parte inferior e um contraponto no topo. Então eu quero passar e, uh, uh, rotular tudo de novo. Então vamos começar com nossos intervalos. Então aqui temos um oito e outro oito. Agora, isto funciona? Hum, isso realmente não funciona. Isso é errado, porque o que eu tenho que esperar seguidas? Tecnicamente falando oitavas paralelas. Porque é um ativo dois seguidos. É a mesma nota, mas na verdade não funciona. Aqui está uma maneira de contornar isso. Boom. Confira isso. Nós podemos realmente, hum isso é uma espécie de nota de rodapé de uma regra em contraponto de segunda espécie, mas nós podemos realmente começar com 1/2 descanso. Hum, você se safa com isso no início. Hum, há outro que eu vou fazer aqui onde podemos terminar com, ah, ah, nota inteira na segunda a última medida, quase sempre terminamos com o buraco. Não na última medida. Eu acho que temos que terminar em ah, nota inteira na última medida. Mas na segunda a última medida, se for um tom de liderança que leva ao tônico, que está aqui, podemos acabar enfraquecendo, ficar em uma nota inteira para o bar inteiro. Essas exceções de ar ao ritmo. Então vamos evitar o paralelo ativo, livrando-se dessa nota. Então agora temos um ativo entre aqui e aqui. Agora, vamos seguir em frente. Está bem. Uh, G dois B, que é Ah, terceira direita. E G para a Isso é um segundo Mas tudo bem, porque estamos passando por ele. E agora temos E para G. É outro terço. Isso está tudo bem. E para ser que é 1/5 que é ok por si só, nenhum dano lá. Agora, uma coisa que eu quero fazer, e isso é algo que você vai fazer se você estiver fazendo uma análise completa de, hum, um contraponto contra a firmeza desse país é que podemos rotular os tons de passagem. Então o que vamos fazer aqui, eu vou rotular este PT que está passando tom. E é permitido por duas razões porque entrou e saiu. E a outra razão é porque é na ONU acentuou parte da medida. É por isso que é permitido. Poderíamos também ir mais longe e rotular estas notas como esta. Isso é o que você coloca entre parênteses aqui. Pronto, resolução de dissonância da preparação da PDR. Tudo bem, então você nem sempre rotula isso, mas você pode. Às vezes você vai ter que você dependendo. Como se estivesses a fazer alguma missão. Mas, hum assim passando resolução de dissonância preparação tom. Certo, vamos continuar. Chegue a um A e um C aqui. Então isso vai ser 1/3 um a em um D que vai ser 1/4 um não. Em contraponto de primeira espécie, mas totalmente bem neste caso porque é tom de passagem. Vamos trabalhar no próximo bar, e então vamos voltar e fazer essas coisas, então temos um G. Então temos um 6, e então temos um G e A G. Temos uma oitava. Ok, vamos voltar e lidar com este D Então isso vai ser um tom passageiro. Vamos rotular isso como tal, livrar-se dessa coisa de flecha. Eu sei de onde isso vem de sua coisa divertida pontuação, mas está ignorando por enquanto. E então vamos fazer isso de novo. Copiar e colar a resolução de dissonância de preparação funciona, certo. Esse D tem que ser na segunda metade da medida ou então não funciona. Se você tivesse algo parecido com isso, onde você tinha preparação, dissidentes, resolução e os dissidentes estavam em baixa, não é bom não pode fazer isso, então PDR. Tudo bem. Uh, vamos continuar. Vamos terminar isso bem rápido. Então temos effin e argolas. Se você tiver uma dessas cópias. Então isso é 1/3. E então temos um F um F e isso é um ativo. Então temos um E e G. Então isso é 1/3. E então temos um final e em a. Isso é 1/4 que é permitido. Vamos acabar com isso. Você tem um D e A B, então é um seis. E então temos são ativos, que queremos acabar na direita. Nós sempre queremos acabar. Não uma oitava ou uníssono. Hum, então os únicos outros dissidentes aqui, isso não é isso não é isso não é isso, então aqui está outra dissonância. Então precisamos lidar com isso. Ah, isso é um tom passageiro e vamos colocar todas essas coisas. É, bem, preparação dissonância resolução. Lá vamos nós. Ok, então é assim que os tons de passagem funcionam? Acho que já acertamos aquela casa agora, obraço deles ou tipos de coisas que podemos rotular. Acho que já acertamos aquela casa agora, obraço deles ou tipos de coisas que podemos rotular. braço deles ou tipos de coisas que podemos rotular Aqui, , vamos ver continentes, saltos e saltos a seguir 10. Skips de acompanhante: Ok, vamos falar sobre saltos ou saltos continentais. O que isso é só ... Vamos pular aqui. Certo. Então vamos para duas notas sem cruzar uma dissonância, e fazemos isso com saltos constantes. Agora, este ar às vezes chamado, uh, Kordell pula, como em Ah, salta dentro do cordão. Então o que isso significa é, vamos dar uma olhada neste tribunal. Então nós temos e e um G nestas primeiras 2 notas. Certo, então se vamos embora daqui, vamos ver, que tribunal poderia ser se eu colocar uma energia E? Há duas coisas possíveis que esse acorde poderia ser. Eu poderia adicionar um B e isso faz com que seja no acorde E. Ou posso adicionar um C e isso faz dele um acorde C. Dependendo da nota que eu usar, , vou definir o que é esse cordão, então vamos aqui. Usamos um estar aqui, então terminamos como um acorde e. E isso faz sentido porque a nota na base é provavelmente a raiz do tribunal . Neste caso, o que estamos fazendo aqui é ir de G para ser estranho, usando outra nota no cordão para preencher a parte acentuada da ONU da medida. Não cria uma dissonância porque está no tribunal, então é por isso que os chamamos. Às vezes Kordell Skip, como em é no tribunal. Mas o nome real para eles é um salto de continente ou um salto de continente. Poderíamos também ter um salto constante. Lembre-se da regra para o passo, pular e saltar. Um passo é anotar um ao lado do outro. Um salto é um terço maior ou menor, e um salto é 1/4 ou qualquer coisa maior, como aqui. Aqui temos um G dois e E. Isso é 1/6, então isso é um salto. Mas é um salto no continente porque vamos partir. Temos um G aqui e um E aqui. Então o meu cordão está neste caso. Não importa qual é a minha corte porque saltei para um G e isso é uma era de unidades ativas lá. Então funcionou bem, certo? Então ainda estou no cordão porque usei uma oitava disso. Então isso é outro Kordell pular ou desculpe, este é neste caso, seria um tribunal. Um salto, na verdade. Então vamos rotular estes para estes. Vamos fazer isso no fundo. Fazemos isso com o lance do C. Kordell Skip. Na verdade, é fazê-lo no topo só para que todos os nossos tons de acorde tenham um nome aqui em cima. Aqui está outro. Copie essa. Coloque este aqui. Ok, então há outro salto de quartil que iria aqui. E aqui está outro Kordell Skip, porque F está no fundo. Na verdade, podemos identificá-los rapidamente. Se olharmos para os nossos intervalos que estabelecemos aqui. Temos intervalos constantes seguidos. Vai ser uma fuga do continente. Então vamos até aqui e dizer que sim, continentes guardam. Muito bem, agora temos uma etiqueta em quase todas as notas do nosso contraponto. Este 1º 1 não tem um rótulo. Porque nada vem antes. Este não tem um rótulo porque é continente antes, e é constante depois, então não há tipo de rótulo para dar. Isso está tudo bem. Nem tudo precisa de um rótulo. Nós realmente queríamos nos dar um rótulo. Poderíamos chamá-lo de continente, , a mesma coisa com este aqui e com o downbeat. Ok, agora há um outro tipo de tom não central que eu quero falar agora, e esse é um tom de vizinho. Então vamos saltar para um novo vídeo e falar sobre tons vizinhos. 11. Tons de vizinho: Certo, vamos falar sobre tons de vizinhos. Os tons vizinhos são usados menos no contraponto de segunda espécie. Nós não os vemos com tanta frequência, mas nós os vemos e eles são permitidos. Agora. O que eles são é um caso em que uma nota começa em um continente, sobe para um dissonante e depois volta para a mesma nota no novo tribunal. Então vai de uma constante para um dissidente para um continente. Mas tem que ser a mesma nota. Vejamos um exemplo. Então eu tenho aqui Ah, um novo contraponto para nós desta vez. Temos o mais firme do país no topo e o contraponto no fundo. Isso está totalmente bem. Às vezes nós apenas trocamos. Então, vamos por aqui. Na verdade, essas duas barras é o que estamos vendo aqui. Então eu quero tentar explicar este G um pouco, então nós realmente não podemos chamá-lo de um tom passageiro porque nós temos aqui, nós teríamos um continente. Aqui está um dissonante e aqui está outro continente de modo que, por si só, é bom para um tom passageiro. Mas o que não é é que nos aproximamos passo a passo, e então precisaríamos ir até uma causa certa que precisamos entrar e sair na mesma direção. Neste caso, nós entramos e saímos na direção oposta, começando o suficiente, subindo até um G e depois voltando para um F este G. Neste caso, nós chamaríamos um tom vizinho que apenas um pouco de centímetros acima de F e, em seguida, polegadas brilhante de volta para baixo para F. Isso é um tom de vizinho. Agora, existem dois tipos diferentes de tons vizinhos. Há o tom do vizinho superior e o tom do vizinho inferior. Este caso vai ser um tom de vizinho superior, certo, porque vai para cima. Essa é a única coisa. Então vamos de uma constante para um dissonante para um continente. A dissonância ainda tem que estar na segunda metade da batida, a ONU acentuou parte da batida. Então nós chamaríamos isso. Vamos colocar alguns rótulos em algumas coisas aqui. Chamaríamos isso de preparação, e aqui chamaríamos isso de vizinho superior, U.N. e aqui chamaríamos de resolução. Certo, então preparem a resolução superior do vizinho. Agora veja isso. Vamos tornar isto um pouco mais complicado porque temos outro como imediatamente . Neste caso particular, esta é esta resolução também é uma preparação, Então esta funciona um pouco diferente. Temos um F a A C que é um continente que não temos e a a. C que é 1/6 que também é um continente. Então, neste caso, é um continente, e ele se resolve para um continente. Então, todos os três são continentes, mas isso também é permitido em um tom vizinho. Você pode fazer tons vizinhos dos continentes dois continentes e ainda chamá-los de tons vizinhos . Você pode fazer tons vizinhos dos continentes dois continentes e ainda chamá-los de tons vizinhos Hum, haverá mais difícil de detectar, e eles são ainda mais raros do que o outro tipo onde vamos a uma dissidência. Mas não podemos rotular isso como um vizinho inferior porque está indo de uma nota para longe e depois de volta para a mesma nota. Hum, eu tenho mais um aqui mesmo. Tem outro vizinho inferior. Então aqui temos. Vamos rotular primeiro. Vai ser um vizinho inferior, certo? Porque quando ele cair, então aqui temos um e er desculpe, Aggie para um e. Então isso é 1/6. Isso está tudo bem. Aqui temos um F dois e E. Isso é 1/7. Então isso vai ser uma dissonância. Está no lugar certo da medida. Isso está totalmente bem. E depois voltamos para um E. Lamentamos voltar para um G a G contra o D, que é 1/5. Isso é um continente, e tudo bem. E depois seguimos para o fim da paz. Então aqui, bem aqui, temos um continente pulando para outra nota neste acorde que faz G B D faz uma tríade G maior. E então aterrissamos no uníssono para que pudéssemos rotular todo o resto dessas notas com qualquer continente pulando um salto constante neste caso bem aqui. Aqui está outro continente pulando, hum, passando tom, não um tom passageiro, porque isso é um salto. Então isso é um tom de cordão. Há um tom de passagem porque temos passo, passo, passo, passo, passo, passo para fora. Então, há um tom de passagem. Continentes pulam. O que mais? Continente salto. Continentes de salto constante pular salto constante, vizinho inferior, continente pular e depois o fim. Então é assim que os tons vizinhos funcionam. Você tem que estar em um campo. Você sobe e volta para o mesmo campo, os arremessos de início e fim, uh, tem que ser confiança. O que está no meio pode ser uma dissonância, ou pode ser um continente. Hum, se você jogar suas cartas apenas direito quem tem tons de vizinho superior e tons de vizinho inferior fazendo isso, ainda temos preparação e resolução em tons vizinhos. É o que rotulamos as notas externas do tom vizinho. Ok, é isso para ah, embelezamento melódico. Hum, como foi tipo de escolher notas? Nós geralmente meio que chamamos essas três coisas. Enfeites melódicos. E essas três coisas são tons de passagem, saltos e saltos constantes e tons vizinhos coletivamente conhecidos como enfeites melódicos. Certo, vamos fazer uma pequena folha de trabalho. Próximo. Esta é a nossa primeira folha de trabalho desta turma, por isso,vai funcionar da mesma forma que todas as outras planilhas que te dei. Esta é a nossa primeira folha de trabalho desta turma, por isso, Se você fez alguma das minhas outras aulas de teoria musical, isso significa que, hum, você pode baixar esta planilha. Faça isso. Hum, ele vai ter algumas atividades para você fazer lá apenas para tipo de reforçar essas coisas, e eu vou ter as respostas no final da worksheet. Então você pode verificar suas respostas contra as minhas. Hum, e vai ser realmente um bom treino. Então, por favor, faça aqueles lá realmente úteis. Eu ouvi de muitos alunos que realmente gostam dessas aulas, então, por favor, confira isso. Ah, e então Ah, bem, siga em frente, Teoh, escrevendo alguns de nossos próprios contrapontos do zero na segunda espécie depois de você. 12. Primeira e últimas: Ok, agora vamos trabalhar em escrever algumas de nossas próprias peças de contraponto de segunda espécie. Como fizemos com o contraponto da primeira espécie. Como fizemos com o contraponto da primeira espécie. Vamos nos concentrar nas coisas de abertura e fechamento primeiro, porque eles têm tipo de suas próprias regras que nós prestamos atenção. Então, a abertura do primeiro bar agora. Mas ainda temos a regra de abrirmos em uníssono ou inativos, , ou podemos abrir em um quinto perfeito desde que os Contras para a Sra. na base. Então poderíamos abrir em 1/5 neste caso. Mas vamos manter isso simples. Vamos abrir. Ah, uníssono estavam inativos. Agora temos o ritmo com que nos preocupar. Aqui, hum, nós poderíamos abrir bem no downbeat, então isso seria uma direita ativa, e isso seria OK. Até agora. Preciso fazer uma nota diferente aqui. Mas lembre-se, nós também podemos abrir na segunda metade da batida assim. E aqui está o que é interessante. Dependendo do livro de texto que você lê. , Na verdade, isso é chamado de forma preferida, um contraponto de segunda espécie. E a razão é que ajuda a esclarecer a independência das duas linhas. Você ouve este começar e então você ouve este começo, um, e é mais fácil para o ouvinte ouvir que suas linhas separadas desta maneira. Portanto, esta é muitas vezes a maneira preferida de começar. Curiosamente, parece um trapaceiro fazer isso dessa forma, mas não é. um trapaceiro fazer isso dessa forma, Na verdade, é meio que, uh, bom. Então, agora vamos ao fim. Certo, então, no final, queremos que nosso último bar seja, , uníssono ou inativo. E o ritmo da última barra será sempre uma nota completa. Então vamos fazer, vamos voltar aqui. Então nós temos um ativo, na verdade, dois caminharam é. Mas lembre-se, chamamos de ativo neste caso, e não precisamos de outra meia nota aqui. Na verdade, não queremos outra meia nota lá. Esta é a resolução. Esse é o fim é o downbeat da última barra. Não há mais agora a barra antes disso, a barra que leva ao final tem algumas regras especiais também. Este bar pode ser apenas uma nota inteira, se quisermos. Não, não. Outras barras podem ser que todas as barras precisam ser para meia nota, certo? Os segundos para o último bar. A penúltima medida, como a chamamos, pode ser uma nota inteira em alguns casos. Hum, por exemplo, neste caso, porque temos um B aqui em baixo, eu poderia vê-lo funcionando para fazer Ah, estar aqui em cima. Então nós temos um d aqui em baixo um b parece que este d é 1/6. Nós gostamos de seis. Também gostamos que esse intervalo se abra em movimento contrário à oitava. Certo. Então este é um tom de liderança para o nosso ativo. Este é o dois e vai para baixo para o ativo. um Éumsom muito bonito. Por isso, se conseguirmos fazer com que isto faça sentido, esteja bem aqui. Não precisamos de outro bilhete. E a segunda metade da medida, isso é apenas um tipo de exceção pateta. Agora, se de onde estamos vindo, não faz sentido chegar a isso. E faz sentido estar em outro lugar, como aqui. Então talvez queiramos fazer isso direito, e isso nos leva ao nosso tom principal. Ele se abre, e ainda nos dá a nossa bela moção country. Depende do que vem antes e de como aterrissarmos aqui. Certo? Então vamos supor que vamos ter este aqui. Hum, e vamos trabalhar com isso por enquanto. Se chegarmos lá, percebermos que poderíamos pousar em um B aqui, podemos mudá-lo para fazermos uma nota inteira agora, outras coisas para lembrar sobre o segundo Bradley querer liderar aqui. Então 1/2 passo abaixo do tônico é o nosso tom principal. Hum, se você está em uma chave menor, você quer levantar esse idiota? Se estivéssemos em Dó menor, por exemplo, estivéssemos em Dó maior agora, mas se estivéssemos em Dó menor, isso seria um bemol, e isso seria em um apartamento. Se estivéssemos em Dó menor, por exemplo, estivéssemos em Dó maior agora, mas se estivéssemos em Dó menor, isso seria um bemol, Então o que nós faríamos é elevar esses dois a um natural e ser natural. Hum, então nós estávamos tipo de invocar o menor harmônico para essas duas últimas notas apenas nos empurrar para tônico um pouco mais forte. Então, na segunda a última medida, nós levantaríamos aqueles em uma chave menor em uma chave maior. Nós os deixamos como estão. Então, tenha isso em mente. Nós sempre queremos levantar são tom de liderança e nosso sexto quando foram no final de um contraponto para ajudar apenas nos empurrar de volta para o tônico quando estamos em uma chave menor. Ok, então essas são coisas remanescentes. Lembre-se sobre o começo. No final, , vamos fazer uma revisão rápida lembrado do início. Queremos uma oitava ou uníssono a maior parte do tempo. Em algumas exceções lá. Em alguns casos, podemos fazer um quinto perfeito. Podemos começar isso no downbeat ou no off beat, e fazê-lo no offbeat às vezes é preferido. A nota final é sempre uma nota inteira, , e tem que ser uma uníssono de outubro. A penúltima barra, a segunda a última barra, pode ser, ah, ah, nota inteira ou 2/2 notas, dependendo do que funciona melhor e precisa ser um tom de liderança empurrando para o nosso tônico. E se for menor, deve ser levantada para usar o menor harmônico. Ok, então isso nos leva a três patetas, mas barras que a última coisa a apontar é que estas três barras são o Onley, três barras e segunda espécie contraponto que pode ser qualquer coisa além de meia nota. Todas estas barras têm de ter notas nelas, certo, e esta pode ter metade notas, e esta pode ter metade notas. Mas não precisa de ti e este não tem de o fazer. Mas todos os outros bares fazem para que essas três barras tenham as únicas exceções. Tudo o resto tem que ser para meia nota. 13. Notas de melodia: agora uma das partes complicadas sobre a segunda espécie. Contraponto é que, no meio de lidar com todas essas regras, cuidando de todos os paralelos mantendo os tons do meu vizinho, passando tons e todas as regras e tudo mais, ainda temos que fazer uma bela melodia soadora. E isso pode ser bastante complicado. Então vamos acabar com esta. Vou fazer de duas maneiras. A primeira maneira que eu vou fazer bem, deixe-me fazer isso e você vai ver do que eu estou falando. Certo, então vamos passar por aqui. Então eu tenho um ver e A C e G. O que iria bem com esse G Oops. Certo, um G que sobe. Vamos fazer o movimento contrário. Eu posso ir para baixo para uma batida que faz 1/3 bastante agradável. Vamos fazer Nós poderíamos fazer um salto constante aqui e nos levar até um fundo que funciona. Bem, agora nós temos e e e nós poderíamos ir até um E já que nós estamos tipo de caminho para lá de qualquer maneira, então isso faz com que seja uma linha de melodia agradável este dado que ele fora tipo de coisa funciona Bem, uh, vamos tentar fazer um tom de passagem Aqui para que eu pudesse ir para um D que vai fazer 1/7 entre E e D. Então, se isso é um verdadeiro tom de passagem, eu tenho que ir para um C aqui. Então, espero que isso funcione. Eu tenho um A em um mar que faz 1/3. Isso está tudo bem. Hum, vamos agora para cima, até um d novamente aqui. E vamos fazer outro tom de passagem. Então isso é 1/4 A para D. Direito e força são considerados dissidentes. Então, se eu vou tratar isso como um tom de passagem, eu vou até E. Se eu descer para ver, pode ser considerado um tom de vizinho superior. Vamos dar uma olhada nisso que faz um G e A C, que é outro quarto. Então isso é uma dissonância. Então isso não vai funcionar lá. Então vamos até um E e chamá-lo de um tom de passagem que faz um G em um E, que é um seis que funciona Ok, porque esse é o próximo continente, então eu fiz para passar tons seguidos. Vamos fazer como um continente. Vamos descer para ah ser G E e B que funciona porque isso faz 1/3 entre G e B. Agora eu tenho um f I maneira mais fácil seria Voltar para um C aqui, então FNC vai ser 1/5. Então eu posso ir direto para um D, que é 1/6. Então eu tenho que intervalos constantes seguidos. Isso não é um salto constante, são apenas dois intervalos continentais. E agora aqui eu tenho um E em um Econ terra bem em uma oitava, o que seria ótimo. Vamos fazer outro continente pular. É um salto grande e constante para baixo para G para que eu possa fazer isso um trabalho no dedo do pé, certo? Então eu vou pular para o G aqui. Isso é um salto continente E T.G é 1/3. Isso funciona muito bem. E então eu posso terminar. Legal, certo? Acho que não quebrei nenhuma regra. Vamos ouvi-lo. Então, como vamos? Obedecemos todas as regras, mas nossa melodia é muito chata. Ah, e o que o torna chato é que eu meio que exagerei em C, D e E. Quase tudo é C, D e E. Aqui está um B. Aqui está G e aqui está um A diferente de 12345 notas. É tudo C, D e E, então é realmente meio que contido em um intervalo muito estreito um de notas, apenas três notas que eu estou usando repetidamente, que tende a não fazer um grande melodia. Então vamos tentar de novo. Vou manter a minha primeira e última barra e vamos tomar um ângulo diferente com ela. Vamos agora pensar em obedecer todas as regras. Mas vamos também agora pensar sobre a melodia e certificar-se de que a nossa melodia aparece como uma agradável e lírica. O que queremos não é repetir um monte de notas, e também tendemos a querer Lake como uma direção para ele, como um ponto alto em torno da marca 3/4 ou algum tipo de ponto, algum tipo de momento nele. Então, ele clímax em algum lugar que atinge uma nota alta. Você poderia fazê-lo com uma nota baixa também algo que mostra um pouco mais de direção. Certo, vamos tentar de novo. Aqui vamos nós. Então, para esta primeira nota, vamos. Vamos descer de novo porque nós gostamos daquele movimento contrário , temos 1/3 agora, imediatamente vamos sair do CD. Vamos descer. Então agora eu tenho um segundo. Então eu estou em um tom de passagem e eu vou resolvê-lo para baixo para um G E. T G é 1/3. Isso funciona muito bem. Vamos voltar a isso e vamos ver se podemos fazer uma sequência tipo de coisa aqui. Então temos um salto constante. Tudo bem, porque eu tenho 1/3 aqui e 1/5 aqui, então ambos são confiança. Agora vamos. Então, Ivan A em um C. Eu não usei nada demais ainda. Eu tenho uma bela linha. Nós descemos, subimos. Até agora, tudo bem. Vamos fazer isso A para ver um a A. Que tal outro salto constante cair de novo? Então eu tenho um G. O que posso fazer para descer mais baixo? Eu meio que quero ficar longe dessas anotações. Vamos para E. Isso faz 1/6 e então eu posso pular outro salto constante até o G para torná-lo oitava para outro continente. Pular. Então vamos entrar em um A F para A é 1/3. Está tudo bem. Agora vamos fazer algo um pouco mais estranho. Vamos ser assim que isso é uma dissonância. Então isso vai ser um tom de passagem, e espero que eu vá para C contra um E que funciona. Isso é 1/6. Mas veja isso. Este ser Este é um novo intervalo que ainda não usamos em um porque F para ser é um tom tri . Certo? Então isso é, na verdade, um quarto aumentado. Hum, mas está tudo bem. Lembre-se, Quartas Aumentadas Definitivamente diminuiu. Quinto estão nos intervalos dissonantes permitidos que fluem lá na segunda metade da medida. Não são permitidos em contraponto de segunda espécie para que o tom tri é realmente OK aqui porque nós pisamos nele, nós pisamos fora dele. É na segunda metade da medida, e é um dos intervalos que estão bem, então eu pouso em um C 2 com um E embaixo dele, então eu não sou 1/6. Vamos saltar para um e. Então outro continente pula, e então eu tenho esse grande intervalo aqui, e esse tipo de trabalho. Mas eu gosto disso como sendo o meu ponto alto da melodia este e. Então talvez se deixarmos isso respirar um pouco. Vamos mudar isso e ver se podemos fazer uma nota inteira sobre B. Oops, aqui vamos nós. Acho que vai funcionar um pouco melhor porque temos essa melodia que vai para cima e para cima e para cima e para cima, e atinge seu ponto alto, que não é muito alto. Mas é o ponto alto. É a nota mais alta da melodia, então tem uma boa direção lá, e então vai cair para este Be, que é 1/6 contra o D, e isso vai se abrir para o ativo. Acho que vai funcionar. Acho que vai soar legal. Vamos ouvi-lo. Tudo bem. É melhor, certo? É muito melhor do que o 1º 1 Ah, estou muito feliz com isso. A melodia tem uma forma muito mais interessante. Então, quando você está escrevendo isso, isso é apenas outra coisa que temos que pensar enquanto estamos trabalhando no contraponto é, isso soa interessante? Certo. Podemos obedecer todas as regras e escrever algo muito estúpido. Hum, isso é totalmente possível. Então, tenha em mente o fluxo da melodia. Você quer que ele tenha, você sabe, uma gama de cerca de um ativo. Sabe, isso não é tipo, não é uma regra. Não gosto, agarre-se a isso muito ferozmente. Mas, hum, o meu, neste caso tem um alcance de exatamente inativo, na verdade, o que significa a nota mais baixa. Se eu olhar para isso, é um E. A nota mais alta é um E. Então tem um alcance de cerca de ativo que tipo de meandros dentro de um ativo. E isso é bom. Isso faz uma bela melodia. Hum, se você tem um alcance muito grande, parece que você está pulando por aí como louco. E se você tem um intervalo muito pequeno, parece que você está apenas repetindo notas uma e outra vez, como você viu no primeiro 1 que nós fizemos. 14. Harmonia: Ok, vamos falar a seguir sobre as coisas harmônicas que precisamos considerar enquanto estamos trabalhando em um contraponto de segunda espécie. E o que realmente queremos dizer com o material harmônico é o material vertical. Você sabe, as interseções de notas em um nível vertical, que, quando estamos trabalhando em contraponto, significam ativos paralelos, quintos paralelos e aquelas coisas que evitamos, como o Peste. O que é uma coisa engraçada de se dizer sobre aspectos do contraponto. Porque quando o contraponto estava sendo desenvolvido pela primeira vez, esse estilo de contraponto estava sendo desenvolvido primeiro. A praga foi provavelmente uma consideração muito real. Bem, Bem, talvez não. Eu não sei. Eu não sou uma história. Está bem. Enfim, vamos falar sobre evitar paralelos. Agora, quando você está fazendo algo assim, então temos muito mais notas agora e muito mais oportunidades para criar oitavas paralelas e quintas. Uma coisa que você pode fazer para se salvar de problemas é tentar evitar usar movimentos semelhantes. Quando você usa movimento semelhante, você corre o risco de criar uma direita paralela. Se você está em 1/5 e, em seguida, você faz movimento semelhante a outro quinto, você criou um quinto paralelo. Se você usar movimento contrário, você está mais seguro. Mas você não é invencível. Caso no ponto que eu tomei são contrapontoque acabamos de fazer no vídeo anterior contraponto . E mudei algumas notas, então mudei um pouco. Eso que ele tem alguns problemas e eu só quero passar e identificá-los. Certo, então vamos rotular os intervalos. Ok, então eu comecei em um ativo aqui, certo? Vês? Ver Octa. Ótima. Agora eu tenho aqui G dois g, outro ativo, certo. São oitavas paralelas ali. Duas oitavas seguidas. Não é bom. Mesmo que eles estejam tecnicamente usando movimento contrário, certo? Este vai subir. Este vai cair. Isso é movimento contrário. Mas também são oitavas paralelas, então isso não é bom. Isto é um grande erro. Então oitavas paralelas. Não vamos continuar aqui. Podemos chamar isso de tom de passagem porque eu vou estar aqui. Está totalmente bem. E ser é o quinto, está bem? Não há nada de errado com isso. Agora eu vou E T G. Isso seria 1/3. Não há nada de errado com isso. Agora tenho um problema porque este é um quinto paralelo. Por que é um quinto paralelo? Bem, é porque nossos dois continentes isso é chamado de batida para bater paralelo significando que as batidas para baixo são quintos paralelos. Hum, mesmo que este seja um continente pulado, nós ainda pensamos nisso como, hum para cima. Está passando de certa forma. Então, duas batidas inferiores de um quinto consecutivo são consideradas paralelos. Então isso seria considerado um quinto paralelo aqui. Nada bom, outro ar. E eu tenho outro erro nisso. Veja se consegue ver quando eu chegar, vou continuar rotulando minhas coisas aqui. Então eu tenho um dois e um que é um Oops ativo. Lá vamos nós. Então, quinto a uma oitava que são intervalos muito perfeitos seguidos. Isso não é contra as regras, mas é perigoso. Tenho bandeiras vermelhas a disparar aqui. A maneira mais fácil de consertar isso seria mudar essa nota. Então você evitaria o quinto paralelo e a coisa perigosa que está acontecendo aqui. Mas vamos continuar. Ter um G dois B, que é Ah, terceiro e eu tenho um G dois G que é um ativo, um monte de oitavas, mas estes dois não são oitavas paralelas. Estes ar, Ok, é um monte de ativo, então não é grande, mas estes dois estão OK porque eles estão no off bater a parte não acentuada do assunto. E isso pode ser permitido. Portanto, isso não é um ativo paralelo nesse caso. Ok, agora, nós não temos f para um A que seria 1/3 e F para um B a mesma coisa que antes. Eu não mudei isso. Então esse é o nosso tom tri. Vai chamá-lo de um aumento e quatro aumentados quarto. É assim que rotulamos isso. Hum, e tudo bem por si só, porque está passando passo para dentro e para fora. Está tudo bem. Agora temos um E a um C. Vamos chamar isso de 1/6 e dois e e chamar isso de ativo porque é. E agora eu tenho um D e D. Uh, o que eu acabei de fazer aqui é um ativo e aqui é um ativo. Esses são adjacentes, mas isso é um criminoso ativo adjacente. Então são os dois intervalos bem próximos um do outro. Isso faz com que um também seja o bilhete. Dois Note Makesem e você pular isso entre a nota. Mas isso no meio da nota conta. A segunda metade da batida conta quando estamos ao lado de sintonizar, também. Do mesmo intervalo. Oitavas paralelas. Não é bom. Bem ali. No entanto , fica pior. Acho que se fiz bem, vamos fazer mais uma. Acho que se fiz bem, Aqui. Seja para de é 1/6 olhar e, em seguida, volta Teoh, nosso ativo. Você vê o último? Tem mais um aqui. Está aqui para aqui. Então, outro paralelo ativo em uma nota para nota ou uma batida para bater. Eu sinto muito. Então, isso é inativo. Isso é paralelo. Então eu tenho, tipo, um duplo paralelo ativo aqui. Consegui este para este. E então eu também tenho este para este aqui. Hum, então há um monte de coisas errado com isso, mas, hum, é por isso que temos que tomar cuidado. E essas são as regras por trás de como as oitavas e quintas paralelas funcionam. Agora, deixe-me apontar uma coisa aqui. Por que não gostamos de oitavas paralelas e quintas? Isto é interessante de notar. Intervalos perfeitos têm um som finlandês como se encaixassem perfeitamente pelos seus chamados intervalos perfeitos, e soam magros. Intervalos perfeitos têm um som finlandês como se encaixassem perfeitamente pelos seus chamados intervalos perfeitos, Então, quando você está escrevendo um contraponto, você está sempre ouvindo duas notas, certo? Mas quando você atinge esses intervalos perfeitos, parece que tudo se afina. E isso pode estar tudo bem. Mas se você fizer dois seguidos, então parece que as coisas diminuíram, e não soa bem. Mas se você fizer dois seguidos, então parece que as coisas diminuíram, , Agora,ao nosso ouvido, esses tipos de intervalos, esses tipos de quintas e oitavas perfeitas que, como ter uma nota no meio, são um pouco mais difíceis de aqui. Mas, você sabe, quando isso era, hum, muito mais comum, uh, as pessoas eram mais sensíveis a ouvir esse tipo de coisas. Vamos ouvir o que temos aqui e ver se você pode, hum, aqui as oitavas paralelas e se encaixa. Hum, preste atenção especial, eu acho, para este primeiro e estes dois últimos. E para ver o que pensa, veja se consegue ouvir a maldade nele. E para ver o que pensa, Eu podia ouvi-lo. Eu não gosto do som disso. Quero dizer, parece que, um tipo de tapete é puxado para fora de você quando você bate, tipo, este intervalo e este intervalo. Ah, e este último, mas tudo bem, mas parece vazio de muitas maneiras, e é assim que o contraponto funciona. Há todas essas regras e você tem que segui-las. E quintas paralelas e oitavas não são boas. Ok, vamos fazer mais um vídeo sobre este assunto. Quero fazer um resumo das regras que aprendemos no contraponto de segunda espécie até agora . 15. Resumo de regras: Certo, vamos encerrar as regras da segunda espécie. Contraponto é tudo. Ok, então o que eu vou fazer aqui é trapacear um pouco, e eu vou ler a lista de todas as regras. E depois de ler cada um Ah, bem, fale. E, hum, certifique-se de que eu expliquei isso através, eu acho. Está bem. Regra número um. Comece com qualquer i meio descanso ou 1/2 Nota sobre o downbeat da primeira medida, seguido de 1/2 nota no offbeat. O primeiro intervalo harmônico deve ser um ativo ou uníssono ou 1/5 se o contraponto estiver na parte superior. Ok, eu acho que nós conversamos sobre isso nos últimos vídeos. Como precisamos iniciá-lo e nossas opções para iniciá-lo. Bom número dois terminam com uma nota inteira na última medida e os intervalos harmônicos 568 ou 538 ou uníssono. Ou é que as duas últimas notas com notas inteiras 68 ou 38 uníssono ou uníssono como na primeira espécie. Então o que esses números significam é 568 significa o intervalo. Então 68 vai ser o nosso tom principal para um ativo de outra coisa. Então 68 E daí? Lembre-se, isso é ruim. Isto é paralelo. Então o que eles realmente querem é 568 seria que 568 seja uma boa maneira de acabar com outras opções. 538 Então seria assim. Isso é cinco. E eu quero fazer isso um três D F. E então nós descemos para ver se isso não funciona muito bem. Neste contexto, serei 538, mas essas são as nossas opções para acabar. Certo, número três. Além do início e do fechamento, use notas inteiras para os dois e meia notas para o contraponto. Uma repetição imediata do mesmo tom não é permitida dentro da barra ou sobre a linha da barra . Hum, eu não tenho certeza se nós tratamos do último. Hum, você não pode repetir arremessos. Então, por exemplo, isso não seria permitido o mesmo tom duas vezes, e o que eles estão dizendo é se são ou não as duas notas com em uma barra ou duas notas sobre uma barra, então isso não seria permitido, qualquer um. Você não pode repetir arremessos de volta para trás número quatro intervalos harmônicos constantes na batida . Eles também podem aparecer nas batidas off aproximadas como continente pula passos ou saltos. Certo, acho que estamos falando disso. Todas as batidas têm que ter intervalos constantes. As batidas off podem ter intervalos continentes Aziz, contanto que eles são configurados através de um passo constante, pular ou salto número cinco incluem intervalos harmônicos dissonantes 2479 e diminuído quinto e aumentado quarto se resolvido corretamente no off batidas como passando ou mais raramente tons vizinhos. OK, acho que já cobrimos isso. Sabemos o que são os tons de passagem. Sabe o que são os tons do vizinho? Sabemos como entrar e sair desses intervalos. Número seis Verifique de um downbeat para o próximo e de um offbeat para a próxima nota para punhos paralelos ou oitavas. Os continentes perfeitos são de um lado para o outro. Offbeat são permitidos, mas não mais do que dois seguidos. Certo, então foi o que fizemos no vídeo anterior. Então eles estão dizendo: “ Verifique uma carne para a próxima. Então aqui está um downbeat. Aqui está outro downbeat. Certifique-se de que você não tem oitavas paralelas ou quintos entre as duas batidas abaixo como aqui. Isso é paralelo. Quinto, certo. Paralelos de fora da batida para fora. Seria como o que tínhamos aqui. Na verdade, 8 a 8, isso é permitido, mas não mais do que dois seguidos. Então, se isso fosse um ativo, seria ruim. Ok, intervalos número sete no downbeat em normalmente se aproximou melodicamente a passo, preferido ou pular. Evite movimentos semelhantes em um ativo ou quinto sobre uma linha de barra, a menos que a voz superior se mova por passo. Então era disso que eu estava falando quando eu disse Evite movimento semelhante em geral, se você puder, porque é quando você entra na zona de perigo para criar, uh, paralelos. Uh oh. Ótima. Não use ALS acidente, exceto para levantar plana sete e plana seis, se necessário no fechamento em configurações menores. Então, tudo deve ficar na chave. A menos que estejamos em uma chave menor e no final, você precisa aumentar o 6 e o 7 para nos dar o tom principal. A menos que estejamos em uma chave menor e no final, Número nove Último continua a seguir as diretrizes para primeira espécie contraponto em relação ao movimento global entre as partes contrárias paralelos semelhantes e oblíquos e princípios de boa escrita melódica. Assim, todas as regras do contraponto da primeira espécie ainda se aplicam. Ótima. Então é isso para a segunda espécie. Contraponto meio. Vamos seguir em frente ao contraponto de terceira espécie. Mas assim como o contraponto da primeira espécie indo para a segunda, todas as regras da primeira aplicada para a segunda e todas as regras da segunda serão aplicadas em terceiro. Agora, se você está pensando que a diferença entre o primeiro e o segundo era que se você está pensando que a diferença entre o primeiro e o segundo era quea primeira espécie era de 1 a 1 nota para cada nota. A segunda espécie era a voz para votos ou notas para cada nota. Terceira espécie deve ser três notas para cada nota. Você está errado. É um pouco diferente disso. Então vamos seguir em frente e vamos ao contraponto de terceira espécie. 16. Quatro a 1 Counterpoint: Ok, vamos passar para a terceira espécie Contraponto. Agora, como eu disse, isto não três notas para cada buraco. Nota, hum, vai ser um choque, mas são quatro notas para cada canto. Na verdade, às vezes é chamado de contraponto 4 para 1. Então isso significa que ainda temos a firmeza do nosso condado em notas inteiras como eu tenho aqui, e usamos notas trimestrais para o contraponto, como agora isso faz exatamente como quando fizemos isso antes, hum, e nós vamos começar 1/4 descanso. Assim como antes, todas as regras do contraponto da primeira espécie ainda se aplicam. Todas as regras do contraponto de segunda espécie ainda se aplicam. E há mais alguns, , não tantos na terceira espécie. Na verdade, traz algumas rugas diferentes. Lembra-se da nossa grande ruga que tivemos de lidar na segunda espécie? Contraponto era a idéia de batidas acentuadas, certo, e há certos tipos de intervalos que poderiam acontecer em batidas acentuadas e certos tipos que poderiam acontecer em batidas não acentuadas. Então deixe-me fazer mais uma medida aqui só para que possamos ver ah, medida total sem prisão nele. Ali que parece bom. Ok, então vamos apenas olhar para esta medida aqui. Que tal isso? Então, onde está o meu sotaque agora? Lembre-se antes, no segundo Contraponto Espécies, minha batida acentuada foi o downbeat. Minha batida não acentuada foi a batida média. Certo venceria três em 44 tempo, que é o que sempre fazemos isso. Mas agora eu tenho esses outros também. Então, qual é o plano de jogo aqui? O que está acontecendo aqui é que temos dois níveis diferentes de batidas acentuadas, é o que está acontecendo aqui. O que está acontecendo aqui é que temos dois níveis diferentes de batidas acentuadas, Então, temos o nosso sotaque mais forte aqui no downbeat. Continua sempre certo. Os sotaques mais fortes vão estar na baixa. Temos uma batida mais fraca, mas ainda acentuada no Beat três Agora e depois, temos as nossas batidas un acentuadas, a nossa batida dois e quatro. Ok, então esta é uma batida acentuada. Sempre tem que ser confiante. São batidas perfumadas de anak. Eles podem ser constantes ou dissonantes e este é e batida acentuada que se comporta como batidas un acentuadas. Então este pode ser constante ou dissonante também. Tão acentuada, batida, batida menos acentuada e batidas não acentuadas é o que podemos chamar de três tipos de ritmos que temos que lidar aqui. Fora isso, os intervalos que podemos usar ainda são os mesmos. Não estamos expandindo o intervalo. Ah, os intervalos permitidos. Temos dois novos tipos de movimento que podemos criar. Além do que você sabe, temos movimento contrário. Movimento paralelo. Temos alguns novos, dois deles que surgem por causa da maneira como as coisas estão funcionando aqui. E vamos falar sobre essas duas coisas nos próximos dois vídeos. Nossas regras de intervalos paralelos ainda se aplicam, e estas são as mesmas regras, mas é um pouco mais confuso. Então, verifique-nos. Deixe-me. Na verdade, ainda mais um bar aqui. Só quero tornar isto mais transparente. O que está acontecendo? Ok, então não podemos ter um intervalo paralelo perfeito significando oitavas paralelas ou paralelas. Quinto entre duas notas adjacentes. Certo. Então isso é meio impossível. Bem, não, poderia ser possível aqui porque poderíamos ir de 1/5 a 1/4 ou algo assim entre duas notas adjacentes que criariam dois intervalos perfeitos. O que seria um “não”. Também não podemos ter paralelos ajustados nossos ativos entre batidas baixas, então basicamente entre essas notas, certo? Então, se tivéssemos uma oitava aqui e uma ativa aqui, seriam oitavas paralelas entre as batidas baixas? - Não. - Não. Então você tem que tomar cuidado com as suas batidas para baixo todo o caminho. Isso faz com que escrever esta frase seja musical. Um pouco mais complicado. Agora, uma das maneiras que podemos simplificar. Ou seja, com algumas coisas práticas comuns. Algumas coisas que tendemos a fazer quando trabalhamos em terceira espécie. Contrapontar não necessariamente regras, mas boas diretrizes. Um é pensar o mais rápido possível usando passos, hum, hum, em contraponto de terceira espécie. Há um monte de padrões de escala indo para cima e para baixo e coisas assim. Então, há muitos passos, certo? Temos um salto aqui e depois um passo todo o caminho. Então, um pulo e depois um salto. Aqui, os saltos são bastante raros. Você nunca deve dar mais do que um salto consecutivo. E, hum, você geralmente pode atravessar 1/3 de espécies contraponto com Onley usando um salto. Ah, a principal razão pela qual você gostaria de usá-lo é que você tem que ter cuidado com a passagem de voz. Não acho que cruzamento de voz seja algo que já falamos. Mas à medida que recebemos mais e mais notas contra a firma de Cantu, passagem de voz da IHS pode ser uma preocupação. Deixe-me mostrar-lhe o que é cruzamento de voz. Isso significaria, digamos que isso continua subindo. Então vamos dizer que este até ah di, é um até um E e isso subiu para o suficiente. Ok, então isso faz uma bela linha no nosso contraponto. Está subindo, subindo , subindo, e espero que possamos pousar em um continente na próxima nota. Hum, se eu continuar, não vai funcionar porque eu vou ter um G na base em um A ali. Isso é um segundo. Isso vai ser um intervalo dissonante no downbeat. Isso vai ser um grande não, mas não vamos nos preocupar com isso. Vamos nos preocupar com essa coisa que eu fiz aqui. Este é um caso de cruzamento de voz, o que não é permitido. Tudo o que significa é que, se estivéssemos nos tocando em um piano, teríamos que cruzar as mãos para a direita, porque esta nota e esta nota são exatamente a mesma nota. Ok, então se eu fosse escrever este bilhete na aula de problemas, estaria bem ali. Estaria aqui, mas seria a mesma nota. Esses dois são E. Isso é uníssono, então você pode às vezes escapar com a uníssono. Não é isso que está quebrando a regra aqui. O que está quebrando a regra é esta nota. Esta nota está no pessoal inferior, mas na verdade está acima dessa nota. Então nós cruzamos esta nota, e agora esta nota é maior do que a que está lá. Isso é um não, nós não fazemos isso. Isso é chamado de cruzamento de voz. Então, quando você está trabalhando em terceira espécie, às vezes você precisa dar um salto aqui. Demos um salto para baixo só para evitar ficar muito mais alto. Temos 1/3 entre estas duas notas. Isso é simplesmente bom. Mas se eu fosse mais um, teríamos um segundo. E então se eu fosse mais um seria útil em, e então estaríamos em apuros para que um salto pudesse tirá-lo de um picles com cruzamentos de voz. Continente pula muito raro. Hum, como eu estava apenas apontando outra coisa que é bastante rara e deveria ser você deveria tentar evitar fazer qualquer tipo de pular ou saltar através da linha do bar. Tente manter a linha do bar. Passo sábio, para cima ou para baixo não importa. Mas queremos um passo cruzando a linha do bar. Essa não é uma regra muito rígida. Você pode ter um se funcionar, mas nós tendemos a gostar de nossas notas para meio que andar no downbeat e terceira espécie apenas a passo direito lá em cima. Isso significa que temos um pouco que eles planejam fazer, certo? Isso significa que temos um pouco que eles planejam fazer, Hum, este bilhete. Se eu subir mais um e entrar ali, posso entrar em um “A” aqui. Vamos fazer isso. E isso vai ser uma oitava com esse bilhete. E isso funciona desde que eu não tenha criado um paralelo ativo aqui, que eu não fiz, é o terceiro. Isso é um ativo. Isso está tudo bem. Eu também poderia ter descido aqui para um F Isso é um esforço, e um que é 1/3 que faz um terço paralelo entre estes dois mas paralelos terços ar. Ok, uma música como nós não fazemos como centenas delas seguidas. Então eu poderia ir para cima ou para baixo aqui. Vamos continuar a descer e, em seguida, a última coisa a apontar, apenas lembre-se que as regras da boa música ainda se aplicam. Conversamos sobre isso no último. Temos que obedecer a todas essas regras. Mas também precisamos fazer uma melodia interessante aqui, certo? Com essas notas constantes se movendo, , tem que terminar com um uso ou uma oitava. Tem de começar num intervalo perfeito entre estas duas notas entre o mar e o mar. Então aqui eles estão começando em uníssono. Isso está tudo bem. E lembre-se, isso é um uníssono, não um ativo. Então, se a partir daqui nós subimos, teríamos uma voz cruzando lá porque esta nota é realmente mais alta naquela nota que não seria permitida. Cuidado com isso. Ok, vamos continuar. E vamos aprender nossos dois novos, hum, enfeites de tom não core no próximo vídeo 17. Cambiata: Ok. Nosso primeiro novo tipo de embelezamento é chamado de cumbia. Tha. É um nome chique. Às vezes significa mudar de tom. Também. Agora este é. É meio complicado, na verdade. Porque tem quatro notas de comprimento. Não é só, você sabe, uh, dois continentes pulam em uma fileira ou algo assim. É uma nota de quatro para manobrar. Você pode fazer isso basicamente vai te mover para baixo um terço menor. Você também pode invertê-lo, mas é menos provável que se você invertido, você acabaria por um terço menor, muito mais comum é dedo do pé tê-lo descendente. Então, o que vamos fazer para que isso aconteça? Vamos tentar colocar um aqui. Não há quantidade de terceiro aqui com o meu depois de um então eu quero acabar 1/3 abaixo, então eu vou acabar debaixo deste bilhete, então eu vou acabar em um D. Então vamos tentar colocar esse D lá. Ok, então é aqui que eu quero acabar agora. Eu tenho que colocar notas aqui para que minhas duas notas do meio possam ser constantes ou dissidentes. Vai haver um salto entre as duas notas do meio, então eu vou fazer é descer um degrau e, em seguida, descer um salto e, em seguida, subir para o meu terceiro. Então essas duas notas podem ser constantes ou dissonantes, dependendo do que você está fazendo. No meu caso, isto é 1/4 de E para A. Então isso é uma dissonância. Veja, para A é 1/6, então isso é um continente. E então eu estou para o meu terceiro longe de onde eu comecei, que é 1/5 neste caso de para a. Então o padrão é que vamos descer um passo para baixo um salto para cima um passo, e isso me dá emoção de 1/3 da primeira nota para a segunda nota através esta pequena ornamentação. Agora, por que isso tem um termo especial? É uma espécie de exceção a uma regra que não devemos nos aproximar ou deixar uma dissonância num salto. É uma espécie de exceção a uma regra que não devemos nos aproximar ou deixar uma Então, se isso acabou por ser uma dissonância, o que poderia, não é no nosso caso, mas pode. Então, Então, eu estaria pulando em um salto, que normalmente não é algo que queremos fazer, certo? Então, uh, isso nos deixa escapar com isso. Esta manobra de quatro notas chamada Kambia. É meio estranho. Hum, é um tipo de Ah, eu não sei. Está tudo bem. Ah, eu ia dizer que é como, você sabe, colocar uma grande palavra em alguma coisa. Mas é uma regra de contraponto. Você deve saber o que é uma cumbia. Então é assim que funciona. Vamos lá mais uma vez. Nós vamos descer, e então nós vamos pular para baixo, então vai ser 1/3 e então nós vamos subir. Então isso vai ser um segundo de algum tipo. E isso vai nos levar a uma pequena ameaça longe de onde começamos. As duas notas do meio podem ser continente ou dissonância, e eles vão dar um salto neles. Desculpe, um salto neles. 18. Tons de próximo: Nosso próximo. Nossa próxima possibilidade de embelezamento que encontramos aparecendo em terceira espécie. Contraponto. É chamado de tons de vizinho duplo um pouco mais fácil. Mas é outra manobra de quatro notas. Quase se pode dizer que é uma manobra de cinco notas, na verdade, vamos colocar uma bem aqui. O que vamos fazer desta vez é começar um fim com a mesma nota na medida. Certo, então no fim da medida, estaremos na mesma nota. Certo, então vamos atravessar basicamente nada nisso. Agora, você se lembra o que um tom de vizinho significa que nós subimos uma nota e depois voltamos para a mesma nota. Ou íamos descer uma nota e voltar para a mesma nota que seria um vizinho superior se subíssemos e depois voltássemos para baixo. Ah, vizinho inferior seria se descêssemos a um estar aqui e de volta a um C que entre nota pode ser dissonante. Agora, vamos fazer um tom de vizinho duplo, e o que isso significa é que vamos fazer um tom de vizinho superior e inferior. Então vamos para um tom de vizinho inferior, e então vamos para um tom de vizinho superior. Então vamos dar um salto. Há um salto entre os dois e depois vamos pousar de volta onde estávamos. Então, vamos embora. Estão iniciando passo inferior vizinho, vizinho superior dissonante, inicial dissonante a passo. Então é sempre um passo para baixo um salto para cima e um passo para baixo novamente. Este é um tom de vizinho duplo com estas duas notas. No meio estão os vizinhos duplos, e eles são tipicamente dissonantes. Neste caso, eu estou começando em 1/3 que eu estou indo para 1/4 que é dissonante um segundo, que é dissonante eles de volta para 1/3 que é constante. Hum, agora eu disse que também poderia ser considerado uma manobra de cinco notas porque o que você deveria fazer é continuar e resolvê-lo na mesma direção que o final dela aqui. Então eu deveria resolvê-lo para um B se ele realmente vai ser completo, e espero que seja um bom continente, que é 1/3, então isso funciona perfeitamente. Se não fosse 1/3 se fosse um intervalo dissonante. Eu teria que ir para trás e refazer essa manobra porque não funcionaria. Você pode fazer o oposto onde você sobe primeiro e depois desce. E nesse caso, eu ainda estaria em tudo que funciona aqui que é permitido estar subindo. Então este não precisaria estar aqui em cima para continuar este padrão. Isso me colocaria em uníssono aqui, o que pode ser bom. Eu poderia ser capaz de me safar dessa. Lembre-se de você. Nissen são permitidos. Só queremos usá-los com moderação, então seria outra maneira de fazê-lo. Só queremos usá-los com moderação, Vamos voltar. Então, como do outro lado? Melhor, muito mais comum ter o tom de vizinho inferior ser o primeiro. Então, para descer, pular para cima e depois para baixo e, em seguida, continuar seu padrão. A partir daí, é chamado de tom de vizinho duplo. Nós rotularíamos ambos como um vizinho duplo. Certo, isso é tudo o que há de novo no contraponto de terceira espécie. É uma grande extensão de segunda espécie. Contraponto nos dá mais desse tipo de coisas rítmicas que temos que lidar. E estes dois novos ah permitido passando enfeites lição para uma outra planilha para que você possa experimentar com isso um pouco. E então vamos, hum, passar para o contraponto de quatro espécies. Uh, onde temos mais algumas coisas para lidar, que vamos abordar suspensões naquilo que ainda não vimos muito, mas precisamos mesmo de fazer em quatro espécies. Mas, na verdade, antes disso, tenho andado a brincar com este contraponto. Esse tempo todo, eu deveria terminar e tocar para você. Eso Vamos apenas terminar esta última medida que funciona e vamos ver o que fizemos caminho de encontro. 19. Deslocamento rítmico: e, em seguida, mergulhamos na quarta espécie. Contraponto. Este é um pouco diferente. Hum, você sabe, no primeiro contraponto do PC, nós tivemos o 1 para 1. Não, para cada nota na mais firme do país, tínhamos uma nota no contraponto que era o principal. E então isso introduziu todas as nossas questões subsequentes com as quais tivemos que lidar. E o 2º 1 tínhamos um bilhete no meio. E então tivemos que lidar com rosquinhas acentuadas no Contraponto de Terceira Espécie. Tínhamos três notas entre cada nota. Então, quatro notas para cada nota na firmeza do país, e isso levou a um par de questões que tivemos que lidar. Agora terminamos com a nota dois tipo de questão e tipo de multiplicar isso do jeito que temos sido. O que vamos ver agora em contraponto de quatro espécies é algo importante com o qual vamos ter que lidar. Aqui estão as suspensões. Vamos passar muito tempo falando sobre suspensões nos próximos vídeos. Mas suspensões acontecem porque agora podemos fazer deslocamento rítmico, que significa que podemos fazer nota duas notas como primeira ou segunda ou mesmo terceira espécie contraponto. Mas o que também podemos fazer é deixar que as notas sejam um pouco insignificantes. Em termos de seu ritmo. Podemos nos deitar nos ritmos exatos do contraponto. Permitam-me que vos dê um exemplo aqui. Então vamos armar. Vamos colocar aqui. Vamos começar com um descanso. Oops. E então uma oitava qualquer coisa. Volte e faça a prisão. Ok, então nós temos d dois d, ok. Ah, ativo. Agora o que eu posso fazer. Então pareceria aqui. Estou a preparar-nos para um contraponto de segunda espécie. Certo? Porque temos um ativo aqui. Parece que vamos fazer notas inteiras ou meia notas no contraponto e poderíamos, mas vamos fazer uma combinação de notas inteiras e meia notas, mas um pouco diferente. Verifica isso. Então, que nota devo fazer aqui? Vamos fazer outro D como 1/2 nota, e então vamos amarrá-los juntos. Então o que eu tenho aqui eu tenho essencialmente uma nota inteira porque eu tenho quatro batidas bem aqui, então eu tenho d d segurando todo o caminho passado isso. Um direito, que faz 1/4 aqui, que é tecnicamente uma dissonância. Certo? Então meu D era um continente porque estava inativo. E então aqui tornou-se uma dissonância. Então agora temos notas que podem mudar de continente para dissonante durante o seu tempo sustentação. Porque podemos mudar o ritmo aqui, e isso se chama deslocamento rítmico. Porque podemos mudar o ritmo aqui, Agora, quando fizermos isso, temos que resolvê-lo. E este turno aqui é chamado de suspensão. Então agora ele se resolve para um continente porque agora um para ver é 1/3 e isso é uma constante. Mas vamos continuar. E se eu fizesse a mesma coisa de novo? Então aqui temos um continente. Agora temos um “G” para ver. Isso é outro quarto. Então, esses continentes agora se tornaram uma dissonância através do deslocamento rítmico. Então agora eu tenho que ter certeza de que isso resolva e fazendo isso para argolas um B. Eu nos daria outro terço, e isso seria uma coisa muito boa de se fazer. Vamos continuar aqui. Temos um F. Então, se eu for, se suspender isto da mesma forma, meu B era os continentes. Agora vai se tornar uma distância. Mas agora vai se tornar um tri tom, um quinto diminuído. Isso pode ser um pouco mais do que eu quero mastigar agora, então não vamos fazer isso. Vamos quebrar o padrão porque podemos fazer isso. Isso é outra coisa que podemos fazer em quatro espécies. Contraponto. Tenho meia nota. Eu tenho notas inteiras deslocadas porque eles estão passando pela linha do bar e amarrados juntos, certo? Mas agora vamos apenas fazer 1/2 nota. Então eu tenho um continente aqui de 1/3. Vamos saltar para uma oitava. Hum, então eu ainda estou em 1/3 e agora eu posso realmente fazer a mesma coisa novamente. Posso começar a descer com essas suspensões. Então aqui eu tenho um esforço e um que é 1/3 agora não tenho E e F. Isso é 1/4 novamente. Então isso é uma dissonância. Vamos resolver isso para 1/3. Vamos acabar com isso só para o inferno. Então vamos fazer outra suspensão lá. Então este continente agora se tornou uma dissonância D para G é agora 1/4. Vamos resolver isso para baixo para 1/3. Agora eu tenho D dois f. Vamos suspender isso mais e então e agora eu tenho F dois F, então isso faz um ativo. Então aqui suspendemos um continente aqui e dois do nosso terceiro em outro continente, certo? Isso é para um polvo. Então vamos continuar andando e vamos para um D aqui. Vamos gastar isso. Então este vai ser F dois d. Isso vai ser 1/6 e vamos suspender esse. E então nós vamos fazer 1/7 com a próxima nota porque agora nós temos e para D. Isso é um sete. Isso é uma dissonância. É uma dissonância OK, mas temos que resolver corretamente. Tem que descer para um seis. Vamos falar mais sobre como essas dissonâncias funcionam. Agora estou no fim. Então vamos acabar com isso indo para dupes e ativos novamente. Ok, então eu fui para um ativo para o final agora tem um pequeno erro no final, e o erro não é uma coisa nova. Isto é uma coisa que vimos em contrapontos anteriores. Hum, se você pudesse ver, então você ganha a estrela dourada. Hum, se você quiser adivinhar, pausar o vídeo e dar uma chance. Deixe-me tentar colocar a coisa toda aqui. Aqui, devemos tudo bem. Ali está a coisa toda. Veja se você consegue encontrar o ar, um, vídeo de posit, dar alguns palpites resolvidos, e então eu vou te dizer. Ok, então agora eu vou te dizer. Arian sortudo. - Sim. Estavam em D menor, certo? A assinatura da chave nos diz, ou eram um f maior d menor e temos todos esses D's. Há um A. Então há o quinto, e então estamos terminando em um D estavam em D menor. Então, à medida que nos aproximamos do fim, o que precisamos fazer em menor? Para fazer isso realmente pregar o tipo de sensação de casa que precisamos para elevar nosso tom de liderança? Acho que precisamos fazer isso. Isso é uma regra, lembra? Isso é uma regra, Ah. Na segunda a última medida, à medida que você se aproxima do tônico, você precisa aumentar o tom principal. Ah, e às vezes o sexto, se você estiver em umachave menor, chave menor, vá. Ok, vamos ouvi-lo. E lá temos. Então isso é o contraponto de quatro espécies. Então, em seguida, vamos falar mais sobre a definição real de uma suspensão e o que isso significa quando temos uma suspensão acontecendo em nosso contraponto 20. Suspensões: Vou ler a definição técnica de suspensão. Neste momento, uma suspensão é um embelezamento rítmico criado quando um intervalo de continente é mantido ao longo da primeira batida da próxima medida, formando uma dissonância harmônica até que a voz suspensa desça a passo para a próxima arremesso. Certo, então vamos separar isso. Suspensão é um embelezamento rítmico criado quando um intervalo de continente. Então vamos olhar para ah, este daqui para aqui de A para C. Ok, isso é um intervalo constante. Ah é mantido para a primeira batida da próxima medida bem ali. Então isso é mantido para a primeira batida da próxima medida, formando uma dissonância harmônica. Então, o resultado de segurar isso sobre a linha da barra na batida da próxima medida é uma dissonância G para ver no quarto, que é um dissidente até que a voz suspensa se mova para baixo a passo para o próximo passo. Então ele tem que descer por um passo para a próxima nota. E essa tem de ser a resolução. Portanto, isto é chamado de resolução aqui. Está bem. Suspensões consiste em três partes, então Ah, a primeira parte de uma suspensão precisa ser um intervalo harmônico constante quando chamamos isso de preparação. Então, vamos pegar nossa mensagem aqui. Então, vamos ligar para isso. Vamos fazer um P para a preparação. Isso vai ser bem aqui. Então será na segunda metade da medida, porque e esse é o nosso continente. Intervalo. A preparação é confiante. Nossa segunda coisa é a suspensão. Isso é bem aqui. Suspensão teatral é quando nossa nota que foi nossa preparação agora se tornou dissonante. Isso faz com que a suspensão. E, em seguida, a terceira parte é a resolução, que vai ser esta nota. PS são resolução de suspensão de preparação. Ok, agora, neste caso, bem, vamos olhar para um exemplo diferente. Vamos dar uma olhada aqui. Preparação, resolução da suspensão. Nós podemos e muitas vezes fazer acorrentá-los juntos como o que eu fiz aqui, certo? Há uma espécie de cadeia de para. Neste caso, esta é a resolução e também a preparação. Na verdade, vamos fazer isso um pouco diferente aqui. Vamos deixar isso um pouco claro. Esta é a resolução. É também a preparação para a próxima resolução de suspensão de preparação. Ok, então este conserva o dever duplo quando você está fazendo essas correntes de suspensões. Agora, existem vários tipos de suspensão, e nós os rotulamos com números. Há 43 suspensão, 76 suspensão e 98 suspensão ou a mais comum. Nós vamos falar sobre isso em um minuto, mas primeiro eu quero falar sobre ah, um dos tipos de principais características que fazer isso resulta em quando estamos fazendo quatro espécies contraponto. Nós tendemos a ter esse tipo de queda de declive porque as suspensões sempre se resolveram . Você não pode fazer o contrário. Então, ah, nós temos esse tipo de mentalidade de descida. Então vamos saltar para um novo vídeo e falar sobre esta questão de ir para a colina abaixo. 21. Vamos para baixo: Está bem. Então, como você deve ter notado, se vamos estar fazendo isso indo para baixo, eventualmente vamos ter problemas. Então essas suspensões sempre caem bem ali, indo para baixo e para baixo e para baixo e para baixo e para baixo. Então, eventualmente, isso pode nos levar a uma travessia de voz. Pode nos levar para baixo. E também, se não fizermos nada além de suspensões como esta, se não a tivéssemos quebrado aqui e continuado a descer, teria sido chato. Hum, você precisa quebrar Ah, corrente. Se você está fazendo uma cadeia de suspensivo do que você nem sempre tem que fazer, está em uma cadeia, você pode apenas fazê-lo um de cada vez. Mas se você vai fazer correntes de suspensões, você vai estar apenas indo para baixo e para baixo e para baixo e para baixo em seu contraponto. E se isso não te levar a uma travessia de voz, vai ser meio chato. Então não fazemos isso em algum lugar do contraponto que fazemos. Essa coisa chamada quebrar isso está quebrando a corrente da suspensão. Então foi isso que aconteceu aqui. Então isso estava indo para baixo e eu provavelmente poderia ter continuado por mais tempo, mas o que fizemos aqui é que não suspendemos por causa deste. Fizemos um continente para continente intervalos seguidos e um grande salto. E esse salto faz com que eu possa continuar caindo de novo, certo? E continue fazendo essas suspensões. Então, sem aquele grande salto ali, eu teria continuado indo para baixo e para baixo e para baixo. E eu teria, uh, uh, acabado em apuros tantas vezes quando você está fazendo o contraponto de quatro espécies, você vai para Teoh. Eu quero quebrá-lo em algum lugar, geralmente em algum lugar no meio, apenas para mantê-lo interessante. Hum, e você não tem que fazer isso mais de uma vez. Você deve fazê-lo pelo menos uma vez no contraponto. Mas você não tem que fazer isso mais de uma vez. E às vezes é muito óbvio onde fazê-lo. Porque às vezes você não pode fazer uma suspensão funcionar, certo? Você vai ter uma suspensão em um intervalo dissonante. Isso não é possível. Como se você não pudesse fazer isso. Como se esta suspensão aqui resultasse em um intervalo dissonante depois de eu ter desistido. Se isso fosse um intervalo dissidente, este não seria bom. E aí seria um bom lugar para quebrar a suspensão porque eu teria um lugar onde a resolução não iria funcionar. Da mesma forma, se este for suspenso, suspenso em um intervalo de continente, então isso também não seria, Ah, suspensão correta. Então é um bom lugar para quebrá-lo. Então cuidado com os pontos onde você tem que quebrá-lo, para , que você não seja apenas como rolar para baixo nesta sequência de suspensões, apenas cuidado com isso. 22. Suspensões 4-3: Vamos ver os diferentes tipos de suspensões e como as rotulamos. Vamos para aqui em algum lugar, e vamos adicionar algumas notas. Vamos fazer. Vemo-nos. Digamos que nosso contraponto era um F e então um C vai fazer para bares. Imagine que isto seja bem no meio de um contraponto. E então nós tivemos algo como um d. Então nós temos 1/6 e então vamos fazer uma suspensão lá e depois resolvê-lo assim. Agora, ouçam que isto é diferente da coisa anterior. Eu estava falando sobre a coisa de ir para baixo porque isso não faz parte de uma sequência de suspensões. Posso pisar ou pular para uma suspensão. Isso está tudo bem. Mas tenho que sair disso . Eu não posso pular ou saltar fora disso, mas eu posso pisar ou e eu acho que você pode saltar para uma suspensão se você quiser. Talvez não. Vou ter que procurar essa. Saltar para uma suspensão parece estranho, mas você pode pular para uma suspensão como esta. Saltar para uma suspensão parece estranho, Então isso é tudo um OK. Agora vamos ver quais são os nossos intervalos aqui. Então, primeiro, vamos rotular nossos preparativos, na verdade, então isso vai ser isso realmente vai ser nossa preparação. Esta vai ser a nossa suspensão, e esta vai ser a nossa resolução, está bem? E não temos um rótulo para este bilhete. Hum, é apenas o que é. Próximo. Vamos ver os nossos intervalos. Então este intervalo é 1/6. Este intervalo é e ativo. Este intervalo agora é 1/4 e este intervalo é ah, terceiro. Ok, isso nos dá a resposta que queremos sobre como rotular esta suspensão porque, ah , suspensões, ar rotulado normalmente com dois números lado a lado, como assim, vamos fazer Escreva-o aqui para chamarmos isto de suspensão 43. É isso que esse tipo de suspensão é. E a razão é que a suspensão está em 1/4 e resolve para 1/3. Então, para três, suspensão é a quarta resolução para 1/3. E tem um som particular. Vamos ouvir assim. Veja, eu quero resolver ainda mais, mas isso é uma suspensão 43, 1/4 resolvendo para 1/3. Então, para todos esses, lembre-se que a suspensão terá que ser chamada por um número que é um intervalo dissonante primeiro e, em seguida, um intervalo constante. Segundo, porque é assim que funciona. A suspensão tem que ser uma dissonância. A resolução tem de ser um continente, e eles têm de estar a um passo, certo? Então todos os nossos rótulos para suspensões vão ser um número e depois um número menor porque tem que estar a um passo de distância e o 1º 1 vai ser um intervalo distante no 2º 1 vai ser um intervalo continental. Todos têm que trabalhar assim. Por definição, é assim que as suspensões funcionam. Então vamos olhar para os outros dois agora 76 e 98 23. Suspensão 7-6: Certo, vamos seguir em frente e falar sobre uma suspensão 76. Agora vamos fazer isso aqui. Agora o que eu vou ter que fazer aqui é que eu preciso de uma linha de base diferente. Os mesmos países Firmas não vai funcionar porque este intervalo vai desempenhar um papel significativo e me dizendo mundo bem, em fazer esta nota virar de continente de dissonante para continente, certo, Então este intervalo de 1/4 funciona para um 43 e provavelmente há alguns outros intervalos. Não é uma regra difícil que, como o intervalo de 1/4 na empresa Contras IHS vai fazer para uma suspensão 43. Isso não é verdade. Há outras maneiras de fazer uma suspensão 43, mas não posso fazer uma suspensão 76 com isso. Há outras maneiras de fazer uma suspensão 43, Então vamos para um G. Oops, vamos para o intervalo de “Se é um G e um C. Ok, agora vamos dificar e vamos começar com um intervalo constante. Neste caso, um ativo vamos para outro intervalo continente criado. Então vamos fazer um salto diatônico aqui e como você se aproxima disso é aberto. Hum, nós não temos que abordá-lo por um Skip diatônico. Lembre-se disso. Vou amarrar este sobre a linha da barra, e depois tenho que resolvê-lo por um passo. Certo, então vamos colocar nossa gravata aí. Lá vamos nós. Está bem. Então, agora vamos ver quais são os nossos intervalos aqui. Temos e ativo. Certo, aqui temos 1/3. Certo. G dois B aqui. Agora que mudamos a nota de firmeza do nosso país, temos um C para um p. Então isso é uma grande e velha dissonância de 1/7. Ei, mas vai resolver por um passo para um sexto bem ali. E isso cria a suspensão 76. Lá está ele. Portanto, a nossa nota base é diferente para o trabalho do dedo do pé de suspensão 76. Mas, neste caso, faz. Saltamos para 1/3. Nós segurámo-lo. Tornou-se 1/7 quando nossos preservativos mudaram. E então resolvemos para 1/6 um continente. Vá. Vamos ouvir isso rapidinho. Isso tem um som um pouco diferente na direita 43. Vamos ouvir o 43 de novo. Eu gosto deste quer resolver de uma certa maneira. E este tipo deste tem uma resolução menos forte que quer acontecer. Então, a última tendência. Mas ainda tem uma resolução, e é diferente desta. Muito interessante como isso funciona. 24. Suspensões de 9-8: Está bem. O último dos nossos tipos mais comuns de suspensões é uma suspensão 98. Então vamos fazer um desses para este qualquer minha linha de base para estar fazendo algo um pouco diferente. Então eu vou de um B para um C e então, no meu contraponto, vou começar em um continente começar em um seis. Neste caso, vamos até 1/3 então G ou desculpe B a D é 1/3. Vamos carregar isso e depois resolvê-lo por um passo e vamos ver o que temos. Vamos criar essa gravata primeiro. Então aqui temos 1/6 e vamos colocar isso aqui. Então temos um continente. Então temos outro continente deu salto continente. Podemos chamar isso, e agora temos uma dissonância. Temos de C a D. Agora. Podemos chamar isso de 1/9 agora. Por que não chamaríamos isso de “a “? Eu vou te dizer exatamente por que não chamaríamos isso de um para você sabe, eu disse, em outros lugares, eu disse, se é maior que uma oitava, nós reduzimos para baixo. Então um nove é C dois D, que é o mesmo que a escrever oitavas que chamamos oito para mostrar que não é uníssono, , quando é maior do que inativo. Normalmente, diríamos que é um dois, hum, neste caso ou ah, três. Se fosse 1/10 ou algo assim, que é o que este é, certo? Isto é 1/10, mas chamamos-lhe um três, certo? Nós o reduzimos ao seu menor intervalo. Mas este, vou ligar para o nono neste caso, e vou mostrar-te porquê. Vamos colocar o próximo para baixo. Agora estamos resolvendo para um ativo. Ok, então se eu chamar isso de 1/9 então eu posso facilmente chamar isso e 98 suspensão. Certo? Vamos adicionar, hum oops. Então isso nós escreveríamos, assim 98 suspensão. É por isso que estou ligando para negar causa. Verifica isso. Se eu chamar de dois, é uma suspensão 28. Isso não faz muito sentido, porque sabemos que tem de descer por um passo aqui para que a suspensão se resolva correctamente. Então, só para deixar isso bem claro, neste caso vou chamá-lo em nove para que eu não tenha uma suspensão a oito, e eu tenho que pensar sobre isso. Um monte para descobrir isso. Está se resolvendo por um passo, certo? Está se resolvendo por um passo, Então, em 98, suspensão 98, vamos resolver para uma oitava. Certo? Então vamos ter, neste caso, temos 1/3 a 1/9. Ou pense nisso como um segundo e depois para inativo. Isso é aqui. Certo? Então este não sente a necessidade de resolver muito. Então, os três desses, vamos olhar para todos os três. Uma vez que é colocado um rótulo em nossos 56 grupos aqui. 76 Quero dizer, então nós temos um 4376 e um 98 Todos eles têm qualidades diferentes. Todos eles têm um sentido diferente de resolução no final de, um, um, um pouco diferente. São os três em ordem, com um descanso de uma barra no meio. Por que não? Então, todos os tipos ligeiramente diferentes de suspensões há outras suspensões que você pode fazer. Mas esses são os três tipos mais populares, os que você encontra como 99% do tempo em quatro espécies contraponto um , o 43276 e as 98 suspensões 25. Suspensão de acompanhamento: Agora há outro tipo de suspensão. Enfraquecer Dio Um, nós olhamos para estes onde a regra é, Ah, dissonância para o continente, certo? Sempre dissidentes, dissidentes constantes. Constante. Há outro tipo de suspensão que existe. Chame uma suspensão do continente onde é de continente para continente. , Na verdade,só há dois desses que são possíveis. Ah, vamos montar um aqui. Então vamos fazer algo como, uh, uh, um c ele Ok, agora, agora, o que aconteceria se eu fosse metade de um É amarrado isso. Vamos, G. Vamos amarrar isso. Vamos ver o que acabamos de fazer aqui. Então nosso intervalo é vamos rotular são intervalos aqui. Então aqui temos 1/6 hato F Aqui temos um a A então isso é um ativo aqui. Temos C a A Então são mais seis. E aqui temos C a G. Então é 1/5. E aqui temos e para G. Então isso é 1/3. Ok, então será feito aqui. Aqui está minha suspensão e resolução bem no meio. Ok, então nós temos um continente e o continente se torna outro continente, hein? Isso resolve por um passo para um continente 865 direita. Isto chama-se suspensão 65, por isso não temos de lhe dar nenhum título especial, porque é uma suspensão do continente. Isto chama-se suspensão 65, Nós chamaríamos de 65 Lembre-se de ambos seis e cinco continentes R e quatro espécies contraponto e todas as espécies de contrapontos seis e cinco r. Ok, hum, então esta é uma suspensão constante. O outro que é permitido é uma suspensão 56. Então 65 e 56 Agora você pode estar pensando, como eu poderia fazer um 56? Porque se seis e cinco fizerem o meu movimento descendente, cinco e seis farão um movimento ascendente, certo, certo, confira. Vamos fazer isso. Vamos Dio, vamos até aqui e Dio, essa é a única coisa estranha sobre suspensões constantes é que você pode subir. Está bem, ascendente é permitido incontinente. Suspensão não está em suspensões dissonantes. Suspensões dissonantes sempre tem que resolver para baixo por um passo Continente suspensões. Em outras palavras, uma suspensão de 65 ah pode resolver para cima fazendo uma suspensão 56. Então vamos olhar para os nossos intervalos. Aqui. Temos grupos de B a D, modo que é 1/3 e depois temos BTG, que é 1/6 E então temos C a G, que é 1/5. E então temos aros C a G C toe A, que é 1/6. E então só por diversão, temos 80 a, que é inativo. Então aqui está a nossa suspensão. Temos continente, continente, continente. Certo. E neste caso, está indo 56 disso. Chamaríamos uma suspensão 56. É o único permitido que sobe. Certo, vamos ouvir os dois. Vamos ouvir o 65 Depois temos um pouco de descanso e depois um 56 Ok, Interessante. Certo. Este é o menos gratificante para mim. A suspensão 56. Mas isso é puramente uma opinião. Esses são o nosso continente. Suspensões. Há apenas dois ah, 65 e 56 até o fim. 56 é o único que existe de nossas suspensões que são autorizados a subir ou resolver para cima, devo dizer 26. de de suspensões: Tudo bem. Quero voltar e falar sobre correntes de suspensões mais uma vez. Agora que entendemos as propriedades das suspensões e apenas falar sobre como fazer uma dessas cadeias de suspensões. Então eu vou me livrar de tudo isso e vamos primeiro fazer um bom e velho contraponto de primeira espécie . Então é ir muito alto para começar isso e vamos apenas ir passo para baixo e então vamos resolver isso. Ok, então nós vamos estar na chave de C aqui. Agora, vamos colocar um contraponto de 1 para 1 nisto, ok? O que eu tenho? Eu tenho e n g terceiro B, s I d e e F terceiro A e E c. Eu não estou tendo uma boa clave baixo leitura. Dia C e E terceiro ser e D, terceiro C e C uníssono. Ei, então eu tenho uma série de terços e depois em uníssono. Isso é meio OK, mas podemos facilmente transformar isso em uma cadeia de suspensões de suspense porque nossa firmeza contras está caindo a passo. Essa é uma das chaves é que precisamos para este trabalho de corrente do dedo do pé. Ah, é para baixo a passo movimento. Agora, o que podemos fazer é mudar tudo isso por 1/2 Nota se mudarmos nossa linha de topo por 1/2 nota e ver se isso vai me deixar fazer isso. Segure em. Hum instituiu você para fazer Eu acho que se eu transformar isso em 1/2 nota e então eu colar bem aqui, eu fiz isso. Tudo o que fiz foi copiar e colar. O que? Eu já tinha meia nota fora. Certo, então eu literalmente mudei, mudei nosso contraponto por duas batidas. E é isso que resulta. Vejamos quais resultados. Vejamos os nossos números. Então aqui temos 1/3 ainda e t g. E então aqui temos 1/3 ainda Ok, preparação. Agora aqui. Teríamos D G? Temos quarto. Ok? E depois descemos para o terceiro. E agora aqui temos 1/4. E agora aqui temos 1/3 aqui. Temos 1/4 aqui. Temos o terceiro aqui temos um dois. Então o que queremos fazer aqui é este é o único lugar onde não funciona. Pegamos isso e quebramos. É onde colocávamos o intervalo onde conversamos antes. E nós quebramos assim. Então lembre-se, temos que quebrá-lo em outro lugar. Vai ver se eu vou. Se eu descer mais daqui, estou em uníssono aqui. Então, o que é rotular corretamente? Na verdade, ouve, se isto continuar a acontecer, vou ter uma voz a cruzar a direita, porque isto vai para um “D “ que vai ser mais baixo do que isso. Anota o dinheiro. Uníssono. Então eu tenho que quebrá-lo bem ali. Mas o que isso fez de nós? Isso nos fez um monte de 43 suspensões, uma cadeia de 43 suspensões. Então tudo o que fiz foi pegar uma corda de terços descendo e isso me deu isso. 434343 Uníssono. Vamos ouvi-lo. Certo. Então é assim que você pode criar uma cadeia de você. Nissen está... desculpe. Uma regra de cadeia de suspensões é que você tem que ter um movimento stepwise na base ou no FIRMAS do país. Devo dizer que nem sempre tem que ser na base. Então faça um contraponto de 1 a 1 contra ele. Então, apenas notas inteiras que funcionam nos continentes todo o caminho. Terços são ótimos. Isso te dará uma suspensão de 43 por todo o caminho e depois quebrá-la quando chegar ao uníssono. Se nós tivéssemos configurado isso como seis e nós apenas fizemos um 1 para 1 com uma cadeia de seis é Então , como nós empurramos para a frente e deslocado ele, nós teríamos tido 76 suspensões todo o caminho através. Então, isso também funcionaria. Só mais uma dica. Correntes de suspensões. Legal, legal. 27. Resumo de 4a 4th de espécies: Certo, vamos fazer uma revisão rápida das regras de força. Quarta espécie contraponta antes de seguirmos em frente e falarmos sobre o indescritível contraponto da quinta espécie , que é uma espécie de coisa e meio que não uma coisa. Hum, é complicado. Chegaremos lá. Então eu revi as regras aqui, e então eu vou te dar uma planilha onde você pode praticar a escrever alguns contrapontos de quatro espécies . Certo, Certo, vamos passar pelas regras. O didgeridoo. Vou ler-te esta coisinha rápida e depois dissecá-la. Em quatro espécies, usamos suspensões dissonantes o máximo possível. As suspensões distantes aceitáveis são 7643 e 98 quando o contraponto está na parte superior . E 23 quando o contraponto está na parte inferior incluem suspensões continentais ou quebrar espécies conforme necessário pelas seguintes razões. Certo, então temos alguns pontos de bala. Nós não conversamos sobre isso também. 31 ainda. Então o que eles estão dizendo é que uma a três suspensão é possível. Mas em Lee, quando o contraponto é a parte inferior e os Contras para a Sra. a parte superior. Então cuidado com uma suspensão 23 possível quando as regras foram viradas. Quando temos Contras, firmeza no topo, ok? Inclua suspensões constantes ou quebre espécies conforme necessário pelas seguintes razões, número um para definir passagens no concurso com saltos de sono ou passos ascendentes onde suspensões dissonantes não são possíveis. Então, Então, para quebrar uma cadeia de suspensões, por exemplo, saltos e saltos é o que está dizendo. Há número dois para fazer uma linha mais interessante. Lembre-se, nós conversamos sobre isso. Podemos fazer todas essas suspensões e truques, mas ainda tem que ser interessante. Ainda tem que ser uma boa linha de som que não vai para baixo, para baixo, para baixo, para baixo, baixo, baixo, para baixo,para sempre. Você precisa torná-lo interessante. Número três para restabelecer uma distância adequada entre as partes se estiverem prestes a cruzar . Já falámos sobre isso. Se você está em perigo de fazer uma voz cruzando para um grande salto velho e sair de lá como este que estamos vendo na tela agora, tem um salto para um salto bem no meio só para nos afastar um pouco da linha . Ou das firmas do condado um pouco, a fim de evitar uma voz cruzando o número quatro para concluir uma cadeia de suspensão após três declarações. Então lembrem-se, acorrentados, não queremos fazer mais do que três em um mundo consecutivo. Começa a ficar chato, e então nós meio que amarrá-lo com, ah, ah, uníssono ou oitava ou outro intervalo de continente no downbeat número cinco mais próximo para evitar erros de contraponto. Então evitaríamos uma suspensão se ela fosse criar acidentalmente um quinto paralelo ou inativo, algum tipo de grande erro de contraponto como esse no último para resolver lugares difíceis no contexto em que uma suspensão dissonante ou mesmo qualquer tipo de gravata sobre a barra não está disponível. Então, em outras palavras, às vezes você não pode simplesmente fazer uma suspensão. Se o mais firme do condado é, uh, configurado de tal forma que vai criar dois intervalos dissonantes ou ah, perfeito ativo ou algo assim, você simplesmente não pode escapar com ele. Então o que isso está dizendo é tentar fazer essas suspensões em quatro espécies contrapontar tanto quanto possível, e então, exceto nesses casos, é quando você gostaria de quebrar a suspensão legal para que haja regras de quarto Espécies. O contraponto estava voando por aqui. Vamos para Ah, contraponto de espécies de peixes, também chamado de contraponto livre. Mas primeiro, vamos fazer uma planilha. 28. Counterpoint pontos gratuitos: Chegamos à quinta espécie. Contraponto. Este é o último, e este é um trapaceiro. Na verdade , não é. Ah, novo. Não há nada de novo aqui. Bem, retiro o que disse. Havia uma coisa nova no contraponto da quinta espécie. E isso é que podemos fazer o que quisermos quando se trata de ritmos. , Lembrem-se, no contraponto da primeira espécie, tínhamos o que chamamos de 1 a 1. Divisão rítmica. Então, para cada nota na mais firme do país, colocávamos uma nota no contraponto de segunda espécie, poderíamos colocar duas notas para rebocar uma. Então, para cada nota de buraco, colocaríamos 2/2 notas bem na terceira espécie. Para cada nota de buraco, colocaríamos 4/4 notas, então 4 a 1 na quarta espécie. Podíamos colocar duas notas, mas elas estariam amarradas sobre o bar e estaríamos fazendo suspensões por todo o caminho. Agora, em espécies de peixes, podemos fazer qualquer uma dessas coisas e podemos misturá-las, enfraquecer, enfraquecer, fazer algumas notas trimestrais, algumas notas inteiras, algumas meias-notas, algumas notas amarrado do outro lado do bar. Podemos fazer qualquer uma dessas coisas em combinação. Isso causa algumas novas rugas. Na verdade, nada de novo. Mas isso nos dá muito para pensar sobre todo o direito repentino, porque temos que pensar sobre nossos continentes, é e dissonâncias e são batidas acentuadas, certo? Então vamos rever essa regra mais uma vez. A nossa batida acentuada mais pesada e forte é sempre a moderação, certo? Não importa em que espécie estava, o downbeat vai ter um sotaque maior. Então isso tem que ser um continente. A menos que você esteja no meio de uma suspensão, então não precisa ser, mas tem que resolver corretamente para uma constante. A menos que você esteja no meio de uma suspensão, então não precisa ser, Nossa segunda batida mais forte é em uma barra de 44 é bater três, certo? A segunda metade da medida, , então se dividirmos a medida pela metade, a segunda metade é a nossa segunda batida mais forte. Então, se estamos fazendo a meia nota, então em um bar, deixe-me fazer isso. Oops. Então, se eu fosse fazer F G algo assim, então o Down B ainda é o mais forte, o offbeat neste caso porque é muito meia nota bater três aqui pode ser uma dissonância, mas se eu tiver notas de quarto algo assim, não vamos realmente nota repetida. Vamos fazer isso. Vamos ver se isso funciona. Eu não sei. Hum, agora eu tenho o meu mais forte downbeat aqui. Minha segunda batida mais forte ou minha segunda batida mais forte. Aqui está que precisa ser um Continentes neste caso e, em seguida, bate dois e quatro pode ser dissonâncias. Vamos ver. Então aqui temos um ativo aqui. Temos um segundo, mas não é uma batida forte. Então está tudo bem. Está na batida acentuada. Isso está tudo bem. Aqui temos 1/3. Isso é uma constante. Isso está tudo bem. E aqui temos 1/4, na verdade, um quarto aumentado. E isso é uma dissonância. O que? Está na batida quatro. Isso vai ficar tudo bem. Hum, então isso funciona. E se eu fiz isso? Que tal agora? Isto é algo novo. Enfraquecer fazer. Não podíamos fazer isso antes, então agora temos a batida mais forte na batida um, certo? A maior ou maior sotaque na batida um. Isso tem que ser uma constante. Mesmo assim, não importa o que estamos fazendo, , a menos que uma suspensão. Então as regras do contraponto de terceira espécie é o que vai nos governar aqui. Então, o que? Temos aqui é que não temos um b uma nota na batida também. E isso é OK. Então, ser três vai ser a nossa segunda batida mais forte. Isso vai precisar ser uma constante neste caso. E esta pode ser uma batida de dissonância para então vamos fingir que estamos olhando para as regras da terceira espécie contraponto aqui. E temos notas 4/4 mesmo que não tenhamos um invicto para agora, aqui está outra coisa que poderíamos fazer. Isto é algo novo. Posso ir até as oitavas notas agora. Não podíamos fazer isso em nenhum contraponto antes, mas agora podemos Ah, e eu vou fazer isso com um tom de vizinho. Qualquer nota ás vai ser e permitir dissonância porque está entre as nossas batidas. Então, sempre que você tem uma oitava nota, o downbeat vai ser uma batida acentuada. Na oitava nota, a batida não vai ser acentuada, então pode ser uma dissonância. Então, usando uma oitava nota para um tom de vizinho como este, onde estamos indo continente dissidente para trás e para a mesma nota que pode funcionar. Porque isso pode ser uma dissonância no meio. Ok? Então, basicamente, podemos usar qualquer subdivisão rítmica que quisermos. Podemos até ir mais fundo no ritmo, exceto nas divisões, e usar o aviso de oito. Agora vamos pegar Ah, este contras firme que escrevi aqui. Este é um bem famoso. Então vamos saltar sobre um novo vídeo e, hum, vamos ler um contraponto para isso usando 50 espécies contraponto. Outra coisa. Quinta espécie Contraponto também é às vezes chamado de contraponto livre porque as regras rítmicas são bastante borradas. Podemos fazer livremente o que quisermos ritmicamente, desde que todas as outras regras sejam verdadeiras algo que não fazemos paralelos, desde que acompanhemos nossos continentes, é e dissonâncias. Ah, e tudo isso, se cumprirmos todas essas regras eram relativamente livres. Ainda temos um monte de regras que temos que seguir, mas às vezes contraponto espécies de café, contraponto livre 29. Como escrever: Está bem. Aqui temos um contraponto bastante famoso. Escrevi a primeira metade do contraponto. Ah, e eu vou escrever a segunda parte enquanto vamos. E os Contras de um conhecimento separado. Isto é do livro grátis. Estranho Parnassus. Hum, desculpe. Minha pronúncia latina é terrível. Por pessoas que iam falar mais sobre isso, vou te dar um pouco de história dele, mas é como se ele tivesse escrito o livro. Por pessoas que iam falar mais sobre isso, vou te dar um pouco de história dele, E o livro está satisfeito. Pronuncie-o. Então este é o livro sobre contraponto. É daqui que vem todas estas regras e as espécies. Então este é um de seus exemplos de ah, quinta espécie contraponto ou um contraponto livre. Então vamos analisá-lo. Vamos olhar para ele. Então, Então, anote aqui que estavam na aula de problemas. Então temos que incomodar as linhas de manguito, e vamos acertar algumas coisas interessantes aqui, então vamos rotular nossas coisas aqui. F A Isso é 1/3 e F dois d. Então isso seria um seis depois e seria 1/7. E depois de f seria um uníssono que é meio pateta, mas eu vou dizer que é permitido porque ele escreveu. Ah E para G é 1/3 e para f É para e t E é um uníssono e comer um G é 1/3. Eu acho que aqueles menos pateta D dois f é 1/3 D dois d é um uníssono e d dois d é outro uníssono. Vamos chamar essa teta G a D é 1/5 G para ver como 1/4. Agora G dois b plano é 1/3 um terço menor. , Mas 1/3,no entanto , vamos ignorar esse apartamento por enquanto. E G dois g é Ah, uníssono. E então vamos fazer o downbeat aqui depois de um é 1/3. Certo, vamos ver o que temos aqui. Temos um 53 aqui. Então, tecnicamente, não é uma suspensão , porque 53 suspensão não é uma coisa. E não se resolve como uma suspensão. Teria que resolver como uma suspensão do continente. Poderia resolver se fosse do tipo certo. Mas não é assim. Não é uma suspensão. É só uma nota de maré e está tudo bem na quinta espécie. Contraponto em contraponto livre porque nós trataríamos apenas como uma nota com a duração de três batidas. Certo? Ah, então agora temos 1/3 67 e oito. Agora, este bar é realmente interessante porque temos um continente constante, constante e dissonante. Então eu tenho um dissonante bem no meio do caminho, que, que, acordo com Fuchs, no quinto contraponto Espécie pode ser permitido em um padrão de escala. Então todos os tipos de exceções estranhas aqui, eu consideraria isso perigoso, então eu não faria isso se você estivesse escrevendo uma tarefa para um professor. Mas, Mas, sabe, você escreveu o livro. Ele tem permissão para fazer isso. Então agora temos 32 unidades em três. Então Ah, dissonância na batida dois que é permitido aqui. Três uníssono, ativos em todos os continentes, na verdade. Grande salto constante aqui. E depois outra suspensão, mas tecnicamente não uma suspensão. Mesmo que resolva, não chamaríamos de suspensão 54. Isso não é realmente uma coisa, hum, ou 85 suspensão. Isso também não é uma coisa. Então os Contras, mais firmes, não nos prepararam para fazer uma suspensão. Pelo menos não com essas anotações. Por isso uma dissonância aqui na segunda batida. E é isso. Ok, agora vamos continuar. Então, o que ele faz em seguida, vamos para um B e depois um C, e então ele vai amarrar aquele Ver, câmbio. E agora ele vai fazer um “f anti isso”. Vou voltar para trás e pegar as gravatas por um segundo. E temos algumas oitavas notas aparecendo. - Está bem . Oops. Vamos voltar e adicionar todas as gravatas que eu pulei. Veja, uh, e uh, d e profundo. Ok, agora é como o que temos aqui. Temos 1/3 depois de um eu sou batida dois. Temos 1/4 e B três, temos 1/5. Certo, agora amarrado de um para ver. Temos 1/3 e, em seguida, temos um para f é 1/6. E agora temos desculpas, g a misturar meus penhascos novamente g para F, que é um sete. E, em seguida, para um seis e um cinco na oitava nota e, em seguida, de volta para um seis e, em seguida, para baixo dedo do pé f em E 1/7. Cara, essa é estranha. F a é 1/3 F e D é seis g a d é 1/5. E então aqui temos nosso tom principal saindo porque estamos em uma chave menor estavam realmente em um modo quando Dorian aqui. Hum, mas G para ver é 1/4. Vamos ligar para isso e depois para uma oitava. Ok, vamos ver o que temos aqui. Então acho que foi aqui que paramos. 345 Então dissonância aqui. Isso é ok. 36 ambos os continentes é para um sete resolvendo para baixo. não é uma suspensão Masnão é uma suspensão. Ah, porque vai de um continente para uma dissonância. Suspensão teria que ser o oposto. 76 poderia funcionar. Ah, 656 Podemos chamar isso de tom de vizinho, mesmo que seja um continente, esse ar, todos os continentes. Ah, poderíamos chamá-lo de um tom vizinho aqui 27 em um downbeat através de um sustain. Uau, isso é realmente surpreendente que ele vai permitir isso. Mas ele é interessante. Eu não faria isso se fosse você. Ah, em seus exemplos de contraponto para um três a seis continentes constantes dissonância aqui. Mas este é claramente permitido porque estamos elevando nosso tom principal para nos levar de volta ao tônico. Eles são para que um está bem, com certeza. Então ele quebra muitas regras aqui. Sabe, é outra grande regra que ele quebra sua voz cruzada. Verifica isso aqui mesmo. É aí que essas duas notas são a mesma nota. Então aqui, este bilhete e este sabe que este D e E estão por baixo disso. Isso é uma travessia de voz. Ah, aqui está um uníssono. Então não é isso que eu vi outro aqui. Não, é isso. Mas sim, uma grande voz cruzando bem ali que não seria permitida por. Ah, muitas regras de professores. Professores diferentes têm quantidades diferentes que prescreveram exatamente como ele escreveu. Sabe, Sabe, alguns desses sotaques acentuaram notas com dissonâncias? Gostaria de marcar corretamente em um papel. Mas ele está indo muito longe com isso. Mas essa é a coisa interessante sobre o cara que escreveu o livro. Vamos ouvir e ver o que pensamos. Você é interessante? Sabe, parece muito Bach. Hum, então você sabe claramente, você sabe, Bach sabia essas coisas, obviamente. Como nada mais. Ok, vamos pular para Ah, outro vídeo. Quero te contar um pouco mais sobre esse cara. 30. Fux: estudo de contra-ponto: Então, de onde vêm todas essas regras? Falamos de toneladas e toneladas de regras. Tivemos, tipo, tipo, 40 vídeos de coisas que você pode fazer e você não pode fazer, uh, em contraponto. Isso tudo vem de Johan Josef Fuchs. Parceiro ímpar grátis. Incrível. Que é um tratado que ele escreveuem 17 anos. Que é um tratado que ele escreveu em 17 anos. 25. E era uma espécie de ah, leitura padrão de todos os compositores na época. E ainda é de muitas maneiras, quando você está em uma aula de teoria universitária, não é improvável que você teria que ler este livro e ter uma cópia dele para pelo menos usar como referência. O livro que você acharia sendo usado em uma aula de teoria agora é um livro chamado Estudo do Contraponto. O livro que você acharia sendo usado em uma aula de teoria agora é um livro chamado Estudo do Esta é aproximadamente uma tradução de Grad Assad parte incrível. Ah, eu acho que o Latim gratis estranho parceiro incrível significa, como passos para parceiro incrível, que eu não sei o que parte incrível é, mas ah, agora nós chamamos de Ah, o estudo do contraponto Fuchs é um estudo de contraponto, então ah, é um grande livro dedo tem em sua prateleira para usar como referência para passar por todos esses muitos compositores ao longo da história tinham uma cópia em sua estante. Hum, Bach humor é todo mundo, hum, então altamente recomendo obter uma cópia dele. Ah, e usá-la. 31. O que vem a seguir?: Chegamos ao fim da teoria musical. Parte cinco. Ah, contraponto. Então, aqui está o acordo. Aqui é onde você está. Hum, se você estivesse em uma aula de teoria musical universitária, normalmente seria antes de semestres longos. E se você fez todas essas cinco aulas de teoria musical, você completou todo o primeiro semestre de um programa de teoria musical universitária. Há muito mais para ir. Hum, mas se você está se sentindo confortável com o que aprendemos até agora, então você deve ser capaz de rebocar Ace, uma aula de teoria musical universitária. Sem problema. Você vai passar por isso. Tenho ensinado meu currículo de teoria musical. Então parabéns para você. Hum, você terminou em seguida. À medida que avançamos, o próximo tipo de grande coisa que o segundo semestre da teoria da música universitária cobre é o que échamado de dieta é o que é chamado de tanase, que é uma maneira chique de dizer modulando dois diferentes À medida que avançamos, o próximo tipo de grande coisa que o segundo semestre da teoria da música universitária cobre é o que é chamado de dieta é o que é chamado de tanase, chaves. Mas às vezes fazemos isso. Ah, muito brevemente. E às vezes fazemos isso por um longo período de tempo. um Então chaves modulares podem ser negócio muito complexo. E, ah, uma vez que começamos a olhar para a música do século XIX e coisas assim. Compositores começaram a realmente tipo de dobrar as regras da teoria um pouco. Então há todos os tipos de outras teorias musicais que estão tentando alcançar esses compositores. Então, estamos explicando algumas das coisas que eles fizeram que quebram as regras. Assim, em outras palavras, novas regras foram feitas para acomodar essas distorções das regras. Como os compositores ficaram cada vez mais liberais com as regras da teoria da música, teoria da música do primeiro semestre sempre fala sobre regras como as regras duras e rápidas. Isto é o que você faz. À medida que avançamos para o 2º 3º semestre. Falamos de maneiras que podemos dobrar essas regras, Ah, Ah, para fazer música mais interessante de maneiras que os compositores têm dobrado essas regras. Então, você entra no quarto semestre, você entra no século 20, quando as regras simplesmente se quebram e todos os tipos de novas regras aparecem mais ou menos. É uma forma simplificada de explicar, mas , tende a funcionar. Então parabéns por ter terminado o primeiro semestre de teoria da música universitária. Vamos continuar. Vamos para o segundo semestre. Devemos? Estou me divertindo fazendo isso, então por que não? Certo, tenho mais umas coisinhas que quero te dar antes de terminarmos, então vamos começar agora. 32. Agradecemos obrigado!: Está bem, obrigado. Todo mundo por sair. Espero que tenha se divertido nesta aula. Senti que cobrimos muita coisa nesta aula. Passamos por todas as regras da teoria musical , de contraponto nesta aula. Quero apontar mais uma coisa. O que acontece a maior parte do tempo em contraponto é que no primeiro semestre da teoria musical , muito do que você faz é gastar ah, mês ou assim em contraponto. Exatamente como o que fizemos nesta aula. Você passa por todas as regras de todas as diferentes espécies, , e aprende a usar e corrigir e identificar um monte de coisas diferentes em contraponto. Mas o que vem a seguir na teoria da música é que passamos um pouco do contraponto, mas muitas vezes há uma classe inteira separada. o que vem a seguir na teoria da música é que passamos um pouco do contraponto, Osemestre inteiro, semestre inteiro, só em contraponto. Às vezes, até dois semestres estão em contraponto. Então imagine que seria algo como mais 10 classes deste tamanho apenas em contraponto. Sabe, é uma grande coisa. É como matemática. Há apenas toneladas que você pode fazer com ele. Então, em um currículo universitário. Não é incomum para você encontrar classes separadas apenas em contraponto. O que fizemos foi todo o contraponto que está na sequência normal da teoria musical. Mas você pode ir mais fundo nisso, então eu só queria apontar isso. Obrigado por sair. Espero que goste da aula. , Por favor,me deixe. Comentários, Comentários, perguntas. Adoro ler esses, e entro neles todos os dias. Ah, deixa-me uma crítica, se quiseres. Isso seria realmente ótimo. Gosto de ler todos os dias também. E, hum, veja algumas das minhas outras aulas na próxima pequena parte. A última coisinha que vou te dar aqui. Vou dar-te umas coisas bónus para entrares nas minhas outras aulas. Ah, mais barato. Então, por favor, confira isso. E nos vemos na próxima aula. Muito obrigado. Tchau tchau. 33. SkillshareFinalLectureV2: Ei, todo mundo quer saber mais sobre o que eu estou fazendo? Você pode se inscrever na minha lista de e-mails aqui e, se fizer isso, informarei quando novos cursos forem lançados e quando fizer adições ou alterações nos cursos em que você já está inscrito. Confira também neste site. Eu coloco um monte de coisas lá e eu chego nele todos os dias. Então, por favor, venha sair comigo e com um desses dois lugares ou ambos, e nos vemos lá.