Noções básicas de narrativa: como pessoas criativas e marcas podem criar seguidores | Aprenda com o Kickstarter | Stephanie Pereira | Skillshare

Velocidade de reprodução


  • 0.5x
  • 1x (Normal)
  • 1.25x
  • 1.5x
  • 2x

Noções básicas de narrativa: como pessoas criativas e marcas podem criar seguidores | Aprenda com o Kickstarter

teacher avatar Stephanie Pereira, Director of Community Education, Kickstarter

Assista a este curso e milhares de outros

Tenha acesso ilimitado a todos os cursos
Oferecidos por líderes do setor e profissionais do mercado
Os temas incluem ilustração, design, fotografia e muito mais

Assista a este curso e milhares de outros

Tenha acesso ilimitado a todos os cursos
Oferecidos por líderes do setor e profissionais do mercado
Os temas incluem ilustração, design, fotografia e muito mais

Aulas neste curso

9 aulas (36 min)
    • 1. Introdução

      2:56
    • 2. Estabelecendo suas metas

      3:03
    • 3. Identificando seu público

      3:36
    • 4. Encontrando a história do seu projeto

      8:08
    • 5. Formando relacionamentos

      6:25
    • 6. Plano de comunicação

      4:23
    • 7. Divulgação da imprensa

      1:51
    • 8. Dia do lançamento

      4:42
    • 9. Compartilhe!

      0:29
  • --
  • Nível iniciante
  • Nível intermediário
  • Nível avançado
  • Todos os níveis

Gerado pela comunidade

O nível é determinado pela opinião da maioria dos estudantes que avaliaram este curso. Mostramos a recomendação do professor até que sejam coletadas as respostas de pelo menos 5 estudantes.

13.644

Estudantes

33

Projetos

Sobre este curso

Junte-se à diretora de educação comunitária do Kickstarter, Stephanie Pereira, para um curso estratégico de 35 minutos sobre como motivar as pessoas para apoiar seu próximo projeto criativo!

Com base na experiência do Kickstarter em mais de 100.000 projetos lançados, Stephanie apresenta os passos essenciais, incluindo:

  • Identificar seus objetivos e público
  • Escrever as mensagens-chave
  • Construir relacionamentos (antes de serem necessários!)
  • Desenvolver um plano de comunicação

Este curso inspirador é perfeito para artistas, pessoas que criam, e todas as que desejam promover suas ideias. Além disso, os espaços de discussão e projeto são os lugares perfeitos para começar imediatamente. Desenvolva sua história, receba feedback de estudantes e inspire outras pessoas a divulgar duas ideias!

__________________________

O Kickstarter é uma plataforma de financiamento para projetos criativos — de filmes, jogos e música até arte, design e tecnologia. Desde seu lançamento em 2009, 10 milhões de pessoas apoiaram um projeto, US$ 2,2 bilhões foram comprometidos e mais de 100 mil projetos foram financiados com sucesso. 

Conheça seu professor

Teacher Profile Image

Stephanie Pereira

Director of Community Education, Kickstarter

Professor

I've worked with the Kickstarter community for more than four years to help bring creative projects to life.

Before joining Kickstarter in Fall 2011, I spent nearly a decade in the non-profit arts sector. I am passionate about making the world a more creative and just place. I collaborate with artists, organizations and companies to bring new ideas into the world.

Visualizar o perfil completo

Nota do curso

As expectativas foram atingidas?
    Superou!
  • 0%
  • Sim
  • 0%
  • Um pouco
  • 0%
  • Não
  • 0%
Arquivo de avaliações

Em outubro de 2018, atualizamos nosso sistema de avaliações para melhorar a forma como coletamos feedback. Abaixo estão as avaliações escritas antes dessa atualização.

Por que fazer parte da Skillshare?

Faça cursos premiados Skillshare Original

Cada curso possui cursos curtas e projetos práticos

Sua assinatura apoia os professores da Skillshare

Aprenda em qualquer lugar

Faça cursos em qualquer lugar com o aplicativo da Skillshare. Assista no avião, no metrô ou em qualquer lugar que funcione melhor para você, por streaming ou download.

Transcrições

1. Introdução: Olá, Skillshare, prazer em conhecê-la. Meu nome é Stephanie Pereira. Sou o Diretor de Educação Comunitária do Kickstarter. Então, Kickstarter, caso não tenha ouvido falar de nós, é uma plataforma de financiamento para projetos criativos. Isso significa qualquer coisa, desde cinema , design, jogos, comida, tecnologia. Se você tem uma idéia criativa que você quer trazer para o mundo e compartilhá-la com outras pessoas, Kickstarter é o lugar para fazê-lo. Estamos por aí desde 2009 e até à data. Mais de 100.000 projetos foram financiados por mais de 10 milhões de pessoas e mais de dois bilhões de dólares foram prometidos a esses projetos criativos. Esses números são sempre super excitantes para mim porque se eu pensar em todos os projetos criativos e todas as idéias criativas do mundo e quantas pessoas se juntaram para fazê-los acontecer, é simplesmente incrível e alucinante. Então, a aula de hoje, é sobre construir uma comunidade em torno de seu projeto criativo. Através de uma série de vídeos e exercícios, vamos analisar como você pega sua ideia criativa e traduz em ideias e histórias com as quais outras pessoas vão ficar entusiasmadas, e quer correr e compartilhar com outras pessoas em seu nome. No final desta aula, estou animado para você ir embora com algumas habilidades diferentes. Primeiro, você vai descobrir como contar uma história de uma forma que deixará as pessoas empolgadas com o que você está fazendo. Você vai descobrir quem é o público do seu projeto, quem é quem em particular vai ficar animado com isso e finalmente e como você engajar esse público? O que eles vão querer de você e como você os traz e os convida para fazer parte do que você está fazendo? Para tirar o máximo proveito desta aula, um aluno deve ter uma ideia para um projeto criativo. Quer seja aquela camiseta louca que você sempre quis fazer, escrever seu primeiro livro, lançar uma cafeteria, seja lá o que for, você deveria ter uma ideia. Você também deve estar familiarizado com plataformas como o Kickstarter quando é para, como ele funciona e o que é permitido. aluno deve fazer essa aula porque uma das partes mais difíceis de lançar uma ideia criativa no mundo, é encontrar um público para essa ideia criativa e deixá-los tão animados quanto você está com essa ideia. No final desta aula, você saberá como encontrar esse público e envolvê-los de uma forma que seja convincente a longo prazo para você e para eles. Então, o projeto de hoje será compartilhar a história de sua idéia criativa. Você quer descobrir o que é que você quer fazer, como você vai falar sobre isso, como você vai compartilhar a sua história e como você chegou a essa idéia e por que você está animado com isso. Você vai mapear algumas das pessoas que você acha que vai ficar animado e como você vai alcançá-los ou você vai usar Facebook ou Twitter ou qualquer outra coisa. Quais são os canais que você vai usar e então quais são as coisas que você vai criar para alcançar essas pessoas nesses canais, certo? Você vai fazer fotos, você vai fazer vídeos. Qual é a coisa mais excitante que você pode criar? Então, vai ser apenas um esboço, vai ser apenas uma idéia, mas vai deixar você pronto para lançar sua idéia para o mundo. Tudo bem, então vamos começar. 2. Estabelecendo suas metas: O primeiro passo para compartilhar sua ideia criativa com o mundo é descobrir quais são seus objetivos, o que você quer realizar com este projeto. Não é só levantar um monte de dinheiro, tudo bem. É uma coisa boa, mas não é o fim da história. É o que você quer fazer. Quer abrir uma nova cafeteria? Deseja publicar seu primeiro livro? Você quer ter um show de suas fotos? O que é que queres fazer? Vimos nos cem mil projetos de sucesso, vimos todos os tipos de objetivos. Vimos pessoas que literalmente disseram: “Nunca quero autopublicar outro livro, quero ser descoberto.” Então, se o seu objetivo é ser descoberto, isso vai mudar o tipo de história que você conta sobre o seu projeto. Vou mostrar alguns exemplos para ajudá-lo a entender como as pessoas usam seus objetivos para definir qual é sua história no Kickstarter. No primeiro exemplo, By the Olive Trees, que é uma colaboração entre dois fotógrafos editoriais, Michael Friberg e Benjamin Rasmussen, eles tinham viajado para a Jordânia por um tempo para fotografar a população de refugiados sírios lá. Seu objetivo com este projeto Kickstarter era publicar um jornal que compartilhasse as histórias e imagens que eles estavam coletando enquanto iam. Uma coisa que era muito importante para eles era que este não seria um jornal que acabou de chegar a outros editores de fotos, outras pessoas em seu mundo. Queriam que o maior número possível de pessoas visse esta coisa. Então, a história que eles contaram aqui não era uma história privilegiada. Não era uma história para outros fotógrafos, era uma história que deveria ser tão acessível e tão emocionante para tantas pessoas quanto possível. Neste segundo exemplo, que é o Sigmund Freud Typeface, A Letter to your Shrink, o criador tinha alguns objetivos. Ele tinha o objetivo, é claro, de criar um tipo de letra. Ele foi totalmente inspirado pela caligrafia de Sigmund Freud, ele pensou que seria bonito e pensou que seria incrível se alguém com um teclado pudesse recriá-la. Ele também pensou que seria um desafio divertido para si mesmo como designer. O terceiro e último objetivo que ele teve com este projeto era permitir que qualquer um escrevesse uma carta para seu psiquiatra usando a caligrafia de Sigmund Freud. Era uma piada privada com ele mesmo, ele achou que seria muito engraçado; e ao criar esse tipo de letra, ele tornou isso possível. Então, agora, você pode ir e baixar este tipo de letra e escrever uma carta para o seu psiquiatra. Eu não sei se você já fez isso antes, mas agora você pode e você pode fazê-lo com a letra de Sigmund Freud. O terceiro e último exemplo que vou compartilhar com vocês é uma revista gastronômica de Chicago chamada Middlewest. Foi criado por pessoas da indústria alimentar: escritores de alimentos, fotógrafos e designers. Pessoas que trabalham na indústria há algum tempo e tiveram o sonho de criar seu próprio projeto. Enquanto você está pensando em seus objetivos para sua ideia criativa, pergunte a si mesmo por quê. Não fique atolado no curto prazo. Quero arrecadar dinheiro. Quero lançar uma campanha de sucesso. Pense no que você está tentando realizar, o que é mais importante para você alcançar através deste projeto. Então, agora que você identificou quais são seus objetivos, o que você quer realizar com seu projeto criativo, o próximo passo é descobrir com quem você vai compartilhar esse projeto, quem vai ajudá-lo a alcançar essas metas. 3. Identificando seu público: Depois de saber quais são seus objetivos, você pode dar o próximo passo para identificar o melhor público para ajudá-lo a alcançar esses objetivos. Então, vamos olhar para os exemplos do último vídeo e olhar para alguns dos possíveis públicos-alvo para seu projeto, e espero que isso ajude todos a descobrir como descobrir o público-alvo do seu projeto. Voltando ao The Olive Trees, há algumas audiências possíveis para este projeto. Sabemos que os criadores têm o objetivo de ir além da comunidade de fotografia, mas sabemos que outros fotógrafos e a indústria em torno dela vão ficar super entusiasmados com o que eles estão fazendo. Então, essa é uma audiência possível. Quem mais estaria interessado neste projeto? Provavelmente, pessoas que estão interessadas em assuntos atuais ou eventos internacionais, e também, claro, na diáspora síria. Então, outras pessoas que estão experimentando o que essas populações na Jordânia estão experimentando vão querer ver essas fotos e ouvir essas histórias. Então, são três possíveis públicos-alvo. Então, vamos olhar para o exemplo Sigmund Freud Typeface. Quem é o possível público aqui? Na verdade, há um pouco acontecendo neste projeto. É claro que há pessoas que estão entusiasmadas com Sigmund Freud. O designer disse no projeto que ele quer criar o tipo de letra em Viena. Ele quer realmente canalizar a hora e o lugar em que Freud estava. Então, podem ser pessoas que vivem em Viena. Quem está entusiasmado com este projeto? Provavelmente são outros designers, pessoas que criam tipos de letra. Quero dizer, isso é muito nerd. Se você olhar para a página do projeto por si só, ele mostra muito do processo de design para como você traduz a escrita manual em um tipo de letra. Outras pessoas que podem estar entusiasmadas com isso são pessoas que conhecem este designer. Este poderia ser você, você poderia ser alguém que tem um seguidores estabelecido. Você criou outros tipos de letra, você tem outros trabalhos de design com os quais as pessoas estão familiarizadas. Você não deve descontar esse público, isso é um público embutido para você. Então, há um monte de maneiras diferentes que você pode ir com algo assim. Olhando para Middlewest, a revista de comida, de novo, há um punhado de públicos diferentes que posso identificar logo de cima. Um é outros foodies, especialmente foodies que você cozinha. Outro é o povo da indústria de alimentos, os próprios criadores são escritores, fotógrafos e designers da indústria, então provavelmente seus pares. Terceiro público possível são pessoas que amam revistas, especialmente pessoas que se inscrevem em revistas gastronômicas, pessoas se inscrevem em coisas como Bon Appetit, ou aqui em Nova York, temos coisas comestíveis como essa. Essas definitivamente serão pessoas que estão entusiasmadas com este projeto. Provavelmente, finalmente, outros designers. Esta é uma revista bem desenhada, é cuidadosamente executada, há belas imagens, essas são pessoas que definitivamente vão ficar entusiasmadas com esta revista. Se você ficar preso, se por algum motivo, este é um projeto difícil para você, se você simplesmente não pode, você está quebrando seu cérebro e você simplesmente não consegue descobrir, eu aconselho você a olhar para projetos semelhantes aos seus. Descubra quem está escrevendo sobre essas pessoas. Quem está entusiasmado com eles? Quem está gostando da postagem no Facebook? Quem compartilha sua postagem no Facebook? Quem está fazendo parceria com eles e fazendo eventos com eles? Olhe para o mundo deles, é provável que seja um mundo semelhante ao seu. Eu acho que quando você começar por esse caminho, vai começar a fazer sentido para você. Agora, que você sabe quem é seu público e o que deseja alcançar, é importante encontrar a história certa para se conectar com essas pessoas para que elas possam ajudá-lo a alcançar seus objetivos. Se ainda não o fez, confira a planilha que incluímos nos recursos da classe. Você pode começar escrevendo uma descrição do seu projeto e, em seguida, mapeando alguns dos públicos que você acha que ficaria animado com o que você está fazendo. Está bem. Agora sabemos quais são os nossos objetivos, sabemos com quem queremos falar, é hora de descobrir o que vamos dizer a essas pessoas. 4. Encontrando a história do seu projeto: Há alguns passos simples que você pode tomar para encontrar a história certa para o público certo. Então, primeiro, tire essa planilha novamente e escolha um dos públicos-alvo identificados. Agora, pergunte a si mesmo, o que essas pessoas querem ouvir? O que eles vão ficar entusiasmados? Que tipo de histórias contavam um ao outro? Como você conta uma história para eles que eles vão compartilhar com sua comunidade? Encontrar a história certa pode ser difícil. O primeiro passo que você deve dar para encontrar essa história é voltar para seus objetivos, o que é que você quer alcançar, certo? No caso de “Pelas Oliveiras”, há algumas histórias diferentes que eles poderiam contar. Eles poderiam contar sua história pessoal como fotógrafos, certo? Como eles acabaram na Jordânia? Como eles se reuniram como colaboradores? Quero dizer, isso é interessante. Eles poderiam se concentrar nas histórias dos refugiados, das pessoas que eles conheceram nesta jornada. Eles também poderiam contar a história do photobook, a coisa, o objeto físico que eles estão fazendo. Sabendo que eles querem alcançar o maior número de pessoas possível. Sabendo que a diáspora síria são pessoas que eles esperam conectar com este projeto, é provavelmente a história dos refugiados que eles querem se concentrar, certo? As imagens, as histórias que recolheram enquanto estavam na Jordânia. No exemplo do Sigmund Freud Typeface, já falamos sobre algumas das possíveis histórias, certo? Então, há a história do tipo em si. Como se cria um tipo de letra? Podemos falar sobre a inspiração por trás disso. Podemos falar sobre Sigmund Freud. Poderíamos falar muito sobre Sigmund Freud. Podemos concentrar-nos em Viena se soubermos que queremos envolver pessoas em Viena. Podemos nos concentrar nessa parte da narrativa. Então, se você quiser emparelhar alguns tipos diferentes de narrativas, basta contar uma história rica e interessante. Você pode olhar para o exemplo de Sigmund Freud, é um ótimo caso para isso. Eles mantiveram a história de Sigmund Freud na frente e no centro e sabemos que ele é uma figura poderosa e atrairá muitas pessoas para o projeto. Sua caligrafia e o jeito que era tão bonito também é um poderoso driver para a narrativa aqui. Então, se você olhar para a página do projeto, você vai ver muitos exemplos de sua caligrafia e diferentes amostras disso à medida que ela evoluiu ao longo dos anos. Outra parte da história que o criador decidiu ir com, foi a história de Viena, de ele estar em Viena para criar o tipo de letra. Então, se você olhar para a recompensa do projeto, ele realmente usa a recompensa como um dispositivo de contar histórias dentro do projeto. Então, ele se ofereceu para enviar cartas de Viena para você, claro, com a letra de Sigmund Freud. Então, eu encorajaria você ao pensar sobre suas histórias e como você as tece juntas, olhar para essas páginas do projeto e olhar não apenas o vídeo do projeto e a descrição do produto, mas também como eles usam o recompensam descrições e as imagens na página para contar uma história que atrairia diferentes tipos de públicos. Olhando para o projeto Sigmund Freud Typeface e olhando para as diferentes recompensas que eles ofereceram, as descrições são um ótimo exemplo de usar suas recompensas para contar uma história. Assim, por exemplo, quando olhamos para a recompensa de US$5, temos a revista Sigmund Freud, que inclui uma revista digital do processo de trabalho completo do começo ao fim. Isso inclui esboços, notas diárias de design, fotos e vídeos de estúdio, rascunhos e correções. Então, esta é a minha parte favorita, fotos de Viena. Então, isso inclui, é claro, o Museu Freud e os cafés que qualquer um que esteve em Viena conhece. Então, todo o material de pesquisa dos projetos. Então, o que o criador fez aqui no nível mais baixo para a participação, convidou você para fazer parte do projeto, para se tornar seu fã, e segui-lo enquanto ele cria essa fonte. Podemos olhar para algumas das outras recompensas do projeto, incluindo Sigmund Freud @home, que é a própria fonte. Olhando para a recompensa de $20, temos uma carta de Viena, o que é maravilhoso porque inclui as fontes, o projeto, quem apoia o projeto recebe a fonte, mas você também recebe uma carta enviada de Viena, Claro, na fonte Sigmund Freud, assinada pelo criador. Então, há 103 pessoas que se comprometeram a isso. Este é um total $10 a mais do que obter a fonte em si. As pessoas estavam animadas em se envolver no processo e se conectar com o criador e, claro, receber uma carta na bela fonte de Freud. Então, olhando as recompensas do projeto Sigmund Freud, há muitos exemplos de como a comunidade criativa é convidada a fazer parte do processo deste projeto. Então, tudo, desde cartas enviadas pelo criador para você ou você pode pedir ao criador para enviar um amigo uma carta do projeto. Há fotos e cartazes. Há coisas diferentes orientadas para Viena. É um exemplo muito divertido de usar a narrativa ao longo suas recompensas para envolver as pessoas no processo e no projeto de uma maneira grande. Olhando para o exemplo de Middlewest, a revista de comida, você pode ver, novamente, muitas histórias possíveis para contar. Há a história da equipe por trás do projeto. Quero dizer, é muito legal ver colaboração em todos os campos. Então, você tem fotógrafos e designers se juntando para fazer algo tão incrível. Há o estúdio de design envolvido, há um estúdio de design bem conhecido em Chicago, então você pode realmente falar muito sobre esse estúdio de design. Você pode falar sobre revistas de comida em geral. Você poderia dizer que é por isso que eles são ótimos, é por isso que eles não são ótimos. Há muito o que falar lá. Pensando no público de outras pessoas na indústria, é claro, na indústria de redação de alimentos, você poderia falar sobre o que é que você queria mudar, o que você queria corrigir, e quais eram seus objetivos. No final, a equipe porque eles são todos bem conhecidos em Chicago, escritores de comida, e os designers em particular, eles falaram muito sobre sua equipe e sobre si mesmos. Eles se certificaram de que eles eram uma parte central da narrativa que estavam contando. Então, a novidade da idéia de receitas em cartões foi uma grande porque nem todos vivem em Chicago, nem todos sabem quem são esses escritores e quem são os designers. Então, eles queriam ter duas narrativas principais para combinar com uma que realmente ressoasse com a comunidade local de Chicago e outra que ressoasse com as pessoas em geral, aquelas pessoas que se inscrevem em revistas gastronômicas, como pessoas que gostam de cozinhar a partir de receitas, eles queriam ter certeza de alcançá-los também. Então, vamos ver como eles contaram essa história, certo? Essas são as duas histórias que contaram. Um era sobre a equipe e outro sobre os cartões de receita e por que eles são excitantes. Olhando para o vídeo do projeto, eles têm apenas uma demonstração muito simples e limpa de alguém cozinhando uma receita bastante básica. De certa forma, ele incorpora a simplicidade dos cartões e a vibração que eles estavam tentando transmitir com os cartões. Olhando para a descrição do projeto em si, é muito claro, super conciso, e direto ao ponto. Eles dizem: “O que é Middlewest?” “ Quem é Middlewest?” “Como são as receitas?” Eles estão respondendo as perguntas básicas que eles sabem que seu público vai ter. Super importante é incluir imagens. Então, há um fotógrafo na equipe, é uma das grandes visões do projeto, é ter belas imagens na frente de cada cartão. Então, eles incluíram amostras de como essas imagens seriam. Eles responderam a uma das perguntas chave, que é, por que Middlewest não está vinculado? Uma razão pela qual eles respondem que também foi para destacar o fato de que estes são cartões. Estes são cartões de receita. Esta não é uma revista tradicional. Então, ao fazer essa pergunta foi outra maneira para eles destacarem que esta é uma edição especial. Isso é algo único que você nunca viu antes. Se você se deparar com um bloqueio enquanto estiver trabalhando neste exercício, ligue para um amigo. Às vezes é difícil descobrir o que é uma mensagem fora de sua própria cabeça, mas você conhece o projeto tão bem, você sabe tão intimamente que você esquece como falar com outras pessoas sobre isso. Então, literalmente, ligue para um amigo, diga, “Ei, estou pensando nisso” e fale com eles por um tempo e, no final da chamada, diga, “O que foi mais excitante para você, o que você achou legal?” Como falamos com Middlewest, achamos que é ótimo, que está livre, certo? Com a fonte Sigmund Freud, ficamos presos em toda a história de Viena, certo? Então, ter essa conversa com um amigo, descobrir o que realmente fica com ele e o que realmente ressoa com ele, é uma ótima maneira de encontrar suas mensagens principais. Neste ponto, volte para a planilha em que começamos a trabalhar no último exercício. Rascunhe algumas mensagens importantes para o público listado. Se você tem um com o qual está particularmente animado ou um com o qual está lutando, vá em frente e compartilhe-o no seu espaço de trabalho do projeto. Peça a outros alunos informações e feedback e veja se eles têm boas ideias para você. 5. Formando relacionamentos: Agora sabemos quem é o nosso público, o que queremos compartilhar com eles, e o que queremos tirar de toda a experiência, certo? Isso é ótimo. O próximo passo é a construção de relacionamentos. O que quero dizer quando digo construção de relacionamentos? Isto é super importante. Tantas pessoas lançam uma ideia criativa no mundo e só então começam a contar às pessoas sobre a sua ideia, e nesse momento há muita pressão, há muitas coisas acontecendo e você acaba de se encontrar martelando fora as pessoas e dizendo, “Compartilhe isso, hey eu posso te falar sobre uma coisa? Compartilhe, compartilhe, hey.” Agora o que você quer? A melhor coisa é começar cedo, você quer construir relacionamentos com as pessoas antes de precisar delas. Você quer começar a compartilhar sua ideia no mundo, receber feedback, aprender se suas mensagens-chave estão atingindo onde você acha que eles vão bater e refinar essas mensagens conforme você precisa. Você também pode começar inicialmente com apenas enviando e-mails e, em seguida, perceber que ninguém está abrindo esses e-mails, você pode então perceber que todos que você conhece que se importam com isso estão no Facebook. Você também pode aprender que os vídeos que você compartilha são a coisa mais popular do mundo. Os vídeos demoram para criar, portanto, você quer ter certeza de que você tem o tempo necessário para criá-los. Você pode aprender que ninguém se importa com vídeo e eles apenas se preocupam com imagens, grandes notícias que torna mais fácil. Mas você ainda quer dar a si mesmo tempo suficiente para criar imagens que as pessoas vão ficar entusiasmadas e querem compartilhar em seu nome. Isto é o que eu quero dizer sobre a construção de relacionamentos. É encontrar as pessoas e, em seguida, começar a contactá-las mais cedo, e começar a comunicar-se com elas cedo, aprender sobre elas e, em seguida, usar essas informações para definir os tipos de mensagens que você compartilha com elas quando você inicia seu projeto. Se tudo isso soa bem para você, mas você não tem idéia de como fazê-lo, deixe-me ajudar. Então, o primeiro passo é voltar à lista de públicos-alvo que você definiu e descobrir onde eles estão. Então, vá para a seção de construção de público-alvo da sua planilha e escreva esses públicos-alvo em cada seção da primeira coluna. Então, olhando para as oliveiras como um exemplo, sabemos que Michael quer estender a mão para a diáspora síria. Então, você escreveria diáspora síria na primeira caixa, e então você quer descobrir onde essas pessoas andam? Então você vai para o Facebook, você vai procurar fóruns, você vai procurar sites, você vai tentar descobrir onde é essa comunidade? Onde eles interagem? Então o próximo passo é descobrir que tipos de coisas eles compartilham nesses espaços. Normalmente, em fóruns, as pessoas estão apenas compartilhando links , ideias e conversas, você deseja participar dessa conversa. No Facebook, é claro que as pessoas compartilham todos os tipos de coisas, então vá para diferentes grupos do Facebook, junte-se a esses grupos e sinta essas conversas. As pessoas estão compartilhando notícias? Eles estão compartilhando vídeos? Eles estão compartilhando histórias de casa? Você quer saber que tipo de coisas as pessoas falam nesses espaços. Isso pode variar de grupo para grupo. Olhando no Twitter e olhando para diferentes hashtags, você pode ter um outro sentido das diferentes conversas que as pessoas estão tendo nesses espaços. Este é o material que você quer acompanhar na terceira coluna dessa planilha, e este é o material que irá informar o tipo de coisas que você deseja construir. Uma vez que você tenha uma noção do que as pessoas estão falando, você pode começar a experimentar suas próprias coisas também. Crie imagens, crie textos, crie vídeos, compartilhe links, veja o que as pessoas respondem, veja o que as pessoas estão compartilhando porque uma coisa é que alguém gosta de uma postagem ou ouviu uma postagem, é outra para que as pessoas respondam a você e comentem a você, e compartilhem o que você está falando. Esse é realmente o objetivo final, criar algo em que as pessoas estão envolvidas ativamente. Então, para dar um exemplo rápido dessa idéia de descoberta e encontrar grupos que vão ficar animados com seu projeto, ainda surpreende sua mente, você pode olhar para a revista Middle West. Identificamos que um de seus públicos provavelmente é pessoas que estão entusiasmadas com revistas gastronômicas e cultura gastronômica. Então, olhe para outras revistas de comida. Olhe para algo como Comestível ou Bon Appetite como falamos antes. Veja quem está seguindo no Facebook, quem eles estão seguindo no Facebook, veja seus feeds do Twitter, veja quem está mencionando e para quem eles estão escrevendo de volta. Você pode ter um bom senso da comunidade on-line sobre essas coisas muito rapidamente, e é aí que você deve começar a seguir e juntar-se si mesmo e saltar para a conversa onde você pode. Ao fazer isso, é claro, certifica-se de ter seus próprios espaços configurados. Seu próprio Twitter, seu próprio Facebook, seu próprio Instagram, qualquer que seja o espaço que você deseja criar, que as pessoas que estão interessadas no que você vem dizendo e no que você está compartilhando, possam então ir e segui-lo em troca. Certifique-se de que você não está perdendo todo esse noivado e todo esse relacionamento construindo. Tudo bem, você está a bordo. Você não quer perseguir pessoas no dia do lançamento, quer construir relacionamentos antes de precisar deles, quais são alguns passos fáceis que você pode tomar para começar a construir esses relacionamentos? Primeiro, a mídia social impulsiona a descoberta, realmente funciona. Então, faça uso dessas hashtags no Instagram e entre no Pinterest. Dois, postar com frequência e quando você pedir feedback. Não só você vai aprender muito ao longo do caminho, mas as pessoas adoram sentir que eles têm uma participação em fazer um projeto bem-sucedido. Três, tente criar um projeto com seus fãs. Quando você publicá-lo online, eles terão muito mais chances de compartilhá-lo. Quatro, crie um e-mail de insider onde você compartilha visualizações de seu processo e oportunidades exclusivas. Mantenha o e-mail curto e não oversend, você deseja que o e-mail mantenha valor ao longo do tempo. Se você decidir criar uma lista de e-mails, certifique-se de não enviar com muita frequência, as pessoas pararão de abrir seus e-mails e o pior caso cancelará a assinatura. Quanto à frequência com que você deve enviar um e-mail, pensar sobre seus próprios comportamentos, olhar para os e-mails que você recebe todos os dias, todos os meses ou todas as semanas, quais você mais espera por você, quais são mais animado sobre, quais você sente que apenas não vêm com frequência suficiente, use isso para ajudá-lo a guiar sua própria cadência. Uma das coisas mais comuns que ouvimos dos criadores no Kickstarter é que eles gostariam de ter tomado mais tempo nessa etapa, mais tempo para construir relacionamentos antes de lançarem um projeto. Então, eles desejam, se é um criador de jogos, eles desejam que eles tenham ido para o mundo e jogar testado seu jogo mais, não apenas para ter um jogo melhor, mas para encontrar mais fãs para o jogo mais cedo. Ouvimos escritores falar sobre desejar compartilhar seu rascunho com as pessoas, participar de mais grupos de escrita, ter mais conversas sobre a arte de escrever e publicar um livro, pela mesma razão, para saber mais sobre o que você está , mas também para construir essa comunidade, para construir essa rede. Então, se este passo parece um passo descartável para você, não é absolutamente. Esta é provavelmente a lição mais importante que você pode tirar disso. A seguir, falaremos sobre como colocar essas ideias em ação e criar um plano de comunicação. 6. Plano de comunicação: Tudo bem. Então, já fizemos muito trabalho. Descobrimos qual é a nossa história? O que queremos alcançar com o nosso projeto? quem queremos contar sobre isso? Como vamos chegar a essas pessoas? E com o que eles vão ficar entusiasmados? Agora, vem a parte difícil, não é difícil. Juntaremos todas essas peças e criaremos um plano de comunicação. Para esta parte, você vai tirar outra planilha, a tabela de ativos de campanha e preparar-se para preenchê-la. Você pode estar usando sua planilha para criar diferentes planos de comunicação para diferentes públicos. Assim, as imagens, vídeos, postagens de eventos, anúncios de eventos que você cria, você pode criar diferentes conjuntos de conteúdo para cada um de seus públicos. Então, usando o exemplo das oliveiras Beidi, podemos ter três planos de comunicação diferentes, um para fotografia insiders e outro para a diáspora síria, e outro para as pessoas que estavam interessadas em assuntos ou eventos internacionais. Vamos começar pensando nas mídias sociais. Com as redes sociais há um monte de diferentes tipos de coisas que sabemos que funcionam bem, sabemos que textos curtos, sabemos que imagens com citações ou vídeos curtos e, claro, GIFs funcionam muito bem nessas configurações. Então, esses são provavelmente os ativos que você cria para esses espaços. Olhando para a tabela de ativos de campanha, você verá que eu tenho o exemplo de fotos e citações listadas abaixo da coluna que. Então, quando eu falo sobre o quê, eu estou falando sobre o que vídeo, áudio, GIF, imagem ou evento ao vivo você está planejando para apoiar a história do seu projeto. Na coluna “quem “, listei a diáspora síria. Quando estás a pensar no teu “quem “, queres perguntar-te a ti mesmo, tudo bem. Estou criando algum conteúdo que vai ficar animado com isso? Então, você está criando algumas imagens e citações, quem ficará mais animado com isso? Neste caso, é provável que os sírios que viajaram por todo o mundo e estão olhando para sua casa, e para o conflito em casa, que vão querer ver essas imagens entre aspas. Confira a coluna onde. É aqui que eu falo sobre onde você postar esse conteúdo para essas pessoas. Então, eu sugiro usar grupos do Facebook como um lugar para compartilhar essas imagens entre aspas. Então, finalmente, a última coluna é quando. Então, é quando você compartilha esse conteúdo? Sugiro com esta coisa que você quer começar a compartilhar nos meses que antecederam a sua campanha porque lembre-se que você quer construir esses relacionamentos antes de precisar deles. Então, vamos dar uma olhada em um exemplo divertido de como um músico e artistas usam Facebook para compartilhar imagens com seus apoiadores do Kickstarter e seus fãs depois que sua campanha foi financiada. Isso é um pouco diferente do que antes de a campanha ter sido financiada coisas, que estávamos falando, mas é a mesma idéia. Então, primeiro temos uma foto do criador do projeto Tim Fite na frente de um desenho que ele criou que diz, “Verifique seu e-mail”, e então na descrição ele diz, “Verifique seu e-mail”, todas as recompensas do projeto foram compartilhados. Esta é uma imagem divertida, é muito compartilhável, isso é algo que 74 pessoas gostaram, que é incrível e ele teve vários comentários sobre as imagens do projeto bem. Isso é sempre um grande sinal. Então temos mais dois exemplos, que de seu feed do Facebook. Um deles está anunciando que o patrocinador especial do Kickstarter apenas o download digital do álbum estará disponível em breve. Isso é realmente fundamental porque, quando você está criando um projeto e você está contando uma história que foi feita para ser emocionante e exclusiva, você quer criar oportunidades exclusivas para as pessoas que participam dele. Então, o que ele fez aqui, foi criado algo especial só para as pessoas obterem a versão especial do seu álbum. Isso, claro, dá às pessoas que fizeram de fato seu projeto uma sensação de perder e desejar que eles pudessem ser uma parte dele, mas isso não é uma coisa ruim, isso significa que na próxima vez que ele fizer um desses projetos, seu projeto uma sensação de perder e desejar que eles pudessem ser uma parte dele, mas isso não é uma coisa ruim, isso significa que na próxima vez que ele fizer um desses projetos, Certifique-se de saltar a bordo. Mais uma vez, 83 gostos e toneladas de comentários as pessoas estão super entusiasmadas para ver isso chegando. Então a última imagem é mais uma imagem para dizer que, o álbum caiu, é uma imagem engraçada para as pessoas compartilhar na Internet, e celebrar o álbum com ele. Então, em cada um desses três exemplos, eu acho que você verá que esses são divertidos essas são coisas que você ficaria animado para ver, essas são as coisas que você veria em um feed do Facebook e gostaria de compartilhar e se envolver. Isso é distinto de algumas das outras coisas que vemos em torno dessas campanhas que não são tão divertidas. Ele diz que, “Ajude-me por favor, eu só preciso de um pouco mais de dinheiro, você estava tão perto, estamos ultrapassando a linha se tivermos apenas X X X”, isso pode ficar cansativo e não divertido para seus fãs e sua comunidade. Uma coisa a ter em mente sempre ao compartilhar coisas nas mídias sociais é que isso é sobre generosidade, você quer dar, dar, dar o máximo que puder. Na verdade, é esse comportamento que incentiva as pessoas a retribuir. 7. Divulgação da imprensa: Tudo bem. Então, vamos falar sobre a imprensa. Nem todo mundo se aproxima para pressionar para sua campanha, você certamente não precisa, você pode definitivamente confiar na outra comunidade e públicos que você constrói. Mas muitas pessoas perguntam sobre a imprensa com projetos Kickstarter e por isso quero ter certeza de que tocaremos nele. Vamos usar pelas oliveiras como exemplo mais uma vez. Olhando para a tabela de ativos da campanha, temos, na coluna que, um comunicado de imprensa rico em mídia isso é algo que você definitivamente quer ter em seu bolso traseiro ao pensar em imprensa. que tipo de pressão você está enviando? Então, isso é o que temos na coluna “quem”. Você não quer apenas criar uma versão de mídia genérica para qualquer pessoa consumir. Então, vamos pensar sobre esse público de fotografia, fotografia insiders aqui. Que tipo de escrita de imprensa é para essas pessoas, então essa é a coluna onde. Então, podemos querer pensar em mensagens para sites como Time Light Box, ou Pdonline.com ou FeatureShoot.com. Então, finalmente, você não quer estender a mão para pressionar na liderança até a sua campanha porque você não quer esgotá-los e você não quer que eles publiquem a história antes que eles tenham algum lugar para apontar as pessoas. Então, no quando este é geralmente o dia do lançamento. Cabe a você que horas, mas geralmente, definitivamente esperar até que sua campanha seja lançada. Em alguns casos, as pessoas se esforçam para pressionar antemão como parte de sua construção de relacionamento e eles podem identificar uma pessoa ou duas que podem ser seus campeões e defensores de sua campanha quando ela for ao vivo, Isso definitivamente tem sido super eficaz para as pessoas. Ouvimos histórias de criadores que encontraram um escritor em uma grande revista que está super animado com o que estão fazendo e que se comprometeu a publicar uma peça para eles no dia do lançamento do projeto. Se você é tão estratégico, você certamente pode tentar. Mas se você não quiser, você não precisa, você pode ir em frente e bater na lista de imprensa quando você lançar. 8. Dia do lançamento: Então, neste momento você está começando a somar um monte de ativos diferentes e você tem um monte de quens diferentes, você quer começar a organizar essas informações em uma linha do tempo. Incluímos na seção de recursos um exemplo do cronograma do dia de lançamento. Então, esta é uma ótima maneira de você ver como outras pessoas organizaram seus planos de comunicação no dia do lançamento e além. Então, ao pensar no escopo do seu plano de comunicação, você quer começar a pensar até um mês antes do dia do lançamento. Nesse mês, você pode querer entrar em contato com a relação com a imprensa que você tem, mas certamente é quando você quer entrar em contato com sua lista de e-mail. Então eu tenho um exemplo aqui que é de uma bicicleta chamada de bicicleta prioritária, e você pode ver em seu boletim informativo que eles anunciaram apenas para sua lista geral de e-mail que há uma nova moto em breve em um mês no Kickstarter. Foi uma mensagem super clara no topo do boletim informativo e, em seguida, seguido pelo conteúdo habitual. Em seguida, durante o curso do próximo mês, eles enviaram uma comunicação adicional uma vez por semana, chegando em duas semanas, chegando em uma semana e depois até o dia antes do lançamento dizendo, amanhã às 09:00 da manhã este A bicicleta está acontecendo. Posso dizer que tenho todos os e-mails, só estou compartilhando alguns com vocês aqui hoje, mas cada um recebe progressivamente mais longos e mais detalhes. Então, no dia anterior ao lançamento, nós realmente temos um vídeo do fundador no próprio e-mail, onde ele está apresentando a idéia e por que é emocionante para ele. Por isso, quando estiver a preparar os seus e-mails pré-lançamento, há algumas coisas a ter em mente. Um, é claro público, é algo sobre o qual falamos muito hoje. Você quer saber, para quem você está enviando esses e-mails? São pessoas que conhecem seu projeto intimamente? No caso de bicicletas prioritárias que compartilhei com vocês, são pessoas que conhecem a marca e conhecem intimamente a história da fundação. Um monte de entrou nesta lista de e-mail porque apoiamos o primeiro projeto, foram todos proprietários da moto, passamos tempo com o fundador e conhecemos bem a sua história. Então eles se sentiram confortáveis entrando em detalhes, se sentiram confortáveis compartilhando a história da paixão, se sentiram confortáveis nos pedindo para apoiarmos cedo e compartilharmos do lado de fora do portão. É importante conhecer sempre o seu público e saber com o que eles vão ficar entusiasmados e com o que eles precisam saber. Se você tiver dúvidas ou se você tiver dúvidas sobre isso, como sempre Telefone a um amigo. Sempre teste seu e-mail neles, veja o que eles pensam dele, pergunte a eles o que está faltando, pergunte se ele bate, pergunte se ele é muito longo ou muito curto. Receba conselhos, receba feedback. Não mande nada sem ninguém olhar para ele primeiro. Depois de iniciar seu projeto, você estará enviando toneladas de mensagens. Você estará enviando muitos e-mails, você estará postando nas mídias sociais algo como três ou quatro vezes por dia, você estará falando em eventos, você estará enviando atualizações de projetos usando a plataforma Kickstarter, você vai estar conversando muito. O erro mais comum que as pessoas cometem é não planejar toda essa comunicação. Então o que acontece é que eles lançam seu projeto e repente eles se encontram apenas tocando a mesma mensagem uma e outra vez que tende a ser ajudar a obter minha idéia financiada. O que não é uma mensagem muito emocionante, não é muito original, não é muito convincente e certamente não é compartilhável. Se você reservar um tempo para planejar suas comunicações com antecedência com um público específico em mente, poderá criar mensagens que sejam oportunas e que sejam mais impactantes e mais empolgantes para as pessoas passarem para suas comunidades. Tudo bem. Alguns pensamentos de despedida para você enquanto você trabalha em seu plano de comunicação. Primeiro, uma regra geral para ter em mente é algo chamado de regra 70-30. Você quer planejar cerca de 70% de conteúdo que é sobre sua idéia criativa, seu processo, coisas que são emocionantes, histórias que você quer compartilhar sobre coisas que aconteceram com você, e então apenas 30% do que você está é sobre sua campanha e alcançar sua meta de financiamento. Isso ajudará a manter as pessoas envolvidas e animadas para ouvir você e mais dispostas a compartilhar o que você está falando. Outra dica para você pensar é se você é uma pessoa do Facebook, então use o Facebook. Não sinta que você tem que pular no Twitter só para esta campanha. Você deve concentrar sua energia positiva em um lugar que você quer estar. Você vai se divertir mais fazendo isso e você vai se sentir melhor sobre o que você está compartilhando. Se à medida que você trabalha estiver deparando com obstáculos como todos nós fazemos, certifique-se de voltar para as planilhas, elas ajudarão a orientá-lo. A dica final para vocês é de novo, sempre procurem inspiração no mundo. Encontre projetos semelhantes aos seus, preste atenção ao que as outras pessoas estão falando sobre seus projetos, onde elas estão compartilhando, siga as pessoas online, volte no tempo nas páginas do Facebook ou no Twitter feeds ou Instagram ou onde quer que seja que eles estão postando, e ver que tipo de coisas eles estavam postando há um ano ou alguns meses antes de seu projeto, ou durante seu projeto, ou depois de seu projeto. É importante aprender com as lições de outras pessoas e, claro, seus erros. 9. Compartilhe!: Tudo bem, é isso. Espero que tenha se divertido assistindo a essa lição. Espero que você tenha aprendido muito sobre como pegar sua ideia criativa e traduzi-la em algo que outras pessoas vão ficar tão empolgadas quanto você, e claro descobrir quem são essas pessoas, e como você está indo para alcançá-los. Lembre-se, as melhores histórias não são apenas você contando, mas sim, as histórias com as quais outras pessoas estão empolgadas e querem pegar, carregar e compartilhar com seus amigos. Estou ansioso para ver a história do seu projeto criativo.