Kit de ferramentas de liderança criativa: curiosidade, história e descoberta | John Maeda | Skillshare

Velocidade de reprodução


  • 0.5x
  • 1x (Normal)
  • 1.25x
  • 1.5x
  • 2x

Kit de ferramentas de liderança criativa: curiosidade, história e descoberta

teacher avatar John Maeda, Design Partner, KPCB

Assista a este curso e milhares de outros

Tenha acesso ilimitado a todos os cursos
Oferecidos por líderes do setor e profissionais do mercado
Os temas incluem ilustração, design, fotografia e muito mais

Assista a este curso e milhares de outros

Tenha acesso ilimitado a todos os cursos
Oferecidos por líderes do setor e profissionais do mercado
Os temas incluem ilustração, design, fotografia e muito mais

Aulas neste curso

8 aulas (57 min)
    • 1. Nova aula: Escutando (maio, 2016)

      11:03
    • 2. Introdução

      4:01
    • 3. Seu projeto

      1:16
    • 4. Curiosidade

      8:34
    • 5. História

      10:13
    • 6. Descoberta

      10:02
    • 7. Liderança

      9:54
    • 8. Considerações finais

      1:37
  • --
  • Nível iniciante
  • Nível intermediário
  • Nível avançado
  • Todos os níveis

Gerado pela comunidade

O nível é determinado pela opinião da maioria dos estudantes que avaliaram este curso. Mostramos a recomendação do professor até que sejam coletadas as respostas de pelo menos 5 estudantes.

17.011

Estudantes

22

Projetos

Sobre este curso

Atualização: esse curso foi lançado originalmente em 2015. Em maio de 2016, John atualizou seu curso com uma aula totalmente nova sobre a importância de escutar, incluir e construir equipes diversificadas. Esta nova aula agora está no topo da lista de reprodução de vídeo.

___________________________

  

Conheça o modo de pensar de John Maeda.  Sua liderança na Rhode Island School of Design, no MIT Lab, e na KPCB, tem inspirado o mundo a sonhar maior e melhor sobre maneiras de unir design, tecnologia e arte. Agora, ele traz essa liderança para a Skillshare.

Nessa aventura de 60 minutos, aprenda a buscar, moldar e alcançar uma carreira verdadeiramente criativa. Sem artifícios, sem truques, apenas sabedoria real.  Vá aos bastidores com John enquanto ele explora a curiosidade, mostra por que a história é o coração da inovação, como instigar a descoberta e o núcleo da liderança criativa.

O curso percorre exemplos da célebre carreira de John, inclui um projeto para colocar as aulas em ação e apresenta entrevistas exclusivas com vários líderes criativos, incluindo: o fundador da Behance, Scott Belsky, o fundador da Design Within Reach, Rob Forbes, o fundador do Airbnb, Joe Gebbia, e a diretora de curadoria da Cooper Hewitt, Cara McCarty.

Para quem é esse curso? Para designers à procura de novos caminhos, entusiastas descobrindo sua identidade criativa, para quem empreende e anseia criar um tipo de empresa diferente, e muitas outras pessoas.

Conheça seu professor

Teacher Profile Image

John Maeda

Design Partner, KPCB

Professor

John Maeda joined Kleiner Perkins Caufield & Byers in 2013 as Design Partner, where he works within KPCB's ProductWorks program helping entrepreneurs and portfolio companies to build design into their company cultures. He served as the 16th president of Rhode Island School of Design (RISD) from 2008 through 2013. During his tenure, RISD saw increased applications, fundraising, and career placements. Prior to RISD, John spent 13 years at the MIT Media Lab as a professor and head of research. There he also led the Aesthetics and Computation research group, which pioneered new kinds of human expression on the web. His career bridging the intersections of graphic design, computer science, art, education, and leadership earned him the distinction of being named one of the 75 most influential... Visualizar o perfil completo

Nota do curso

As expectativas foram atingidas?
    Superou!
  • 0%
  • Sim
  • 0%
  • Um pouco
  • 0%
  • Não
  • 0%
Arquivo de avaliações

Em outubro de 2018, atualizamos nosso sistema de avaliações para melhorar a forma como coletamos feedback. Abaixo estão as avaliações escritas antes dessa atualização.

Por que fazer parte da Skillshare?

Faça cursos premiados Skillshare Original

Cada curso possui cursos curtas e projetos práticos

Sua assinatura apoia os professores da Skillshare

Aprenda em qualquer lugar

Faça cursos em qualquer lugar com o aplicativo da Skillshare. Assista no avião, no metrô ou em qualquer lugar que funcione melhor para você, por streaming ou download.

Transcrições

1. Nova aula: Escutando (maio, 2016): Bem, se você viu a primeira classe que fizemos, foi em grande parte sobre liderança e como liderar como uma pessoa criativa. Aquela aula foi lançada, e fiquei tão feliz por poder fazer isso. Mas tenho andado a pensar sobre isso. Estive pensando se faltava outra peça. A grande coisa sobre aquele momento de reunir aquela classe, foi que foi talvez cerca de três quartos de um ano em minha compreensão do Vale do Silício, e do ecossistema tecnológico em todo o país. Eu ainda estava aprendendo. Eu era como você sabe, aquela curva que eu estou aprendendo tipo de coisa. Eu percebi que uma peça que eu estava faltando era, a habilidade mais chave na liderança, que é ouvir, ouvir depois que você liderou. Então comecei a me perguntar se isso iria ajudar as pessoas que estavam liderando? Poderia fazer um bom trabalho. Ao mesmo tempo, começamos a ouvir essa frase, “Viés inconsciente”, em todo o ecossistema tecnológico. Viés inconsciente, eu sei disso. É algo em que seu cérebro acha que está tudo bem, porque todo mundo está fazendo isso e parece fazer sentido. Mas de repente você diz: “Isso é a coisa certa?” Neste caso, era uma questão de no Vale do Silício, essa diversidade na tecnologia, #diversityintech em causa, há mulheres suficientes sendo representadas no ecossistema tecnológico? Então, eu olho para trás para a aula que fizemos na Skillshare, eu olho para trás em tudo que eu tinha feito em um ano, e eu me perguntei, “Eu estava ajudando isso, ou eu era como todos os outros? No meu próprio preconceito inconsciente. Eu estava focado no homem, ou eu estava concentrado no equilíbrio? Descobri que era um homem focado. Eu me perguntava por quê, e começou uma busca para entender como isso aconteceu. Então as pessoas se perguntam como ocorre preconceito. Fiz alguma coisa errada? Sinto-me mal por haver algo errado. Situações criam vieses ou o resultado do viés. Por exemplo, quando cheguei ao Vale do Silício, fui apresentado a 20 designers em todo o ecossistema. Dezenove deles eram homens. Então, se você pedir a 19 homens para apresentá-lo a mais designers, eles vão apresentá-lo a pessoas como eles mesmos, então mais homens. Tudo o que precisou foi perguntar. Perguntando a uma mulher, perguntando a uma pessoa de cor, pessoas de diferentes origens vieram ao meu redor. Mas o mais importante, é que as conversas melhoraram. Não é uma questão de como fazer as coisas certas, é uma questão de como fazer as coisas melhor? A beleza do preconceito inconsciente é que você acha que está fazendo o melhor possível. Porque você está tomando métodos, você sabe, e eles funcionaram, e você está fazendo isso. Então, percebi que tínhamos que trazer ideias melhores. Se você enrolar o relógio de volta para 20 anos atrás, ou 30 anos atrás, apenas alguns tipos de pessoas usavam computadores, mas agora por causa de smartphones, todos usam um computador. Então, o computador tem que acomodar muitos tipos de pessoas. Se um certo tipo de pessoa, faz esse certo tipo de ferramenta, em um certo tipo de smartphone, vai ter preconceitos indecisos, para a pessoa que as criou. Agora, tenho outra pessoa que é um pouco diferente. Eles estão usando aquela coisa e eles estão tipo, cara, isso não parece certo. Isto foi concebido para alguém que pensa assim. Quando falamos de diversidade e inclusão, não é um bom de ter, é uma necessidade de ter, e não uma necessidade de ter apenas questões morais, que existem, é prático, é melhor pensar. Isso leva a comunidades melhores, leva a novas oportunidades. O Relatório Design Intech, certas empresas são altamente iluminadas por serem inclusivas. Quer se trate de LittleBits, uma empresa que faz um brinquedo de haste sem gênero. Ele neutraliza esta idéia de longo prazo realizada que os computadores eram meninos brinquedos, e se abre para todos os gêneros, para o trabalho de Tristan Walker, para resolver um problema simples que eu não tinha idéia, que se você tem um cabelo encaracolado grosseiro quando você faz a barba, deixa pequenos nódulos, e é muito desconfortável, e projetar um produto para essa comunidade. o exemplo de produtos começar a abordá-lo. Mas você também pode ser um artista, e fazer uma grande diferença para uma comunidade. Há uma fotógrafa em São Francisco chamada Helena Price. Quem lançou algo chamado Projeto Techies, que neutraliza o estereótipo, que todos os técnicos são jovens brancos vestindo capuz. Sim, há toneladas deles. Você pode vê-los na TV e estereótipo ainda mais. Mas quando você visita seu projeto, você vê fotografias de pessoas de todas as origens, na economia tecnológica. Todas as idades, participando da economia da tecnologia, e você começa a questionar, fez o que você pensa, foi seu preconceito correto? Então você quebra seu preconceito consciente. Se você é um engenheiro, como eu era um engenheiro. É muito fácil ficar em seu tipo de mundo de código. mas os melhores engenheiros de hoje são engenheiros de pessoas. Pessoas como podem trabalhar com outras pessoas. Quando você trabalha com outras pessoas, a única maneira de melhorar com as pessoas, é estar com mais tipos de pessoas. Da mesma forma para um engenheiro, você quer saber diferentes linguagens de software, conhecer pessoas diferentes. No caso, se você é um designer, você não pode deixar de gravitar para um certo tipo de design, certo tipo de pessoas de design, certo tipo de heróis de design, mas uma vez que você arranca a história do design, você vai encontrar preconceitos incríveis. Você vai descobrir que a maior parte da história do design é construída sobre homens brancos, e você se pergunta não havia como outros tipos de designers, lá fora? Então, escolha uma parte disso, e você encontrará alguns dos designers que sentimos falta. Sempre pensamos em Charles Eames, mas havia Charles e Ray Eames, e as pessoas dizem que Ray Eames era mais durão que Charles Eames. Artistas que eu amo, são os que eu acho que são os mais inclusivos. Então há algo sobre as artes que cria inclusão, que é vital. Então, se você é um engenheiro, saia com mais artistas, que estão naquele espaço. Para designers que estão tão presos no design puro, basta sair da sua coisa. Eu acho que para chegar à fase de escuta, e para ver se o que fizemos combina, e descobrir como podemos melhorá-lo? Isso nos leva de volta à curiosidade, é como um som de música e nos leva de volta à corça. Acho que agora estou ainda mais curioso sobre como integrar práticas mais inclusivas. Adoro redes sociais porque posso aprender, perseguir o pensamento de pessoas diferentes. Desculpe, é uma palavra ruim, mas você sabe, o que essa pessoa está dizendo? Uma vez eu li algo sobre como havia uma pessoa que não aceitaria estar em um painel, se não há pessoas de cor ou mulheres sobre isso. Aconteceu de ser um homem branco. Eu disse: “É uma boa ideia.” Então, há meio ano, quando fui convidado para um painel, eu disse, “Bem, eu não vou estar neste painel.” Sinto-me muito sortudo por ser asiático, um homem asiático, gosto de ser uma minoria tipo O, passei a experimentar o que é ser incluído, mas não totalmente incluído. Ainda mais recentemente, só para ficar mais acordado em torno inclusão e olhando para trás as coisas que eu me importava para tornar um mundo mais inclusivo, tive um grande acidente no final dos anos 90, onde eu estava no MIT. Aquele Chanceler me ligou e disse que professor Meada, gostaria que você liderasse o Comitê de Cultura e Raça. Foi naquele comitê onde comecei a ver o mundo de forma diferente. Comecei a ver que até o MIT, todos os tipos de iniquidades estavam acontecendo no campus. Para todos os tipos de pessoas, não importava a cor da sua pele, ou o seu fundo. Mas não foi até que um estudante nativo americano veio ao comitê. Ele estava sentado em um grande conselho, como um momento Jedi você sabe, sentado, e ele está falando sobre experiências que ele teve. Então, eu tentei dizer, bem você sabe que eu sou asiático. Então, eu já experimentei coisas. Jogaram uma garrafa em mim. Já me chamaram de todo o tipo de coisas, e isso é desconfortável, sei de onde vem. Ele olhou para mim. Ele me disse: “Você não tem idéia do que eu passei. Você experimentou o racismo imigrante, eu vivenciei povos indígenas racismo. É completamente diferente.” Foi a partir daquele momento que percebi que a dor de todos é diferente. Você tem que ouvir essa dor, porque é sempre diferente. Só até que você possa ouvir a dor de todos, você pode superar isso. O melhor de ouvir, é que também está codificado com, sabe, posso ouvir? Porque algumas pessoas não podem. Pense em ver. Algumas pessoas não conseguem ver. Então, há esse maravilhoso preconceito nessa palavra, então peço desculpas. Eu diria que todos nós podemos fazer um melhor trabalho de sentir, deixando nosso mundo criador. Você sabe que é? Seu criador, sua Skillshare, você é como digitar, você é atraído, você está fazendo, você ama fazer, porque fazer é incrível. Quando você está fazendo, você tem que fechar o mundo. Quando você fecha o mundo, e você faz, e você tem aquele momento, você sabe, aquele tipo de momento excalibur, tipo de acordar e dizer o que é isso, o que isso está fazendo e não apenas as pessoas gostam, Está em sintonia? Pode fazer diferença? Da próxima vez, posso fazer melhor? Na minha carreira, sempre questionei tudo o que fiz, e comprei-o como um hábito geral. 2. Introdução: Olá, sou John Maeda, sou sócio da Kleiner, Perkins, Caufield & Byers. Também sou presidente do Conselho Consultivo de Design do eBay. Antes disso, fui presidente da RISD por seis anos. Antes disso, fui professor no Laboratório de Mídia do MIT por 12 anos. Antes disso, eu era estudante de designer regular, tecnólogo, etc. Este curso é uma exploração no meu próprio processo, que eu não sabia qual era realmente o processo. Sério, porque muito do que eu faço, eu tento não dar uma estrutura. Mesmo que você ouça a estrutura, por favor, não se limite a uma estrutura, apenas como uma advertência. Curiosidade é como entramos em algo, procuramos algo, divergimos de um caminho, história, contexto, algum tempo e espaço. Vamos procurar, vasculhar para tentar descobrir como as coisas estão do jeito que estão hoje. Nesse processo de vasculhar, procurar, você descobrirá algo. Talvez algumas coisas ou você não, e continue indo e voltando até encontrar algo novo. Por último, como líder, você vai pegar essa descoberta e sentar-se nela, esperar com ela, descobrir como usá-la, e qualquer equipe que você está tentando ir atrás como um líder criativo. Uma vez que isso está funcionando, você vai ficar muito entediado e descobrir que isso é tão bom quanto ele pode ficar, e você vai ficar curioso novamente e voltar para a história, e descobrir , e levá-lo para sua liderança, e você vai continuar fazendo isso Uma e outra vez, espero. Ao longo desta aula, você vai ver muitos dos meus amigos, e ídolos, mentores, colegas que fizemos uma jornada para capturar suas vozes e pensamentos. Estou ansioso para que você aprenda o mesmo que aprendi com eles. Permitam-me que vos dê uma amostra de quem nos aproximámos para aprender. Temos Rob, fundado Design Within Reach, mais recente em PÚBLICO Bikes. Presidente do Colégio de Artes da Califórnia Steve Beal. Temos Scott, fundado B-chapéus. Temos Joe, que co-fundou a Airbnb. Temos o Danny que fundou a Lit Motors. Enrique e Ben fundaram o Fundo Designer. Robert, ex-Ido “O Amor do Dinheiro “, ele também é “Google Ventures”. Braden e Jake, Google Ventures. Cara de Cooper Hewitt, curador principal de lá. Bennett Quirky e Jake nos Projetos Locais. Estamos falando com todas essas pessoas porque estou curioso. Quero aprender o que há lá fora. Quero aprender como as pessoas pensam, o que têm pensado. Eu quero descobrir através de ouvir seus processos, e espero que através dele eu possa liderar melhor o meu próprio trabalho. O que eu estou esperando neste projeto final é que você faça algo parecido com o que eu fiz porque eu não tinha certeza de como começar esse processo. contato com alguns de seus mentores, pergunte a eles como eles se tornaram o que eles se tornaram, pergunte a eles o que eles acham que você deve fazer. Colete essas coisas, veja a história de diferentes profissionais que você está curioso sobre. Tente inventar um novo tipo de versão dele, e imagine um caminho para liderar a si mesmo. quem você vai se tornar? Em quem me tornarei? Sei que mudei de ideia sobre o que poderia me tornar. Por que é importante? É porque acho que estamos sempre nos projetando. Então, eu gostaria que você se projetasse e não ficasse preso pensando que esta é a última vez que você vai se projetar. Aceitando o fato de que não há mais trajetória linear de carreira, há uma trajetória irregular na carreira. Em uma carreira irregular, você tem que continuar sendo criativo, redesenhando quem você é. 3. Seu projeto: O que eu estou esperando neste projeto final é que você faça algo parecido com o que eu fiz porque eu não tinha certeza de como começar esse processo. contato com alguns de seus mentores. Pergunte-lhes como se tornaram quem se tornaram. Colete essas coisas, veja a história de diferentes profissões que você está curioso sobre. Tente inventar uma nova versão dele e imagine um caminho que leva a si mesmo a ser audacioso o suficiente para desafiá-lo e perguntar como você mantém a coragem percorrer todo o caminho que você quer projetar e definir. Acredito em todos os tipos de formatos para qualquer tipo de expressão. Então, odeio ordenar as coisas. Eu gostaria de sugerir o seguinte que você colete entrevistas, seja seu áudio, texto ou vídeo, chamá-los para baixo em um conjunto que você acha que representa o que você quer se tornar e o que você prefere não se tornar e se moldar. O que você vai se tornar? Expresse o que essa pessoa é e depois descreva como você se tornará essa pessoa. Quem você vai bater? Qual parte da sua rede você precisa para crescer? Com quem você precisa aprender? Essa seria a minha esperança. 4. Curiosidade: Se você não está curioso, você está no caminho prescrito e você geralmente está seguro porque o caminho prescrito foi feito por alguém antes de você, ou foi dito por você que esse é o caminho certo e assim, você não é comido. Para realmente exercer a curiosidade, você não precisa de coragem, você só precisa de audácia. Você precisa da vontade de estar aberto ao momento e não pensar muito sobre isso. O que você precisa de coragem, é para o que acontece depois que você está curioso. Digamos que você está tipo, “Oh não! Woah! Eu não esperava isso.” Você não precisa de coragem para superar isso. Se você é fraco, se você é tipo, “Oh, eu sou audacioso e estou curioso”, e tipo, “Aargh” e desistir. Então, qual era o sentido de ser curioso? Então, você tem que ter a coragem de dizer, “Bem, eu não esperava isso, eu acho que eu vou ter que lidar com isso. Isso é desconfortável, agora vou avançar através dele.” Tudo bem? Oi, meu nome é Ben Blumenfeld, sócio do Fundo Designer. Oi, meu nome é Enrique Allen, também parte do Fundo Designer. Investimos em startups co-fundadas por designers, e também produzimos um programa de educação de design chamado Bridge. Para mim, pessoalmente, minha parte favorita de qualquer fase da minha carreira foi quando fui totalmente ingênua. Neste momento, sou Designer Fund, somos novos nisto. Estamos tão curiosos sobre tudo, por que esse trabalho é assim? Há outras maneiras de fazer isso? Estávamos questionando tudo, certo? Falamos com muitas pessoas e elas dizem : “Isso é uma grande vantagem, vocês não têm essa história.” Nós pensamos, “Oh, isso precisa ser feito assim porque é assim que sempre foi feito.” Eu entrei por ali no Facebook da mesma forma. É como, por que estamos empurrando o produto para fora desta maneira? Por que não projetamos assim? Por que não nos juntamos com engenheiros assim? Eventualmente cheguei a um ponto em que eu sei como fazer um produto do Facebook. Eu conheço o processo. Então a curiosidade, você provavelmente se restringiu artificialmente porque você é como eu sei que é assim que precisa ser feito, eu conheço uma espécie de processo e dentro disso como tudo eu vou encontrar outras pequenas micro-otimizações. Scott, você é alguém conhecido como eu acho que um empresário que domina o design e domina os negócios de designer, na minha mente. Como é que isso aconteceu? Quando eu estava na faculdade, eu estava tendo um monte de aulas de negócios, mas eu comecei a fazer essas aulas no curso DEA (Design Environmental Analysis), e um dos primeiros projetos foi um projeto topográfico de captura cada letra do alfabeto em objetos comuns e era apenas um daqueles, você sabe, projetos bobos, mas para mim isso apenas me fez perceber, “Oh, meu Deus, tudo ao nosso redor é um O ou D ou um A”. Então eu comecei a ter mais aulas na DEA e depois no último ano, um dos meus projetos finais na DEA de redesenhar um currículo, porque eu não podia acreditar que todos estavam se representando com este Microsoft Word preto e branco documento. Eu pensei: “Deus! Não deveria haver uma maneira melhor projetada de representar seus talentos, suas habilidades, seus interesses e suas experiências.” Isto foi em 2001, onde estava lá certamente, mas não era como é agora. Acho que foi aí que me interessei em design de informação. Mas eu não lhe chamava assim. Na verdade, eu nem pensei que estava aprendendo a projetar, e eu apenas pensei que era comunicação de idéias. Então, eu acho que eu tinha um trabalho tradicional de negócios após formatura, mas tudo o que eu continuava fazendo no trabalho que eu sentia que eu era notado, estava relacionado ao design. Ele estava pegando informações e usando o Adobe Illustrator até apresentar uma certa maneira aos meus colegas que, normalmente, viam algo impresso do Microsoft Word. Então, eu estava sempre usando o design para fazer as coisas entenderem. Eu acho que as pessoas que são curiosas ou ficam curiosas quando são mais velhas, geralmente tiveram boas experiências sendo curiosas. Acho que aquelas pessoas que se recusaram a ser curiosas, assim como tiveram experiências muito ruins, muitas delas quando eram mais jovens, e elas diziam: “Nossa, isso é ruim ser curioso.” Eu acho que, no meu caso, eu geralmente tive uma boa experiência sendo curioso. Como o SkillShare. O que é isso? Eu não sei? Os caras aparecem. Eles têm câmeras. O que aprendemos? Todo o tipo de coisas. Robert Suarez, treinei como ex-designer industrial. Passei a maior parte do tempo consultando na IDEO, uma grande empresa de design de inovação. Quase dois anos atrás, eu o deixei para mudar minha vida, e comecei como funcionário número um aqui na Level Money, construindo uma organização e um produto do zero. Minha mudança mais recente, agora, é que eu vou sair e tentar outra coisa. Vou seguir minha curiosidade até a próxima coisa. Sinceramente, ainda não sei o que é isso. Acho que estamos todos curiosos. Eu vejo isso em crianças. Sabe, eu trabalho com crianças. Vocês são todos muito curiosos. Acho que todos estão curiosos. Não há uma pessoa curiosa, na minha opinião, uma pessoa não curiosa. Reconhecer que é curiosidade e reconhecer que há valor lá dentro, é algo que o nosso sistema escolar e fica tipo de engenharia fora de nós. Pessoas como eu, tenho que voltar a isso. Como se retreinar para ser curioso novamente. Acho que muitas pessoas saem do mundo natural e são muito curiosas e inspiradas pelas coisas. Mas eles não reconhecem que diretamente pode se traduzir em uma solução. Para todos, uma vez que eles se tornam o que percebem como especialistas em uma área, eles param de questionar tudo, certo? Então eu acho que você precisa, caso contrário você vai se enlouquecer. Mas, eu diria, eu acho que é importante de vez em quando voltar e quase tomar essa mentalidade ingênua total do que você está fazendo ou, tipo, eu deveria estar fazendo assim? Dê um passo para trás. Deveríamos fazer isso de uma maneira totalmente diferente? A curiosidade vem de fazer perguntas sobre o que não faz sentido. Tipo, eu era um grande fã da Vila Sésamo, o que são essas coisas que não pertencem aqui? Aquelas outras três coisas, tipo, a mesma coisa. Então, continuas à procura do que não se encaixa. Quando eu via computadores nos velhos tempos, o Mac enviar com um microfone que as pessoas colocaram em sua mesa, ninguém realmente precisava deles em tudo. Então, o que acontece é com este microfone, eu me perguntei, bem, o que mais ele poderia fazer além de sentar na sua mesa. O resultado dessa curiosidade foi o que é chamado de rack dois quadrados, que são dez quadrados que respondem ao som que estão agora na coleção permanente do Museu de Arte Moderna. Por algum estranho acidente, curiosidade levou a uma nova parte da história. Se você está curioso sobre como fazer algo melhor, você vai olhar para a história para ver como foi feito. Você vai cavar o mais fundo que puder porque você está, tipo, inseguro de si mesmo, e continua olhando, olhando e olhando. Ao longo do caminho, o que acontece é que, você se sente realmente deprimido porque você percebe, “Uau!” , havia pessoas realmente inteligentes naquela época. Se você cavar mais, havia pessoas realmente inteligentes naquela época ainda mais. Em algum momento, você descobre algo. Você descobre: “Bem, isso é uma boa idéia, é uma boa idéia. Talvez eu possa me apropriar”. A partir da apropriação no passado, às vezes você descobre um novo, acho que seria chamado de remix. Você está desenhando a história para achar um novo remix que sirva. Você acha que pode ser novo. Muitas vezes não é. Aqueles que têm sensores semelhantes que dizem, “Oh meu Deus, alguém fez isso, eu vou parar”, tendem a simplesmente desistir e voltar para o mundo não-curioso. Mas aqueles que estão curiosos têm um breve momento em que acreditam falsamente que pode ser certo. Você sabe, tipo, “Whoa! Isso provavelmente é conhecido”, e eles meio que liberam sua descoberta e sentem que é construída sobre a história. Então, deve ser um pouco novo. Curiosidade que leva ao passado, a novas descobertas que são remixadas e você corre com ele. 5. História: Quanto mais você for para trás na história, melhor você será capaz de montar o quebra-cabeça do presente juntos. Às vezes é descontínuo. Na verdade, muitas vezes é, mas às vezes você vai encontrar a conexão entre vários eventos e não apenas em um sentido linear, em uma série de coisas acontecem ao mesmo tempo sentido, você ganha alguma coisa com isso? Novamente, compreensão. Às vezes, a compreensão leva à percepção, às vezes leva à descoberta. Sou Sarah Coffin. Sou curador e chefe do Departamento de Design de Produtos e Artes Decorativas do Cooper Hewitt, Museu de Design Smithsonian em Nova York. Você acha que os designers precisam conhecer a história para projetar bem? Eu não sei. Mas eu acho que eles estariam melhor informados sobre não pensar que alguém não tinha feito isso antes deles. Eu acho que ajuda se eles às vezes pensam sobre as idéias que as pessoas têm coberto antes de você ter a idéia. Por exemplo, de ergonomia. Bem, a palavra remonta ao século XVIII. Mas posso garantir que o homem que fez o básico inglês ou francês, Silver Fork, pensou exatamente onde você colocou seu polegar, exatamente onde o equilíbrio estava para que ele não caísse do prato e tudo mais, e isso é provavelmente a peça mais confortável de bajulação para segurar. O que podemos ver é que se os designers aprenderem com os erros do passado, como não pensar em equilíbrio e pagar que talvez caísse do prato ou uma cadeira que tenha pernas que não te apoiam porque são muito ousadas e velhas para Seja lá o que for, você não tem que começar do zero. História é algo que você não quer lidar com muitas vezes como curador porque você gosta de ir e fazer. É como, “fogo, pronto, apontar”, é o lema de alguém que é um curador. Apenas vá atrás dele. Sê estúpido. Vai fazer, vai fazer. Se todo mundo fez isso e foi bem sucedido, então eu vou ser muito louco. Na realidade, as pessoas que são verdadeiramente criativas com sucesso, têm essa atitude, mas aplicam-na ao passado. Começam a procurar, a caçar e a compreender. Sabendo disso, eles não começam um dia a fazer isso. Em toda a sua vida, eles estão sendo curiosos e pegando coisas. Estão pegando como cleptomaníacos do passado ou do presente. Eles pegam coisas, eles tentam lembrar, eles seguram coisas ao seu redor. Descobri que muitas coisas que eu faria, eu olharia para a história para entender melhor. Ao mesmo tempo, olhava para as minhas próprias mãos para saber o que elas sabiam. Porque muitas vezes o que eles sabem é tudo o que sei desde que estou vivo. Eles não vão tão longe no passado, mas à medida que você envelhece, você tem mais padrões, e então tira deste passado aqui de como isso é feito e eles continuaram iterando, tecendo juntos até que algo tipo de ok emergiu. É assim que as coisas funcionam quando se interage com o passado. A história apreende e o que está lá dentro. Você pode se apresentar? Sou Steve Beal, presidente da Faculdade de Artes da Califórnia. Há quanto tempo está por aí? California College of the Arts tem 108 anos, e estou na CCA há 16 anos. Dez como reitor e agora seis no meu papel de presidente. Bons anos. Vamos entrar nele. Eu vi que grandes escolas de arte também precisam para as artes liberais. Você já viu isso aqui também? Absolutamente Eu acho que a combinação de teoria e prática, e por teoria não é apenas o teórico, mas o contexto que inclui história e compreensão social e crítica, é extremamente importante para um criador. Ele realmente remonta ao núcleo da história e fundação da CCA , que surgiu do movimento Arts and Crafts, acreditando que a melhor educação para jovens artistas não era isolá-los da sociedade mas sim conectá-los ao social vida política e econômica, e, portanto, garantir que as artes foram influenciadas pelo contexto da história, da sociedade e da cultura. A maioria das pessoas tem medo do passado porque o passado dita muito do que fizemos certo e do que fizemos errado. Portanto, se fizemos algo errado no passado muitas vezes ouvirá alguém dizer o que fizemos no passado, então não faça isso agora. A história torna-se uma razão para impedir alguém de fazer algo. A história raramente é usada como uma forma de permitir que alguém faça algo e assim usar como um olhar. Isso aconteceu naquela época, não vai funcionar agora. Algumas pessoas podem ir no passado e usá-lo como inspiração para o futuro. Sou Ben Calvin. Sou o fundador da Quirky. Construímos três novos produtos de consumo cada semana e as ideias para esses produtos vieram de pessoas de todo o mundo que nunca conhecemos. Fizemos coisas como comercializar o primeiro navio agitado chamado Pivot Power, o ar condicionado mais inteligente do mundo com nossos amigos, a GE, e todos os tipos de soluções cotidianas para problemas comuns influenciados por pessoas ao redor o mundo. A Costa Leste, pelo menos, esta região do país é sobre fabricação, fabricação. Você pode falar sobre sua história com a manufatura. Sim, claro. Eu cresci em Nova York e minha mãe tinha uma fábrica no Queens e eu tentava faltar à escola o máximo que eu podia para ir e ver coisas saindo de máquinas de moldagem por injeção e as coisas tipo de ser montadas em linhas de produção e isso estava sempre no meu Sangue. Ver como as coisas são feitas ou feitas. Eu acho que à medida que mais e mais produção vai para o mar, cada vez menos pessoas estão ficando expostas ao que realmente parece fazer as coisas, portanto, eles estão menos confiantes ou confortáveis perseguindo a invenção ou a fabricação de coisas. Eu penso em você como alguém que entendeu essa cultura de fazer crescer porque como se eu crescesse em uma fábrica também. Quando ele cresceu fazendo coisas, você percebe como é difícil. Na verdade, não faz muito dinheiro, mas você faz porque faz bem. Então agora avance rapidamente para um CEO adulto de uma grande empresa, a empresa sobre fazer. Como é que essa história te liga ao presente? Eu acho que você sabe algumas das minhas primeiras memórias são pessoas entrando no escritório da minha mãe lá em cima no topo da fábrica com peças que ainda estavam quentes e prazos que estavam prestes a ser perdidos e mostrando as partes da minha mãe e havia Sempre um problema. Nunca me lembro de ter ido ao escritório da minha mãe, apesar do quão grande a empresa dela acabou se tornando, e as coisas sendo suaves. Sempre houve um problema sendo enfrentado e eu acho que enquanto penso sobre onde estamos hoje em Quirky e para onde estamos indo, abraçando o fato de que você sempre vai ser confrontado com esses desafios quando você faz coisas em volume ou mesmo quando você faz as coisas em uma base única, há sempre lutas. As lutas são o que torna o processo incrível e o que faz um bom produto no final do dia. Você nunca está esperando que as coisas vão ser suaves. Sempre esperando que as coisas vão ser incrivelmente difíceis. Essa é a cultura do negócio que construímos aqui em Quirky e essa é a cultura de fazer é sempre lutar contra as lutas que precisam ser travadas para ter sucesso. No Laboratório de Mídia, foi só cinco anos depois que percebi que a pressa para o Laboratório de Mídia era fascinante. Foi fundada por dois cavalheiros. Um deles foi o presidente do MIT, que serviu sob JFK e LBJ como Conselheiro Científico, trabalhando em parceria com um professor mais jovem Nicholas Negroponte. Juntos, eles criaram esse tipo de startup incrível dentro do MIT. Então as coisas faziam sentido para mim. Então é por isso que é assim? O laboratório de mídia. O mesmo com a Kristie, mas demorou mais, porque não foram apenas algumas décadas. Foi mais de um século. Eu sabia que a história era importante. Aprendi com vários líderes que consultei ao longo do meu arco de carreira. Ele me disse como era importante se referir ao passado porque o presente vem do passado. Quanto mais velha a instituição, mais o passado é o ativo. Se você tem uma longa cultura em uma instituição, você quer desenhar sobre o banco, o banco neste caso é metafórico para o seu passado. Se você não pode desenhar sobre ele, você está desenhando no presente. O presente não é muito. O passado é onde está. Então você fala com as pessoas e você começa a ir para trás e a coisa boa sobre as antigas instituições tem seu próprio arquivo. Você pode estudar o que aconteceu no passado, literalmente. Ao longo do tempo, você aprende a cultura lugares. Note que foi só meu terceiro ano que eu pensei que eu entendia o suficiente sobre a cultura. É importante notar que quanto mais velho for, é claro, quanto mais tempo leva. Quando você pensa sobre a ponte entre curiosidade e descoberta é se você está apenas curioso e descobrindo coisas, você não tem base para reivindicar que é uma descoberta. Não há nenhuma bandeira que diga hey olha isso é novo porque na realidade pode ter sido feito no passado. Portanto, a história é tão bem que você tem que se basear para realmente reivindicar algo como novo. A descoberta. 6. Descoberta: Descoberta é aquele momento em que você vê diferentes peças se juntando que revelam algo novo. É a definição clássica do que é a criatividade. É como misturar coisas estranhas e penteá-las para que realmente faça muito sentido. Uma descoberta, você pode descrever como aquele tipo de momento eureka em que você disse, “Olhe para isso”, olha o que eu encontrei tipo de coisa. É uma corrida de ego, porque você está tipo, “Uau. Fiz algo novo. Bastante incrível.” Ao mesmo tempo, você tem que ser um pouco cético sobre isso, que vai fazer a história coisa. Talvez, eu possa estar errado, talvez esta não seja uma terra nova. Você tem que ser aberto, caso contrário você fica preso, míope, nesta idéia de que você descobriu algo totalmente novo que ninguém nunca encontrou antes. Você pode ficar preso nisso. Estamos bem? Ok. Como vai, Braden? Tudo bem. Sou Braden Kowitz, Parceiro de Design da Google Ventures. Sou Jake Knapp, também Parceiro de Design da Google Ventures. Estamos aqui no estúdio de design em São Francisco. O que é um Design Sprint? Eu vejo isso em todos os lugares. Tudo o que eu li sobre, Google Ventures, Design Step, Design Sprint. Quando li sobre isso pela primeira vez, fiquei apavorada porque parecia um algoritmo, mas vocês são, tipo, Google, então parecia certo. Então, o que é o Sprint? Posso ter um tutorial disso? Claro. Basicamente, é uma maneira de resolver problemas com a equipe juntos. Pode parecer muito rigoroso, mas na verdade, há muito espaço para jogar ao longo do processo. É basicamente um pouco sobre como coletar as informações como um grupo, como encontrar muitas maneiras de você ir e reduzi-lo para os poucos desafios que você gosta como um grupo, e então, novamente, ir mais longe em todos os tipos de maneiras que você poderia resolver esses desafios, reduzi-lo a um casal que você acha que vai funcionar e, em seguida, protótipos e testá-los rapidamente com os usuários. Essa é uma estrutura bastante comum que todos os designers usam. Nós apenas temos um monte de técnicas que funcionam bem com grupos de cerca de 10 pessoas, eles trabalham bem em tecnologia, e eles funcionam muito bem em startups. Basicamente, queremos comprimir o que você pode fazer ao longo de três a seis meses em uma semana. Faça um processo de design que não termine com uma pilha de notas pegajosas, mas termine com algo que é real, algo que foi testado. As equipes sentem que têm clareza sobre o que fazer a seguir. A solução vai saltar na sua cabeça e você tentar usar essa solução imediatamente, eu vi isso em outro lugar, vamos apenas usá-lo. Mas muitas de nossas técnicas são projetadas para tirá-las do caminho muito rápido, gerar uma caixa de areia com uma mente vazia, e então, começar a gerar novas ideias. Então, recuamos e avaliamos essas idéias óbvias que têm batido em torno sua cabeça por um tempo com todas as novas idéias que você criou tanto como um grupo, com nossos próprios instintos, e depois na frente de clientes, e reduzi-lo para baixo e escolher as coisas certas. Quanto mais sprints fizermos, mais eu acho que eu tenho dificuldade em prever quando eu vou estar errado sobre o projeto. Então, ao invés de saber que esse design sempre funciona nessas situações, é mais uma questão de como se cada situação fosse realmente diferente. Clientes e pessoas diferentes reagem de forma diferente em diferentes contextos. As pessoas mudam com o tempo também. Havia técnicas em que eu pensava, apenas uma realmente concreta, colocando um botão no canto de operação. Tínhamos tentado isso algumas vezes em nossas cápsulas no Google. Fizemos rastreamento visual, ninguém viu. Então, quando eu vim para o Design, eu disse que não há maneira de fazermos isso. Parece que sei essa resposta. Nós testamos de qualquer maneira. Descobrimos algumas maneiras de fazer isso, e descobrimos que essa ideia era a melhor do grupo. Agora, porquê? Eu não sei. Poderia ter sido no contexto, poderia ter sido que as pessoas agora procuram botões no canto superior direito, onde eles não fizeram seis anos atrás. Mas me manteve muito humilde que qualquer ideia que eu tenha e que estou me sentindo muito apaixonada, pode ser completamente errada. O único jeito de acharmos isso é colocando na frente dos clientes. Sim. Acho que fiquei mais confiante em nossa capacidade de usar o Design para aprender, mas menos confiante de que conheço o design certo com antecedência. Então, estamos mais propensos a dizer, “Eu não sei.” Sim, talvez devêssemos ser os especialistas. Não sabemos, mas podemos dizer que devemos testar os dois lados. Devíamos experimentar três protótipos. Deveríamos colocar um contra o outro e presumir que não conseguimos acertar. Acho que me mantenho conduzido em torno da alegria da descoberta apenas sendo muito esperançoso. Agora, por que estou esperançoso? As pessoas que são criativas tendem a ficar um pouco deprimidas porque sabem sobre o passado e é demais. Você é como, “Whoa. Não posso fazer nada.” Mas às vezes, você sai desse campo gravitacional. Por um breve momento, você diz: “Sim, eu posso ver. Estou esperançoso, estou esperançoso, estou esperançoso, estou esperançoso.” Mais vezes do que você imagina, você chegou a algum lugar com essa esperança. Então, essa droga é posta em jogo uma vez ou outra. Então, você acredita. Eu acho que será a natureza humana, querer ir atrás daquele pouco de esperança, que às vezes pode levar à descoberta. Oi. Eu sou Rob Forbes, o fundador e presidente da Public Bikes, também conhecido como o fundador do design ao alcance. Tenho dificuldade em descrever o que faço. Provavelmente sou mais conhecido como um advogado de design. descoberta precisa de um público. O que quer dizer? Precisa de uma audiência para te ajudar. Certo. Se é um esforço pessoal em grande escala, você precisa do público, você precisa que as pessoas digam : “Estou indo bem?” Sim. Eu acho que absolutamente. Sim. Quando eu estava descobrindo DWR na cabeça, havia essas placas maravilhosas que o Pentagrama tinha montado, elas eram realmente muito elegantes. Isto é como dizer 98 coisas. Eu estava na Itália comprando essas coisas ao redor, entrando em algumas firmas italianas realmente boas. Deixaram-no e disseram: “Isto não vai funcionar na América. Vocês são conhecidos por serem os alimentadores de fundo. Eles realmente não pagam por bens, eles realmente não têm design. Somos italianos, entendemos essas coisas.” Mas eles gostam da visão que criamos. Formamos alianças realmente boas com pessoas assim, o que é tanto importante pessoal como financeiramente. Tivemos essa grande coisa no segundo ano do negócio, onde criamos toda uma divisão de design espanhol Within Reach e introduzimos um estilo de design espanhol para os EUA. Naquela época, muito poucas pessoas seriam capazes de identificar o que era o design espanhol. O cenário espanhol não tinha um lugar. Juntamos cerca de 10 fabricantes diferentes e lançamos a Spanish Design Within Reach aqui mesmo, em São Francisco, em conjunto com a CCA. Isso levou a uma parte realmente significativa do negócio de DWR. Mais uma vez, construir essas relações pessoais com essas pessoas, muitas das quais ainda são amigas e tudo mais, foi muito, muito significativo e enriquecedor. Pode parecer banal, mas essa sensação de que vivemos e trabalhamos em culturas muito diferentes, mas algumas das éticas, interesses e inspirações para a comunidade de design são muito internacionais. Quando você compartilha esse tipo de valores com pessoas cuja língua você não fala tão bem, é bem enriquecedor. É muito encorajador e muito divertido. Muito bom. Obrigado. Perfeito. Obrigado, Rob. Passei muito tempo imaginando que no campus da RISD, estávamos sempre com os alunos e apenas olhando para tudo o que eu podia. Literalmente, olhando cada pedra que perdi. Havia um lugar chamado Laboratório de Natureza Edna Lawrence, que era como um laboratório de ciências, um museu de história natural no campus. Eu não entendi. Não era uma escola de arte ou um equipamento de arte, era um museu. Você pode verificar um perú. Há todos esses animais de pelúcia que estão basicamente disponíveis para qualquer um verificar e trazer de volta ao seu dormitório. Comecei a pensar que isso é legal. É como ciência para artistas. É ciência vitoriana. É ciência observacional. Era assim que a ciência costumava ser. Todos os cientistas costumavam aprender ciência desta maneira. Quando a ciência se tornou menos observacional? Talvez a ciência precise desse componente, que ainda esteja vivendo dentro de uma escola de arte. Talvez STEM não seja suficiente. Talvez arte adicionada ao STEM. Transformar STEM em STEAM foi necessário. STEM para STEAM está fazendo a pergunta: América está melhor com foco em educação STEM? Significado: Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática. Se fossem os ingredientes primários para a mente de um jovem, América seria melhor. Acho que a resposta é que a América poderia fazer mais ciência e tecnologia, mas pode perder seu núcleo artístico. Assim, o movimento STEAM surgiu como uma tentativa de trazer a arte de volta ao centro da educação. Poderia este pequeno centro dentro da RISD se tornar um farol reacendido para a arte e a ciência? Tornei-me esperançoso. Para descobrir algo ou qualquer coisa, você tem que estar curioso o suficiente para olhar ao redor, seja no presente ou no passado, e continuar procurando até encontrar ou descobrir algo. Não se descobre algo sentado na sua cadeira e tipo : “Descobri uma coisa.” É um processo ativo. Um processo ativo de olhar para trás ou olhar ao redor, olhar para o seu contexto, que é basicamente história. Você está curioso por ter que olhar para ele. 7. Liderança: Eu acho que liderança é muito semelhante a fazer, na medida em que você está fazendo uma cultura, você está renovando uma cultura, você está criando algo, mas você não está fazendo isso com suas mãos. Você está fazendo isso com quem você é. Então, é uma atividade muito criativa, mas também é muito diferente de uma atividade criativa normal. Então, um dos meus trabalhos vai descobrir como você faz a ponte entre a criatividade disso e a criatividade da liderança. Você está pronto? Sim. Tenho uvas na boca. Ok. Vão buscar as uvas. Ok. Ei, meu nome é Joe Gebbia. Sou um dos co-fundadores da Airbnb. Sou designer industrial e designer gráfico, e aqui estamos na Fuseproject para uma conversa com John Maeda. Liderança. O que essa palavra significa para você? O que a liderança significa para mim? Liderança, para mim, significa sair do caminho. Eu acho que grandes líderes capacitam aqueles ao seu redor. Eu vi você fazer isso na RISD, eu vi você fazer isso no Fuseproject, eu vi outros mentores e luminárias, eles têm levado através de sua idéia de como realmente apenas criar o ambiente para as pessoas para fazer o seu melhor trabalho. Para mim é isso que a liderança é. Está preparando o cenário para os artistas terem um ótimo desempenho. O que isso tem a ver com design? O que isso tem a ver com design? Também como, bem, liderança e design eles são tão diferentes. Eles estão? Obrigado. Essa é a resposta. Cortar. Sim. Então eu sou Daniel Kim. Sou o fundador, CEO e CTO da Lit Motors, e somos uma empresa de veículos em São Francisco. Eu acho que um artista, sua integridade é sobre mim, e quando você é um empreendedor ou um líder como você, a integridade não é sobre você. Não, eu acho que um bom empresário tem muito pouco eu neles para ser honesto porque eles têm que pensar sobre toda a empresa, todos os outros. Há muito pouco tempo para si mesmo. Então, é interessante, o novo museu quando isso saiu, aprendendo sobre como o curador, a declaração de arte, foi o fato de que ele foi ao Banco da América e conseguiu todo o seu dinheiro, e então, curadoria de todos esses artistas em esses gêneros específicos da arte. Não era sobre a declaração de arte, não era sobre os artistas, é sobre a curadoria de todos esses gêneros artísticos. Nossa declaração foi, na verdade, o cara que começou o novo museu que está liderando o projeto. Ele disse: “Oh, essa é uma nova declaração de artista para o século XXI.” Que entra em colaboração e coisas como Airbnb e se locomover. Eu acho que é uma maneira interessante como a arte está se afastando do eu, eu, eu, entrando em, ok, há as pessoas. É uma espécie de “nós”. Em seguida, vendo os negócios saindo daquela entidade onde não queremos alavancar essas capacidades em excesso diretamente no mundo, e queremos torná-lo uma coisa colaborativa. Por que alguém iria compartilhar e tentar ganhar dinheiro compartilhando algo? Está se movendo em direção a algo naquele reino. Então, nunca faz sentido diretamente, mas, é um movimento que há como essas mudanças e movimentos em direção, algo que é mais nós. Eu acho que quando você está fazendo algo, você está fazendo algo novo ou você está pegando algo e você está mudando. Liderança é algo muito parecido e que você pode estar fazendo uma coisa nova, fazendo uma nova equipe, fazendo uma instituição, ou você está pegando uma coisa existente e tentando melhorá-la, mas novamente, não com suas mãos, com você. Então, liderança não é o processo de projetar fora, é projetar dentro, projetar a si mesmo. Quando você pensa em pessoas criativas que estão descobrindo que eles têm que liderar. Sou um criador, não sou um líder. O que você diz a eles? É uma grande pergunta, em primeiro lugar, e eu penso e acredito que estamos educando os alunos da CCA para serem líderes. Eu acho que uma das deficiências que a educação nas artes tem tido é educar jovens criativos para estar em um papel de serviço em vez de um papel de liderança. Acho que estamos vendo isso de forma dramática na área da baía. O desejo de empresas e a comunidade empresarial empresarial que rodeia a CCA agora, de repente, valorizam o tipo de aprendizagem, o tipo de ensino e aprendizagem, que acontece em um lugar como a CCA, e vendo que naqueles alunos que têm esse sentido criativamente desenvolvido, eles podem realmente trazer esse papel de liderança em vez de em um papel de serviço. Então, as empresas que estão evoluindo, é uma grande parte da mudança que estamos vendo na educação artística. Então, espero que estejamos educando jovens para serem líderes. Isso pode estar dentro da disciplina particular que eles fazem como um designer industrial, mas também pode estar em um papel de liderança envolvendo empresa ou de forma cívica dentro das comunidades que eles vivem, para ser capaz de aplicar sua criatividade interesses em formas de liderança e ajudar a remodelar a sociedade em que vivemos. Sou Jake Barton, diretor e fundador dos Projetos Locais. Somos uma empresa de design experiente aqui em Nova York. Tornou-se um ponto de inflexão quando tínhamos 25 pessoas, em algum lugar da metade do nosso tamanho. É muito claro que eu não estava gerando tudo e eu não poderia gerar tudo. Então, nós precisávamos ativamente, não apenas uma espécie de, fazer com que as pessoas criassem ideias, mas incentivar ativamente outras pessoas no estúdio a virem com ideias. Contratamos funcionários mais fortes, contratamos pessoas mais jovens que tinham ideias incríveis. Por outro lado, é muito fácil para isso se transformar em anarquia, caos. Mas era claro que precisávamos ter uma capacidade para as idéias de todos, ter uma voz, e ser considerado, e flutuar seu caminho até o topo até os clientes. Adoro essa construção, porque estás basicamente a dizer que sou o chefe, mas talvez tenhas razão. Sim. Ouça-me, no início, vá em frente e diverja e me mostre que estou errado. Totalmente, e eu quero que as pessoas provem que estou errado. Eu sou como se isso fosse ótimo. Quero que me envergonhes. Eu quero que você coloque uma idéia tão boa que eu vou ser corado na cara e ser como eu não posso acreditar que eu não pensei sobre isso. Como criador, se você é um arquiteto, um designer, você, seu trabalho é manter a linha, dizer não , ter visão criativa, permanecer fiel a ela, convencer outras pessoas sobre isso, seja um cliente ou um fabricante ou um eventual cliente, que este é o melhor caminho a percorrer. Mas como líder é o oposto, seu trabalho, quero dizer, parece bobagem, mas seu trabalho tem que estar errado. Seu trabalho é ter uma idéia, e ter outras pessoas que têm idéias melhores do que você, provar que você está errado, e criar uma estrutura, onde isso possa florescer. Isso é realmente um grande desafio, porque na verdade é muito mais fácil, como chegar a um nível onde você pode fazer coisas como essas são difíceis. Mas é muito, muito mais difícil, investir nas pessoas e tentar tirar ideias delas e colocar uma equipe a bordo e descobrir, com precisão e humildade, no que você realmente não é bom, ou em que outras pessoas poderiam ser melhores, ou como essencialmente, investir e inspirar outras pessoas a fazer coisas incríveis que você não pensaria necessariamente. Isso é um desafio muito, muito maior, com certeza. Eu acho que os líderes no passado viviam em um mundo mais linear, as coisas eram previsíveis. Isto foi antes da tecnologia começar a acenar, para dominar o mundo inteiro. Em um mundo onde nada muda, os líderes não precisam ser muito criativos. Sabemos o que fazer. Há um manual, siga o manual, é assim que você passa pelas coisas. Em tempos em que as coisas estão mudando o tempo todo, como nesta era atual da tecnologia da informação, um líder tem que ser criativo e adaptativo. Tem que estar disposto a saber que a solução que eles tinham no bolso eles sempre trabalharam. Não é para funcionar todo esse tempo. Então, eles têm que ser criativos. Eles terão que ser curiosos. Há maneiras melhores de fazer isso? Bem, minha passagem sobre uma liderança, tem a ver com a maioria das pessoas que são criativas que envelhecem, porque quando você é uma pessoa criativa, você faz coisas, você adora fazer coisas. A última coisa que você quer fazer é deixar outras pessoas fazerem essas coisas para você. Você se esforça tanto para não fazer isso acontecer. Mas você não pode evitar isso se você quiser alcançar escala. Eu sempre fui feliz como professor no MIT porque eu poderia fazer coisas, e meus alunos vão fazer coisas também, eu faço isso ao meu lado, foi ótimo. Mas ser presidente da instituição me forçou a mudar de um criador, para um líder, e um líder em escala. Então, um dos meus projetos, depois dos meus primeiros anos na RISD estava escrevendo um livro chamado Redesign Liderança, que não era um livro sobre como liderar bem, mas era uma recontagem de como significa liderar. Você pode ser dado um título, como presidente ou o que quer que seja e liderar. Você está liderando, mas a única vez que um líder é realmente necessário é em tempos de crise. Aconteceu alguma coisa. As pessoas olham para você para fazer a ligação deles. Marcia Ganz fala muitas vezes sobre como, em tempos em que não há mudança, ninguém precisa de um líder. Mas em momentos em que ocorre uma calamidade, todos estão olhando para esse líder. Essa situação cria um líder ou quebra a pessoa, então ela não pode liderar. 8. Considerações finais: Uma coisa que eu achei importante, é que mais pessoas vejam o fato de que eles não estão limitados a quem eles são ou pelo menos no presente tempo. Nós podemos ser um designer e você pode aprender tecnologia sobre como codificar. Você pode ser um tecnólogo e você pode aprender a projetar. Você pode ser designer e tecnólogo, e você pode aprender a liderar. Você pode ser muitas coisas em seu arco de carreira. Acho que todos os que entrevistamos nesta série, mostraram o fato de que não há um único padrão. Se há algo em cada um deles, vi capacidade e curiosidade neles para continuar evoluindo. Desejo que os alunos vejam este curso ou façam parte dele, é aceitar o que aprendi a aceitar. Vejo tantos universitários dizendo: “Vou me tornar um, ou vou me tornar um o que quer que faça isso, faça aquilo.” Mas, o que eles não percebem, é o que Reid Hoffman diz em seu livro, “A Iniciação de Mim “, sobre como nos velhos tempos, você teria uma idéia de quem você quer se tornar, você estudaria e se tornaria isso. Neste tempo atual, você pode pensar em quem você quer se tornar e você pode estudar para se tornar essa pessoa. Mas, no momento em que você fez isso, a posição já foi embora. É um mundo totalmente novo. Por isso, espero que qualquer um que faça parte disto aceite esse facto. Bem-vindo ver, é curioso sobre o que sua capacidade de construir estes arco e evoluir uma mudança, para projetar a si mesmos.