Identidade de marca dinâmica: criando logotipos que evoluem | Paula Scher | Skillshare

Velocidade de reprodução


  • 0.5x
  • 1x (Normal)
  • 1.25x
  • 1.5x
  • 2x

Identidade de marca dinâmica: criando logotipos que evoluem

teacher avatar Paula Scher, Partner at Pentagram

Assista a este curso e milhares de outros

Tenha acesso ilimitado a todos os cursos
Oferecidos por líderes do setor e profissionais do mercado
Os temas incluem ilustração, design, fotografia e muito mais

Assista a este curso e milhares de outros

Tenha acesso ilimitado a todos os cursos
Oferecidos por líderes do setor e profissionais do mercado
Os temas incluem ilustração, design, fotografia e muito mais

Aulas neste curso

11 aulas (1 h 12 min)
    • 1. Trailer

      2:22
    • 2. Apresentação

      6:12
    • 3. Pesquisa

      4:39
    • 4. Encontrando soluções

      4:05
    • 5. Simplificando

      2:43
    • 6. Expandindo e testando

      4:26
    • 7. Public Theater

      15:20
    • 8. Jazz at Lincoln Center

      8:45
    • 9. Museu de Arte da Filadélfia

      9:21
    • 10. Type Directors Club

      4:03
    • 11. Windows

      9:56
  • --
  • Nível iniciante
  • Nível intermediário
  • Nível avançado
  • Todos os níveis

Gerado pela comunidade

O nível é determinado pela opinião da maioria dos estudantes que avaliaram este curso. Mostramos a recomendação do professor até que sejam coletadas as respostas de pelo menos 5 estudantes.

28.514

Estudantes

33

Projetos

Sobre este curso

Paula Scher, sócia do escritório de Nova York da Pentagram, nos explica seu processo de criação de uma identidade fluida um sistema com marca dinâmica reconhecível que pode ser adaptado para vários meios.

Nesse curso de 70 minutos, você vai pesquisar os objetivos de uma organização, desenvolvendo uma série de soluções de design, simplificando-as até a essência e levando-as até os seus limites, conforme são aplicadas à animação, produtos, sinalização, arquitetura e muito mais.

Conheça os bastidores e veja como as identidades fluidas de alguns dos projetos mais respeitados da Paula ganharam vida (incluindo Jazz at Lincoln Center, Type Directors Club, e Microsoft Windows), explore a última reformulação que ela fez da marca do Museu de Arte da Filadélfia, e vá com ela ao Public Theater em Manhattan, seu projeto mais icônico e antigo.

O que você aprenderá

  • Evitando a criação de marcas rígidas. Paula Scher nos apresenta as experiências de trabalho que viveu no passado e que a tornaram a líder em design que é hoje. Você também vai conhecer a lista de projetos de clientes que ela mostrará durante o curso.
  • Apresentação. As aulas de Paula mostrarão o processo de desenvolvimento do design de um logotipo fluido e completo para uma empresa. Primeiro, você vai identificar uma organização sem fins lucrativos com uma missão interessante. Depois, você vai criar um “kit de design”, que vai incluir um logotipo, um sistema tipográfico, uma paleta de cores, ícones e metodologia de abordagem para apresentar diferentes partes da organização em várias mídias, do digital aos espaços físicos.
  • Pesquisa. O primeiro passo sempre é conhecer seu cliente. Paula vai dar orientações sobre as melhores práticas de pesquisa e as razões mais comuns para as organizações optarem pelo rebrand.
  • Encontrando soluções. Você vai aprender como abordar a apresentação inicial do design para um cliente, o que significa sintetizar as informações obtidas da sua pesquisa em componentes que seu cliente possa entender. Lembre-se, o design só importa se a empresa realmente executar, então você vai aprender a apresentar aos clientes uma seleção de designs de marca, que vão desde o conservador até o mais radical.
  • Simplificando. Chegou a hora de desenvolver seu “kit de peças.” Você aprenderá que precisa manter esse kit simples, porque seu trabalho é fazer uma coisa complexa — representar uma organização inteira. Paula vai explicar por que a simplicidade é fundamental para criar um design de logotipo para a marca.
  • Expandindo e testando. Expandindo o design de marca, você aprenderá a olhar para tudo como se estivesse fazendo um teste de QI, perguntando a si mesmo: “qual desses elementos não pertence ao conjunto?” Paula ensinará como equilibrar suas ideias para a marca de um cliente com uma colaboração direta dele.
  • Public theater. Paula explicará a complicada história do design do Teatro Público de Nova York e como ela encontrou uma solução para tornar sua marca coesa. Você verá como criar logotipos de uma forma que captura o ethos de uma organização, e, ao mesmo tempo, se adapte ao tempo e a outras variáveis.
  • Jazz no Lincoln Center. Você vai receber algumas dicas adicionais sobre design de logotipo sob as lentes do longo relacionamento de Paula com a organização Jazz at Lincoln Center. Observe como a Paula pegou o “sentido do jazz”, transmitido pelo diretor do Lincoln Center e transformou isso em uma fonte.
  • Museu de Arte da Filadélfia. Como fazer o rebrand de algo amplamente conhecido para uma coisa diferente de sua função principal? Esse foi o desafio que Paula enfrentou ao recriar o logotipo do Museu de Arte da Filadélfia, com suas escadas icônicas que ficaram famosas após aparecerem no filme 'Rocky'. Aqui, Paula guiará você pelo processo de criação de um logotipo que é uma declaração da missão.
  • Type Directors Club. Quando um tipo de fonte se torna irreconhecível? Paula responderá essa pergunta analisando o design que ela fez para o Type Directors Club, que não é um negócio pequeno. O Type Directors Club se destaca como o órgão regulador da tipografia, pois representa e premia o melhor do design e da tipografia atualmente. Nessa aula, você aprenderá a desenvolver regras para definir os limites do seu próprio tipo de fonte.
  • Windows. Paula vai dar um tutorial de design de logotipos para uma empresa que possui produtos múltiplos e originais. Através do seu trabalho com o Windows, você aprenderá como fazer design de logotipos que parecem membros da mesma família, mas não são idênticos. Afinal, essa é a função de um design fluido de marca.

Conheça seu professor

Teacher Profile Image

Paula Scher

Partner at Pentagram

Professor

Paula Scher is one of the world's most acclaimed graphic designers. She has been a principal in the New York office of the distinguished international design consultancy Pentagram since 1991. She began her design career as a record cover art director at Atlantic Records and CBS Records in the 1970s and 1980s.

She has designed identity and branding systems for a wide range of clients including the Public Theater, Citibank, the Museum of Modern Art, The Metropolitan Opera, the High Line, and the Philadelphia Museum of Art. Scher has served on the Design Commission of the City of New York since 2006. She is an established artist exhibiting worldwide, and her work is in the permanent collections of the Museum of Modern Art and other institutions. She is the author of "Make It Bigger... Visualizar o perfil completo

Nota do curso

As expectativas foram atingidas?
    Superou!
  • 0%
  • Sim
  • 0%
  • Um pouco
  • 0%
  • Não
  • 0%
Arquivo de avaliações

Em outubro de 2018, atualizamos nosso sistema de avaliações para melhorar a forma como coletamos feedback. Abaixo estão as avaliações escritas antes dessa atualização.

Por que fazer parte da Skillshare?

Faça cursos premiados Skillshare Original

Cada curso possui cursos curtas e projetos práticos

Sua assinatura apoia os professores da Skillshare

Aprenda em qualquer lugar

Faça cursos em qualquer lugar com o aplicativo da Skillshare. Assista no avião, no metrô ou em qualquer lugar que funcione melhor para você, por streaming ou download.

Transcrições

1. Trailer: Eu acredito que se você sabe desenhar identidade, você sabe como projetar tudo. Eu acho que entender como tornar as coisas reconhecíveis para que elas se tornem instantaneamente icônicas é uma habilidade que é simplesmente imbatível. Esta é uma aula que eu estou chamando de identidade líquida. Não sei se é o termo certo para isso. Eu uso isso para descrever o kit de peças que fazemos para projetar algo. Se você tomar a noção de como a identidade foi pensada no estilo internacional suíço, pode haver uma marca e um tipo de logotipo e talvez alguns outros problemas de marca registrada, pode haver uma marca e um tipo de logotipo e talvez alguns outros problemas de marca registrada, e eles foram todos colocados muito bem em um canto. Você não pode realmente fazer isso hoje porque a informação existe em todas as formas de mídia. Então, você está projetando digitalmente. Você está projetando e construindo, e você tem que realmente ter algo que é mais fluido do que isso. Além disso, se você projetar uma identidade onde um sistema é muito rígido, ele se torna chato muito rapidamente. Significa que é provável que seja derrubado porque as pessoas precisam de mudanças. Se você quer que algo dure um longo período de tempo, você precisa ter a capacidade de flexibilidade. Os alunos serão convidados a identificar uma organização sem fins lucrativos. Pode ser um teatro. Pode ser uma organização política. Pode ser o governo. Qualquer coisa que tenha componentes ligados a ele, significa que eles fazem mais de uma coisa. Descubra o que eles fazem e comece a criar um kit de peças, um sistema pelo qual eles primeiro identificam a organização e, em seguida, identificam os subconjuntos da organização. Eu gostaria de fazer coisas. Eu gostaria de fazer coisas, e eu gosto de inventar coisas. Gosto de ver as coisas que faço ou maquilhagem serem feitas. Gosto de ver pessoas interagindo com ele, e nunca me canso disso, e faço isso por 45 anos. Sou Paula Scher. Sou designer gráfico, sócio da Pentagram Design, e você estava no meu escritório. 2. Apresentação: Comecei a trabalhar no lobby do Teatro Público para George C. Wolfe quando ele me contratou. Naquela época ele me contratou, o lobby era marbleizado e tinha um monte de espelho nele que nós removemos e substituímos por paredes brancas e gráficos brilhantes e as cores que você vê aqui hoje, mas eles não eram permanentes, eles eram banners que estavam mais ou menos ligados em posição que ficou sujo ao longo do tempo. Finalmente, há um ano, esta renovação abriu, foi cinco anos em construção com a cooperação de várias agências na cidade e, claro, o Diretor do Teatro Público, Oskar Eustis, e isso é realmente refinamento do que fizemos originalmente em uma estrutura muito mais permanente. Eu estudei na Tyler School of Art de 1966 a 1970, dois anos eu fiz todo tipo de curso de arte, pintura , gravura, esculturas, cerâmica, metalurgia, e eu era terrível em tudo. Mas, quando fiz design gráfico no meu terceiro ano de escola, descobri que era sobre ideias e fiquei intrigado com isso. Eu queria ser ilustrador porque pensei que ser um designer gráfico significava que você tinha que ser legal e nenhuma ilustração parece desleixada, então eu gosto mais disso. Mas, então, eu descobri quando me mudei para Nova York para ser ilustrador em 1970 que eu realmente não desenhei tão bem. Então, eu fiz o que todos que não sabem desenhar e não sabem desenhar fazem, eu me tornei um diretor de arte, e foi assim que comecei a desenhar como diretor de arte. O que vocês estão vendo aqui no saguão é a mesma fonte com que estávamos trabalhando que era originalmente uma fonte Morgan que agora se chama Knockout porque foi digitalizada por Jonathan Hefler em algum lugar no final dos anos 90. Mas, originalmente, nós realmente colocamos o tipo juntos à mão porque ele ainda não estava digitalizado. O sistema que desenvolvi foi gravata de madeira americana em diferentes pesos que, quando reunidos criou um espírito reconhecível específico e usado repetidamente em diferentes configurações, criou a linguagem que era The Public Theater. Pentagrama é o mais incomum das organizações de design, é um negócio projetado que é um lugar para um designer trabalhar. É um grupo de parceiros que estão em todas as disciplinas e projetos, há arquitetos, designers de produtos, designers digitais, designers gráficos, designers de revistas. Nós colocamos todos os nossos ganhos no centro, nós os compartilhamos igualmente. Nós sacamos o mesmo salário e compartilhamos um bônus em um escritório e podemos fazer isso porque calculamos que a longo prazo foram essencialmente iguais. Nós fornecemos coisas diferentes, temos talentos diferentes, inteligências diferentes, mas todos trazem algo para a mesa, e é isso que compartilhamos. Vou mostrar o trabalho que fiz e ainda faço para o Teatro Público, que é uma relação de 20 anos. Vou falar sobre um novo projeto que fiz para o Museu da Filadélfia que está lançando enquanto falamos. Eu vou falar sobre Jazz no Lincoln Center, que foi desenvolvido em design há 15 anos e redesenhado apenas no ano passado e muito ao longo da mesma linha, então é uma continuação de um sistema. Eu também vou mostrar uma filosofia sobre como criar logotipos da Microsoft, que foi um sistema que foi desenvolvido com base no design do logotipo do Windows e agora está estendido por toda a empresa. Vou mostrar um projeto muito pequeno que é muito líquido para o tipo durante este clube. O edifício do Teatro Público tem estes arcos que estamos aqui no início do edifício. O que fizemos foi a tipografia inserida, na verdade é um pedaço de metal, que é rebaixado que é então pintado e inserido nos arcos, então parece que as letras são empurradas para trás. Eu não abordo uma identidade visual sem pensar em como ela pode funcionar ambientalmente, bem como digitalmente, eu acho que esse é realmente o papel do designer e pensar que você está fazendo uma marca que vai viver sozinho sem um contexto mais amplo onde o formulário vai mudar, não é prático. Então, geralmente quando eu projeto praticamente qualquer coisa, eu estou pensando em como ele vive no espaço tridimensional. Então, a tarefa é identificar que você não é para a organização de lucro, selecionar uma área na qual você tem interesses que você pode sustentar e, em seguida, projetar um kit de peças que se torne sua identidade líquida. O kit de peças deve demonstrar um logotipo e uma marca d'água, um sistema tipográfico, uma paleta de cores, talvez o uso de ícones ou o uso de fotografia ou ilustração, e uma metodologia de abordagem, e você deve tomar o sistema, e você deve usar seu sistema para demonstrar vários aspectos da organização. Teoricamente, você deve estar criando peças em todos os meios de comunicação que significam aplicativos, sites, bem como brochuras ou mailers. Você quer criar espaços públicos, então você pode fazer a frente do prédio ou do lobby e mostrar como os gráficos se integram nesses espaços, e o tipo de objetos de retour que você faz deve reforçar o identidade não apenas em seu design, mas no espírito do que você escolhe fazer. 3. Pesquisa: Eu acho que se você está iniciando este processo pela primeira vez, ou se você está iniciando este processo pela décima vez, você vai desfrutar do seu trabalho se você selecionar algo que você tem alguma afinidade para. Eu acho que, mesmo agora, há certos tipos de projetos que eu não tomo porque eu simplesmente não tenho nenhum interesse no que eles fazem. Então, eu recomendo que o aluno investigue as organizações que os atraem. Se você está interessado em música, faça uma organização musical. Se você está interessado em política ou meio ambiente, escolha uma organização que seja política ou ambiental. Há muitas organizações que existem para todos os interesses. Encontre sua paixão, selecione-a e aprenda tudo o que puder sobre ela. A primeira coisa que faço quando começo qualquer projeto é tentar conhecer meu cliente. Até certo ponto, um designer é um pouco como um médico. Eles entram em uma situação e ouvem as queixas de um paciente. Eles tomam seu livro de conhecimento contra o que mais existe no mundo, e fazem algum diagnóstico no qual seu cliente participa. Você quer entender por que a organização existe. Você quer entender o que a organização faz. Você quer entender como as pessoas dentro da organização definem a organização. Porque quando você está criando uma identidade para um lugar, teoricamente, são as pessoas internamente que estão criando coletivamente o espírito do que esse lugar é sobre. Eles podem ter mensagens específicas, eles podem ter maneiras de superar a concorrência, e eles podem ter uma verdadeira compreensão de sua posição no mercado. Muitas vezes, há coisas que eles sentem falta, modo que você quer descobrir externamente como sua concorrência está fazendo em relação com eles, qual é a percepção sobre eles se você tem a pesquisa para fazê-lo, ou se o atualmente existe, ou você pode contratar uma empresa de pesquisa para descobrir isso para você. Depende do projeto e de onde o cliente está com sua própria compreensão de onde ele está. Acho que em certos tipos de organizações, há muita pesquisa, e muita pesquisa de alma, muita pergunta, e também muita indecisão. Eu encontro outras organizações onde eles parecem ter uma liderança muito forte, eles realmente sabem exatamente quem eles são, e o que eles estão fazendo, e eles querem mudar para fins muito específicos, que eles vão te dizer. Eu acho que as organizações precisam mudar principalmente por duas razões: uma é que o que eles têm é realmente ruim, e eles simplesmente não podem trabalhar com isso, ou a outra razão é que eles estão prestes a mudar algo muito drasticamente dentro da organização. Pode ser liderança. Pode ser que eles estejam mudando totalmente seu espírito e direção interna. Essas são realmente duas maneiras que uma identidade precisa ser redefinida porque eles estão de fato mudando sua identidade, ou eles estão prestes a falhar em corrigi-la, ou eles estão indo em uma direção completamente diferente. Tudo o resto é discutível. Eu acho que a maioria das razões pelas quais as organizações mudam, elas estão respondendo a algo ruim que aconteceu ou há um novo presidente que entrou, que acha que é o primeiro dia e querem agitar as coisas. Às vezes, esses novos presidentes querem sacudir as coisas, talvez não devessem, e às vezes mudar é bom. Eu geralmente vou pedir a todos que são os principais tomadores de decisão, as pessoas que têm uma palavra de identidade, para projetar sua organização em um sentido, para descrever sua organização em um sentido. Eles sempre dirão: “Tem que ser em um sentido?” Eu vou dizer, “Sim”, e eu vou realmente pensar sobre isso e criar um sentido muito fantástico. O que é interessante é que você costuma achar que você pode perguntar a 10 pessoas a mesma pergunta e obter 10 respostas diferentes, e então você percebe que você tem um problema. Eu gosto de descobrir qual é a história da organização, como ela foi fundada, como ela mudou, quais foram os princípios originais, há uma declaração de missão, todos se inscrevem no declaração de missão, o que a pesquisa foi feita anteriormente. Essas coisas são incrivelmente importantes. Então, às vezes eu trago algum conhecimento externo porque eu trabalhei em uma área geral, e eu realmente tenho coisas que eu posso trazer para a mesa, que por comparação, eu posso levantar, que os levem a falar sobre esse tipo de coisa também. 4. Encontrando soluções: A primeira fase do trabalho que seguiria a pesquisa é o que geralmente chamamos de apresentação inicial do projeto. O design inicial é pegar as informações fornecidas e sintetizá-las em alguns componentes compreensíveis aos quais um cliente pode responder. Agora, às vezes, se a organização é muito grande, pode haver uma parte de pesquisa muito maior do processo. Essa é uma revisão da pesquisa com o cliente para determinar quais pontos eles acham salientes, quais pontos eles discordam. Mas assumindo que esse trabalho está feito e você está começando a projetar, você começaria a projetar com a noção de que, tudo o que você está fazendo seria mostrado ao cliente para alguma forma de comentário revelador. Para que eles sejam capazes de participar o máximo possível no processo. Às vezes, eu entro com apenas uma abordagem, mas isso é muito raro. Geralmente, o que as abordagens são, é preparar o palco para o diferencial de humor. Posso mostrar a um cliente algo que os move para um extremo exterior, algo que é inerentemente conservador, e algo que está mais no meio. E eu tenho que descobrir o nível de conforto do cliente com qualquer abordagem específica, para ver onde eles devem estar posicionados, e para ver quais riscos eles são capazes de correr para se tornarem compreendidos. Às vezes, eu sinto que mesmo preferindo opções mais arriscadas, quando eu entendo melhor o cliente, eu sinto que segurar é uma abordagem melhor para eles porque eu sei que eles são mais propensos a executar. Acho que com o trabalho de identidade, a parte que fazemos, que é desenvolver como o cliente deve ser, só importa se for executado. Se não for executado, ninguém nunca o vê. Se você projetar um sistema com o qual uma empresa se sente desconfortável, nunca conseguirá. Então, é um fracasso. Eu sempre disse que, se você tentar fazer uma organização mudar, e você quer que eles sejam os únicos em uma festa com um vestido vermelho quando todos os outros estão vestindo preto, eles vão para casa e se trocar. Se você conseguir que eles usem um cinto vermelho, você pode realmente tê-los movido. Iniciar processo de design é sempre difícil. Todos são diferentes, as pessoas têm ritmos diferentes. Algumas pessoas têm que procrastinar o maior tempo possível, e então de alguma forma pode forjar uma solução brilhante. Algumas pessoas fazem milhões de esboços para ver o que é certo, algumas pessoas têm um momento aha onde de repente montam as coisas. Eu costumo trabalhar fazendo associações tanto mentalmente quanto em um caderno de esboços que aconteceu intuitivamente, e o que eles são, são pedaços estranhos de informação. Não há uma maneira certa ou errada de criar ideias. A questão é ter a forragem apropriada que vai gerar a ideia. Se você não fez a pesquisa corretamente, você não tem nenhuma base para formar qualquer opinião. O que é design, é essencialmente planejar uma opinião. Então, o plano é seu pensamento esquemático sobre como você vai projetar um sistema que torna todas as coisas reconhecíveis. E a parte intuitiva é a sua opinião, a coisa em que você decide, quero que fique assim porque dá a este lugar essa personalidade. Então, você está combinando sistematização com uma forma de espírito intuitivo. Agora, se fizermos pura sistematização, não há razão para que tudo seja apenas helvetica. 5. Simplificando: Quando você está criando uma identidade, é importante desenvolver este kit de peças. O kit de peças pode ser uma variedade de coisas: pode ser o design do logotipo em si, uma marca registrada, pode ser um sistema móvel de marcas registradas, pode ser um sistema de cores, pode ser uma fotografia, ou ilustrações, ou ícones, são coisas que são usadas coletivamente para tornar algo reconhecível. Eles fazem coisas como separar departamentos uns dos outros, ou eles podem ser usados para tipos específicos de publicidade, ou eles podem ser usados como uma forma ser um sistema de navegação através de um lugar em um aplicativo ou em um site, ou em mídia impressa, ou eles podem se tornar um sistema de sinalização. Mas são coisas que você está usando repetidamente para definir um lugar. Agora, tenho que dizer que os sistemas de identidade raramente são executados pela mesma pessoa. O fato de eu ter feito o Teatro Público por 20 anos é muito, muito incomum. Principalmente, você cria um modelo ou um sistema e ele vai para um departamento de arte interno que, em seguida, executá-lo, ou uma agência de publicidade externa. Você escreve manuais e guias sobre como trabalhar com ele, e invariavelmente, os manuais e guias não funcionam realmente. Depende do talento e da engenhosidade das pessoas internas contra a política do que estão fazendo. Então, durante um período de tempo, não é irracional que essas coisas comecem a desmoronar. Porque eles se tornam diretores diferentes que estavam lidando com isso, diretores de arte diferentes que estavam lidando com isso, equipes diferentes que estavam lidando com isso, às vezes agências externas que estão lidando com isso, e eles começam a mudá-lo, e ele perde o seu espírito. É muito importante quando você está projetando uma identidade, tentar manter a identidade simples, porque ela tem que fazer coisas complicadas. Se você criar um sistema de logotipo que é muito ornamentado, vai ser difícil de estender porque quando você par coisas com ele, ele vai ficar tão ocupado que ele não será capaz de fazer seu trabalho corretamente. Às vezes, os alunos ficam confusos quando vêem um sistema de identidade realmente funcional porque pensam que o designer não fez o suficiente. Oh, é apenas uma linha de tipo, oh, é apenas uma caixa, oh, é apenas um círculo. Mas o fato é que essas coisas se movem e progridem, e fazem todos os tipos de coisas complicadas que transmitem todos os tipos de inflamação intrincada. Se fosse mais complexo do que isso, nunca seria capaz de funcionar 6. Expandindo e testando: O kit de peças é essencialmente a sua linguagem gráfica. Você está tomando essa linguagem gráfica e você está usando-a como um identificador, você está usando-a como um veículo para transmitir informações, você está usando-a como um veículo para transmitir espírito e você também está estendendo seu brilho de silício e durando por muito tempo período de tempo. Às vezes você pode identificar um tipo de logotipo, um sistema de tipos, um sistema de cores, um sistema de fórum e você pode começar a atribuir usos para ele. Você pode achar que há um ponto em que ele se torna irreconhecível como o mesmo sistema e então você estreita a estrutura. Você acha que você pode estar fazendo algo e funciona lindamente por um ano, e então no segundo ano, você está cansado disso, e você precisa atualizá-lo ou você precisa mudá-lo ou você precisa crescer. Essas coisas, em certo grau, são tentativa e erro. Eles não são uma ciência exata. Mas você vai saber, se você colocar um grupo de coisas na mesa e olhar para elas coletivamente e você tem algo que você desenvolveu e não parece parte do sistema, você sabe que inicialmente não é indo para o trabalho e você parar por aí. Olhando para um kit de peças é muito parecido com um teste de QI. Se você se lembrar de volta com testes fundamentais de QI eu acho que é para algo como raciocínio quantitativo, haverá uma pergunta a dizer, qual dessas coisas não pertence a este conjunto? Isso é o que há de errado em esticar uma identidade muito longe, é aquele que não parece com ela, parece que não pertence ao set. Muitas vezes, quando você está desenvolvendo um sistema de identidade, você está em uma direção que parece fazer sentido e você começa a testá-lo e que você descobre que ele vai apenas tão longe e então começa a falhar com você. Você só pode descobrir isso fazendo e muitas vezes você voltar e refinar, e você acha que você pode fazer uma adição a ele ou uma mudança sutil para ele e isso torna o sistema muito mais extensível. Descobri geralmente que eu ou integrou um componente que realmente não se encaixa corretamente ou que eu tenho overdesigned um par de meus componentes para que eles não se estendam bem, então isso é simplificação funciona. Há dois problemas básicos na configuração de um sistema quando você está tentando estendê-lo. Uma é que se você estender muito longe e se torna irreconhecível, você tem que voltar e se aproximar dela para ter certeza de que, coletivamente, é reconhecível. No entanto, se você está antecipando o crescimento ou algo que você pode reconhecer em cinco anos depois de tê-lo desenvolvido, você tem que determinar como você vai ser capaz de apresentar isso ao seu grupo central, porque algo que pode ser um extensão lógica dele, que poderia funcionar no futuro, pode ser muito assustador para o grupo inerente ao qual você vai mostrá-lo. Então, às vezes você acha que pode ter estendido algo muito longe para mostrar ao grupo, mas, na verdade, a coisa que você pode ter inventado talvez seja boa por cinco anos na estrada quando todos estão aceitando o sistema. Então, você tem que saber o que você quer segurar e manter em seu bolso traseiro e o que você está fazendo o propósito imediato de apresentação para fazer um grupo entender o que um sistema faz. Quando você está projetando uma identidade e mostrando aos seus clientes, você está fazendo duas coisas. Você está incluindo-os e colaborando com eles e certificando-se que suas informações estão sendo adequadamente traduzidas em algo visualmente compreensível. Mas o que você realmente está fazendo, se você está fazendo isso direito, é ensiná-los a ver, porque eles não são treinados para ver, isso não é o que eles fazem, é o que você faz. Então, quando você apresenta algo a eles e tenta demonstrar a eles como vai funcionar, você está desconstruindo seu trabalho e apresentando-o de tal forma que eles começam a entender como eles criaram uma declaração visual. A idéia de que eles devem entender, se você fizer isso direito, não é razoável, porque eles não são treinados para isso e você é. Você tem que aceitar que você tem conhecimento e capacidade de ver coisas que eles não podem. Se você não consegue fazê-los ver o que você projetou e fazê-los entender, então você não apresentou direito. 7. Public Theater: O Teatro Público foi fundado por Joseph Papp em 1968. Ele salvou a Biblioteca Astor em Nova York e mudou um teatro no centro, onde ele lançou em 1972, peças notáveis como uma linha de coro, lançou as carreiras de dramaturgos importantes como Tony Kushner e as carreiras de atores e atrizes incríveis como Kevin Kline, Meryl Streep, Alec Baldwin e uma série de pessoas famosas que saem do Teatro Público desde então. Ele começou a fazer isso fazendo com que as peças de Shakespeare fossem executadas de graça, primeiro no caminhão que dirigia pela cidade de Nova York e depois no Central Park. Toda Nova York veio ao parque no verão para ver duas peças grátis de Shakespeare, e isso continua desde os anos 70. Em 1994, o Teatro Público ficou confuso publicamente na mente das pessoas com organizações educacionais. Por exemplo, havia uma série de cartazes famosos que foram feitos por um artista de cartazes chamado Paul Davis, que fez imagens icônicas para o Teatro Público nos anos 70. Mas no final dos anos 80, enquanto ele ainda fazia o Teatro Público também fez cartazes para Teatro Masterpiece que era televisão pública. Então, as pessoas confundem o Teatro Público com a Televisão Pública e pensaram, se você for ao teatro, é apenas ser um lugar educativo, não vai ser divertido. Em 1994, um novo diretor assumiu, Joe Papp tinha morrido antes cerca de quatro anos antes e havia uma espécie de diretor interino e o teatro não fez muito bem. Um novo diretor veio para reinventar e reintroduzir ao público o que era o Teatro Público. Este diretor foi chamado George Wolfe e ele queria fazer algo que parecia muito inclusivo, muito Nova York, muito barulhento e muito populista. Ele queria que as pessoas entendessem que enquanto o teatro lançava todos os tipos de carreiras importantes de escritores e diretores e pessoas que projetavam sets e todos os tipos de criatividade que o teatro era para o público participar. O teatro tinha um problema. Algumas pessoas o chamavam festival de Shakespeare porque havia Shakespeare no parque. Algumas pessoas o chamavam de teatro Joseph Papp, e algumas pessoas chamavam de Festival Shakespeare, mas ninguém o chamava de Público. Então, portanto, o problema de identidade era claro, é que ninguém sabia como o lugar era chamado, onde era ou como era suposto ser. É por isso que um sistema de identidade tem de ser concebido. Quando comecei a desenhar o logotipo do Public Theater, eu queria criar uma linguagem que se sentisse como uma linguagem de rua, algo que fosse baseado em The Spirit of New York City. Este é o meu primeiro esboço para a forma como eu vi uma temporada para o público e que ponto no tempo eu desenhei tudo à mão porque nós não fizemos nada no computador e este é o pedaço de papel que eu desenhei o primeiro sistema de identidade sobre ele. Foi de um tipografia que eu tinha. Eu sabia que com os nomes das peças eram para a temporada, então eu pensei que se eu projetasse um logotipo para o público que pegou uma fonte e reutilizou-o de grosso a fino que seria instantaneamente reconhecível, mas que todos os rostos que foram usados em criar o público poderia então ser usado nos anúncios. Então, se houvesse uma peça que tivesse um nome longo como Simpatico, esse seria o tipo longo e magro e se houvesse uma peça com um nome curto como Blade ou Blade to the Heat, eu usaria um tipo mais gordo e isso se tornou coletivamente a base para fazer o Teatro Público. Eu pensei que a palavra público seria grande e proeminente, para que as pessoas entendessem qual era o lugar. Esta é uma série dos primeiros anúncios que fizemos para o público e estes foram todos projetados em 1994, usando o sistema. Você começou a reconhecer o público primeiro e depois qual era o lugar. Dentro do Teatro Público havia uma série de pequenos espaços e os pequenos tokens redondos eram pequenos logotipos para cada um desses teatros que anexamos ao nome da peça, então você sabia onde estava tocando dentro do público. Na verdade, o público nunca achou tão convincente. Ninguém sabia o que os tokens significavam e nós os abandonamos gradualmente. Aqui está um tecido usando o mesmo sistema. É muito perto do meu esboço. A noção de usar palavras grandes e puxá-las para cima em uma escala tornou-se muito parte da linguagem do Teatro Público anteriormente para publicidade teatral então haveria uma espécie de taglines fofos como ele diria algo como, oh, o Teatro Público, um ótimo lugar para ir para toda a família ou algo assim. Pensei por que se preocupar com isso? Se você quer que as pessoas se juntem ao Teatro Público, basta dizer para entrar. Você não tem que insultá-los com lindas linhas. Fizemos cartazes que foram baseados em jogos e os pôsteres que foram baseados em reprodução usam a tipografia de Teatro Público contra uma imagem da peça. Esta é uma foto de Jennifer Lewis, que teve um show de uma mulher que se levantou no palco e gritou e é por isso que o cartaz foi desenhado dessa forma. Mais tarde, descobrimos que não éramos capazes de comprar anúncios suficientes para apoiar as imagens individuais dessas peças e começamos a projetar as coisas de forma mais coletiva e vou mostrar como isso se materializou à medida que passamos por isso. Nos primeiros dois ou três anos, todos os cartazes eram específicos para jogar. Todos eles usam tipografia de Teatro Público combinada com imagens que eram indicativas das peças. Era sobre Elvis Presley. Esta foi a performance de outro homem de stand up de um artista chamado Danny Hoch. Esta foi uma peça cheia de estrelas escrita por Sam Shepard, onde ninguém poderia obter faturamento superior. Então, a única solução para isso era tornar os erros de digitação elegíveis o mais possível. Eram cartazes para as duas peças de Shakespeare no parque. O que era importante com essas peças a cada verão é que você identificou como tipografia de teatro público com um grande logotipo de teatro público. Então as pessoas pararam de chamá-lo de Festival de Shakespeare e começaram a chamá-lo de Público. Levou 10 anos para conseguir isso. Em 1995 e 1996, o Public Theater lançou uma peça chamada Bring in 'da Noise, Bring in 'da Funk, que foi um sucesso e foi para a Broadway. Havia provavelmente 20 ou mais cartazes diferentes para este show que fizemos que foram todos desenhados fora do sistema tipográfico para o Teatro Público. Era um musical de topo Rap, e o tipo parecia estar fazendo barulho. Mas este é um show que na verdade nunca teve seu próprio logotipo, ele só tinha Tipografia de Teatro Público, e ainda assim o público poderia começar a identificá-lo, porque eles reconheceram o tipo como um sistema, e foi aí que eu soube que a identidade líquida tinha funcionado. O logotipo do Public Theater ao longo de 20 anos foi redesenhado três vezes. O primeiro logotipo era o tipo de madeira americano, a forma real que foi esfregada para baixo e nós xeroxed. Então, eu pedi a um tipógrafo para digitalizá-lo para mim para que pudéssemos usá-lo no computador. Em 1999, um novo diretor apareceu, George Wolfe saiu e eu modifiquei ligeiramente o logotipo para o 50º aniversário, e para facilitar o trabalho naquele momento porque o tipo Morgan ainda não estava digitalizado, eu usei -lo como acidentes grotesco. Aqui, o tipo de madeira é redesenhado para ser um outro tipo de letra completamente, mas porque as espessuras e as finas do logotipo do Teatro Público, você sempre o reconheceu como o mesmo logotipo. A maioria das pessoas não percebe que fizemos isso três vezes. O terceiro é simplesmente o campeão tipográfico, e todos os seus pesos redesenhados por Jonathan Hackler. Mas essa coisa passou por três variações, e ninguém poderia dizer a diferença. Depois que mudamos o tipo para campeão em 2002, quando Arc Oskar Eustis assumiu totalmente a direção do Teatro Público, descobrimos que não podíamos fazer peças individuais porque era muito caro fazer os cartazes. Agora, havia um perigo inerente ao desenvolvimento deste tipo de sistema. O perigo inerente a este sistema onde você faz algo que é muito mais coletivisado e parece o mesmo é que ele se torna repetitivo e ao longo de um par de anos pode ser bastante chato. Então, tivemos que reinventá-lo novamente e descobrir outra maneira de trabalhar com ele sem mudá-lo e isso vai para o testamento de quanto o que eu chamaria de Pernas tem a ver com essa identidade líquida. Essa identidade porque o tipo de letra é reconhecível e usado tão repetidamente, você pode mudar de cor e escala com ele e criar o mesmo espírito que você reconheceria. Aqui, ele ainda está sendo estendido na forma preto e branco. Então tomamos a decisão de mudá-lo a cada estação, e fazê-lo ir para a cor. Estes foram todos os cartazes que foram feitos puramente na versão preto e branco por cerca de três ou quatro anos. Então, fomos para a cor. Quando fomos para a cor , abriu a possibilidade. Depois que passamos por uma temporada de cores, decidimos o que aconteceria se mudássemos, mantivéssemos a mesma fonte, e mudássemos para maiúsculas e minúsculas? Então, isso se tornou outra variável no sistema e fizemos isso por um ano. Acho que foram cerca de 2009. Isto é 2011. Aqui, fizemos o Shakespeare no parque. Foi meio chocante porque era um design modernista, com tipografia e diagramas complicados. Este verde que foi muito chocante para o público porque nós temos feito este tipo de olhar muito preto e esbranquiçado por um período de tempo. Este verão é totalmente diferente, nós mudamos todos os anos, mas nós mantemos os componentes. Os componentes é o Teatro Público está sempre na mesma fonte, no mesmo lugar, com um período próximo a ele, mas o lugar pode mudar em vários cartazes dependendo de como a imagem é projetada eo tipo é sempre campeão e é sempre ousado. Então, como você pode ver este kit de peças é uma extensão do kit público original de peças, mas é para uma temporada que é estendida para essa temporada e caiu e, em seguida, na próxima temporada você vai para outra. O público de Nova York está acostumado a isso, então eles procuram o próximo a cada ano. Isto foi do ano passado. No ano passado fizemos tudo em vermelho e azul e todos os componentes foram projetados como um sistema e aqui estão eles como um Maler dobrável. Os cartazes que estavam em frente ao prédio. Aqui os cartazes em frente ao prédio e esse é sistema do ano passado acabamos de completar o sistema deste ano e ele vai pressionar. Então, como o tempo rolou e estamos em 2013 e, pela primeira vez, tipografia web é desenvolvida para que você possa realmente usar campeão em um site. Então, o site é estendido para estar no tipo de letra do teatro público e um sistema muito móvel. Isto acaba de ser lançado no ano passado e eu não poderia ter feito isso há 10 anos. Dois anos atrás, começamos a redesenhar o lobby do teatro público e o lobby do teatro público contém a tipografia do teatro público, na forma Tap Public Theater, o proprietário demonstra o logotipo em vidro e você olha em suas bandeiras e você entra no saguão e a mesa tem o logotipo do Teatro Público, os cartazes estão contidos atrás das paredes e todo o tipo é gravado no prédio. No centro do lobby nós Comissão Ben Rubin que é um designer digital para criar lâminas móveis com tipo que é digitalizado e defendido que cada lâmina tem um jogo diferente Shakespeare. O tipo é inciso nas paredes com uma profundidade de cerca de uma polegada e meia e é deliberadamente em puro sistema de cores Public Theater que era o preto, branco e vermelho original. O saguão é preto, branco, vermelho e cinza e isso é porque isso remonta ao sistema original porque o Teatro Público não mudou sua identidade, ele só a estendeu. Tipo indo em torno de arcos, sendo inciso. Um muro de doadores onde os nomes dos doadores estão todos definidos na mesma fonte de campeão, em pesos diferentes. Tijolos saem da parede dependendo de quanto dinheiro você deu. Mas, toda vez que algo é adicionado a isso, ele volta para a intenção original do sistema. Então, como uma forma de encontrar ele usa a mesma estrutura. As portas que criam dadores de crédito são projetadas da mesma maneira e atrás da mesa estão a história dos cartazes, um furto sobre o outro. 8. Jazz at Lincoln Center: Então, projetei Jazz e Lincoln Center no ano 2000 e eles estavam se mudando para uma nova sede. Poderia ter sido 2000, poderia ter sido 1999, difícil para mim lembrar. Eu me encontrei com todo mundo, o conselho de Jazz no Lincoln Center, e Wynton Marsalis é um diretor genial, e perguntei a ele o que Jazz significava para ele? Ele disse que jazz é sincopação. Eu não sabia o que o termo sincopação significava. Eu disse: “O que é sincopação?” Ele diz: “É quando você tem um monte de coisas seguidas e uma coisa está fora”, e claro que é isso que o jazz é. Em vez de ser consistente, você joga um componente estranho nele e então ele reinventa o que você está olhando. Mas quando ele me disse isso, ele realmente me deu o logotipo, e ele também disse que músicos de jazz eram como pinos quadrados em buracos redondos. Eles empurram contra algo. Então, a idéia que eu tive para Jazz no Lincoln Center era ter esses quatro pedaços de tipografia juntos, mas o A foi preenchido e essa foi a sincopação com a única coisa sendo desligada. Tinha um nome ruim porque o jazz é grande e reconhecível e no Lincoln Center é apenas um endereço. Mas tinha que ser expresso porque era assim que o público em Nova York originalmente entendia a instituição. Agora, Jazz no Lincoln Center, na verdade costumava ser no Lincoln Center, mas foi transferido para o Time Warner Building, que não é tecnicamente Lincoln Center, então o nome não faz sentido nenhum. Mas porque se mexeu, você não poderia chamar um Jazz porque as pessoas vão se perguntar o que aconteceu com o Jazz no Lincoln Center. Então, tinha um nome complicado. Você vai descobrir que muita identidade tem a ver com o que essa coisa é chamada em primeiro lugar. Então, eu tinha realmente apresentado esta identidade inicial como preto e branco e a cavilha quadrada em um buraco redondo é a cavilha quadrada no a. Eu apresentei isso para o conselho de administração e o conselho de administração achou que precisava de cor. Eu não fiz. Achei que era mais forte do que preto e branco, mas não consegui convencê-los. Então, nós dissemos, “Tudo bem, vamos fazer o A e a cor”, e eu mostrei eles muitas cores para o A. Acho que meu favorito era uma laranja, mas o diretor gostava de azul. Então, tornou-se azul, e muitas vezes uma decisão de design é tomada dessa maneira. Eu não me importo com isso porque minha visão é se você projetar um formulário e ele funciona bem em preto e branco, ele realmente funciona em qualquer cor. O resto do conselho estava irritado porque eles não entendiam por que o presidente do conselho tem que ter seu azul um, quando todos gostariam de cores diferentes. Então, nós realmente permitimos que o A mude de cor e sinalização para que todos pudessem ter um a. Este era o original estacionário e então nós usamos um tipo e parte do sistema estava projetando tudo para que ele ou tivesse um círculo ou um quadrado contidos nele em alguma capacidade. Foi lançado 2003, esta é a primeira temporada do mesmo. Então permitimos que os círculos e os quadrados fossem arredondados e capacidades, e começamos a desenhar cartazes com ele e uma variedade de diretores de arte diferentes o levaram por um período de tempo e começou a evoluir ao longo de um período de 12 anos e havia cerca de cinco diretores de arte diferentes que trabalhavam com o sistema de identidade do site. Estou mostrando o melhor trabalho que foi feito ao longo dos anos com o Jazz, mas muito disso não aguentou. No edifício, o logotipo foi anexado a um toldo onde mudou cor e fizemos obras de arte com círculos e quadrados. Todas as várias imagens que foram anexadas ao teatro foram inicialmente feitas de círculos e quadrados do logotipo. O logotipo estava afixado no elevador. Tornou-se sinalização de doadores como círculos. Sinalização dentro do lugar, mais murais feitos de círculos e quadrados. Então, em 2014, me pediram para voltar e revisitá-lo depois de projetá-lo quase 10 ou 15 anos antes. Foi interessante o que faz algo morto e o que pode revigorar. O logotipo antigo, tinha um Lincoln Center nele que sempre foi um pouco estranho e fez parecer um pouco exigente. O novo logotipo, livrou-se do Lincoln Center. Eles poderiam finalmente possuir o Jazz. Eles eram famosos o suficiente para serem chamados de Jazz. Temos aquecido porque parecia muito leve em relação ao outro logotipo que era mais fino porque tinha uma alça. O no Lincoln Center destacando-se como ângulos. Então, você vê a diferença sutil entre os dois. O segundo é mais pesado e pesado e com mais presença. Além disso, a circular a, por causa da altura x foi aumentada, a circular a tornou-se maior. Nós então criamos um alfabeto a partir dele porque nós pensamos que seria ótimo se esta coisa realmente fosse sua própria fonte. Então, quando você o usou, você poderia reconhecer Jazz no Lincoln Center sem realmente dizê-lo. Então, desenhamos como um tipo de letra e chama-se Jelly Roll com o nome de Jelly Roll Morton. Um designer chamado Jeremy Michael, digitalizou-a para nós. Nós desenhamos o primeiro alfabeto aqui no Pentegram e então enviamos para Jeremy para corrigir, corrigir e digitalizar. Agora tem diferentes pesos e torneiras e itálico e é uma fonte completa. Mas o que é maravilhoso nisso é que quando você define o nome de um artista nesta fonte, você sabe que o artista está tocando um Jazz, e isso significa que o Jazz possui esses artistas e esses artistas fazem parte do Jazz. Então, tornou-se uma maneira natural de fazer uma campanha, e esta é outra instituição onde eles coletivizaram seus artistas em relação ao lugar para que Jazz como um lugar, endosse um artista. Então, se você é um novo músico de Jazz e você começa a tocar um Jazz no Lincoln Center, você recebe prestígio e endosso apenas em virtude do fato de que seu nome está definido no tipo Jazz at Lincoln Center, é como fazer com que todos tenham um logotipo. Aqui está a digitalização final e como você usa os círculos com ele. Aqui está a campanha publicitária que lançou no ano passado usando o novo sistema. O que é maravilhoso é que quando diz Jazz, você sabe onde isso está e quando não diz Jazz, você sabe onde está porque o olhar da tipografia é tão forte. Às vezes é usado em forma pequena, às vezes é blocos de texto e todas as formas de comunicação que eles têm e torna-se muito reconhecível e muito líquido ao mesmo tempo. Eles podem usar pesos diferentes, cores diferentes com isso, e eles podem evoluí-lo e cultivá-lo a cada estação. Ele tem um excelente departamento de arte interno, que está fazendo um trabalho maravilhoso com ele quem desenhou a maioria desses cartazes e para mim, isso é realmente a medida de quão bom é um sistema de identidade. Não é o que você pode fazer com ele, é o que alguém vai fazer com ele. 9. Museu de Arte da Filadélfia: O Museu de Arte da Filadélfia tem uma das melhores coleções de arte da América. É um museu gigante que fica no topo da colina e é famoso porque esses são os degraus que Rocky correu no filme Rocky. E mais pessoas já viram o filme Rocky do que eu já estive dentro do Museu da Filadélfia e, na verdade, muitas pessoas correm pelos degraus do Museu da Filadélfia como o filme Rocky e nunca entram. Então isso é triste porque significa que os americanos estão perdendo algumas das melhores artes do mundo e o que o Museu da Filadélfia queria fazer era encontrar uma maneira de se abrir para um público que a vê, mas não sabe o que é. Então eles passaram por um período de busca de alma e exercícios de branding para descobrir quem eles são e qual era sua missão e o que o Museu da Filadélfia era, e o que eles disseram que este museu deveria ser é um lugar que realmente leva pessoas à arte. E este é o logotipo atual que está prestes a mudar. Onde eles tinham um grifo que estava no prédio que eles usaram como marca e então eles tinham a palavra Philadelphia Museum rastreada em todas as maiúsculas. Não há nada de errado com este projeto. Na verdade, é um design muito bonito e eu coloquei em tudo. No entanto, se você examinar sua missão e seu propósito declarado, o que este logotipo parece é que parece um pouco acadêmico. Tem algo que vem da mitologia grega ou romana contra um monte de trato complicado fora tipo porque Filadélfia é um nome muito longo, e Museu de Arte é um nome muito longo. À distância, você não pode lê-lo. Então, se estiver num prédio, você nem sabe o que é o prédio. Isto é um problema. Também na cidade de Filadélfia, ninguém o chama de Museu de Arte da Filadélfia. Chamam-lhe o Museu de Arte porque é o grande museu de arte que fica numa colina. E onde você está indo? Vou ao Museu de Arte. Agora era muito complicado para este museu poder mudar seu nome, mas poderia mudar sua ênfase. De modo que se você olhar para este logotipo que, como eu disse, eu não criticaria como uma peça de design gráfico, mas apenas em termos do tipo de mensagem que ele apresenta porque ele faz você ficar longe dele um pouco, que ele realmente não vai para o que o museu precisa fazer, que é levar arte para as pessoas e levar as pessoas para a arte. Agora a arte no museu é vasta. Tem arte pré-renascentista, tem arte que foi de antigas dinastias chinesas e japonesas, Tem uma incrível coleção de arte americana, incrível coleção de arte moderna e está expandindo suas galerias para muito arte contemporânea e há uma nova adição sendo construída por Frank Gehry Isso é, além disso em tudo, é realmente túneis sob o museu e construção de um novo espaço com uma clarabóia não através da praça. Então você pode abrigar todas as exposições contemporâneas e estamos anunciando este julho e é um processo que provavelmente levará cerca de 10 anos para construir. Mas tudo faz parte da abertura deste museu ao público. Então leva a arte para as pessoas e leva as pessoas para a arte. Então, sabendo que tínhamos um nome grande e complicado, que não podíamos mudá-lo para Museu de Arte, tivemos que encontrar uma maneira de enfatizar como era levar a arte às pessoas e levar as pessoas à arte. Como reconheceria este museu se houvesse um sinal designado aqui é o Museu de Arte da Filadélfia? E parecia que a chave para isso está realmente na arte mundial. Então era uma questão de ênfase. Então nós projetamos um logotipo que pegou o tipo que eles tinham atualmente, que é um rosto chamado Avenir, e a razão pela qual usamos o mesmo rosto foi porque em todo este enorme edifício, eles já têm uma enorme quantidade de sinalização que dizia em este tipo. Então, se você mudá-lo, significaria que você teria que mudar toda a sinalização do museu. Isso não é muito justo para o museu e não há nada de errado com Avenir. Mas ao redesenhá-lo e reconstituí-lo dessa maneira, você mudou completamente a ênfase do logotipo. Fizemos uma versão horizontal e uma vertical porque às vezes há uso horizontal e vertical. Em seguida, demos a eles uma base muito simples para anexá-lo a coisas como cartões de visita papelaria e kits de imprensa e brochuras e todos os tipos de material de merchandising. E este é o tipo de coisa que mostramos em nossa primeira fase é como você pega essas palavras e as estende para que se torne tudo o que você precisava fazer na instituição. Fizemos coisas em que mostramos a eles como você poderia fazer o A uma cor diferente e anexá-lo a algo. Este é o início do kit de peças, como ele pode se sentar em um site da Web. Como é que esta coisa se torna reconhecível? Pensamos que o sistema funcionava bem e que você sabia que era um museu de arte no minuto em que você viu o logotipo, mas que o logotipo poderia realmente contar uma história maior, designando a amplitude do que está no museu. Então dissemos o que aconteceria se você pegasse o A da Arte e permitisse que falasse sobre todos os tipos de arte no museu. Nós projetamos este movimento A que pode ser feito de todos os tipos de peça de arte porque você pode reconhecer a palavra arte e você pode ver o potencial do que pode estar no museu ou pode ser capaz de designar certas exposições. Então, aqui está uma pequena demonstração animada sobre como o A realmente funciona e nós vamos realmente estar usando isso e suas comunicações digitais. Mas instantaneamente olhando para ele, você chega à conclusão de que há um monte de tipos diferentes de arte neste lugar e há muito para ver e muito para apreciar e pode ser muito divertido e realmente define o espírito certo para o que este lugar tem que ser. E o espírito é muito importante. É importante entender o que parece divertido e o que parece trabalho. E a diferença entre este tratamento de logotipo e o que existia não é uma questão de saber se o tipo é diferente ou o manuseio do peso do rosto, é sobre a ênfase do espírito. Um parece acadêmico e o outro parece mais brincalhão e isso é apenas o coração da diferença. Isso é o que tem que acontecer. Então nós tomamos estes estendidos como e começamos a aplicá-los e nós desenhamos cerca de 300 dias para o museu usar em vários componentes. Agora isso é complicado porque ao lançar a identidade, o que acontece é que todo curador e todo mundo em sua família quer usar um A diferente imediatamente porque “Oh eu quero meu A”. Mas isso é perigoso porque você cria uma forma de anarquia. Então, atualmente, o que estamos fazendo é descobrir quando o A realmente é usado para escrever um guia de regras para ele. Então podemos usá-lo em exposições especiais. Mas não diga sobre papelaria corporativa que deveria ser papelaria institucional que seria muito retido por causa da forma de comunicação que é. Então, enquanto nós configuramos estes como up, nós dizemos “Ok eles podem estar em coisas fora como bilhetes”. Aqui está uma série de “A “em bilhetes. Então, toda vez que você vem a um museu, você pode obter um A diferente, ou pode estar nos pinos que você usa quando você entra no museu. E isso se torna um lugar lógico porque é como um presente. Ele pode ser usado em situações de varejo. Mas quando você chega a essas coisas que são folhetos existentes sobre o museu eles saem em repetição e existem no lobby, nós nos tornamos muito mais formais sobre isso, nós mudamos a cor do A, mas nós não usamos o decorativo A. No entanto, para Frank Gehry show que está abrindo realmente no início de julho. Temos Frank Gehry para nos tirar um A e então é o primeiro dia para lançar o sistema e esta é uma foto do museu sendo aberto e é sobre a renovação de Frank Gehry e este é um calendário redesenhado que está saindo no correio enquanto falamos. 10. Type Directors Club: Eu comecei com um programa de 20 anos, e isso leva você a mais pequena forma de uma identidade, que é um subcomponente de algo que existe por si só por um breve período de tempo, e então desaparece. Essas coisas que eu acho que são tremendamente divertidas de projetar porque há menos em jogo, e porque eles acabam rápido, eles não precisam fazer o trabalho duro do projeto Windows, ou do teatro público. Mas o que é fantástico sobre eles é que são oportunidades maravilhosas, para descobrir o que é reconhecível. O que o público reconhecerá? Eu uso este projeto em particular como uma habilidade para experimentar. Eu tinha visto uma arte de grafite incrível feita por um artista na Costa Oeste chamado Barry McGee. Ele tinha feito uma série de pinturas que eram essas caixas idiotas em repetição, e eu me apaixonei por elas. Eu só pensei que eles eram gráficos e poderosos. Estas são duas de suas pinturas. Ao olhar para ele, percebi que seria fantástico como topografia. Eu pensei que eu provavelmente poderia pegar essas coisas, e estendê-las em um 100 TDCs, e nós podemos variar a largura do striping. Mas se eu os mantivesse em um sistema de cores como este, seria sempre reconhecível. Então, começamos a desenhá-los, e a pergunta era, quantos deles você poderia fazer? Como as diferentes barras externas podem ser grossas e finas? Em que ponto você não os reconheceria mais? Você pode torná-lo muito fino e muito grosso. Agora, se você está vendo essas coisas em repetição, eles parecem uma coisa mesmo que eles não são absolutamente da mesma forma. Mesmo que as barras sejam desenhadas em diferentes pesos, é por causa da tolice e da obsessividade de uma cor, contra essa noção de repetição de linha. Isso em si é uma identidade líquida. Pode durar para sempre. Então, nenhum deles se repete, nenhum deles tem os mesmos pesos. Mas houve um momento em que eles ficaram muito magros ou muito gordos, e você não reconheceu mais isso como TDC. Nós até mudamos o formato, mas então ainda nos tornamos reconhecíveis. Aqui está uma animação. Aqui para vê-los juntos e se movendo. Agora, eu poderia torná-lo azul, e seria reconhecível se eles fossem todos azuis, mas começaria a ser estranho se todos começassem a mudar de cor. Eles ficam diferentes um do outro. Uns dois desses, nós fizemos como linhas finas puras, e quando havia muita largura nele, você parou de reconhecê-lo. Havia outros que ficaram muito cheios de vermelho e você começou a não reconhecê-los. Você não pode reconhecer curvas com ele se você começou a fazer o tipo curvilíneo, ele não funciona. As linhas têm que ser retas. Então, há realmente regras que são definíveis sobre o que faz este kit de peças funcionar. Mas, no entanto, se você mantivesse todas as formas de letras geométricas, se todas elas tivessem uma certa linha externa e interna concêntrica de uma espessura específica que não ficasse muito grossa ou muito fina, na verdade era reconhecível. Então aqui está em um site, aqui está novamente em outro site. Aqui está como promoções, estes eram pequenos anúncios de jornais e pequenos banners que existiam na publicidade web, e eles realmente funcionam. Esta é a capa do livro que ainda está por aí, e é um pequeno sistema, só sai por um ano, mas era infinitamente reconhecível. 11. Windows: A Microsoft tem muitas empresas que fazem parte de seu conglomerado, e as empresas são diversas, produtos diferentes são feitos lá, cada empresa tem um presidente e eles são separados uns dos outros sob um Guarda-chuva da Microsoft. Eles me contrataram em 2012 para ajudá-los a criar uma identidade para o Windows porque eles estavam prestes a lançar o Windows 8. Mas realmente a razão pela qual eles estavam me contratando não era para criar o logotipo do Windows, mas para criar algo que eles chamavam internamente de um sistema de identidade baseado em princípios. Eu nunca uso este termo, mas é uma boa maneira de descrever este trabalho. É a noção de que eles seriam capazes de projetar identidades para todos os seus negócios que de alguma forma se relacionariam uns com os outros, mas não seriam idênticos. Então esse seria o princípio. Que não é apenas desenvolver o kit de peças no sistema, mas uma maneira de pensar sobre como o logotipo deve ser projetado. Acho que esta é a derradeira identidade líquida porque todos estes lugares são diferentes. Agora, se você olhar para o que a Microsoft tinha, eles têm muitos logotipos que só se relacionam um com o outro no fato de que eles são bastante complicados e muitos deles têm gradações. Esses logotipos dizem muito sobre a organização. Se você comparar a estrutura de identidade da Microsoft com a da Apple, na Apple eles têm um logotipo, eles usam preto e branco, eles usam fotografia em preto e branco e eles nomeiam tudo da mesma maneira. Você pode ter um iPad, um iPhone, qualquer que seja um sistema. Na Microsoft a empresa não é monolítica como a Apple, é estruturada de uma forma muito diversificada e esta foi a diferença entre Bill Gates e Steve Jobs. Bill Gates acredita que os engenheiros eram mais criativos se eles pudessem ter muito controle de suas áreas e eles iriam desenvolver uma inovação no sistema de software, e na verdade ele realmente funcionou para a Microsoft e trabalhou por muito tempo tempo. Mas o que aconteceu foi que todos os engenheiros que controlavam cada uma dessas áreas não eram realmente diretores de marketing e eles inventariam um novo logotipo para o que estava acontecendo e eles procuram por coisas que eles pensavam que tinham muita personalidade ou pode ter parecido com capas de discos ou algo assim. Nenhum dos vários produtos relacionados uns com os outros se você alinhá-los backup, portanto, eles têm algo que se parece com este sistema aqui que está no sistema. Então, com o passar dos anos e a empresa cresce, eles descobrem que precisam obter o crédito para cada empresa. Em outras palavras, a Microsoft faz o Windows, mas também faz o Xbox. Por que alguém não saberia que a Microsoft fabrica ambos os produtos? Isso é realmente uma falha no marketing e na publicidade porque ambos os produtos são gigantes e a Microsoft deve obter o crédito ambos. Assim, projetar uma identidade compreensível para o público é muito, muito necessário para grandes corporações exatamente como é para pequenas empresas e instituições. É a forma como você é entendido. Então, meu trabalho era descobrir qual é a maneira de unir essas coisas diversas? Uma coisa lógica a fazer seria tentar pegar os logotipos como eles existem e desenhá-los no mesmo estilo, mas na verdade não é suficiente criar uma base para pensar sobre os logotipos que seriam projetados no futuro. Comecei examinando o logotipo do Windows. Agora, o Windows tinha feito um software que era muito plano, muito baseado no design gráfico Classic International Style e realmente tinha muito pouco a ver com esta marca Windows. Eu não consegui entender essa marca de Windows quando eu vi porque ele quebrou as janelas em quatro painéis coloridos diferentes que sob uma investigação mais aprofundada descobri que as quatro cores não significavam nada, elas não representavam partes diferentes da hierarquia do Windows, eles não representavam divisões diferentes, as coisas que você esperaria que representasse não. Em seguida, havia algumas coisas que eram muito estranhamente estilísticas sobre o logotipo. Olhei para a história de todos os logotipos do Windows e descobri que o primeiro logotipo era apenas uma janela que era plana. Em seguida, a janela começou o mapeamento de bits, por isso representava digitalização que parecia muito extrema nos anos 90 e tola agora. Olhei para este logotipo e parece que a janela está dobrada, tem dimensão. Então, esses painéis são bem grossos naquela janela, e por que está acenando como uma bandeira? Parecia uma coisa muito estranha. Quero dizer, o nome deles é Windows, por que eles são uma bandeira? Então eu percebi que provavelmente ele foi originalmente projetado como uma janela plana, mas alguém na reunião disse bem que parece que ele não tem qualquer movimento que parece estática porque isso é os comentários que as pessoas fazem quando eles estão olhando para um logo eles pensam, por que isso está apenas deitado lá em um pedaço de papel? Bem, é porque ele está deitado em um pedaço de papel, não é uma animação. O que é diferente agora entre o momento este logotipo é projetado é que nada em um computador é estático, tudo pode estar sempre em movimento. Então não há razão para desenhar algo que está se movendo quando você pode realmente fazê-lo se mover. Então isso parece bobagem. Então, a outra coisa que eu tentei entender estava bem, eu entendo por que eles fizeram parecer que estava em movimento, mas por que não de frente? Por que é inclinado desta forma engraçada com sombras? Eu pensei que o que eles queriam dizer era realmente isso. Que o que eles queriam ser era uma janela em perspectiva, mas eles ficaram obcecados em curvá-la, então ele perdeu sua perspectiva. Apercebi-me quando eu estava a olhar para este logótipo do Windows e apenas tentar descobrir o futuro do que esta coisa poderia ser contra o seu passado, percebi que todos os produtos da Microsoft eram essencialmente diferentes da Apple em que eles fizeram ferramentas pelas quais um indivíduo se desenvolve. Onde a Apple faz objetos de desejo. Na verdade, o software da Microsoft é incluído na maioria dos produtos Apple e a maioria das pessoas não pensa nisso. Assim, os designers que trabalham com Macs não percebem que metade do tempo quando estão saindo do PowerPoint ou configurando o Excel lá trabalhando com a Microsoft, eles pensam que têm um produto Apple, na verdade é o invólucro que é a Apple. Então, parecia que eles realmente poderiam possuir uma perspectiva como um grito de reunião para o que eles eram sobre e que também era uma maneira muito agradável e definível para eles pensarem sobre como criar seus logotipos. Então, eu tive que demonstrar a eles por que eles não tinham que fazer um logotipo que parecia que ele estava em movimento porque ele estaria em movimento. Fizemos uma pequena palestra sobre matemática e sobre perspetiva e desenho de perspectiva, e eu os levei de volta a um gráfico de perspectiva antigo. Se você desenhar uma perspectiva no computador, ele realmente não se parece com perspectiva, parece que é estendido. Porque é assim que o computador cria perspectiva, mas se você fizer isso em estilo de desenho prospectivo de alguma forma parece puro porque é baseado no quadrado. Nós argumentamos que o centro da praça era de fato o logotipo da Microsoft e que todos os produtos emanavam da praça. Para que o logotipo do Windows viesse do ponto central e o acesso às barras das janelas seria desenhado contra o gráfico de perspectiva, realmente um quadrado que foi mostrado em perspectiva, que é o que fez o logotipo e porque na tela você não tem que se preocupar este é um logotipo do Windows. Esse é um logotipo do Windows, todos os logotipos do Windows. Que você pode ver através dele, que eles seriam capazes de projetar publicidade através dele, é Windows. Que você pode ver imagens através dele, então você cria anúncios com ele etc Esta é uma base para como eles começaram a desenvolver suas imagens. Este é o sistema e isso é o que nós vendemos, e nós demos a eles o gráfico, nós saímos e outras agências durante um período de tempo colocamos em produtos e projetamos outros ícones diretamente do sistema. Estas são empresas da Microsoft. Então é assim que uma identidade líquida funciona e é assim que funciona uma identidade baseada em princípios.