O que torna uma obra de ficção eficaz? Há muitas maneiras de responder a isso, mas a verossimilhança, ou acreditabilidade, tende a contar muito.

Mesmo na ficção científica e na fantasia, um autor precisa ser capaz de criar um mundo que pareça plausível para seus leitores. Isso nem sempre significa que não existem elementos mágicos ou sobrenaturais, mas sim, que os elementos da história se encaixam de uma forma que faz sentido.

Pode ser uma palavra complicada de dizer, mas a verossimilhança é um conceito simples na prática. Aqui está o que você precisa saber sobre isso, incluindo uma rápida definição de verossimilhança e alguns de nossos exemplos favoritos de verossimilhança em livros e filmes.

Links rápidos

O que é verossimilhança?

Verossimilhança se refere à qualidade do realismo na escrita de ficção. Aplica-se aos personagens, situações e cenários que o autor criou e é uma parte importante da construção do mundo e da continuidade da narrativa. A palavra vem do latim “verum” (verdade) e “similis” (semelhante), com raízes conceituais no drama grego e na poesia heróica italiana.

Em muitos casos, a verossimilhança pode não ser algo a que prestamos atenção, a menos que esteja faltando. É difícil manter o engajamento em uma história sem acreditabilidade, e pode ser uma experiência frustrante se encontrar constantemente distraído por detalhes fora da realidade. Da mesma forma, se você está escrevendo, é seu trabalho garantir a verossimilhança, é algo a que você deve ter uma atenção constante enquanto trabalha em sua obra.

Quais são os tipos de verossimilhança?

Há dois tipos de verossimilhança: cultural e genérica.

  • A verossimilhança cultural é a acreditabilidade no contexto do mundo real (ou seja, nosso mundo)
  • A verossimilhança genérica é a acreditabilidade no contexto de um mundo ficcional (ou seja, o mundo dos personagens)

Alguns gêneros de ficção, como o realismo mágico, terão elementos de ambos. Outros entrarão claramente num campo ou no outro. Em ambos os casos, o objetivo é estabelecer e manter um padrão de realismo com o qual todos os detalhes dentro da história estão de acordo.

Qual é a diferença entre o realismo e a verossimilhança?

Realismo é o que, de fato, é real, enquanto a verossimilhança é a aparência de realidade. Dito de outra forma, o realismo existe fora da ficção, pois são as regras, as leis e os conceitos que governam nosso universo atual. Por outro lado, a verossimilhança, existe apenas na ficção. É a probabilidade de que o que estamos lendo ou vendo possa realmente acontecer, caso ocorra em nosso universo ou no universo estabelecido pelo autor.

Elaboração de personagens realistas

Escrita de ficções autênticas: como construir um personagem confiável

Verossimilhança na literatura e em filmes

Olhar exemplos de verossimilhança é uma boa maneira de ter uma ideia de como ela realmente funciona. E, felizmente, há muitos exemplos a serem mencionados, particularmente em livros e filmes populares.

Exemplos de verossimilhança na literatura

A verossimilhança é um dispositivo literário essencial em tudo, da ficção científica à poesia, e deve estar presente no diálogo, nas interações entre personagens, no cenário e na trama. Mais uma vez, estes elementos podem ser fiéis ao mundo real ou ao mundo fictício criado pelo autor, mas devem permanecer consistentes com base nas regras estabelecidas.

As Vinhas da Ira de John Steinbeck

Os personagens de Steinbeck em As Vinhas da Ira existem nas construções sociais e nos limites da Grande Depressão. A vida dos agricultores migrantes e suas famílias, assim como as descrições de pobreza, tudo isso soa fiel ao que sabemos sobre este período — às vezes até um grau doloroso. É tão realista que até hoje, o romance é frequentemente empregado para ensinar sobre a Grande Depressão, e Steinbeck ganhou tanto um Prêmio Pulitzer quanto um Prêmio Nacional do Livro com base neste ponto forte.

Drácula de Bram Stoker

Realismo provavelmente não é a primeira coisa que vem à mente quando se pensa em Drácula, mas o romance de terror gótico, de Stoker, é uma aula magistral na junção da verossimilhança cultural e genérica. O Conde Drácula é um personagem obviamente imaginário, mas ele existe em uma descrição fiel à forma da Inglaterra vitoriana. É essa justaposição que torna o livro especialmente assustador, uma vez que as ações malignas de Drácula afetam pessoas que, na época, os leitores teriam visto como sendo iguais a eles mesmos.

Exemplos de verossimilhança em filmes

Como na literatura, a verossimilhança é a chave para um filme de sucesso, e é difícil (se não impossível) fazer uma forte conexão com o público sem ela. Mesmo quando os personagens agem de formas com as quais o público pode não concordar, o efeito geral ainda deve ser plausível, e tudo deve fazer sentido como parte de uma história maior.

Gladiador

Este filme épico se baseia muito pouco na vida real, contudo, embora os acontecimentos não tenham se desdobrado como a história nos conta, eles certamente poderiam ter acontecido. O Gladiador apresenta descrições precisas de coisas que realmente aconteceram (a Batalha do Danúbio, por exemplo, e as arenas de gladiadores de Roma), bem como pessoas que realmente existiram (como o Cômodo e Marco Aurélio). Nas áreas em que se desvia do que conhecemos, isso é feito de uma forma que se mantém fiel à época e ao cenário, e que faz sentido no contexto do filme.

Jurassic Park

Um casal de cientistas brilhantes poderia clonar dinossauros com base em um DNA antigo e em nossas capacidades tecnológicas atuais? Não. Mas eles poderiam fazer isso com as leis da ciência estabelecidas em Jurassic Park? Absolutamente. O filme, baseado no romance de Michael Crichton, é rico em verossimilhança. Embora a premissa em si seja improvável, como espectadores, não temos dúvidas enquanto assistimos ao desdobramento dos eventos. Isso diz respeito à qualidade da construção do mundo e à atenção aos detalhes pseudocientíficos e, consequentemente, faz com que um filme seja muito mais divertido do que poderia ter sido se não houvesse tanto esforço para fazer o impossível parecer possível.

Como incorporar verossimilhança em sua escrita

Ao criar ficção, você deve estar sempre buscando a verossimilhança, tanto no quadro geral quanto nos mínimos detalhes. Aqui estão algumas maneiras de fazer isso acontecer.

  • Defina regras claras. Seja categórico nas regras em que você baseia o mundo fictício ao redor da história. Não há problema se realismo em sua história significa que o sol nasce no oeste e se põe no leste ao invés do contrário, mas para haver uma plausibilidade contínua, você precisará deixar isso claro para seu público e manter isso em toda a sua história.
  • Forneça muitos detalhes. Detalhes conferem profundidade e realismo às situações. Use detalhes sensoriais ao descrever os ambientes (não apenas o visual, mas também cheiros, sons etc.), e inclua detalhes expositivos que ajudam a realçar o realismo de seus personagens (por exemplo, faça um personagem dizer “perdão” depois de esbarrar acidentalmente em alguém, em vez de apenas seguir seu caminho).
  • Verificação de fatos. Se você não tem certeza se algo é fiel à realidade, reserve um tempo para verificar, em vez de apenas assumir que vai dar certo. Esta é uma boa prática tanto para a verossimilhança cultural quanto genérica e uma tarefa necessária para garantir a consistência em sua abordagem.

Da próxima vez que você estiver se dedicando a um trabalho de ficção, tente identificar os diferentes elementos que conotam o realismo. Você terá uma melhor noção do que faz uma história de impacto, além de pegar algumas dicas que poderá usar para criar verossimilhança em seu próprio trabalho.   

Quer escrever ótimas histórias?

Introdução à narrativa: personagens, conflitos, contexto e arte